ilustracao-de-livro-aberto-em-uma-mesa-com-barco-e-tesouro-desenhados-saindo-do-livro

Storytelling para todos os gêneros literários

Storytelling significa, literalmente, contar histórias. E, já que há história em tudo o que fazemos, o conceito se aplica a qualquer narrativa: livros, filmes, vídeos, estratégias de marketing, apresentações corporativas, shows de comédia, programas de televisão, propagandas no Instagram e por aí vai.

Independentemente do formato (ou do tamanho da narrativa), sempre é possível contar uma história, mesmo quando o público não percebe a estratégia.

Parece óbvio, mas utilizar essa técnica na construção de livros é fundamental. Em histórias de ficção e biografias o storytelling vem com naturalidade, mas é nos livros técnicos, de autoajuda ou acadêmicos que o conceito se destaca. E é justamente sobre isso que vamos falar neste post!

Storytelling para livros “sem histórias”:

Sabe aquela obra que você leu por obrigação na faculdade ou por conta do trabalho e que tinha tudo pra ser chata, mas surpreendentemente te prendeu até o fim? Pense no que fez com que você mudasse de opinião – a chance de ter sido a condução da narrativa é muito, muito alta!

Exemplo de storytelling:

O livro “Outros jeitos de usar a boca” de Rupi Kaur é um exemplo incrível de uso do storytelling.

A autora dividiu a obra em quatro partes: a dor, o amor, a ruptura e a cura. E a sequência dos textos não é coincidência. Todas as poesias foram organizadas para conduzir o leitor pelo processo de sofrimento-superação. As poesias, claro, fazem sentido se lidas separadamente, mas tudo faz muito mais sentido e fica ainda mais bonito quando lido em sequência.

Como adicionar storytelling aos mais variados tipos de livro?

  • Inspirando-se em Rupi, que tal organizar poemas em uma sequência lógica, seguindo a mesma estratégia que os músicos usam ao definir a ordem de faixas para um álbum?
  • Um livro de crônicas pode ser estruturado em timeline, com conteúdos que formam uma história completa do período em que foram escritas.
  • Obras de desenvolvimento profissional que começam com objetivos e terminam com orientações práticas de como resolver um problema podem ter exemplos do dia a dia, linguagem amigável, tradução de conceitos em situações vividas pelo autor e dicas de como incluir os aprendizados na rotina do leitor. Tudo isso torna o conteúdo muito mais fácil de digerir!

Leia também: 25 livros incríveis escritos por mulheres incríveis

A dica principal para ter sucesso utilizando storytelling é ter uma visão “macro” do que você quer escrever para, em seguida, traçar linhas imaginárias que conectem cada parte. Isso tudo pode ser feito com capítulos, seções e até mesmo uma conclusão no fim da obra! :)

E aí, ficou com alguma dúvida? Conta pra gente nos comentários.

Você também pode se interessar por:

Assine a Nossa Newsletter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *