importancia-de-editar-um-livro

Editar um livro: entenda o que fazer depois de escrever sua obra

Escrever um livro é uma jornada incrível, repleta de criatividade, dedicação e momentos de puro brilhantismo. No entanto, muitos escritores se veem num impasse ao chegar ao final desta jornada. A última palavra foi escrita, o ponto final colocado, mas o que vem a seguir? A verdade é que escrever o manuscrito é apenas o começo de uma nova fase igualmente desafiadora e vital: a edição. Sim, é preciso editar um livro antes de publicá-lo.

A edição é um processo essencial que transforma um manuscrito bruto em uma obra literária polida, pronta para ser apresentada aos leitores. Este processo vai muito além da simples correção gramatical. Envolve uma análise detalhada de todos os aspectos do texto, desde a coesão e consistência da trama até a profundidade e autenticidade dos personagens. A edição é onde a arte da escrita encontra o ofício de aperfeiçoar, uma etapa que exige tanto cuidado e atenção quanto a própria escrita.

Nesta introdução, apresentamos brevemente a importância de se editar um livro, para que a experiência do leitor seja a melhor possível. Neste texto, exploraremos o que fazer após a conclusão do seu manuscrito

Discutiremos como realizar uma revisão inicial eficaz, a importância do feedback dos leitores beta e o papel crucial de um editor profissional. Também abordaremos aspectos técnicos como layout e design de capa, além de oferecer orientações para a preparação final do seu livro para publicação.

Se você é um escritor iniciante ou já tem experiência, entender o processo de edição é fundamental para o sucesso da sua obra. A edição não só melhora a qualidade do seu livro, mas também é uma oportunidade de aprendizado e crescimento como escritor. Então, vamos mergulhar juntos nesta jornada pós-escrita. Preparado(a)? Boa leitura!

Por que revisar e editar um livro?

Revisar e editar um livro são etapas fundamentais no processo de transformação de um manuscrito bruto em uma obra pronta para publicação, e há várias razões pelas quais esses passos são tão importantes:

  • Melhoria da qualidade do conteúdo: a revisão e a edição permitem refinar a trama, aprofundar o desenvolvimento dos personagens, aprimorar o diálogo e garantir que a narrativa flua de maneira lógica e envolvente. 
  • Correção de erros e inconsistências: mesmo os escritores mais experientes podem cometer erros ou criar inconsistências em seus rascunhos iniciais. A edição ajuda a identificar e corrigir esses problemas, desde erros gramaticais e de pontuação até falhas na continuidade da trama.
  • Profissionalismo e credibilidade: um livro bem editado reflete o profissionalismo do autor. Erros de gramática, ortografia ou estilo podem distrair o leitor e diminuir a credibilidade da obra. A edição assegura que o livro atenda a um padrão de qualidade profissional, o que é crucial para ganhar a confiança e o respeito dos leitores e críticos.
  • Adequação ao mercado e ao público-alvo: Um editor experiente pode oferecer insights sobre as tendências do mercado literário e ajudar a adequar o livro ao público-alvo desejado. Isso inclui ajustes no tom, estilo e até na estrutura do livro, para que ele ressoe melhor com seus leitores potenciais.
  • Aprimoramento da voz do autor: a edição não é apenas sobre corrigir erros, mas também sobre aprimorar e refinar a voz única do autor. Um bom editor sabe como melhorar o texto sem comprometer a voz e o estilo que são exclusivos de cada escritor.

Esses processos transformam um bom manuscrito em uma grande obra, pronta para capturar a imaginação e os corações dos leitores. Agora, aprimoraremos quais são as etapas cruciais para a edição de um livro.

Distanciamento da obra e revisão inicial

Terminar de escrever um livro é uma enorme conquista para os autores, mas é apenas o começo do processo de trazer sua obra ao mundo. Dentre as várias etapas para editar um livro para a publicação, é crucial se distanciar um pouco do texto. Este intervalo pode variar de autor para autor e serve para limpar sua mente, permitindo que você retorne ao manuscrito com um olhar fresco e imparcial.

Quando você retomar o manuscrito, faça-o com a mentalidade de um leitor crítico. Esta é a fase de autocorreção e autocrítica, onde você deve procurar por inconsistências na trama, desenvolvimento de personagens, e a fluidez do texto. Questione-se sobre cada elemento da história: os personagens são bem desenvolvidos e suas motivações são claras? Existem buracos na trama ou eventos que não se encaixam logicamente? O ritmo da narrativa mantém o leitor engajado? Esta etapa é sobre ver o quadro geral e ajustar os elementos-chave da sua história para que ela seja coesa e cativante.

Também preste atenção na linguagem e no estilo. O estilo de escrita é consistente em todo o livro? O uso da linguagem é apropriado para o público-alvo? Embora a edição de cópia detalhada geralmente ocorra mais tarde, com um editor profissional, identificar e corrigir problemas óbvios de gramática e estilo nesta fase pode facilitar as etapas subsequentes de edição.

Feedbacks de leitores beta

Após a autocorreção e autocrítica do manuscrito cru, é hora de buscar opiniões externas. Os leitores beta são pessoas que leem seu manuscrito antes da publicação para dar feedbacks sinceros. Eles podem ser amigos, familiares ou até mesmo membros de comunidades de escritores online, se puderem oferecer críticas construtivas e honestas. 

No mercado editorial, existem também os leitores críticos e sensíveis. O leitor crítico, geralmente um profissional capacitado, pontuará todos os pontos de melhorias possíveis. Já o leitor sensível analisará obras que falam relações homoafetivas, racismo e outros assuntos e aspectos sociais relevantes, que devem ser tratados da maneira correta. Diferentemente dos leitores beta, os leitores críticos e sensíveis cobram pelo serviço de revisão.

A escolha dos leitores beta é crucial. Idealmente, eles devem representar seu público-alvo e conseguir dar feedback específico e útil. Por exemplo, se você está escrevendo um romance de ficção científica, um leitor beta que seja fã do gênero pode oferecer insights valiosos sobre a verissimilhança e originalidade do seu mundo fictício. No entanto, não se prenda a isso, caso não tenha um leitor beta disponível específico para o seu tema. 

Quando receber o feedback, mantenha a mente aberta. Nem todas as sugestões precisam ser aceitas, mas é importante considerar cada uma delas cuidadosamente. Alguns pontos comuns a observar incluem confusão em relação à trama, personagens que não ressonam com os leitores, ou partes do livro que parecem lentas ou desnecessárias. Use este feedback para aprimorar seu manuscrito, fortalecendo áreas fracas e clarificando quaisquer pontos confusos.

Lembre-se, a revisão inicial e o feedback dos leitores beta são etapas fundamentais no processo de transformar seu manuscrito em um livro pronto para conquistar os leitores. Encare essas etapas não como uma tarefa árdua, mas como uma oportunidade emocionante de aprimorar e polir sua obra.

Revisão profissional

Após a autocorreção e o feedback dos leitores beta, é hora de considerar uma etapa crucial: a revisão profissional. Um editor profissional traz um olhar experiente e imparcial, crucial para identificar problemas que você ou seus leitores beta podem ter perdido (problema que, na realidade, nem são de responsabilidade do leitor beta). Eles não apenas ajudam a melhorar a gramática e a ortografia, mas também podem aprimoram a estrutura, o ritmo e a coesão da narrativa.

Há diferentes tipos de edição, e é importante escolher o serviço adequado para as necessidades do seu livro:

  • Edição de Conteúdo: Foca na estrutura, no desenvolvimento de personagens, na trama e no ritmo do livro. É ideal para garantir que a história seja envolvente e bem estruturada. Este profissional é chamado de “copidesque” e pode fazer esta tarefa juntamente com a edição textual (próximo tópico).
  • Edição Textual: Concentra-se na correção gramatical, pontuação, uso de palavras e consistência interna. É essencial para assegurar que o texto seja claro e livre de erros. A edição textual, exclusivamente, não faz sugestões e mudanças na estrutura narrativa (esta é uma atividade do copidesque, explicado acima).
  • Prova de Leitura: A última revisão antes da publicação, focando em capturar pequenos erros que passaram pelas etapas anteriores.

Escolher o editor certo é um passo fundamental. Procure por profissionais com experiência no seu gênero e solicite amostras de seu trabalho ou referências. Uma boa relação entre autor e editor é baseada na comunicação clara e no respeito mútuo pelo trabalho um do outro.

O Clube de Autores possui uma plataforma para contratação de revisores e outros profissionais. Acesse o site do Profissionais do Livro: https://profissionaisdolivro.com.br/ e conheça mais sobre os serviços oferecidos.

Reescritas e o trabalho colaborativo

Trabalhar com um editor é um processo colaborativo. Esteja preparado para revisões e reescritas, as quais são parte integral da moldagem final do seu livro. O objetivo não é apenas corrigir erros, mas também aprimorar a qualidade narrativa do seu trabalho.

Durante este processo, é importante manter a essência da sua voz e visão como autor. Um bom editor sugere melhorias sem alterar o tom único do seu trabalho, respeitando a singularidade de cada escritor. Este é um equilíbrio delicado – ser receptivo a feedbacks construtivos, mas também defender aspectos do seu livro fundamentais para a sua visão.

As revisões podem variar de mudanças menores, como ajustes de diálogos ou descrições, a grandes alterações, como reestruturar capítulos ou revisar arcos de personagens. Seja aberto a estas mudanças, mas também confie em seu instinto como escritor. O objetivo é um livro que não só atenda aos padrões profissionais de qualidade, mas também permaneça fiel à história que você quer contar.

Este estágio de edição é um diálogo contínuo entre você e seu editor, um processo que pode ser tão desafiador quanto gratificante. Encare cada rodada de revisões como uma oportunidade para aprender e crescer como escritor. No final, você terá um livro que não só é polido e profissional, mas também um reflexo verdadeiro de sua habilidade e criatividade como autor.

Esse processo construtivo de colaboração pode, inclusive, demorar mais para ser concluído que a escrita do manuscrito em si. Mas não se preocupe e procure não ficar ansioso para publicar o livro. Lembre-se que quão maior for o seu cuidado com a edição e preparação do livro, melhor será a entrega e experiência de leitura.


Que tal conhecer o nosso simulador de publicação? Basta clicar AQUI para dar partida no sonho do livro publicado.


Diagramação e design de capa

Uma vez que o texto esteja editado e refinado, o próximo passo é focar no layout e no design de capa do livro. Estes elementos são cruciais, por serem o primeiro ponto de contato entre o seu livro e os leitores. Um design atraente e profissional pode significativamente aumentar o interesse e as vendas.

O design interno do livro também merece atenção especial. Isso inclui a escolha da fonte, o espaçamento entre linhas, as margens e o cabeçalho. Cada escolha deve ser feita pensando na legibilidade e no conforto do leitor. Gêneros diferentes podem requerer estilos diferentes; por exemplo, um livro infantil pode ter um layout mais colorido e dinâmico, enquanto um romance literário pode preferir um design mais clássico e discreto.

Quanto ao design de capa, ele deve capturar a essência do livro de forma visual e atraente. A capa deve se destacar, mas também ser fiel ao conteúdo do livro. Você pode contratar um designer profissional, usar templates pré-desenhados ou até mesmo criar sua própria capa, se tiver habilidade para isso. Lembre-se, a capa é frequentemente o que chama a atenção dos leitores em uma livraria ou online, então ela deve ser impactante.

O design interno de um livro não é necessariamente feito pelo mesmo profissional criador da capa. São atividades executadas por designers gráficos e/ou ilustradores, mas com habilidades e especializações diferentes. A diagramação do livro (design interno) deve, preferencialmente, estar bastante alinhado com a proposta da capa. E caso estas atividades sejam executadas por diferentes profissionais, cabe ao autor independente intermediar a execução dessas etapas de edição do livro.

Preparação para a publicação

Finalmente, com o manuscrito editado e o design concluído, chega o momento de publicar o seu livro. Aqui, você terá uma grande decisão a tomar: buscar uma editora ou optar pela autopublicação.

Se escolher buscar uma editora tradicional, prepare um pacote de submissão que geralmente inclui uma carta de apresentação, um resumo do livro e, em alguns casos, os primeiros capítulos. Pesquise editoras que publicam livros do seu gênero e siga suas diretrizes de submissão cuidadosamente. Este caminho é mais demorado, desafiador e, geralmente, frustrante, tendo em vista que pouquíssimas obras são publicadas neste formato.

Para quem optar pela autopublicação, as opções são vastas. Plataformas como Amazon Kindle Direct Publishing, Google Play Books, Scribd, Skeelo e outras permitem que você publique seu livro em formato digital. A autopublicação oferece maior controle criativo e de marketing, mas também exige que você gerencie todos os aspectos da publicação, da impressão à distribuição e promoção.

No entanto, a melhor opção para os autores independentes que optarem pela autopublicação é o Clube de Autores. Além das plataformas citadas acima, publicando o livro no Clube, a obra ficará disponível para venda em diversas outras plataformas. Outro diferencial é a impressão sob demanda, tecnologia que viabiliza e democratiza a publicação literária.

A publicação é a fase final de um processo longo e gratificante, marcando a transição do seu trabalho de um manuscrito para um livro publicado, pronto para ser descoberto e apreciado pelos leitores.

Cada etapa deste processo é uma oportunidade para crescer e aprimorar sua obra. A jornada de publicação de um livro é tanto sobre criar uma narrativa envolvente quanto sobre apresentá-la ao mundo da maneira mais profissional e atraente possível. 

Registros necessários: ISBN e ficha catalográfica

É fundamental abordar a importância do registro do ISBN e da criação da ficha catalográfica, dois elementos-chave no processo de publicação profissional de um livro.

Registro do ISBN:

O ISBN (International Standard Book Number) é um identificador único para livros, destinado a facilitar a sua catalogação e comercialização. A obtenção de um ISBN é um passo crucial para qualquer autor que deseja publicar e vender seus livros, principalmente nas livrarias físicas. Este número não apenas ajuda as livrarias e bibliotecas a organizar e rastrear seu livro, mas também é essencial para a venda em divresas plataformas.

Para obter um ISBN, o autor pode contratar junto À CBL-Câmara Brasileira do Livro, ou aqui no Clube de Autores, durante o processo de publicação. 

O ISBN é único para cada versão do seu livro – ou seja, edições diferentes, como capa dura, brochura ou e-book, cada uma requer seu próprio ISBN. Este número é geralmente impresso na contracapa do livro, em forma de código de barras, facilitando assim a sua comercialização e distribuição.

Criação da Ficha Catalográfica:

A ficha catalográfica é outra parte importante do processo de publicação. Ela contém informações essenciais sobre o livro, como título, autor, editora, assunto, e é normalmente encontrada nas páginas iniciais do livro. 

A ficha catalográfica é especialmente importante para bibliotecas, por facilitar a classificação e o arquivamento do livro em seus sistemas. Para criar uma ficha catalográfica, é recomendável também contratar via CBL-Câmara Brasileira do Livro. Lembrando que apenas um bibliotecário profissional pode criar a ficha catalográfica,  pois saberá como classificar corretamente o livro segundo as normas bibliográficas.

A obtenção do ISBN e a criação da ficha catalográfica são etapas que conferem legitimidade e profissionalismo ao seu livro. Eles não apenas facilitam a distribuição e venda do livro em diferentes canais, mas também asseguram que sua obra seja tratada com o respeito e a seriedade que merece no mundo literário. Portanto, embora possam parecer apenas detalhes técnicos, são fundamentais para qualquer autor que busca não apenas publicar seu trabalho, mas também estabelecê-lo profissionalmente no mercado editorial.

Conclusão: a importância de se editar um livro

Chegamos ao final deste artigo sobre o que fazer após a escrita de um livro, abarcando desde a revisão inicial até a preparação para a publicação, incluindo o registro do ISBN e a criação da ficha catalográfica. Este percurso, embora muitas vezes desafiador, é essencial para transformar um manuscrito em uma obra pronta para encontrar seu lugar no mundo.

A edição é muito mais do que um mero ajuste no texto; é uma jornada onde cada palavra e cada frase são ponderadas para garantir que o livro não só atenda aos padrões literários mais elevados, mas também ressoe com os leitores. Através da revisão profissional, do design cuidadoso e das considerações técnicas, seu livro ganha a forma e a substância necessárias para se destacar no mercado literário que é tão competitivo.

Publique no Clube de Autores

A jornada de transformar seu manuscrito em um livro publicado é desafiadora, mas incrivelmente recompensadora. Cada passo dado, cada decisão tomada, leva você mais perto de compartilhar sua história com o mundo. E que tal conhecer nossa plataforma?

O Clube de Autores é a maior plataforma de autopublicação para autores de língua portuguesa em todo o mundo. Junte-se à nossa comunidade, que já conta com mais de 65 mil autores e mais de 100 mil livros publicados. Isso representa mais de 20% de todos os livros publicados em língua portuguesa em 2023.

Publique o seu livro conosco gratuitamente clicando AQUI e dê o passo mais importante da sua carreira literária. 

Comente aqui o que achou do texto de hoje e até a próxima leitura.

Um comentário em “Editar um livro: entenda o que fazer depois de escrever sua obra

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *