O escritor persistente e a culpa do mundo

Certa vez, quando estava começando a minha carreira com a Internet, ouvi de um potencial cliente que ele não investiria em marketing digital porque, quando o fizera no passado, não tivera resultado algum. Sua conclusão: o problema estava na Internet, que não funcionava tão bem quanto a mídia costumava alardear.

Achei uma conclusão curiosa: em nenhum momento, afinal, esse empresário cogitara a possibilidade do erro ter sido da sua campanha de marketing, e não da Internet como um todo.

Tempos se passaram, entrei no mercado editorial, mudei de público mas, ainda assim, continuo testemunhando o mesmo tipo de comentário. Dia desses, por exemplo, respondi uma crítica a concursos literários aqui no blog. “Concursos não funcionam: já participei de um monte deles e nunca ganhei nada!”. Fiquei aqui me perguntando: o problema é de 100% dos concursos ou deste um livro que, por algum motivo qualquer, não foi escolhido pelos jurados plurais?

Quem publica um livro e está disposto a batalhar pelo seu lugar ao sol precisa entender, antes de iniciar a empreitada, que não será tarefa fácil. Há leitores em potencial? Sem dúvidas: por mais que o brasileiro não leia tanto quanto um sueco, o tamanho da nossa população, de longe, compensa a equação mercadológica. Mas, ainda assim, há muita, muita obra de qualidade pelo Brasil.

Sim, a sua será mais uma – por mais brilhante que seja. Dificilmente ela será “descoberta” a passe de mágica. Dificilmente ela venderá sozinha, bastando que você a publique e espere os louros. Vou além: dificilmente ela renderá boas críticas, seja de leitores ou literatas, se você não trabalhá-la com o mesmo zelo que um ourives.

Há pre-requisitos, a meu ver, para que um livro tenha sucesso. Ele tem que estar publicado? É óbvio – mas esse é um problema que o Clube já resolveu faz tempo. Ele tem que estar distribuído? Sim, claro – mas basta que esteja na Internet, acessível às dezenas de milhões de consumidores que já migraram seus hábitos de compra de literatura das prateleiras para os navegadores.

Mas há outros. O livro precisa ter uma boa capa: sem ela, ele dificilmente chamará a atenção. Precisa ter uma sinopse bem escrita: ninguém comprará nada sem saber direito o que é. Precisa ter seu português revisado: profusões de erros gramaticais e ortográficos em livros são como suicídios mercadológicos.

Precisa ter ISBN, garantia de distribuição em pelo menos algumas livrarias.

Precisa ter sido lido por algum crítico em quem o autor confie, por alguém que tenha a capacidade de fazer apontamentos fundamentais para melhorar o texto.

Precisa de exposição, de uma campanha de marketing próprio que inclua lançamento, anúncios no Google ou no Facebook, participação em concursos etc. Pode ser que a campanha falhe? Óbvio que sim: não há campanha infalível. Mas é fundamental aprender com os erros, calibrar a dose dos anúncios, ajustar os rumos do próprio marketing. “Mas marketing não é o que sei fazer”, dirão muitos escritores. Pois aprenda. Se quiser ter sucesso neste mercado, não há alternativa.

E ainda há o imponderável: mesmo que faça tudo certo, mesmo que tenha seguido à risca todo o receituário de sucesso, é ainda possível que tudo dê errado. A culpa é do mercado? Não. Afinal, pode ser que os leitores simplesmente não tenham gostado da proposta do seu livro, algo sempre difícil para um escritor aceitar. Aprenda com isso também. Para o próximo.

Com tantos contras, com tantas barreiras de acesso, por que então persistir?

Porque somos escritores. Porque escrever, afinal, é o que faz o nosso sangue pulsar, o que alegra os nossos dias e inspira cada uma das nossas ações.

E, se escrevemos, é porque acreditamos no sucesso dos nossos textos, dos nossos livros. É porque acreditamos que há, nas palavras que costuramos ao papel, algumas lições de sabedoria que o mundo todo precisa saber.

Um escritor é, sobretudo, persistente na busca dos seus leitores. Continuemos assim.

Casos de insucesso sempre existirão – e possivelmente nós mesmos faremos parte de uns ou outros. Mas vestir-se do pessimismo de quem acha que bons resultados são impossíveis só porque uma meia dúzia de experiências pessoais passadas resultou em fracasso, ignorando que tantos outros autores conseguiram alcançar seus públicos, é de um desserviço egoísta totalmente desnecessário.

Se me permitem uma dica de alguém que acompanha, há anos, os destinos de dezenas de milhares de livros publicados aqui no Clube, deixo-a aqui: persista, mas sempre mantendo os olhos abertos. Seja autocrítico e esmere-se em seu livro para que ele seja tão brilhante do lado de fora quanto o é do lado de dentro.

É certeza de sucesso? Não. Mas agir de qualquer outra forma é, sem dúvidas, certeza de fracasso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>