mão-de-pessoa-folheando-livro

O que é epílogo e como escrever um?

O que acontece depois do “felizes para sempre”?
O príncipe encantado continua jovem e bonito? E a princesa, tem filhos ou decide largar o palácio e aventurar-se pelo mundo?

Algumas histórias tornam-se tão especiais que o desfecho da trama não parece suficiente para aceitar seu término. Imaginamos o futuro dos personagens, tentamos entender melhor algo que ficou aberto e ansiamos por algumas linhas a mais para acalmar o coração e seguir em frente.

Tudo isso pode soar bastante exagerado, mas não é atoa que existe um recurso textual justamente para nos dar esse gostinho depois do fim. Saiba mais sobre esse formato! =)

O que é epílogo?

O epílogo é o oposto do prólogo. É a última parte do texto, adicionada ao final da obra para encerrar a narrativa. Trata-se de um recurso utilizado para desfecho, sendo bastante útil quando não é possível deixar todas as pontas amarradinhas no último parágrafo, por exemplo. Também é usado para projetar o futuro dos personagens ou dar voz a um deles, revelando seus sentimentos a partir dos acontecimentos narrados.

Dicas para escrever um epílogo:

  1. Menos é mais: não utilize um epílogo caso sua história tenha sido bem concluída no último capítulo. As vezes, o mistério que fica depois do fim é o que torna a obra tão memorável. No livro “A culpa é das estrelas”, escrito por John Green, não sabemos o que acontece depois da cena final, o que nos leva a especular sobre o futuro de Hazel na luta contra o câncer. E é justamente esse tipo de incerteza que torna a narrativa tão especial, afinal, estamos falando de uma doença imprevisível. Um epílogo com certeza não teria o mesmo efeito.
  2. Planeje o futuro com cuidado: mexer com o futuro é sempre perigoso, inclusive para escritores. Ao projetar acontecimentos que não serão narrados, é preciso tomar muito cuidado, conduzindo os personagens por caminhos possíveis e adequados para os desdobramentos da história. As sagas infantojuvenis Harry Potter, Jogos Vorazes e Crepúsculo são exemplos de projeções bem feitas e (geralmente) aprovadas pelo público.
  3. Fuja do óbvio: a não ser que você esteja escrevendo um conto de fadas para crianças, tente surpreender seus leitores no epílogo. Afinal, se os próximos acontecimentos já forem prevísiveis a partir dos capítulos finais, será que um desfecho é realmente necessário?

Ficou com alguma dúvida? Deixe um comentário abaixo!

Artigos relacionados:

O que é sinopse?
O que significa prefácio?
Saiba como escrever um livro

Assine a Nossa Newsletter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *