Participe do Hangout sobre Produção, Divulgação e Vendas para Autores iniciantes!

Demorou um pouco, é verdade – mas finalmente nosso próximo Hangout já está organizado sob o tema mais pedido pelos autores: produção, divulgação e vendas de livros!

O encontro, gratuito, será amanhã, 02/07, às 20:00. Mais informações podem ser vistas no site http://historia.clubedeautores.com.br/producao_divulgacao_venda

Conheça a nossa programação na FLIP!!!

Como sempre, o Clube estará com uma casa lá na Flip repleta de mesas de bate-papo e com um ambiente perfeito para autores independentes. Também como sempre, faremos de tudo para transmitir os eventos via Web – dependendo, naturalmente, dos Deuses da Internet lá em Paraty. De toda forma, se você estiver por lá, não deixe de nos visitar e conferir diretamente. Nosso endereço é Rua Santa Rita,178 – Centro Histórico de Paraty.

A programação está abaixo:

Dia 02 de julho, quinta-feira

Pela Tarde: 16:30

Título: Panorama Atual do Mercado do Livro no Brasil: crise ou oportunidade?

Conteúdo: Bate-papo sobre o cenário atual do mercado nacional do livro. Venha trocar ideias sobre a situação atual das editoras, distribuidoras e livrarias no Brasil e discutir conosco como este momento pode representar uma oportunidade ao invés de uma ameaça para quem se dispõe a arregaçar as mangas e sair da zona de conforto.

Convidada:
Susanna Florissi – Proprietária da Torre de Babel Idiomas e sócia da Editora Galpão. Com vasta experiência no mercado literário, é Diretora Editora da CBL – Câmara Brasileira do Livro, fez parte da Comissão Organizadora do Prêmio Jabuti, coordenou a Comissão do Livro Digital e, hoje, coordena a Comissão de Valorização da Língua Portuguesa (nome ainda sendo definido) da mesma CBL, entre outras atividades.

Programação Cultural –
Casa do Clube de Autores na FLIP 2015

Dia 03 de julho, sexta-feira

Pela Manhã 10:45

Título: Bate papo sobre o Livro “Resistir em Tempos Difíceis – Um Olhar sobre o Contemporâneo”

Conteúdo: O escritor Antônio Campos conversa com o público presente sobre seu novo livro: Resistir em Tempos Difíceis lançamento da Editora Carpe Diem.

Convidado:
Antonio Campos – Antônio Campos é escritor, advogado e Curador da Festa Literária Internacional de Pernambuco – FLIPORTO.

Pela Tarde: 16:30

Título: Google Play & Google Livros: A experiência do Google no mercado digital.

Conteúdo: Venha conversar com Newton Neto, Strategic Partner Development do Google, sobre o mercado de livros digitais, panorama, perspectivas, tendências e novidades.

Convidado:
Newton Neto – Strategic Partner Development do Google

Programação Cultural –
Casa do Clube de Autores na FLIP 2015

Dia 04 de julho, sábado

Pela Manhã 10:45

Título: Internet – o grande livro em que todos somos personagens. Influências da literatura, do cinema e da Geração Z

Conteúdo: Os melhores livros e filmes são aqueles para os quais conseguimos nos transportar. Imergir na ficção ou nos relatos é o que nos dá o prazer da leitura e o escape das dores do mundo real. Seria então a Internet o “novo” livro da contemporaneidade? O que a literatura contribui para isso e como ela se transforma com as possibilidades da grande rede? Que geração é esta de leitores atuais? Geração Z? De “zapear” ou de “zumbi”? Novo ser humano? Homo Fractalis???

Convidado:
Mário Roberto de Souza Lima – Graduações em Informática e em Letras (português e espanhol). Pós-graduação em Gestão de Pessoas. Trabalho com informática e gestão na Marinha do Brasil. Livros publicados pelo CDA: Aquarela Fluvial (crônicas), Poemas Insones (poesia) e Casos e Descasos de Sala de Aula (relatos, análises e sugestões). Principais áreas de interesse: literatura, cinema, séries, informática, filosofia, psicologia e divulgação científica.

Pela Tarde: 16:30

Título: Produção e Consumo Literário na Era do Mundo Digital.

Conteúdo: Venha discutir como o universo de novas plataformas digitais vêm afetando a formação do mercado literário, a disseminação de conteúdo, bem como a própria produção literária como arte.

Convidados:
André Palme – Apaixonado pela leitura digital e pelas possibilidades deste universo. Iniciou seu contato profissional com ebooks em 2013. Responsável pela entrada no mercado digital da Editora DSOP. Palestrante na Feira de Frankfurt 2014, além da participação em diversas feiras nacionais e internacionais. Hoje está à frente d’O Fiel Carteiro, uma editora 100% digital que possui 145 ebooks publicados e está presente em modelos inovadores de leitura. Responsável pelo projeto que publicou o primeiro ebook de um reality show brasileiro, em parceria com o SBT. Membro da Comissão do Livro Digital da Câmara Brasileira do Livro.

Eduardo Albano – CO-FUNDADOR e Diretor de Relacionamento com Editoras e Autores do UBOOK, primeira multiplataforma brasileira de assinatura de audiolivros, com mais de 1000 títulos no catálogo, e que está revolucionando a forma como o público consome conteúdo. Atuou por mais de 10 anos no mercado de Tecnologia da Informação, sendo executivo das áreas de internet de grandes veículos de comunicação como: TVJB, Jornal do Brasil Online, Gazeta Mercantil Online.

Uma visão de futuro a partir dos idiomas mais falados do mundo

Recentemente, o jornalista Alberto Lucas Lopez montou um “mapa-mundi” baseado não em fronteiras geográficas, mas sim no alcance das línguas nativas. Não dá para dizer que foi tarefa fácil: há, afinal, 7.102 línguas diferentes faladas por uma população de 7,2 bilhões.

Os dados abaixo referem-se a uma parcela de 6,3 bilhões, sendo que 4,1 bilhões falam um dos 23 idiomas mais comuns (60% deles orientais).

Três dados curiosos saem dessa análise:

1) O mundo é muito mais oriental que ocidental, principalmente se colocarmos na balança os outros idiomas fora da lista dos “top 23″. Em uma estimativa simples, dá para considerar que algo entre 70% e 75% são “do lado de lá do mundo”.

2) Idioma oficial reflete mais o passado que o futuro: afinal, ele é resultado de uma soma de séculos de hábitos, conquistas, imposições e embasamentos culturais. O gráfico traz, em menos destaque, os idiomas mais aprendidos mundo afora. Dos 7 principais, apenas 2 são orientais: o chinês e o japonês, ocupando, respectivamente, terceiro e sétimo lugares. O inglês é indiscutivelmente dominante, com 1,5 bilhão de estudantes. Mas mesmo traçando um outro comparativo, há mais de 2 vezes mais pessoas aprendendo francês (82 milhões) do que a soma dos diferentes dialetos que podemos considerar como chinês (30 milhões).

3) O português tem uma relevância grande no cenário mundial – mas em grande parte por conta do tamanho da nossa população. Do ponto de vista de volume de estrangeiros interessados em aprender nosso idioma (e, por consequência, nossa cultura), estamos quase no ostracismo.

O que isso nos diz?

Que a crença quase cega que temos de que o futuro pertence à China e que o ocidente está em uma espécie de processo de neo-colonização por eles não encontra respaldo cultural prático nas estatísticas. O chinês é um idioma importantíssimo? Óbvio que sim – mas em muito por conta da globalização que, subitamente, colocou um mercado de mais de um bilhão de pessoas no horizonte do Ocidente.

Mas, se um idioma é a principal arma de dominação cultural, então esse infográfico deixa claro que o futuro pertence muito mais a países de língua inglesa – principalmente os Estados Unidos – do que qualquer outro.

E que nós, aos poucos, estamos sendo deixados de lado. Que triste.

O Museu da Língua Portuguesa é dos novos poetas!

Tem alguma coisa programada para os próximos dias? Caso contrário – e se estiver pelas ruas de São Paulo – indicamos um programa perfeito: uma visita ao Museu da Língua Portuguesa.

Sempre considerei esse museu como uma espécie de lar do nosso belíssimo idioma, mas a exposição que eles organizaram e que está aberta desde o último dia 23 o fez crescer ainda mais em relevância. Sendo direto: as suas portas foram abertas para 500 poetas, inclusive (e principalmente) os independentes como, mostrando como se tem construído arte a partir do português.

Para facilitar, colarei o release inteiro do evento aqui no post – mas já reforço a indicação para que quem puder, programe uma visita urgente!

O Museu da Língua Portuguesa, Instituição da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, que já foi palco de exposições de nomes consagrados da Literatura, como Clarice Lispector, Machado de Assis e Guimarães Rosa, abre suas portas para receber quase 500 poetas. De autores célebres aos ainda não publicados, eles estarão na Exposição Poesia Agora, que será inaugurada oficialmente no dia 22 de junho – com abertura ao público no dia seguinte.

“É a primeira vez que abrimos espaço para autores talentosos e geniais, mas ainda não consagrados. Assim, o Museu se aproxima de uma produção poética e literária contemporânea, produzida pelas ruas das cidades, onde a nossa língua evolui e se transforma”, afirma Antonio Carlos Sartini, Diretor do Museu da Língua Portuguesa.

Com patrocínio dos Correios, realização da Secretaria de Estado da Cultura e do IDBrasil Cultura, Educação e Esporte, que administra o Museu da Língua Portuguesa, Poesia Agora tem curadoria do escritor e editor literário Lucas Viriato, coordenação artística de Domingos Guimaraens e Yassu Noguchi, e cenografia assinada por André Cortez.

“É muito significativo que o Museu da Língua Portuguesa abra uma exposição voltada à produção contemporânea. Com sua abordagem sempre voltada a promover novas experiências e vivências aos visitantes, o Museu tem o potencial de cativar o público para a poesia da atualidade, aproximando-o da linguagem e dos novos autores de uma forma única”, afirma o secretário de Estado da Cultura, Marcelo Mattos Araujo.

MUSEU DA LÍNGUA PORTUGUESA

Endereço: Praça da Luz s/n; tel.: (11) 3322-0080

Horário: de terça a domingo, das 10h às 18h (a bilheteria fecha às 17h). Fechado às segundas. Ingressos: R$ 6 e R$ 3 (meia entrada), com entrada gratuita aos sábados.

Site: http://www.museudalinguaportuguesa.org.br/noticias_interna.php?id_noticia=457

<\em>

Como livros podem abrir a sua mente

A resposta para esse tema pode ser meio óbvio – mas, como tudo do TED, essa palestra é absolutamente inspiradora.

Perfeita, aliás, para abrir a semana: