Somos todos contadores de histórias

Aprendi uma coisa importante ao lidar tanto com escritores: no final das contas, todos nós somos contadores de história. Reformulo: a única coisa que nos diferencia de um macaco, ao menos mentalmente falando, é a nossa capacidade de contar histórias aos nossos pares – seja relatando fatos verídicos ou romanceando-os para que se tornem mais sedutores.

Isso chega a ser óbvio, aliás. O que fazemos ao relatar nosso dia para a mulher ou o marido quando chegamos em casa? Contamos histórias do passado recente. O que fazemos quando estamos vendendo um serviço ou um produto? Contamos uma história que permita ao nosso interlocutor enxergar que nós somos o caminho para a realização de algum sonho seu, qualquer que seja.

O que fazemos quando estamos batendo papos com amigos? Trocamos histórias.

Quando queremos seduzir alguém? Criamos histórias.

Quando queremos nos livrar de problemas inesperados? Inventamos histórias.

Em cada um desses casos, a nossa chance de sucesso será maior se a nossa capacidade de contar uma boa história for grande, se soubermos prender a atenção, se dominarmos a arte de articular pensamentos e interpretar olhares, gerando mais expectativa a cada palavra cantada.

E isso também significa que buscar inspirações nos grandes contadores de história do mundo – os Saramagos e Kafkas, os Michaelangelos e Rodins, os Da Vincis e Portinaris – é quase uma obrigação para uma espécie de que diferencia das outras por saber relatar bem o que imagina.

Cultura, no seu sentido mais clássico, sempre continuará sendo a melhor ferramenta de sobrevivência da raça humana.

Ou, como bem colocou um dos maiores gênios da humanidade, o recém falecido Umberto Eco: “Quem não lê, aos 70 anos terá vivido só uma vida. Quem lê, terá vivido 5 mil anos. A leitura é uma imortalidade de trás para frente”

umberto-eco-007

Leia Mais

A cidade é nossa

Na terça passada, fizemos aqui a FLIBA – Festival Literário do Baixo Augusta. A ideia era simples: abrir na própria Internet espaço para autores se candidatarem e permitir que eles usassem, da melhor maneira possível, o ambiente da Passagem Literária – via subterrânea que une Paulista a Consolação e onde realizamos o evento – para se expor.

E houve de tudo: performances, saraus, intervenções, arte em todas as suas formas. Houve um dia, pelo menos, no atribulado cotidiano de uma cidade como São Paulo, que os autores independentes dominaram a cena, os olhares e ouvidos, a mídia.

É curioso, mas quanto maior e mais tumultuada a cidade, mais espaço ela acaba abrindo para quem quiser se adonar dela. A FLIBA mostrou que isso é possível e tangibilizou algo que nós, aqui no Clube, sempre acreditamos: que o mercado editorial está aí, aberto a quem quiser e se dispuser a agarrá-lo.

Agarre o seu.

O futuro da literatura brasileira pertence a nós, autores independentes que estamos desbravando, no braço, o nosso próprio mercado.

Leia Mais

Nós que aqui estamos, por vós esperamos

Nada como tirar uma sexta para ver entender o Tempo e a Humanidade no que considero como melhor filme (ou pelo menos um dos melhores) já produzido em todo o mundo.

Há de tudo nele: poesia, biografias, dramas, comédias e o fim que sempre nos espera, ilustrado pelo título que, na verdade, é o letreiro da porta de um cemitério aqui de São Paulo. 

Dura pouco mais de uma hora – mas eu recomendo cada minuto.
[youtube https://www.youtube.com/watch?v=-PXo5oGztiw]
 

Leia Mais

Confira a programação da FLIBA, primeiro evento literário exclusivamente voltado para autores independentes!

Festa Literária do Baixo Augusta, organizada pelo Clube de Autores, contará com manifestações artísticas em uma galeria subterrânea que une a Rua da Consolação à Avenida Paulista, em São Paulo

O Clube de Autores, primeira e maior plataforma de autopublicação da América Latina, realiza no dia 19 de setembro, em São Paulo, a primeira edição da FLIBA – Festa Literária do Baixo Augusta. Foram mais de 120 projetos inscritos, sendo oito selecionados para serem apresentados no primeiro evento voltado para autores independentes do Brasil.

“Tivemos uma aceitação muito grande por parte dos autores independentes. A programação traz destaques como Alex Rangel, Alessandra Benete, Danilo Dias, Giselle Del Pino e outros nomes que estão se destacando no cenário literário. Serão diversas manifestações artísticas relacionadas à literatura: encenação, leitura de trechos da obra, saraus, debates e palestras”, explica Ricardo Almeida, presidente do Clube de Autores.

A FLIBA acontecerá em uma galeria subterrânea que une a Rua da Consolação à Avenida Paulista, e que sempre foi dedicada à literatura como um todo. Aberta ao público, a manifestação terá no total dez espaços/momentos de exposição para os autores apresentarem seus trabalhos. Confira abaixo a programação do evento:

10h: PARA TUDO QUE NÃO DEU CERTO – Por Alessandra Benete

Uma apresentação artístico-literária, informal e contudente, de crônicas do livro “Para tudo que não deu certo”. Marcada pela interação informal com os transeuntes de forma poética, precisa e sedutora, durante a apresentação, será encenada a jornada do autor mostrando a importância de um livro sem “amputação” do “eu” do autor.

11h: SARAU MUSICADO – Por Quistue e Junior Azuos

Sarau musicado, em que o autor Daniel Elias recitará seus textos e interpretará personagens, fazendo o público mergulhar no mundo da literatura, da poesia e das artes. Todos os transeuntes serão convidados a participar deste sarau que terá, como fundo, trilhas sonoras improvisadas ao piano, interpretadas pelo músico Junior Azuos.

12h: O MUNDO ENCANTADO DOS MINISTROS DO RISO – Por Alex Rangel

Uma apresentação cheia de alegria com música, contação de histórias e interações artísticas, tudo isso em um ambiente circense em meio a mini gincanas. Alex Rangel é fundador, criador, diretor, produtor dos Ministros do Riso, incluindo textos e personagens, escritor de mais de 20 livros publicados.

13h: A FOICE, UMA INTERVENÇÃO ARTÍSTICA – Por Danilo Dias

Uma leitura imersiva do primeiro capítulo do livro “A Foice”. Durante a apresentação, o público poderá se maquiar com cortes e machucados iguais aos de filmes de terror, além de tirar fotos com o personagem que dá título à obra, sob a trilha sonora de terror especificamente composta para a obra.

14h: UMA TARDE EM PARIS – Por Giselle Del Pino

Nessa apresentação, a artista valorizará os textos contidos dentro das canções para extrair o cerne o sumo e a poesia falada. Tudo isso será feito aplicando a música como subtexto revelando-a como profundo instrumento de organização sensorial.

15h: ILHA DE DESTROÇOS – Por Caco Pontes e Caleb Mascarenhas

Num elo perdido entre a era primitiva e a industrial pós-apocalíptica, um poeta e um cientista social multimídia se unem para filtrar frequências sonoras, ruídos e mensagens telepáticas da quinta dimensão, por meio de narrativas que variam entre o caos e a física quântica, em busca do sagrano-profano presente nas ruas.

16h: COMPARTILHANDO EXPERIÊNCIAS – Por Alex Rocha

Através de um varal literário, o público será convidado a interagir e apreciar textos literário, com viés político, visando experimentar e refletir a respeito de episódios de ódio gratuito racial vivenciadas pelo artista.

17h: UMA TARDE EM PARIS – Por Giselle Del Pino

(Acima)

18h: O MUNDO ENCANTADO DOS MINISTROS DO RISO – Por Alex Rangel

(Acima)

19h: INTERVENÇÃO LITERÁRIA – Por Igor Pires

Nesta intervenção, os transeuntes da passagem serão abordados de forma lúdica, com trechos de obras literárias visando retirá-los da sua zona de conforto e se permitir contemplar o instante através das lentes dessa arte.

20h: SARAU DA CONEXÃO CULTURAL E PONTES – Por Bruno Capão

O objetivo é estreitar os laços de afeto entre as pessoas de São Paulo. Para isso, convida o Conector Cultural Bruno Capão, cofundador do Sustenta Capão e Fundador da Associação Lado B, para criar um espaço generativo de conexão através do sarau, da cultura e da arte.

Parceira do Clube de Autores, a AlphaGraphics, especialista em soluções de impressão digital e comunicações personalizadas, será responsável pelo apoio na produção de backdrops, cartazes, placas e banners do evento. Além disso, a empresa distribuirá aos participantes da FLIBA brindes especiais do agBook , divisão de livros sob demanda da AlphaGraphics, por meio de marcadores de página com códigos especiais de descontos.

“A participação da AlphaGraphics no evento representa uma oportunidade de ajudarmos a promover a cultura brasileira e consolidarmos nossa liderança no gerenciamento de impressão de livros sob demanda no Brasil”, assinala Rodrigo Abreu, sócio-presidente da AlphaGraphics Brasil.

Serviço
Evento: FLIBA – Festa Literária do Baixo Augusta

Local: Rua da Consolação, 2525 – São Paulo

Data: 19/09/2017

Horário: 10h às 20h

Site: http://fliba.clubedeautores.com.br/

 

 

Leia Mais