kindle-sobre-a-mesa-com-xicara-de-cafe-e-donuts

Poesias vencedoras do Desafio de Outubro

Pra não perder o costume, em outuro lançamos mais um desafio aqui no Clube, desta vez, em comemoração ao Dia do Livro e Dia da Poesia.

O resultado saiu oficialmente no dia 09 de novembro, mas apenas os participantes foram comunicados sobre os cinco vencedores. Agora, depois de tanto mistério, chegou a hora de compartilhar as poesias que se destacaram no consurso! :)

Aproveitamos o espaço para agradecer a todos os escritores que nos enviaram seus textos. Foram mais de 1.800 poesias! Temos muito orgulho de fazer parte da trajetória de tantos autores incríveis e cheios de paixão pela escrita.

Recapitule as regras do concurso.

Agora sim, vamos conhecer os textos vencedores?

Título: Uma questão de grãos
Autora: Katia Valevski

Trato com meu traço
De riscar a seu compasso,
Mas rápido o desfaço
Se percebo seu laço
Amarrar-me o passo.

Sou fita de dupla ponta,
Sempre e nunca pronta
À vida que me confronta,
Ou ao mundo do faz-de-conta,
Que a fantasia me aponta.

Quero o dual da opção:
Menos ou mais; sim ou não;
Livre no saber ou na ilusão
De ser ou não ser. Prefiro a questão
De fazer-me livro ou canção!

Piso chão ou monto estrelas.
Falo o rude ou delicadezas.
Caprichos de plebe ou princesas…
Plena de nada ou de riquezas…
Viva de imensos e de miudezas…

Título: fakedói
Autor: Juliano Ferrari

lá fora 18º, chove desde às 06h
aqui dentro, chove desde final de junho
no feed faz sol.

palco da ilusão,
o espelho digital de narciso,
autoestima delirante.

posto, logo existo.
inseguranças editadas,
reconhecimento desesperado,
existência afirmada.

ansiedades engatilhadas,
comparações equivocadas,
autossabotagem ativada,
lugares imaginários.

e a chuva não para.
a lágrima tem sal.
sal-dade.

mas no feed faz sol,
em tons laranjas e dourados,
neste infindável livro de momentos,
ou seria só um fútil álbum?

Título: Queima de Livros
Autora: Flávia Diamandi e Letícia Diamandi

1933, Berlim esfumaçado.
Poeiras e cinzas para todo lado.
Corações ávidos por esperança.
Quantos livros e quantas histórias apagadas por uma promessa de mudança.
O que ontem foi alegria, hoje se tornou dor.
A liberdade nos deixou, clima desolador.
Já vivi tanta coisa e a fumaça continua a me marcar.
Não consigo respirar, meu corpo não responde mais e escuto meu amigo por D’us clamar.
Atravessamos o desencarne, mas as palavras dos nazistas ainda ecoam.
Começaram queimando livros e terminaram queimando pessoas.

Título: Livro livre
Autora: Zenilda Ribeiro da Silva

Ele é rico,
mas não é luxo.
Liberta mentes,
limpa as lentes,
espalha sementes,
rompe fronteiras,
cura cegueira.
Jogam-no na fogueira,
queimam-no,
é perigoso,
se tem poeira, atchim,
não pode,
olha o vírus,
que desaliena,
é um tiro,
tira de letra,
tira da treta,
mas que doideira.
nova maneira,
de inquisição,
pela taxação,
é o imposto,
que querem impor,
alegando compor,
lista de luxo,
talvez seja influxo,
ou até mesmo o luxo,
de ter mentes livres.
Que refluxo!

Título: Desafio Rendado
Autora: Neusa Bernado Coelho

Livro mar de renda
Embalado pelo vento
Ornado pelas ondas
Deleite ao talento

A noite silencia
Nas folhas rendadas
Precisa simetria
Em linhas ritmadas

Candura entrelaçada
Manual do artesão
Ponto a ponto elaborada
Digna composição

Alegria dos que rimam
Prosa e verso em cada linha
Nos desenhos os bilros trançam
No livro a letra guia

Magnificente arte
Escritor ou artesão
De tua alma parte
O saber do cidadão

E aí, de qual poesia você gostou mais? Conta pra gente nos comentários! :)

Você também pode se interessar por:

Crônicas de Quarentena: um texto do Clube de Autores
Vencedores do desafio de Crônicas de Quarentena
Como escrever um livro de poesias?

Assine a Nossa Newsletter

33 comentários em “Poesias vencedoras do Desafio de Outubro

  1. Eu vi os resultados e confesso que deve ter sido muito difícil julgar tantos poemas de excelente qualidade. Me surpreendi com a maioria dos que li. O que prova a imensidão desse oceano repleto de poetas onde flutuamos como algas. Parabéns aos vencedores. E gostei da ideia de deixar aqui o poema que foi concorrente. O meu: ME LIVRO DO QUE ME MANTÉM PRESO

    LIVRO-ME DE VELHOS CONCEITOS
    PRECONCEITOS E PRINCÍPIOS
    QUE APREENDI NO LIVRO.
    LIVRO TAMBÉM A ALMA
    DO PESO DO QUE JÁ LI
    E DEPOIS DESCOBRI ERRADO.
    LIVRO A CARA DO CARÃO
    DE PARECER ANTIGO
    ANTIQUADO, RETRÓGRADO,
    PRECONCEITOS ADQUIRIDOS
    EM LEITURAS DO APRENDIZADO
    DE QUEM JÁ PUBLICOU LIVRO.
    MAS SE TEM ALGO QUE FAÇO
    REFAÇO E REFORÇO
    É A IMPORTÂNCIA DA LEITURA,
    LIÇÕES QUE APRENDI NO LIVRO.
    LIVRO A VIDA PARA SER VIVIDA
    VIDA QUE RENDE UM BELO LIVRO
    NA VIDA QUE APRENDI LIDA
    NAS PÁGINAS DE CADA LIVRO.

  2. Gostei muito dos poemas selecionados, mormente o da Kátia Valevski, e não notei superioridade de minha contribuição ao concurso, sobre nenhum deles (nem aqueles nos comentários).
    Parabéns aos autores escolhidos!
    Creio que não se deva impor nosso próprio gosto pessoal como padrão universal e acatarmos as decisões de quem nos oferece os concursos. Questionar os resultados, frente a regras claras e explicitadas de início, me sugere mais as “síndromes de trumps e Bolsonaros”, que estão muito em voga ultimamente.

    1. Ninguem tá notando superioridade da própria poesia . Estamos a ponderar o quão belo é a poesia e seu conjunto. Cada recanto da alma dos participantes,
      deram vida a sua poesia. Julgar o recanto de cada poema é por demais pretensão.
      Alguém sugeriu, um livro com os poemas. Dos poucos a mais que li aqui publicados sao belos, se torna dificil selecionar , como é a própria subjetividade. wander.

  3. Assim como uma flor, toda poesia tem seu encanto. Por não publicar um livro com todas as poesias? Assim sendo, seria um jardim com essas flores! Abaixo, a poesia que enviei:

    O Livro e a Suméria

    Suméria, graças a ti,
    Estamos aqui
    A escrita, a ti devemos,
    Mãe da poesia, que de ti tivemos.

    Loas a ti, mãe da cultura.
    Eis o livro, que nos içou a tal altura.
    A passar conhecimento e inspiração
    Geração a geração, sem deterioração.

    O livro, filho de teu maior legado,
    Por vezes louvado e renegado,
    Guardião mor do conhecimento,
    Da alma humana, o alimento.

    O conhecimento é a chave
    Que liberta da trave,
    Que trava a mente
    No ergástulo degenerescente.

    Enfim o livro, obra-prima da escrita
    Da Suméria bendita,
    Do troglodita ao cosmopolita,
    Onde o fim do finito é o infinito.

  4. Eu não acredito que de mais de 1800 poemas, os cinco selecionados foram esses. Seria interessante divulgar os critérios para tal escolha. Talvez não tenham lido todos os poemas enviados.
    Facilmente um dos poemas postados aqui nos comentários poderiam ser selecionados comparando com os que foram selecionados.

    1. O poema que enviei foi esse:

      Livro de vidro

      Me leia sem medo o quanto quiser.
      Ainda que meus olhos internos viajem
      pelas estrelas e fragores que se fazem,
      resta meu clamor a ser visto quando vier.

      Se há, como dizem, um segredo em mim
      deveras esteja debaixo desse pano opaco
      que me envolve e ofusca o que sou de fato;
      tesouro escondido, águas profundas sem fim…

      minha vida jaz escrita e transparente,
      é um perfeito e verdadeiro livro de vidro,
      onde só se enxerga o que já tenha vivido
      comigo, o diálogo, sintonia e corrente…

      seja simbiótica nossa relação daqui pra frente,
      um pelo outro, indivisível, jamais esquecido.

    2. Há um deles que quebra a regra de ouro: coloca a palavra chave para participação no concurso apenas no Título. Pode? Seria excluída na primeira leitura da banca. Estou enganado?

    3. Oi, Jorge. Tudo bem?
      Veja, a regra não especificava onde a palavra precisava aparecer. O título faz sim parte do texto :)
      Sugerimos olhar a escolha por outros olhos: esta poesia usou criatividade para explorar as orientações do concurso, sem descumprir as regras!

  5. Prezados Senhores.
    O economista Delfim Neto exclamou certa feita:” Todo pacto tem um pato.” Pois bem, concurso literário – dos quais às vezes participo – também leva esta pecha: é uma espécie de pacto que quase sempre quem dele participa acaba sendo quase como um pato. Sem querer entrar no mérito literário de cada uma das CINCO POESIAS ditas vencedoras, a amostra, em sua aparência, pareceu-me em estilo demasiado globalista para um concurso em nossa língua pátria. Uma delas inclusive quebrou a regra de ter a palavra LIVRO no corpo poemático. E mais: não seria interessante, como aliás reclamou uma das inscritas, que se publicassem as que pelos menos tenham sido classificadas POR MÉRITO. Alias, esta seria, a meu juízo, uma forma de melhorar a sensação de se tornar um pato nesta história toda.

    1. Oi, Murilo! Tudo bem?
      Todas as poesias compartilhadas no blog cumpriram as regras. A palavra “livro” precisava aparecer em algum lugar – o título faz parte do texto :)
      Quanto à seleção, temos um espaço limitado no blog, por isso escolhemos cinco! Mas sim, podemos considerar outras formas de compartilhar os bons conteúdos que recebemos. Isso foi feito no desafio passado, quando além de publicar 3 textos que se destacaram, publicamos um livro com 39 das crônicas mais criativas!

      Agradecemos seu feedback :)

  6. Na realidade é muito subjetivo o que é melhor. Não tem o melhor. Todos tem valor e o gosto da boa poesia. Tenho certeza que muitos não classificados nos primeiros postos, fizeram muitos bons versos. Meu abraço a todos que participaram. São os ganhadores. Difícil classificar entre 1800, não estou criticando, mas é a realidade.
    Pegar 1800 poesias e selecionar… hum… hum…

    1. Aguardando moderaçao de quê? o Hum… hum… é sobre como
      se inferir de tantos bons versos. Creio que concorrem também versos livres, pensamentos subjetivos, como Drumond, Maria Rilke,Ezra Pound, Rimbaud, Mallarmé, Yeats, Goethe o que é ou não é? difícil. Versos justinhos, não só. É técnica, imaginaçao e sonho. Sugiro uma seleção bem maior de nomes, não só cinco, versos livres que invada o tragico, o poema o diálogo.
      Minhas homenagens e respeito a todos os autores. Não estou para fazer graça. Abraços. Wander.

    2. Oi, Wanderley!
      Escolhemos os que mais se destacaram, em nossa opinião. Mas certamente várias outras poesias foram bem escritas! Como o espaço no blog é limitado, divulgamos apenas cinco, mas estamos pensando em outras formas de expor o trabalho de outros escritores – assim como fizemos no concurso anterior: primeiro contemplando 3 textos e depois publicando 39 crônicas no livro :)

  7. Não recebi nenhum email do concurso, acho que poderia enviar ao menos os critérios de eleição. Algumas poesias destacadas me pareceram abstratas e jogos demais de palavras. Poesia é poesia, eu sei.
    Mas meu juízo é que todos deveríamos ter a tabela de classificação.
    Parabéns aos selecionados.

    1. Oi, Karla. Tudo bem?
      O e-mail com os resultados foi enviado para todos os inscritos. Você checou o spam? :)

      A poesia precisava conter a palavra “livro” em qualquer contexto.
      Avaliamos a criatividade e originalidade dos textos enviados, além das regras que precisavam ser seguidas durante a produção: ter título, entre 300 e 600 caracteres etc.

      Um abraço!

    2. Pois é karla, eu também enviei minha poesia, e assim como você não recebi nenhum retorno….

      Também gostaria de ver a tabela de classificação…

      Aos Selecionados minha admiração e parabéns….

  8. Gostei mais “Uma questão de grãos”

    Até diria que livro é uma fonte de alimento para a memória (gostoso ou ruim, vai depender do gosto do leitor), em que cada página são grãos que mastigamos, ao lê-las.

  9. Em primeiro lugar, parabéns aos vencedores e a todos os participantes!!! Vou postar minha poesia que concorreu aqui nos comentários, façam o mesmo, vamos trocar mais ideias!

    “O Favorito”

    No final da história você chorou,
    peço perdão.
    Senti seu coração acelerado
    no momento em que me segurou
    contra o peito. Foi emocionante!
    Vivemos bons momentos, confesso.
    Seus dedos inquietos afagavam
    minha pálida pele tatuada. Era divino.
    E o meu cheiro? Ah… Você amava.
    Agora me contento em apenas estar
    ao seu lado, ouvindo sua respiração
    enquanto dorme.
    Sei que me esqueceu, aventurando-se
    por novas mídias. Eu entendo.
    Hoje vivo fechado, empoeirado.
    Dizem que estou ultrapassado.
    Para os mais jovens,
    sou estranho, esquisito.
    Mas tenho a honra de ser
    o seu livro favorito.

    1. Gostei da tua ideia, e também quero parabenizar os autores vencedores. Aui vai a minha contribuição para o concurso.
      Se tivesse um meio de mudar teu nome, eu o mudaria para livro.
      Livro me diria você?
      É livro.
      Não dá para ficar só na capa,
      O conteúdo fica gradualmente melhor.
      É como vinho velho, ou livro de capa dura,
      quanto mais velho, melhor.
      Eu te amo, tanto quanto amo escrever.
      Se você não fosse você, eu queria que você, fosse um livro.
      O meu livro.
      O livro que eu escrevi.
      A melhor história que já contei.
      O melhor sonho que compartilhei.
      O meu melhor amor.
      A ti eu dedico, o meu livro aberto,
      Minha história, minhas descobertas.
      MEU MELHOR AMOR.
      Você é o livro mais bonito, que li, editei e escrevi
      Nele páginas que borracha nenhuma poderá apagar.
      Eu livro, tu livro, nós livro.
      Em um livro, do mais novo livro,
      EU TE AMO.

    2. Te parabenizo também Renato Alves,
      a tua poesia também é excelente.
      eu concorri com uma presente no meu livro
      MEU MELHOR AMOR.
      Abraços
      E mais uma vez PARABÉNS!

  10. Sou a autora da poesia Uma questão de grãos, e estou muito feliz por ter sido selecionada, mas não recebi nenhuma informação do resultado. Soube apenas agora pelo Instagram, porque alguém me parabenizou.

    1. Alguns realmente tem conteúdo, outros nem tanto. Acredito que dentre 1800 poemas continham outros ainda melhores.

      Kátia, vc mereceu !!!

    1. Participei com esse poema ENTRELINHAS
      Do meu livro ÍMPETOS de BORBOLETA publicado pelo clube essa semana.

      ENTRELINHAS
      Livros e sonhos são coisas que voam
      Borboletas são tão lindas
      Quanto as flores do jardim
      Mas se sou uma libélula
      Quantas asas há em mim?
      Nenhuma voz nesse mundo
      Gritou tanto quanto as páginas que já li
      Até a ausência do ar é desimportante
      Quando não se deseja respirar
      Mas quando um sonho insiste
      Faz se oxigênio
      No livro da vida há sonhos
      Até mesmo no marcador de páginas
      O destino me espera no próximo parágrafo
      Estou indo entrelinhas.

  11. Saudações. Amei todos os cinco poemas, eles têm muita profundidade, expressividade, qualidade. Seus autores estão de PARABÉNS!! Também tenho participado de todos os Desafios e desejado muito, um dia minhas composições serem classificadas. Desejo que conheçam um pouco de mim e do que escrevo. Um grande abraço a todos. Célia R. S. Xavier

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *