boneco-do-coringa

O papel do antagonista nos livros

Toda boa história tem um vilão. Um antagonista que atrapalha à beça a trajetória do nosso herói. Porém, por mais importante que seja sua função no livro, é importante ficar clara toda a sua história até ali. Por que ele se tornou vilão, de onde vem sua fúria, sua motivação.

Mas, primeiramente, vamos à definição de antagonista:

Antagonista significa “opositor”. Ou seja, aquele que vai conta alguma coisa (geralmente o heroi da narrativa).

Qual é a importância do antagosnita nas histórias?

Dar veracidade à sua história torna o antagonista mais interessante e, pasmem, até passível de algum afeto ou compreensão por parte do leitor. Isso porque uma personagem bem construída tende a ganhar a empatia de quem acompanha a história.

Ted Bundy, assassino em série norte-americado é um exemplo clássico de antagonista. Mesmo tendo estuprado e matado dezenas de jovens mulheres na década de 70, Theodore Robert Bundy ganhou a simpatia do público feminino por sua beleza (e pela narrativa adotada pela mídia da época).

No filme inspirado em sua vida, lançado em 2019 e protagonizado por Zac Efron, tudo isso fica bem evidente. Além disso, o personagem foi tão bem retratado que a história confunde as emoções até mesmo dos que já conheciam o desfecho.

Dicas para criar um antagonista respeitável:

O filme de Ted Bundy conta a história do vilão. As vítimas e a heroina (sua namorada da época) são coadjuvantes do enredo. Mas não é necessário colocá-lo como protagonista da narrativa para que ele ganhe o respeito dos leitores.

É possível, sim, manter o estilo tradicional da literatura e desdobrar os acontecimentos da perspectiva do heroi, usando a personalidade oposta como tempero da história.

Veja algumas dicas para destacar seu vilão:

  • Normalmente, pessoas más tornam-se negativas por conta de suas experiências passadas. Abusos psicológicos, criação conturbada, relacionamento familiar complexo, contexto social desfavorável… enfim! Explore essas questões e deixe o leitor conhecer o histórico do antagonista. Isso torna o personagem mais real;
    Leia mais: como criar diálogos realistas para seu livro?
  • Se o papel do vilão na história é atrapalhar o caminho do herói, suas ações precisam ser justificáveis (pelo menos a partir do ponto de vista do próprio antagonista, alô Coringa!). Ou seja, é necessário criar motivação para garantir a credibilidade das decisões tomadas;
  • Ok, você quer que seu vilão ganhe um pouquinho da simpatia dos leitores antes que tudo acabe. Tudo bem! Porém, não force um carinho que não existe nos momentos finais da trama. É preciso tecer a história com cuidado, deixar migalhas ao longo da trajetória e amarrar todas as pontinhas. Ninguém é obrigado a amar seu personagem tanto quanto você!

E você, tem um vilão favorito? Conta pra gente nos comentários!

Você também pode se interessar por:
Como escolher o nome para os personagens do seu livro?
Arquétipos de personagens segundo Vogler

Assine a Nossa Newsletter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *