Tetralogia do Nada

Já falei sobre esse livro antes (aqui).

Falo de novo: é que o encontrei perdido na estante aqui de casa e decidi relê-lo.

Inspiração pura.

Sempre achei poesia algo difícil de fazer. A arte de juntar palavras perfeitas para contar histórias em versos é para poucos, os poucos com a sensibilidade e a competência de Drummonds, Barros, Bandeiras. A poesia descamba facilmente para o brega, para o piegas, para o melado pegajoso.

Não é o caso da Tetralogia do Nada, de Carlos Moreira – ao menos não em minha modesta opinião.

Tomei o livro, tão misterioso pela capa e sinopse que, acredito, esteja longe de encontrar o seu potencial máximo, para a minha cabeceira.

Li uma, duas, três vezes.

Foi instantâneo: comecei a escrever.

Há livros assim: eles sopram tanta inspiração que dão vida às histórias dentro de nós, fazendo-as ganhar corpo próprio.

Recomendo a todos os escritores.

Deu orgulho de tê-lo aqui, nas prateleiras do Clube.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>