A diferença entre a verdade e o real

O livro no qual eu estou trabalhando parte de uma série de biografias. São histórias verdadeiras, vividas por personagens verdadeiros entre 1911 e 2017 – e captadas a partir de todo um monumental esforço envolvendo pesquisas, entrevistas e investigações.

Esse trabalho foi, de certa forma, revelador para mim: me ensinou a diferença entre o real e a verdade.

Explico-me: no final, toda a soma das investigações geraram uma linha de tempo. Uma linha de tempo detalhada e recheada de fotos e relatos, indubitavelmente. Mas, ainda assim, uma linha de tempo que cabe em umas duas ou três páginas.

Linhas do tempo, concluí, são as verdades – os fatos inquestionáveis, documentados, indiscutíveis. Mas eles não são o real.

E não o são porque o real é sempre, sempre, uma história. É o que acontece entre um fato e outro em uma linha de tempo, é a cola entre os fatos, o conjunto de emoções, sensações e conflitos que geraram os marcos.

O problema disso em biografias? Por mais que verdades sejam quase sempre fartas e documentadas, o real sempre depende muito mais de interpretações e relatos que, na medida em que o tempo passa, vão ficando cada vez mais rarefeitos.

E é aqui que entra o papel do biógrafo: usar o seu poder de construção de narrativas e a sua capacidade de dedução para criar colas e transformar verdades no real, na história que efetivamente entrará pelas pálpebras das pessoas e se imortalizará como “o que realmente aconteceu”. Porque, queiramos ou não, não se pode negar uma coisa: o que fica na eternidade, o que é entendido como o real, nunca é um punhado de dados e datas: é a história melhor contada – aquela carregada de tramas e dramas, de tons muito mais cinzas do que pretos no branco. De tons que tendem a sair muito mais da imaginação do escritor do que de qualquer minuciosa análise do passado.

Voltando ao ponto original do post: qual a diferença entre a verdade e o real? A verdade, os dados indiscutíveis, pontuais, factuais, são a única coisa que efetivamente se pode provar que aconteceu; mas o real, a história que une os fatos e os cola em uma narrativa única, depende muito mais do contador da história do que de sua cronologia – e, portanto, embora estejam naturalmente sujeitas a vieses, é o que eterniza-se como o que “realmente aconteceu”.

Fiz um post dia desses falando que “somos as nossas próprias histórias”. Retifico-me: na verdade, somos as histórias que contam sobre nós.

Leia Mais

Há como escrever biografias reais?

Sim, eu sei que a pergunta é difícil – e já peço desculpas aos biógrafos que aqui me lêem.

Mas, recentemente, estou mergulhado de cabeça na tarefa de escrever a biografia de um atleta sul africano e heróis de guerra, um tal de Phil Masterton-Smith.

Mergulhado é pouco: já conversei com a irmã de 94 anos dele diversas vezes, já fiz amizade com sobrinhas e familiares, já bati papo com colegas de regimento, já capturei documentos oficiais da Segunda Guerra, já até me planejei para repetir um dos seus feitos, pedalar 1700km pela África em 10 dias e correr uma ultramaratona de 89km no dia 11.

E a história, modéstia à parte, está mesmo tomando uma forma belíssima. Mas sabe onde essa dúvida do título me bateu?

Nas partes entre datas e fatos documentados. Biografias, concluí, são sempre compostas de três partes: os inegáveis fatos, os dedutíveis pensamentos e as filosofias de vida quase sempre obscuras, íntimas demais para se fazerem realmente sabidas.

O que Phil, por exemplo, estava pensando antes de embarcar em um ou outro caminho de sua vida? O que ele buscava, realmente? E do que era composta aquela “matéria negra” tão vasta, tão maior, que circundava cada decisão sua.

No meu caso – como no caso de qualquer biógrafo – não há como saber.

Há, no entanto, como projetar, como encaixar filosofias entre ações, fatos e dados do biografado. A grande questão é que, no fundo, essas filosofias partem invariavelmente de uma única pessoa: do autor.

Assim, um biografado não é apenas uma pessoa real, que viveu sua vida e fez suas coisas: ele é também, ainda que em parte, um personagem de ficção, parido e criado pela mente do seu autor.

Volto, portanto, à pergunta do título: há como escrever biografias reais? Minha conclusão: não.

Biografias, no final, são sempre peças de ficção baseadas em fatos verdadeiros.

Mas a história da humanidade inteira não é também escrita exatamente desta forma?

Leia Mais

Confira curso sobre narrativas biográficas em estilo de jornalismo literário

Se você tem interesse em histórias de vidas e escreve sobre elas profissionalmente ou quer escrever ou se você simplesmente tem um projeto pessoal ou familiar a desenvolver, vale conferir esse curso, capitaneado pelo professor Edvaldo Pereira Lima.

Veja:

A era da informação massiva e múltipla que vivemos transporta, implícito, o fenômeno do interesse contínuo do público pelas histórias de vidas. Nas mais distintas formas e nos mais variados meios de comunicação, são as narrativas centradas em pessoas que cativam mentes e corações. Ficcionais ou reais, habitam as novelas, fazem o cinema acontecer, crescem nos livros, passam pelos veículos jornalísticos. Chegam ao universo digital. Marcam presença no mundo corporativo.

Na literatura de não ficção, os perfis, as biografias, os ensaios-pessoais, as memórias, as autobiografias têm espaço consolidado e demanda instalada.

Ótima notícia, mas…

O problema é que nem sempre a demanda é atendida com qualidade.A sofisticação crescente do mercado cultural exige competência ampliada dos autores. É para endereçar essa questão que o Professor Edvaldo Pereira Lima, referência nacional em jornalismo literário, montou o curso de narrativas biográficas.

Confira os tópicos:

  • Storytelling e sua matriz inspiradora para todas as formas de comunicação focadas em pessoas.
  • A Jornada do Herói para escritores de vidas.
  • O legado da rica tradição do Jornalismo Literário.
  • Uma ajuda instrumental do método Escrita Total – publicado em livro no Clube de Autores – de redação espontânea.
  • As possibilidades de vanguarda do Jornalismo Literário Avançado.
  • Uma contribuição de honra com as narrativas de transformação.

Se interessou? Acesse o site epl.eadbox.com , faça uma primeira vídeo-aula como cortesia e, se gostar, inscreva-se!

Screen Shot 2017-07-19 at 16.40.58

Leia Mais

Não se esqueça de montar a sua página biográfica no Clube!

Quando um leitor se decide por comprar um livro, ele costuma considerar uma série de fatores – como o tema, título, capa, sinopse e, claro, informações sobre o autor.

Esta última, aliás, é talvez a mais importante por dizer um pouco sobre quem está por trás de uma determinada história ou experiência de vida compartilhada por meio de livros.

E o Clube permite que todos os autores consigam configurar as suas páginas de forma bastante completa, incluindo foto, dados para contato direto com o leitor, biografia, links de sites oficiais, links para notícias sobre o autor na rede, selos de reconhecimento e, claro, a relação de títulos publicados no Clube.

Além de permitir uma intimidade maior com o leitor – algo essencial para autores independentes – a página biográfica gera ainda selos de reconhecimento do Clube, aumentando a possibilidade de se ficar em destaque na página principal.

A criação da página biográfica é bem simples e, obviamente, gratuita: basta ir a Meu Espaço e clicar em Criar/ Editar página biográfica.

Se ainda não tem a sua, crie e aumente a sua visibilidade perante seus leitores! E, se tem, cuide para que ela fique sempre atualizada ;-)

Veja um exemplo abaixo, da autora que foi destaque do Clube na semana passada. Toda página biográfica pode ser acessada ao se buscar por autor ou ao se clicar no nome do autor na página de qualquer livro.

Leia Mais