Clube de Autores registra crescimento de vendas em canais e de livros publicados pela plataforma

O que os resultados do primeiro trimestre de 2019 dizem sobre o Clube de Autores e a autopublicação?

Houve uma espécie de ciclo virtuoso para a autopublicação como um todo desde que começamos a distribuir os livros em canais como Cultura, Estante, Mercado Livre, Amazon e outros. Sempre imaginamos, aqui no Clube, que isso mudaria a cara do próprio modelo de autopublicação – mas uma coisa é hipotetizar e outra, constatar.

Mudança cultural no perfil do cliente Clube de Autores

A primeira grande mudança que percebemos foi que as vendas feitas por consumidores finais – leitores – estão efetivamente migrando de local. Se, antes, comprar no site do próprio Clube de Autores era a única opção para os leitores de livros independentes, hoje o cenário é outro. Faz sentido, inclusive: não há como comparar a audiência do Clube de Autores com a de sites como Cultura, Estante ou Amazon. E considerando que ao publicar aqui, os livros são automaticamente (e gratuitamente) distribuídos por esses e outros ecommerces, nada mais natural que uma mudança importante no perfil, como pode ser ilustrado no gráfico abaixo:

O gráfico mostra a evolução do perfil do comprador do Clube nos três primeiros meses do ano (comparando 2018 com 2019). Ou seja: em janeiro de 2018, 19,63% dos compradores do Clube eram leitores; um ano depois, esse número saltou para 23,56%. O mesmo raciocínio se repete para fevereiro e março.

Por que esse número não é ainda maior – ainda?

Apesar do crescimento, era de se supor que essa proporção ficasse ainda maior. Por que ela não é? Porque, para que os livros sejam distribuídos nas livrarias, é fundamental que eles tenham o registro do ISBN – e nem todos têm.

Que sirva de alerta aos autores do Clube: maiores vendas dependem de uma maior distribuição e basta que você registro o ISBN – algo simples, rápido e extremamente barato – para isso. Clique aqui para saber como registrar seu ISBN por conta própria ou aqui para contratar ajuda de profissionais (caso deseje).

Vendas diretas x vendas por canais

A mudança de perfil veio junto com a mudança dos locais de venda, como comentamos acima. Veja no gráfico abaixo:

Há ainda uma outra informação “escondida” nesse crescimento de vendas por canais: o perfil da compra. Não é só que os canais tenham crescido 10% de 2018 para 2019: eles estão crescendo principalmente sobre as vendas a leitores finais enquanto as vendas diretas, ocorridas no Clube de Autores, tem sido cada vez mais geradas por pedidos maiores de autores.

Isso aconteceu desde que lançamos o modelo de vendas em grandes quantidades com gestão de estoque inclusa (veja aqui e aqui). Apenas para contextualizar esse modelo: desde o final do ano passado, o autor consegue descontos efetivamente imensos em compras acima de 500 exemplares com a vantagem adicional de não precisar estocar os livros em casa uma vez que nós mesmos cuidamos disso (a custo zero). É natural que uma oferta dessas mudasse o tipo de compra feita no Clube, o que de fato aconteceu.

Novos livros publicados por mês

Outra mudança importante aconteceu nesse primeiro trimestre: um crescimento grande na quantidade de novos títulos publicados por mês. E veja: estamos falando aqui apenas de novos livros – excluindo republicações ou reedições. O gráfico abaixo ilustra isso com clareza:

O que isso tudo significa?

Em linhas bem gerais:

  1. Apesar de ainda ter um apelo grande ao consumidor final, em grande parte por conta dos livros sem ISBN que contam com uma distribuição reduzida, o Clube de Autores está se tornando uma plataforma cada vez mais voltada para autores.
  2. Os canais, que cresceram 10% de 2018 para 2019, tendem a crescer cada vez mais e a superar o total de vendas de livros independentes.
  3. Pluralidade é chave: o mais importante desse crescimento é que não estamos falando de um canal de vendas: estamos falando de diversos, o que garante que o autor independente esteja virtualmente em todas as grandes livrarias brasileiras
  4. Há um ciclo virtuoso claro que se instala aqui: quanto mais canais, mais vendas; quanto mais vendas, mais novos autores tomam conhecimento da plataforma e publicam seus livros aqui; quanto mais publicações, mais livros são distribuídos por mais canais; e assim por diante

As previsões para 2019 são, portanto, intensas: o Clube deve crescer mais que o registrado no ano passado, abrindo cada vez mais espaço para que autores independentes encontrem seus leitores por todo o mundo.

Leia Mais

Você não viverá direito se não ler

Desculpem-me a acidez no título, mas não há como florear o óbvio.

Vivemos duas vidas na nossa existência: a cronológica e a intelectual.

Nossa vida cronológica é óbvia, linear, de uma indiscutibilidade feita de cimento. Nós nascemos, crescemos, procriamos (às vezes) e morremos. Simples assim, direto assim, da mesma forma que ocorre com macacos, lebres e amoebas.

Não há o que discutir na vida cronológica: façamos o que quisermos, o tempo sempre seguirá impávido, senhor dos senhores, ignorante de todo e qualquer desejo que porventura quiser dobrá-lo.

Se você não lê, é a este tempo que deverá obediência para o resto de seus dias.

Mas e se tiver o hábito de ler?

Bom… aí tudo muda.

Porque, nos livros, você poderá mergulhar em outros mundos e tempos com a facilidade de quem se teletransporta em histórias de ficção científica. Poderá passear pela Inglaterra Vitoriana, se assustar com a Inquisição medieval, saborear as belezas do Rio da década de 50 ou mesmo voar por uma Nova York destruída por alienígenas robôs que nunca existiram de fato.

De fato.

Essa existência intelectual nos permite até redefinir o que é fato e o que é ficção.

Deixamos de ser caretas, presos às imagens que entram pelas nossas íris.

Aprendemos a entender que verdade não é necessariamente algo que vemos, mas sim tudo o que sentirmos ou percebermos, ainda que em nossos íntimos individualíssimos.

Porque há mais para a vida do que apenas a tediosa cronologia que envelhece as nossas células: há as histórias que a humanidade aprendeu a deixar pelo caminho como rastros de sua própria divindade.

Há a imaginação escrita, transcrita, inscrita.

Há as tantas páginas dos tantos livros capazes de nos catapultar para tantos tempos e mundos diferentes.

Capazes de nos fazer, em uma única vida cronológica, viver dezenas ou centenas ou milhares de vidas com a simultaneidade da nossa vontade, do nosso desejo.

Basta abrir um livro.

E depois outro.

E mais outro.

E deixar as vidas entrarem.

Certa vez disseram que só se vive uma vez. Besteira pura, essa.

Vive-se quantas vezes se quiser. O que basta mesmo é querer.

Porque o caminho para isso… bom, o caminho está nas tantas livrarias que hoje recheiam a Internet e as equinas de todas as cidades.

Leia Mais

Livros do Clube de Autores passam a ser vendidos fora do Brasil

Há mercado para autores independentes fora das nossas fronteiras

De acordo com o Ministério das Relações Exteriores, cerca de 3 milhões de brasileiros estavam morando fora do país em 2016 – número que, ao que tudo indica, deve apenas ter aumentado nos últimos anos devido à crise recente pela qual passamos. Além deles, há também cerca de 50 milhões de cidadãos de outros países que falam português – um número extremamente expressivo por si só.

Claro: todas essas pessoas tendem a consumir livros vendidos localmente, seja em seus países de origem (Portugal, Moçambique, Angola etc.) ou nos países para os quais emigraram. Mas o fato é que, por sermos o país mais populoso (80% das pessoas que têm o português como idioma nativo vivem no Brasil), é natural que a maior parte dos livros em nosso idioma sejam brasileiros.

Quem vive fora costuma ter a opção, naturalmente, de comprar ebooks… mas ebooks representam uma parcela ínfima do mercado total (entre 2 e 3%).

Aqui entra a principal pergunta: onde essa massa de pessoas acha livros impressos em português, principalmente se estivermos falando de produções brasileiras?

A resposta: importando em sites nacionais (e pagando uma fortuna de frete) ou em esparsas livrarias espalhadas aqui e ali. Porque as opções realmente são mínimas.

Até agora.

Como as vendas internacionais foram viabilizadas?

O maior desafio é justamente a burocracia entre fronteiras. Para citar um exemplo, o frete para entrega de um livro nos Estados Unidos, por si só, pode custar três vezes mais que o valor do próprio livro – e levar cerca de um mês para chegar ao seu destino.

Já imaginou uma operação rodando assim – só que em escala? A administração seria tão ruim quanto a qualidade do serviço.

A solução para um problema desse tamanho passou por localizar e negociar com gráficas fora do país – e aqui entrou um novo problema.

O tradicional complexo de vira-lata brasileiro nos empurra sempre a acreditar que tudo o que fazemos já é feito – melhor – nos outros países. Nada pode estar mais longe da verdade.

São pouquíssimas as empresas no mundo que conseguem viabilizar a impressão sob demanda. O próprio Clube de Autores, diga-se de passagem, foi considerada a empresa mais inovadora do mundo no segmento de publishing pela Feira do Livro de Londres – e isso em 2014!

E foi um fato: achar gráficas capazes de imprimir sob demanda e entregar em outros países durou muito, muito tempo. Depois que achamos, fazer as integraçoes tecnológicas que viabilizassem o processo levou outro pedaço largo de tempo.

E de testes.

E de acertos.

Até que, no começo de fevereiro, colocamos no ar uma versão beta.

E agora? O Clube de Autores está entregando fora do país?

SIM!!!!

Desde meados de fevereiro já passamos a entregar para quase todos os países do mundo, como noticiado em primeira mão pelo Estado de São Paulo. O “quase” fica por conta de países como a Síria e a Venezuela, pois estruturas logísticas em países economicamente colapsados ou em guerra civil são quase inexistentes.

Estados Unidos? Canadá? Portugal? Reino Unido? França? Austrália? Todos esses – e mais algumas centenas – já estao aptos a receber livros do Clube.

Há limitações?

Em um primeiro momento, sim: apenas livros em tamanho A5 e A4 podem ser entregues – e apenas em capa brochura (ou seja, sem ser espiral ou capa dura). Ainda estamos trabalhando para viabilizar as impressões internacionais de livros em outros formatos (como pocket ou quadrado).

Ainda assim, os A5 serão impressos lá fora sem orelhas, tendo sido essa uma condição imposta a nós pelas gráficas de fora do país.

Mas estamos trabalhando para ampliar as características dos livros.

O que você deve fazer para que seu livro seja vendido fora do país?

Ele está publicado no Clube de Autores? Então você não precisa fazer nada.

Observe essa imagem de tela abaixo, aqui neste post. Ela se refere à página de carrinho de compra de um livro. Perceba que, dentre as opções de envio, adicionamos a “desejo receber fora do Brasil”.

É só isso: basta selecionar essa opção e o sistema fará a conversão para o dólar, moeda padrão para todas as transações, e permitirá que você escreva o endereço.

Simples assim.

O que você ganha com isso?

Essa é a mais simples das respostas: um mercado potencial de quase 55 milhões de leitores. Nada mal, hein?

Há próximos passos a serem dados?

É claro que há – e muito além da inserção de outros formatos e especificações de livros. Mas isso, por enquanto, ainda é um segredinho :)

 

Leia Mais

Que livrarias revendem os livros do Clube de Autores?

Temos recebido essa pergunta com alguma frequência – o que é natural dado que, hoje, estar presente na maior gama possível de livrarias online é fundamental para garantir mais vendas.

Vamos além, até: hoje, cerca de metade das vendas de livros do Clube acontecem nessas livrarias.

Entenda isso, portanto, como uma das maiores – senão a maior – vantagem que oferecemos a todos os escritores: somente aqui, no Clube de Autores, um livro autopublicado consegue ser distribuído em tantos sites sem que você precise pagar nada a mais por isso.

Isso significa que basta publicar o seu livro e ele irá automaticamente para todas as livrarias?

Não.

Algumas livrarias – como Cultura e Amazon, por exemplo – exigem que o livro tenha ISBN (que você pode saber como tirar clicando aqui).

E, sim, isso significa que seu livro deve ter o registro de ISBN. Até porque, convenhamos… se você já se deu ao trabalho de escrever uma história, por que evitaria cumprir uma burocracia simples e barata e que garantirá exposição dela ao mundo?

Separamos, abaixo uma lista de livrarias e requisitos de distribuição delas – mas temos também uma página que fala exatamente sobre isso e que sempre estará atualizada.

Vale conferir!

 

 

Leia Mais