Você não viverá direito se não ler

Desculpem-me a acidez no título, mas não há como florear o óbvio.

Vivemos duas vidas na nossa existência: a cronológica e a intelectual.

Nossa vida cronológica é óbvia, linear, de uma indiscutibilidade feita de cimento. Nós nascemos, crescemos, procriamos (às vezes) e morremos. Simples assim, direto assim, da mesma forma que ocorre com macacos, lebres e amoebas.

Não há o que discutir na vida cronológica: façamos o que quisermos, o tempo sempre seguirá impávido, senhor dos senhores, ignorante de todo e qualquer desejo que porventura quiser dobrá-lo.

Se você não lê, é a este tempo que deverá obediência para o resto de seus dias.

Mas e se tiver o hábito de ler?

Bom… aí tudo muda.

Porque, nos livros, você poderá mergulhar em outros mundos e tempos com a facilidade de quem se teletransporta em histórias de ficção científica. Poderá passear pela Inglaterra Vitoriana, se assustar com a Inquisição medieval, saborear as belezas do Rio da década de 50 ou mesmo voar por uma Nova York destruída por alienígenas robôs que nunca existiram de fato.

De fato.

Essa existência intelectual nos permite até redefinir o que é fato e o que é ficção.

Deixamos de ser caretas, presos às imagens que entram pelas nossas íris.

Aprendemos a entender que verdade não é necessariamente algo que vemos, mas sim tudo o que sentirmos ou percebermos, ainda que em nossos íntimos individualíssimos.

Porque há mais para a vida do que apenas a tediosa cronologia que envelhece as nossas células: há as histórias que a humanidade aprendeu a deixar pelo caminho como rastros de sua própria divindade.

Há a imaginação escrita, transcrita, inscrita.

Há as tantas páginas dos tantos livros capazes de nos catapultar para tantos tempos e mundos diferentes.

Capazes de nos fazer, em uma única vida cronológica, viver dezenas ou centenas ou milhares de vidas com a simultaneidade da nossa vontade, do nosso desejo.

Basta abrir um livro.

E depois outro.

E mais outro.

E deixar as vidas entrarem.

Certa vez disseram que só se vive uma vez. Besteira pura, essa.

Vive-se quantas vezes se quiser. O que basta mesmo é querer.

Porque o caminho para isso… bom, o caminho está nas tantas livrarias que hoje recheiam a Internet e as equinas de todas as cidades.

Leia Mais

Livros do Clube de Autores passam a ser vendidos fora do Brasil

Há mercado para autores independentes fora das nossas fronteiras

De acordo com o Ministério das Relações Exteriores, cerca de 3 milhões de brasileiros estavam morando fora do país em 2016 – número que, ao que tudo indica, deve apenas ter aumentado nos últimos anos devido à crise recente pela qual passamos. Além deles, há também cerca de 50 milhões de cidadãos de outros países que falam português – um número extremamente expressivo por si só.

Claro: todas essas pessoas tendem a consumir livros vendidos localmente, seja em seus países de origem (Portugal, Moçambique, Angola etc.) ou nos países para os quais emigraram. Mas o fato é que, por sermos o país mais populoso (80% das pessoas que têm o português como idioma nativo vivem no Brasil), é natural que a maior parte dos livros em nosso idioma sejam brasileiros.

Quem vive fora costuma ter a opção, naturalmente, de comprar ebooks… mas ebooks representam uma parcela ínfima do mercado total (entre 2 e 3%).

Aqui entra a principal pergunta: onde essa massa de pessoas acha livros impressos em português, principalmente se estivermos falando de produções brasileiras?

A resposta: importando em sites nacionais (e pagando uma fortuna de frete) ou em esparsas livrarias espalhadas aqui e ali. Porque as opções realmente são mínimas.

Até agora.

Como as vendas internacionais foram viabilizadas?

O maior desafio é justamente a burocracia entre fronteiras. Para citar um exemplo, o frete para entrega de um livro nos Estados Unidos, por si só, pode custar três vezes mais que o valor do próprio livro – e levar cerca de um mês para chegar ao seu destino.

Já imaginou uma operação rodando assim – só que em escala? A administração seria tão ruim quanto a qualidade do serviço.

A solução para um problema desse tamanho passou por localizar e negociar com gráficas fora do país – e aqui entrou um novo problema.

O tradicional complexo de vira-lata brasileiro nos empurra sempre a acreditar que tudo o que fazemos já é feito – melhor – nos outros países. Nada pode estar mais longe da verdade.

São pouquíssimas as empresas no mundo que conseguem viabilizar a impressão sob demanda. O próprio Clube de Autores, diga-se de passagem, foi considerada a empresa mais inovadora do mundo no segmento de publishing pela Feira do Livro de Londres – e isso em 2014!

E foi um fato: achar gráficas capazes de imprimir sob demanda e entregar em outros países durou muito, muito tempo. Depois que achamos, fazer as integraçoes tecnológicas que viabilizassem o processo levou outro pedaço largo de tempo.

E de testes.

E de acertos.

Até que, no começo de fevereiro, colocamos no ar uma versão beta.

E agora? O Clube de Autores está entregando fora do país?

SIM!!!!

Desde meados de fevereiro já passamos a entregar para quase todos os países do mundo, como noticiado em primeira mão pelo Estado de São Paulo. O “quase” fica por conta de países como a Síria e a Venezuela, pois estruturas logísticas em países economicamente colapsados ou em guerra civil são quase inexistentes.

Estados Unidos? Canadá? Portugal? Reino Unido? França? Austrália? Todos esses – e mais algumas centenas – já estao aptos a receber livros do Clube.

Há limitações?

Em um primeiro momento, sim: apenas livros em tamanho A5 e A4 podem ser entregues – e apenas em capa brochura (ou seja, sem ser espiral ou capa dura). Ainda estamos trabalhando para viabilizar as impressões internacionais de livros em outros formatos (como pocket ou quadrado).

Ainda assim, os A5 serão impressos lá fora sem orelhas, tendo sido essa uma condição imposta a nós pelas gráficas de fora do país.

Mas estamos trabalhando para ampliar as características dos livros.

O que você deve fazer para que seu livro seja vendido fora do país?

Ele está publicado no Clube de Autores? Então você não precisa fazer nada.

Observe essa imagem de tela abaixo, aqui neste post. Ela se refere à página de carrinho de compra de um livro. Perceba que, dentre as opções de envio, adicionamos a “desejo receber fora do Brasil”.

É só isso: basta selecionar essa opção e o sistema fará a conversão para o dólar, moeda padrão para todas as transações, e permitirá que você escreva o endereço.

Simples assim.

O que você ganha com isso?

Essa é a mais simples das respostas: um mercado potencial de quase 55 milhões de leitores. Nada mal, hein?

Há próximos passos a serem dados?

É claro que há – e muito além da inserção de outros formatos e especificações de livros. Mas isso, por enquanto, ainda é um segredinho :)

 

Leia Mais

Que livrarias revendem os livros do Clube de Autores?

Temos recebido essa pergunta com alguma frequência – o que é natural dado que, hoje, estar presente na maior gama possível de livrarias online é fundamental para garantir mais vendas.

Vamos além, até: hoje, cerca de metade das vendas de livros do Clube acontecem nessas livrarias.

Entenda isso, portanto, como uma das maiores – senão a maior – vantagem que oferecemos a todos os escritores: somente aqui, no Clube de Autores, um livro autopublicado consegue ser distribuído em tantos sites sem que você precise pagar nada a mais por isso.

Isso significa que basta publicar o seu livro e ele irá automaticamente para todas as livrarias?

Não.

Algumas livrarias – como Cultura e Amazon, por exemplo – exigem que o livro tenha ISBN (que você pode saber como tirar clicando aqui).

E, sim, isso significa que seu livro deve ter o registro de ISBN. Até porque, convenhamos… se você já se deu ao trabalho de escrever uma história, por que evitaria cumprir uma burocracia simples e barata e que garantirá exposição dela ao mundo?

Separamos, abaixo uma lista de livrarias e requisitos de distribuição delas – mas temos também uma página que fala exatamente sobre isso e que sempre estará atualizada.

Vale conferir!

 

 

Leia Mais

20 dicas quentes para divulgar seu livro

Como divulgação de livros é sempre, sempre um tema demandado e importante por aqui, hoje recomendarei a leitura de um artigo feito no Administradores.com já há algum tempo (mas que continua atual).

Nele, acrescento apenas a minha dica:

Dica 21: JAMAIS PUBLIQUE SEU LIVRO APENAS COMO EBOOK. Afinal, não é só o fato de que 89-98% das vendas no Brasil sejam de impressos, mas também o de que publicá-lo em papel é totalmente gratuito aqui no Clube. Assim, o que exatamente você teria a ganhar ao não publicar no formato preferido dos leitores?

Quer ver as outras 20 dicas? Clique aqui

Quer aproveitar e baixar um guia inteiro sobre como divulgar o seu livro? Então venha diretamente por aqui e construa o seu público ideal!

 

Leia Mais

Como registrar o ISBN para seus livros

Alguns autores entraram em contato conosco perguntando sobre o ISBN para os seus livros. Por prestar um serviço de publicação de livros completamente gratuito para os autores, o Clube (www.clubedeautores.com.br) não pode garantir o ISBN (que tem custo) às obras – ficando isso a cargo dos próprios escritores.

Mas podemos (e devemos), claro, ajudar. Então, vamos a alguns esclarecimentos:

O que é o ISBN?

Segundo o site da Biblioteca Nacional, “o ISBN – International Standard Book Number – é um sistema internacional padronizado que identifica numericamente os livros segundo o título, o autor, o país, a editora, individualizando-os inclusive por edição. Utilizado também para identificar software, seu sistema numérico é convertido em código de barras, o que elimina barreiras lingüísticas e facilita a sua circulação e comercialização.

É preciso ter ISBN para cadastrar o livro no Clube de Autores?

Não, não é. O ISBN é uma forma de catalogar livros – mas não é ele que define o que é e o que não é uma obra literária. O foco do Clube de Autores é permitir que os autores publiquem as suas obras – considerando o seu conteúdo como a peça mais importante.

No entanto, uma série de livrarias parceiras do Clube de Autores exige o ISBN para aceitar revender os livros – incluindo Livraria Cultura, Amazon, Estante Virtual. Ou seja: se você publicar o seu livro sem o ISBN, ele será vendido normalmente no Clube de Autores; se publicar com, ele será vendido tanto no Clube de Autores quanto em todas as livrarias parceiras, o que, de longe, garante um alcance muito, MUITO maior. 

Qual a importância de ter o ISBN?

A principal importância é facilitar que a sua obra seja encontrada e distribuída, como comentamos acima. Por exemplo: se você quiser que seu livro seja revendido nas livrarias parceiras do Clube de Autores, precisará ter o ISBN. Alguns sites ou redes sociais focadas em livros, por sua vez, também exigirão. Assim, por mais que não seja obrigatório ter um ISBN, é aconselhado. Como o custo é relativamente baixo, vale a pena.

Quanto custa o ISBN? 

Na verdade, você precisará se cadastrar como editor-autor antes de poder fazer o registro do seu ISBN. Hoje, 17/10/2018, os valores são: 

Cadastro de editor-autor: R$ 270,00 (pagos uma única vez)

ISBN: R$ 20,00 (pago a cada livro cujo ISBN você precisar registrar)

De qualquer forma, o site da Agência de ISBN tem uma tabela de preços sempre atualizada e que você pode utilizar para conferir. 

Como fazer para conseguir o registro?

O processo pode parecer complicado, mas não é. Na verdade, é até bastante simples, desde que você siga os passos esclarecidos aqui neste post. 

A primeira coisa a se fazer é acessar o site da Agência Brasileira do ISBN, onde todo o processo será feito. Não se assuste: o volume de informações e a forma que elas estão dispostas na página parecem feitos para te confundir, mas mantenha o foco aqui e te guiaremos por todo o processo.

Passo 1: Cadastre-se como editor-autor

A primeira dúvida que costuma aparecer é sobre a editora. Bom… se você é um autor independente, então a editora é você mesmo. Esse ponto é importante, pois volta e meia recebemos emails de autores perguntando se o Clube de Autores pode ser considerado como editora (e a resposta é “não”).

Como, então, fazer o cadastro? 

Vá diretamente a este link aqui, da página de cadastro de editor.

Uma vez lá, preencha os campos da seguinte maneira: 

Preenchimento do cadastro

Identificação: Entre com seu email e digite a senha que pretende cadastrar (com 6 dígitos)

Dados do Editor: Selecione a opção “pessoa física” e insira seu nome completo, seu CPF e, se quiser, um pseudônimo (opcional).

Aqui também cabe uma observação: editores pessoa física podem registrar até 30 ISBNs sob seu nome. Se tiver mais obras, você precisará abrir um CNPJ e fazer o cadastro por pessoa jurídica (o que pode ser feito no mesmo site, bastando que escolha a opção de “pessoa jurídica” nessa etapa). 

Dados complementares: Auto-explicativo, não? é só preencher o seu endereço completo e seguir adiante. 

Confirmação de dados: Última etapa do preenchimento, bastará que você confirme os dados e siga adiante.

Confirmação de cadastro e login

Feito isso, você receberá um email para validar o cadastro contendo um link. Basta que clique nesse link. Feito isso, você irá para uma tela de confirmação que terá, abaixo de um box informativo, o seguinte texto: clique aqui para realizar o login de editor e preencher a primeira solicitação de ISBN

Bom… obedeça. Clique ali e você começará o processo de registro de ISBN. 

Passo 2: Solicitação do ISBN

Login

A tela que se abrirá será esta aqui, por onde você poderá fazer o seu login (inserindo email e senha cadastrados na etapa anterior) e iniciar o registro. 

Após acessar a área de editor, você irá para uma tela com uma espécie de resumo do seu histórico e um menu no lado esquerdo. Clique na opção Histórico Editorial

Solicitação de Prefixo Editorial

Como você é um editor pessoa-física, essa etapa será bem rápida: basta que preencha o campo que aparecerá com o pseudônimo que cadastrou ou, caso não o tenha cadastrado, com o seu nome completo. 

Feito isso, confirme a solicitação do prefixo editorial e siga adiante. 

Solicitando o ISBN

Dados principais

Preencha as informações do seu livro. Perceba que apenas os itens marcados com asterisco (*) são obrigatórios. No entanto, exceto pelo preço, recomendamos que preencha tudo. 

Por que recomendamos que deixe o preço em branco? Porque, aqui no Clube de Autores, você poderá mudá-lo quando quiser para, por exemplo, se acomodar à demanda que perceberá apenas depois do seu livro estar no mercado. 

Os dados principais, portanto, são: 

Título

Tipo de obra: Escolha a opção “título independente”

Assunto: Escolha uma das opções disponibilizadas pela própria Biblioteca Nacional, mesmo que entenda que seu livro não se enquadre exatamente em uma delas. Se quiser, veja aqui a lista completa de assuntos.

Preço: Deixe em branco

Idiomas: Escolha o idioma em que seu livro estiver escrito. Caso seja um livro bilíngue, você pode escolher mais de um idioma ao clicar nas opções enquanto mantém a tecla “control” (CTRL) pressionada. 

Tradução: Se o livro for de sua autoria, selecione a opção “não traduzido”. Se você for o tradutor, selecione a opção “traduzido”.

Dados complementares

Aqui a coisa começa a parecer mais complicada, principalmente para o modelo de autopublicação (que não tem pre-definições tradicionais como, por exemplo, tiragem). Vamos fazer algumas recomendações de preenchimento para você mas, claro, se perceber algo de diferente entre o que recomendamos e o seu livro, fique à vontade para mudar. Seja como for, procure não entrar em pânico com o formulário :-) 

Tipo de Suporte: Escolha “papel”. 

Acabamento: Escolha “econômico”

Capa: Escolha o tipo de capa que pretender usar no Clube. Na imensa maioria dos casos, a capa é “brochura”, que é o que recomendamos que selecione. 

Páginas: Número de páginas do seu livro

Edição: Número de edição (normalmente, “1”; preencha apenas com números)

Ano da edição: O ano atual

Cidade: Escolha a cidade em que você vive

Estado: Escolha o estado em que você vive

Tamanho: Escolha o tamanho (exato ou o mais o próximo) da sua obra. No Clube, o formato padrão, mais utilizado, é o A5 (ou 14×21). 

Comercializado: Escolha “sim” (afinal, seu livro será vendido).

Escala: Deixe em branco.

Salve e siga adiante.

Participações

Aqui é o local em que você inserirá os nomes de todos os autores da obra. Se for apenas você, basta deixar os seus dados – nome, tipo de participação (autor) e país – clicar em adicionar e, depois, em avançar. 

Se for uma obra em coautoria, apenas vá adicionando os dados dos co-autores, sem esquecer de selecionar o tipo de participação de cada um, e depois avance. 

Anexando a documentação

A tela seguinte pedirá quatro diferentes documentos que você deverá anexar. São eles: 

Documentos Complementares referentes ao seu cadastro: Esta parte é meio confusa, então recomendamos que anexe apenas caso a Agência solicite depois (há como voltar a esta etapa).

Cópia do CPF/ CNPJ: Clique em “informar” e cadastre uma cópia simples e legível do seu CPF.

Folha de Rosto: Clique em “informar” e cadastre a sua folha de rosto (página “oficial” que “abre” o livro). Há dois modelos de folha de rosto que você pode baixar aqui e copiar:

Documentos Complementares referentes ao seu ISBN: Esta parte é meio confusa, então recomendamos que anexe apenas caso a Agência solicite depois (há como voltar a esta etapa).

Quando terminar de anexar tudo de acordo com as instruções, clique na opção “voltar para solicitação”.

Pagamento

Você irá para uma tela de confirmação de dados. Lá, se quiser, você poderá editar qualquer parte do cadastramento feito até aqui ou simplesmente seguir adiante. 

Para seguir adiante, simplesmente clique em “fechar pedido” e, depois, na opção “tela inicial”.

Sabe aquele resumo de sua conta que comentamos lááááááá no começo do processo, depois da tela de login? Pois é: é para lá que você irá e será lá que a opção de pagamento aparecerá. 

Apenas clique na opção “boleto” e pronto: o boleto será gerado. A partir daí você deverá efetuar o pagamento (online ou em qualquer agência bancária). 

Normalmente, boletos levam de 2 a 3 dias úteis para serem compensados. Depois desse prazo, o status do seu pedido (nessa mesma tela inicial” mudará e o registro do ISBN será avaliado pela Agência. 

Se você tiver preenchido tudo corretamente, o ISBN será aprovado e você receberá instruções por email sobre como proceder a partir daí. 

Se faltar algo, você também receberá um email com as pendências e instruções sobre como resolvê-los. 

De qualquer forma, como email nunca é um meio 100% confiável (pois, às vezes, as mensagens simplesmente vão parar na caixa anti-spam sem que você sequer veja), recomendamos que faça o login no site e veja a tela inicial em uma ou duas semanas para conferir se há atualizações. 

Seja como for, cabem algumas observações importantes: 

  1. Se houver algum tipo de pendência que você precise resolver, não entre em pânico. Você precisará, sim, voltar ao site da Agência do ISBN e desbravar o seu caminho até a solução. No entanto, eles têm este manual aqui que pode te auxiliar. 
  2. Você não precisa solicitar o código de barras do ISBN para cadastrar seu livro no Clube. Basta ter o número do ISBN: com ele e o nosso próprio sistema gerará o código de barras gratuitamente e o posicionará na contracapa. 
  3. Você pode fazer o registro do ISBN para livros impressos e digitais (sendo necessário usar ISBN’s diferentes para cada formato). Se precisar, por questões financeiras, escolher um, vá no impresso. Para ebooks, a maioria das livrarias não exige o ISBN, o que significa que a utilidade prática do código acaba caindo por terra por enquanto. 

É preciso ter um novo ISBN para mudanças na obra?

De forma geral, mudanças nas obras devem, sim, ter um novo ISBN atribuído a ela. Segundo o site da Agência de ISBN, deve-se atribuir um novo ISBN:


– a cada edição de uma publicação;
– a cada edição em idioma diferente de uma publicação;
– a cada um dos volumes que integram uma obra em mais de um volume e também ao
  conjunto completo da obra (coleção);
– a toda reedição com mudança no conteúdo(texto) da obra;
– a cada tipo de suporte, tipo de formato, tipo de acabamento e tipo de capa;
– as reimpressões fac-similares;
– as separatas (desde que apresentem títulos e paginação próprios);

Obs:
– a reimpressão pura e simples de um livro NÃO requer outro ISBN;
– mudança na cor da capa, formato de letras e correção ortográfica do texto da obra, NÃO requer outro ISBN.

No caso de publicações eletrônicas, no entanto, exige-se apenas que a obra não seja atualizada com frequência – sem que uma periodicidade seja definida.

Precisa de mais ajuda?

Buscamos, aqui, ser o mais detalhado e prático possível para esta tarefa. A nossa sugestão é que você “enfrente” essa pequena burocracia sem medo pois, de fato, é só seguir as instruções e em pouco tempo seu ISBN estará em suas mãos e seu livro será comercializado nas maiores livrarias do país. 

De qualquer forma, se precisar de mais detalhes sobre o processo, recomendamos que baixe este manual de registro de ISBN feito pela própria Agência de ISBN. 

Se quiser/ precisar, temos também este manual sobre como publicar seu livro gratuitamente aqui no Clube de Autores.

Leia Mais