Participe da FLIBA, o primeiro evento feito por e para autores independentes do Brasil!

No próximo dia 19 de setembro – uma terça-feira – o Clube de Autores realizará a I FLIBA – Festa Literária do Baixo Augusta – em São Paulo. Será o primeiro evento 100% voltado pra autores independentes do Brasil.

A FLIBA acontecerá na Passagem Literária – uma galeria subterrânea que une a Rua da Consolação à Avenida Paulista, em São Paulo, e que sempre foi dedicada à literatura como um todo. Todo o evento terá um formato inovador – a começar pelo seu estilo. Ao invés de organizá-lo em um local distante do público (como é o caso da Flip, em Paraty, ou mesmo das grandes feiras de livro que acontecem nos sempre fora de mão centros de exposição), a FLIBA acontecerá em um ponto de passagem tradicional de milhares de pessoas. Ou seja: aqui, o evento em si é que irá até onde o público estiver.

E as atrações? Isso depende de você. 

Temos um total de oito espaços/ momentos de exposição para autores – e você pode ocupar um deles. Através do site (http://fliba.clubedeautores.com.br) ou do atendimento@clubedeautores.com.br, você mesmo poderá se candidatar a ocupar um desses espaços para expor o seu trabalho. Qualquer forma de manifestação artística relacionada a literatura vale: encenação, leitura de trechos da obra, saraus, debates, palestras etc.

A mecânica é simples: você diz o que deseja fazer e nós levamos a um comitê de avaliação e seleção. Caso aprovado, o espaço será seu para que divulgue o seu livro, as suas ideias e a sua história para um público de milhares de leitores que, todos os dias, cruzam a Passagem Literária de São Paulo.

Quer participar? Envie sua ideia agora da forma mais detalhada possível até o dia 29 de agosto e leve a sua arte até o grande público!

Screen Shot 2017-08-07 at 10.35.38

 

 

 

Leia Mais

A poesia está morrendo?

Escrevi em algum outro post que o mundo tem perdido suas metáforas para os discursos diretos, menos carregados de simbolismos que no passado. O papo hoje é invariavelmente reto: há, afinal, liberdade de expressão demais para se perder tempo escondendo significados em teias literárias meticulosamente engendradas. 

Não gosto disso, confesso: prefiro, e muito, o universo dos códigos multisignificantes que nos deu Shakespeare, Tolstoi, Guimarães Rosa. Mas tenho também total ciência de que minha opinião aqui é absolutamente irrelevante. 

O fato é: se poesias formam um estilo rebuscado por natureza, tão carregado de lirismo quanto de simbolismo, há como elas sobreviverem em tempos que preferem linguagens tão mais cruas? Há como imaginar Rembrandts para uma plateia que prefere pieguices políticas rabiscadas nos muros das grandes cidades? 

Olhemos o passado. 

Na época dos trovadores, a literatura era praticamente restrita a poesia. Com o tempo, parágrafos foram substituindo versos e endireitando os labirintos. Ainda tínhamos Camões e Anchietas, mas convivendo com artistas mais… digamos… literais que literários. 

Caminhemos um pouco mais. 

Sim, encontraremos Fernando Pessoa, cruzaremos com Drummond, toparemos com Manoel de Barros… mas eles passam a ser mais indivíduos únicos do que representantes de todo um tempo.

E perceba também que, aos poucos, os nomes vão ficando cada vez menos conhecidos, famosos. 

Olhe para nossos tempos. Quais os poetas mais renomados de hoje? Sim, certamente há alguns que minha falha memória não me deixa enxergar… mas esses alguns são mais sobreviventes teimosos do que amostras de um vasto universo artístico.

“Poesia é brega”, ouve-se dizer com cada vez mais frequência. “Não tenho paciência para poesia”, alguém mais completa. 

Mas a pergunta que faço é simples: há espaço para a poesia em tempos de demanda tão direta por informação nua e crua, mais óbvia que sinuosa, mais ilustrada que simbolizada? 

Torço para que sim com a mesma força que lamento que não. 

E torço também para que nossos poetas de hoje sigam na batalha construindo o mundo dos seus sonhos nos mais belos versos. Um dia, espero, o mundo dará uma de suas conhecidas voltas e eles terão o devido valor. 

Leia Mais

Releia-se

Ultimamente, temos nos envolvido em um projeto aqui no Clube focado principalmente em analisar as obras para entender se há alguma fórmula mágica por trás do sucesso. Até agora, a resposta que chegamos é que não, não há. Pelo menos não como regra.

Mas há, sim, um elemento comum em quase todos os sucessos que analisamos de dentro e de fora do Clube: o envolvimento direto do autor. Tá, isso pode ser batido: já falamos incontáveis vezes aqui no blog que o autor que não estiver disposto a se “autoempresariar”, utilizando todo o (vasto) acervo de mídias sociais para criar e engajar uma audiência, dificilmente conseguirá alçar vôos maiores.

Mas há mais nesse envolvimento do que apenas buscar público. Tem uma coisa que autores costumam não gostar muito de fazer – mas que pode mudar radicalmente o destino de seus textos: relê-los.

Às vezes, quando terminamos de escrever, já damos o assunto por encerrado e buscamos imediatamente uma maneira de publicar e começar a “caçar” os nossos públicos. Mas isso está certo? É o melhor caminho?

Mesmo repetindo aqui que não há fórmula mágica, arrisco-me a uma resposta bem direta: não, não é. Afinal, exceto em casos raríssimos, todos cometemos alguns deslizes ao longo de uma narrativa. Seja ignorar o rumo de um personagem, errar cronologias básicas ou mesmo cometer errinhos simples por falta de pesquisa, tudo pode acontecer. E sabe como evitar?

Fazendo uma releitura da obra. Uma, duas, três vezes.

Dificilmente um escritor fará uma releitura sem mudar uma coisa aqui e outra acolá – mas essas mudanças são boas. É como “educar” o texto, como formá-lo melhor, como deixá-lo no estado de perfeição que sempre almejamos. E quer saber? Procurar uma ajuda externa, de algum amigo que goste de literatura, sempre ajuda também.

Assim, se podemos deixar uma dica importantíssima desse novo estudo no qual estamos embrenhados por aqui, que seja essa: releia-se.

Um texto relido e retrabalhado fica sempre, sempre mais fluido e gostoso.

image

 

 

Leia Mais

Há espaço para grandes feiras no futuro do livro?

Na era pre-Internet, as grandes bienais (principalmente São Paulo e Rio), além de feiras internacionais de grande porte, eram tidas como fundamentais para o segmento editorial como um todo. Nelas, novidades do mercado eram anunciadas, profissionais do livro se reuniam e consumidores conseguiam se aproximar de seus ídolos e se sentirem mais próximos das histórias que consumiam. 

Isso mudou. 

Hoje, as grandes novidades do mercado aparecem antes pela Internet: a era da comunicação transformou encontros físicos em coisa quase desnecessária para este propósito. Isso é especialmente verdadeiro no Brasil: enquanto feiras internacionais são também usadas para lançamentos de títulos poderosos, nosso cenário é outro. Aqui, o investimento em autores brasileiros é tão mínimo – e tem caído tão bruscamente nos últimos anos – que há poucas novidades. Pouquíssimas. 

As grandes feiras se transformaram em feirões de desconto de livros – um péssimo negócio para todos os envolvidos. O motivo? Simples: na era da Internet, com o ecommerce que segue crescendo mesmo a despeito de crise, enfrentar filas e multidões, pagar ingresso, andar quilômetros em ambientes abafados e se estapear para ser atendido para comprar um livro com desconto é desnecessário. E o que tende a acontecer com eventos que solucionam problemas desnecessários? Eles desaparecem. 

Isso não significa que não haja espaço para feiras de livro: há, e muito. Em primeiro lugar, porque é um momento onde se pode reunir, sob o manto da literatura, os amantes das letras; e, em segundo, porque sempre há o que se falar sobre livros. Só há que se mudar o modelo. 

Talvez não haja espaço para feirões gigantescos e tumultuados: da mesma forma que as livrarias modernas, há que se transformar esses eventos, que mudá-los em forma e conteúdo. Talvez o ideal seja mudar o modelo para algo mais intimista e aprofundado – algo como Flips e afins, sempre repletas de palestras e bate-papos relevantes. 

Eventos mais intimistas quebram a barreira entre autor e leitor: todos viram participantes ativos de um processo de narrativa, interagindo, se conhecendo, trocando experiências e expectativas. 

O Clube de Autores nunca participou de grandes bienais justamente por isso: nosso papel em eventos é, antes de mais nada, o de trocar histórias: contar a nossa, ouvir as dos nossos autores e buscar sinergias para que construamos novas histórias juntos. Temos dificuldade em sequer entender eventos literários que buscam algo diferente disso. 

Aparentemente, estamos deixando de ser os únicos pensando assim. Na medida em que o mercado editorial brasileiro entra em uma crise sem precedentes, muitos de seus principais expoentes começam a repensar tudo: modelo de negócios, de comunicação, de interação.

Que bom: nenhuma hora é melhor para mudar o que não está funcionando do que o agora. E sabe o que é perfeito? No mundo todo, quem mais está ganhando espaço e oportunidade com essas mudanças é o setor de autopublicação e, claro, os autores independentes que estão desbravando os novos territórios literários. 

Eventualmente, não se discutirá mais como autores independentes podem participar de eventos, mas sim como os eventos podem ser construídos de maneira a destacar e fortalecer a autopublicação, principal berço dos novos talentos em todo o mundo.

  

Leia Mais

Há dias em que tudo o que queremos é escrever

Esse final de ano tem sido especialmente corrido para nós, aqui no Clube. Com todo um segundo semestre complicado, polarizado primeiro pela Copa e depois pelas Eleições, é como se seis meses úteis tivessem sido espremidos em dois: novembro e dezembro.

Estamos implementando melhorias no site, otimizando acordos com canais de venda, inserindo sistemas de sugestões automatizadas de livros para ajudar no processo de venda de cada um dos títulos e assim por diante. E, claro, lidando com picos de demandas que atingiram proporções épicas desde meados de novembro.

Não me entendam errado: picos de demanda é tudo o que tanto nós quanto todos os autores buscam. Significa que há mais vendas ocorrendo, mais histórias sendo contadas e mais crescimento para a literatura independente como um todo.

Mas há dias – e tenho certeza que todos os escritores entenderão isso – que tudo o que queremos é ter um pouco mais de tempo para colocar a nossa mente em ordem e fazer as nossas mãos caminharem ágeis sobre o teclado, agrupando letras em palavras, palavras em frases, frases em parágrafos e parágrafos em histórias.

Bom… enquanto o trabalho não dá trégua, vou tentando acumular a inspiração para os últimos dias de dezembro, quando o ano costuma desacelerar. E aproveitar esse período para gerar o máximo possível de histórias pois, se tem uma coisa clara, é que 2015 será absolutamente intenso por aqui!

Leia Mais