E-Books e o futuro

No mês passado, a Biblioteca Nacional, em conjunto com a Maison de France  o Instituto Goethe, realizou o encontro E-Books e a Democratização do Acesso.

O evento inclui uma série de exposições de opiniões e casos, apresentados por alguns dos maiores especialistas no assunto e que ajudam o mercado a montar a sua visão de futuro em relação aos livros.

Como em todo momento de mercado em que uma novidade muda a percepção geral, é comum termos fatalistas que preconizam a morte instantânea dos impressos – ao mesmo tempo em que outros garantem que livros eletrônicos não passam de um modismo pouco prático.

Seja como for, dois fatos claramente contradizem as duas previsões:

1) Livros eletrônicos estão efetivamente crescendo a um ritmo consistentemente forte em todo o mundo; e

2) Livros impressos sob demanda crescem a um ritmo ainda maior do que o de livros eletrônicos

A conclusão mais ponderada que se chega é a de que as pessoas estão simplesmente lendo mais – e utilizando formatos de leitura diferentes, de acordo com a circunstância, necessidade e disponibilidade. Há espaço para todos os formatos – impressos, e-books e audiobooks? Provavelmente sim, ao menos por muito tempo. Mas a nossa recomendação é que, antes de formar qualquer opinião radical sobre o assunto, os escritores abram as suas mentes e mergulhem no que os especialistas que mais estudam o mercado estão observando.

O evento que mencionamos é um belo exemplo. No site da Biblioteca Nacional, algumas das principais palestras estão disponibilizadas de forma gratuita, ilustrando números, conclusõe e tendências. Quer ver?

Então clique aqui, na imagem abaixo ou vá diretamente ao link http://www.bn.br/portal/index.jsp?nu_padrao_apresentacao=25&nu_item_conteudo=1951&nu_pagina=1

E boa “e-leitura”!

 

 

Leia Mais

Biblioteca Nacional abre inscrições para prêmios literários

Até o dia 24 de outubro, os escritores interessadospodem registrar as  suas obras de acordo com a sua categoria, divididas em oito opções: Poesia, Romance, Conto, Ensaio Literário, Ensaio Social, Tradução, Projeto Gráfico e Literatura Infantil e Juvenil (segue abaixo as descrições das categorias).

Cada autor só pode concorrer em uma categoria e no máximo com três títulos. Caso a obra tenha mais de um autor apenas um deles poderá fazer a inscrição.

O prêmio, realizado desde 1997 pela Fundação Biblioteca Nacional, é uma forma de reconhecer e apoiar não apenas os melhores livros brasileiros, mas sim aqueles que motivam e engrandecem a literatura nacional. Além das placas comemorativas, cada categoria premia a obra vencedora em 12.500 reais.

Para concorrer, o livro deve ser inédito (1ª edição), publicado em português e no Brasil entre 1º de setembro de 2010 e 31 de agosto de 2011. Não existe nenhuma taxa de inscrição.

Para ler o edital completo, clique aqui.

Para baixar a ficha de inscrição, clique aqui.

Informações também pelo telefone (21) 2220-2057 e/ou pelo e-mail cgll@bn.br.

Descrição das Categorias

  • Romance: Narrativa ficcional longa.
  • Conto: Narrativa ficcional curta.
  • Poesia: Expressão textual lírica que utiliza efeitos linguísticos sonoros, rítmicos e harmônicos, escritos em prosa ou verso. Atividade criativa da linguagem, com base em recursos sintáticos, vocabulares e gramaticais.
  • Ensaio literário: Textos que apresentam ideias e reflexões a respeito de teoria, interpretação e crítica literária.
  • Ensaio social: Textos que apresentam ideias e reflexões a respeito de um tema, como História, Filosofia, Ciências Sociais, Política, Sociologia e Antropologia.
  • Tradução: Obras literárias (romance, conto, poesia, crônicas) traduzidas de outros idiomas para o português do Brasil.
  • Projeto gráfico: Conjunto da criação e disposição de elementos gráficos e textuais no livro – capa, tipologia, arte, fotos, imagens, cores, formas, texto, diagramação, papel e impressão.
  • Literatura Infantil e Juvenil: Obras de conteúdo ficcional, podendo ou não conter elementos de não-ficção, que abordam temas e assuntos destinados ao público infantil e juvenil.

Leia Mais

Sobre livros, crianças e imaginação

Nenhum outro meio de comunicação, em todo o mundo, permite que se inicie uma viagem pela imaginação de forma tão intensa quanto um livro.

Segundo especialistas, o fato de livros trabalharem apenas com textos e, em alguns casos, imagens (desconsiderando vídeos, animações, narrações etc.), acaba fazendo com que os leitores usem as suas imaginações para “completar” a interpretação das histórias. Ou seja: com base em uma descrição textual de um protagonista qualquer, a mente voa longe ao construir a imagem mental da personagem.

Se isso funciona para uma personagem, imagine então para enredos inteiros, cenários, terras desconhecidas e cenas surrealistas!

E imagine agora tudo isso no universo de crianças que, com aquela abençoada ingenuidade em relação às coisas da vida, tem viagens turbinadas pelo encantamento proporcionado pelo desconhecido e pela tênue fronteira que separa realidade de magia.

Não é à toa que, a cada ano que passa, registra-se interesses crescentes de crianças por obras literárias.

Aqui no Clube, por exemplo, o gênero “infanto-juvenil” tem mais de 400 títulos sobre os mais variados temas – incluindo desde maneiras diferentes de se ensinar mitologia grega (Pelos Poderes dos Deuses Olimpianos, de Sarah Minucci) a verdadeiras jornadas aventureiras (As Aventuras de um Sapato Caramelo, de Jurandi Alves Siqueira) e FanFics, apreciadíssimos principalmente entre adolescentes e pre-adolescentes (The Colt’s Secret, de Kel Costa).

Seja qual for o tema ou o enredo, o fato é que essas centenas de títulos publicados nos últimos dois anos já foram lidas por milhares de crianças e adolescentes de todo o país – muitas do quais, inspiradas, escreveram os seus livros e publicaram aqui no Clube, fortalecendo um ciclo virtuoso que transforma bons leitores em bons autores.

Participar desse enriquecimento cultural em uma das fases mais incríveis da vida – a infância – é um dos nossos maiores orgulhos aqui no Clube.

Nas próximas semanas, aliás, já devemos começar a anunciar uma série de novidades que em muito agradarão aos escritores infantis e que darão a eles mais ferramentas para contar o que costuma ser mais precioso: as suas histórias.

Enquanto isso, ficamos por qui desejando um excelente feriado e um dia das crianças repleto de letras e imaginações!!!

Leia Mais

Promoção do Dia das Crianças começa hoje no Clube!

De hoje, dia 10, até o sábado, dia 15, o Clube de Autores comemora o Dia das Crianças com uma nova promoção!

Todos os impressos estarão com desconto de até 20%, com as seguintes regras (como de praxe):

1) Todas as obras impressas publicadas no Clube já estão incluídas na promoção;

2) Os descontos variam de acordo com a paginação de cada obra (sendo, portanto, diferente para cada uma);

3) Os descontos não abrangem os direitos autorais. Ou seja: independentemente do montante cortado no preço, os direitos autorais permanecem rigorosamente os mesmos e os autores não serão prejudicados em nenhum aspecto. Caso queiram ampliar as quedas de preço no período mexendo nos direitos autorais, os próprios autores deverão fazê-lo indo a Meu Espaço > Livros Publicados, clicando em “gerenciar” e em “editar direito autoral”.

4) O desconto durará até o final do sábado.

A todos os autores, desejamos boas vendas e uma semana repleta de letras!

Leia Mais

Autor Edweine Loureiro vence Prêmio Literário Ferreira Gullar

Edweine Loureiro é um daqueles autores que está movimentando o universo literário com as suas ações e letras, ganhando visibilidade, leitores e, claro, reconhecimento.

Radicado no Japão, ele chegou a usar o seu livro, por exemplo, para ajudar as vítimas do terremoto que sacudiu o país em abril deste ano (veja post clicando aqui).

Além de efetivamente auxiliar os tantos desabrigados (seus vizinhos, diga-se de passagem), a ideia teve como efeito colateral chamar a atenção da mídia japonesa, que louvou a atitude e abriu espaço para ele em diversos veículos locais.

Enquanto isso, no Brasil, a carreira de Edweine seguiu em ritmo próprio, provando a tudo e a todos que, em tempos de Internet, a distância certamente não é barreira para ninguém. Entre novos textos e vendas de seu livro, o autor foi contemplado, agora em outubro, com o primeiro lugar do prêmio Ferreira Gullar, realizado pela Editora Assis, de Uberlândia.

Certamente uma porta a mais que se abre para o autor de Clandestinos que, assim, vai aumentando a sua base de leitores e fortalecendo uma carreira que, no mínimo, pode-se considerar muito promissora.

Leia Mais