Aprenda com os livros independentes mais recomendados pelo público

O que a preferência do público pode contribuir com o seu livro?

Desde que implementamos no sistema a recomendação de livros, há alguns anos, todos aqui ficamos curiosos para saber quais obras se destacariam no site. Na prática, as recomendações são feitas com base em parâmetros totalmente técnicos, incluindo a obtenção de selos que, por sua vez, apontam as obras que estão sendo melhor recebidas por parte da comunidade de leitores em diversos aspectos.

Hoje, paramos um pouco e filtramos a primeira página da livraria para que exibisse as obras ordenando pelas mais recomendadas (clique aqui para ver).

Quais as características comuns dos livros mais recomendados?

É claro que, quase sempre, generalizações costumam ser perigosas. O motivo? Padrões não são regras. Ou seja: a partir desses quase dez anos de observação de desempenho de livros independentes, formulamos algumas conclusões extremamente claras sobre o que funciona e o que não funciona – mas isso não significa nem que basta seguir essas conclusões para ter sucesso e nem tampouco que não as seguirem estará fadado ao fracasso. 

Em outras palavras: estamos falando aqui de melhores práticas comprovadas pelas estatísticas, de trabalhos feitos por uma massa de milhares de autores que demonstraram sucesso perante seus públicos (e que, portanto, no mínimo servem de referência para todos)

E quais são as melhores práticas que observamos a partir das recomendações do público? Vamos a elas:

Todas tem capas totalmente personalizadas, chamativas, vendedoras.

Sabe a máxima de que livros vendem pela capa? Ela é real. Assim, de pouco adianta passar meses ou anos trabalhando em um livro se você usar uma capa padronizada, esquisita, que diga pouco sobre sua obra. Este é um ponto que, sim, você PRECISA investir. 

Acesse este post aqui para ver como fazer a capa perfeita para o seu livro.

A grande maioria tem diversos comentários de leitores, seja no site ou nas redes sociais.

É o caso de Trilhando Sonhos, de Thiago Fantinatti, e de Alta Sensibilidade Emocional, de Helena Polak

A maioria dos autores que tem as suas obras como mais recomendadas também possuem páginas biográficas repletas de notícias, deixando claro que tem reconhecimento do mercado – um importante fator de decisão.

É o caso de “Logística Reversa“, que, tem 9 notícias publicadas e 5 sites sobre a autora.

Todos deixam habilitada a opção de contato com o leitor, mostrando abertos e acessíveis.

Em nossos tempos, abrir contato entre autor e leitor é essencial para se criar relacionamento e se fomentar o bem mais precioso que pode existir: a conexão.

A imensa maioria tem ISBN.

Já falamos tanto sobre isso aqui (veja este post, por exemplo) que corremos o risco até de ficarmos repetitivos. Por que ISBN importa? Porque sem esse registro você simplesmente não consegue aproveitar uma das (senão “a”) maio vantagem do Clube de Autores: ter o seu livro distribuído pelas principais livrarias do Brasil

Tecnicamente, para o autores, isso significa uma coisa óbvia: presença. 

A propósito, você pode clicar aqui se quiser saber como registrar o seu ISBN.

E há mais a se considerar, claro: basta que você pesquise

Há ainda diversos elementos importantes a se destacar, mas o fato é que parece indiscutível o empenho dos autores tanto no acabamento quanto na divulgação de suas obras. E há aqui uma diferença importante entre as mais vendidas e as mais recomendadas: enquanto o ranking de vendas expressa um histórico das obras que estão no ar, o de recomendações apresenta o que constatamos ser tendências. Ou seja: é possível que algumas das mais vendidas tenham já extinguido os seus ciclos – mas as mais recomendadas estão ainda sendo comentadas rede afora, crescendo juntamente com os seus públicos.

Que fique como dica nossa para os autores do Clube: vejam os selos de reconhecimento e busquem formas de obtê-lo, pois eles são um atalho prático para que cada obra possa ter mais visibilidade, integrando essa lista das mais promissoras do site.

 

Leia Mais

Deixemos, então, o nosso legado

Na sexta passada eu fiz aqui um post, digamos, meio pessimista quanto ao estado em que nos encontramos enquanto país e sociedade. E, verdade seja dita, fica difícil escrever otimismos dado o cenário em que vivemos.

Por outro lado, há sempre um lado extremamente positivo sobre a História: ela é infinita. Se nosso presente tem sido marcado por tropeços e escândalos do passado, temos também a chance de escrever um futuro muito, muito diferente desses tempos em que vivemos.

Como?

Fazendo o que mais amamos: escrevendo.

Porque futuros não são feitos do livre-arbítrio desconectato de quem quer que seja que apareça do nada no cenário nacional. Futuros são criados a partir de desejos de manutenção ou mudança de realidades, de visões e percepções generalizados dos povos que compõem uma determinada sociedade.

E quem registra esses cenários, essas realidades?

Nós, escritores.

Somos nós que, coletivamente, pintamos o retrato perfeito da nossa sociedade por meio de enredos, personagens e tramas que se encaixam nos mundos em que vivemos.

Somos nós que damos emoção, carne e osso aos sempre frios fatos e estatísticas.

Somos nós que formamos a época em que vivemos.

E essa é, pois, a mais importante das contribuições que podemos fazer ao nosso país e ao nosso mundo: escrever.

E publicar.

E fazer o máximo possível de leitores entender que estão lendo uma versão pluridimensional das suas próprias vidas.

Leia Mais

A mais nobre das artes? A nossa, claro!

Escrever, claro.

Que outra seria? Que outra arte nos permite criar e recriar, com riqueza e sofisticação tão exageradas de detalhes, mundos inteiros?

Que outra arte nos permite descrever os nossos mundos para as gerações futuras, narrar as mazelas e sortes dos nossos tempos, desenhar futuros e inspirar os presentes que deles nascerão?

Nenhuma.

A grande maioria dos que estão aqui agora, lendo este post, escreve. A grande maioria tem ou está no processo de ter um livro publicado, seja aqui no Clube ou em qualquer outro lugar.

E, como parte do Clube de Autores, não posso deixar de dizer que reunir tantos mestres da narrativa aqui, tantos exemplos perfeitos do que há de mais contemporâneo na mais sagrada das artes, é um dos maiores orgulhos que carrego.

Então, se me permite, termino este post de segunda com uma única palavra: parabéns.

Parabéns a todos vocês, autores, por escreverem o nosso mundo e por inspirarem os mundos do futuro.

Writing Cave

Leia Mais

Estamos cercados por histórias. Basta agarrar a que mais convier.

No post da segunda passada, comentei da inimaginável e quase inacreditável jornada dos exploradores ingleses a bordo do Endurance que, na tentativa de cruzar a Antártida, precisaram sobreviver por mais de um ano acampados sobre icebergs e enfrentando algumas das pragas mais severas da humanidade.

Na quarta, falei da verdadeira explosão de pensamentos na mente do irlandês Christopher Nolan no instante em que uma droga experimental deu a ele movimentos mínimos nos olhos e cabeça para que conseguisse se comunicar.

Foram dois exemplos extremos: um de um grupo convencional de pessoas que praticamente caçaram suas adversidades nos confins do mundo, outro de um cidadão paralisado, que tinha tudo para morrer como um vegetal, mas que decidiu imortalizar-se a partir da exposição singular do universo que existia em seu cérebro.

Entre as vidas dos exploradores do Endurance e do Nolan, estamos nós. Todos nós, os mais de 5 bilhões de humanos do planeta.

A inegável e inignorável lição que eles nos deixaram: boas histórias nos cercam por todos os lados. Para honrar as nossas vidas, basta que agarremos as que preferirmos, nos catapultarmos para dentro delas e escrevê-las com as nossas próprias canetas.

Escrevamos.

Leia Mais

Confira a programação da FLIBA, primeiro evento literário exclusivamente voltado para autores independentes!

Festa Literária do Baixo Augusta, organizada pelo Clube de Autores, contará com manifestações artísticas em uma galeria subterrânea que une a Rua da Consolação à Avenida Paulista, em São Paulo

O Clube de Autores, primeira e maior plataforma de autopublicação da América Latina, realiza no dia 19 de setembro, em São Paulo, a primeira edição da FLIBA – Festa Literária do Baixo Augusta. Foram mais de 120 projetos inscritos, sendo oito selecionados para serem apresentados no primeiro evento voltado para autores independentes do Brasil.

“Tivemos uma aceitação muito grande por parte dos autores independentes. A programação traz destaques como Alex Rangel, Alessandra Benete, Danilo Dias, Giselle Del Pino e outros nomes que estão se destacando no cenário literário. Serão diversas manifestações artísticas relacionadas à literatura: encenação, leitura de trechos da obra, saraus, debates e palestras”, explica Ricardo Almeida, presidente do Clube de Autores.

A FLIBA acontecerá em uma galeria subterrânea que une a Rua da Consolação à Avenida Paulista, e que sempre foi dedicada à literatura como um todo. Aberta ao público, a manifestação terá no total dez espaços/momentos de exposição para os autores apresentarem seus trabalhos. Confira abaixo a programação do evento:

10h: PARA TUDO QUE NÃO DEU CERTO – Por Alessandra Benete

Uma apresentação artístico-literária, informal e contudente, de crônicas do livro “Para tudo que não deu certo”. Marcada pela interação informal com os transeuntes de forma poética, precisa e sedutora, durante a apresentação, será encenada a jornada do autor mostrando a importância de um livro sem “amputação” do “eu” do autor.

11h: SARAU MUSICADO – Por Quistue e Junior Azuos

Sarau musicado, em que o autor Daniel Elias recitará seus textos e interpretará personagens, fazendo o público mergulhar no mundo da literatura, da poesia e das artes. Todos os transeuntes serão convidados a participar deste sarau que terá, como fundo, trilhas sonoras improvisadas ao piano, interpretadas pelo músico Junior Azuos.

12h: O MUNDO ENCANTADO DOS MINISTROS DO RISO – Por Alex Rangel

Uma apresentação cheia de alegria com música, contação de histórias e interações artísticas, tudo isso em um ambiente circense em meio a mini gincanas. Alex Rangel é fundador, criador, diretor, produtor dos Ministros do Riso, incluindo textos e personagens, escritor de mais de 20 livros publicados.

13h: A FOICE, UMA INTERVENÇÃO ARTÍSTICA – Por Danilo Dias

Uma leitura imersiva do primeiro capítulo do livro “A Foice”. Durante a apresentação, o público poderá se maquiar com cortes e machucados iguais aos de filmes de terror, além de tirar fotos com o personagem que dá título à obra, sob a trilha sonora de terror especificamente composta para a obra.

14h: UMA TARDE EM PARIS – Por Giselle Del Pino

Nessa apresentação, a artista valorizará os textos contidos dentro das canções para extrair o cerne o sumo e a poesia falada. Tudo isso será feito aplicando a música como subtexto revelando-a como profundo instrumento de organização sensorial.

15h: ILHA DE DESTROÇOS – Por Caco Pontes e Caleb Mascarenhas

Num elo perdido entre a era primitiva e a industrial pós-apocalíptica, um poeta e um cientista social multimídia se unem para filtrar frequências sonoras, ruídos e mensagens telepáticas da quinta dimensão, por meio de narrativas que variam entre o caos e a física quântica, em busca do sagrano-profano presente nas ruas.

16h: COMPARTILHANDO EXPERIÊNCIAS – Por Alex Rocha

Através de um varal literário, o público será convidado a interagir e apreciar textos literário, com viés político, visando experimentar e refletir a respeito de episódios de ódio gratuito racial vivenciadas pelo artista.

17h: UMA TARDE EM PARIS – Por Giselle Del Pino

(Acima)

18h: O MUNDO ENCANTADO DOS MINISTROS DO RISO – Por Alex Rangel

(Acima)

19h: INTERVENÇÃO LITERÁRIA – Por Igor Pires

Nesta intervenção, os transeuntes da passagem serão abordados de forma lúdica, com trechos de obras literárias visando retirá-los da sua zona de conforto e se permitir contemplar o instante através das lentes dessa arte.

20h: SARAU DA CONEXÃO CULTURAL E PONTES – Por Bruno Capão

O objetivo é estreitar os laços de afeto entre as pessoas de São Paulo. Para isso, convida o Conector Cultural Bruno Capão, cofundador do Sustenta Capão e Fundador da Associação Lado B, para criar um espaço generativo de conexão através do sarau, da cultura e da arte.

Parceira do Clube de Autores, a AlphaGraphics, especialista em soluções de impressão digital e comunicações personalizadas, será responsável pelo apoio na produção de backdrops, cartazes, placas e banners do evento. Além disso, a empresa distribuirá aos participantes da FLIBA brindes especiais do agBook , divisão de livros sob demanda da AlphaGraphics, por meio de marcadores de página com códigos especiais de descontos.

“A participação da AlphaGraphics no evento representa uma oportunidade de ajudarmos a promover a cultura brasileira e consolidarmos nossa liderança no gerenciamento de impressão de livros sob demanda no Brasil”, assinala Rodrigo Abreu, sócio-presidente da AlphaGraphics Brasil.

Serviço
Evento: FLIBA – Festa Literária do Baixo Augusta

Local: Rua da Consolação, 2525 – São Paulo

Data: 19/09/2017

Horário: 10h às 20h

Site: http://fliba.clubedeautores.com.br/

 

 

Leia Mais