10 pousadas ideais para deixar a inspiração de escritor aflorar

Um dos principais ingredientes para um escritor é, claro, a sua inspiração.

E, apesar da inspiração nascer, em grande parte, de lá do fundo da alma, um bom lugar para escrever sempre ajuda.

Fizemos uma pequena lista de pousadas por todo o Brasil que tem ambientes próximos do ideal: silêncio, belas paisagens e ares bucólicos verdadeiramente inspiradores. Para quem estiver de férias, vale a pena cogitar se “internar” em um desses lugares para fazer o que escritores costumam mais amar: escrever!

Os preços nem sempre são os mais convidativos – mas que dá vontade, isso dá ;-)

– Orixás Art Hotel, em Fortaleza (CE): http://www.orixashotel.com.br/
– Hotel Capim Limão, em Petrópolis (RJ): http://www.capimlimao.com.br/
– Estalagem St. Hubertus, em Gramado (RS): http://www.sthubertus.com/
– Pousada Rosa Picinguaba, em Picinguaba (SP): http://www.pousadarosapicinguaba.com.br/
– Pousada Saint Moritz, em Búzios (RJ): http://www.saintmoritzbuzios.com/
– Pousada Terra Madre, e, Ilha Bela (SP): http://www.pousadaterramadre.com.br/portal/
– Pousada Porto da Lua, em Praia do Forte (BA): http://www.portodalua.tur.br/
– Pousada A Rosa e o Rei, em São Francisco Xavier (SP): http://www.arosaeorei.com.br/
– Kiriuwa Hotel, em monte Verde (MG): http://www.kuriuwahotel.com.br/
– Pousada do Cedro, em Santo Antônio do Pinhal (SP): http://www.pousadadocedro.com.br/

A inspiração já bateu? Então está na hora de escrever!

Quer algumas dicas sobre como aproveitar melhor essa inspiração? Que tal ver este post aqui sobre como escrever um livro de sucesso? Ou este, sobre como lançar o seu livro?

Leia Mais

Como escrever o começo da sua história

Seguindo a mesma linha da sexta, este outro vídeo é focado em uma das maiores dificuldades de todo autor: o começo do livro.

Porque é no começo que se ganha ou se perde um leitor, é o começo que determina a cadência do enredo, é no começo que o destino de toda história se determina. Isso é tão verdade, aliás, que já chegamos até a fazer um post sobre as primeiras frases dos grandes clássicos da literatura mundial.

Assim, sem desconsiderar todos os outros pontos fundamentais para se escrever um bom livro, vale conferir essas dicas aqui sobre os começos:

 

 

Leia Mais

2019 que já começa quente

Comemoramos feito loucos, no ano passado, os resultados do Clube. Em um período no qual o mercado editorial chorou quase incessantemente, afinal, conseguimos crescer 30%, um exemplo claro de quanto a literatura está mudando e de quanto os autores independentes estão ganhando mercado.

E frisamos isso porque, na prática, o Clube de Autores é mais consequência do que causa de todas essas mudanças. Não somos nós que escrevemos os livros, afinal: são os autores que aqui os publicam – os mesmos que já deram claros sinais de terem entendido toda a dinâmica do mercado editorial, disponibilizando obras cada vez melhor acabadas em todos os sentidos (do texto à capa).

A pergunta que nos fizemos em dezembro foi: “e no ano que vem? Será que esse ‘boom’ foi pontual, fora da curva, ou será que a estrada foi devidamente e definitivamente pavimentada para os escritores independentes?”

Bom… janeiro parece já estar nos dando a resposta.

Porque hoje, dia 1 de fevereiro, paramos para olhar para trás e constatamos – com sorrisos nos rostos – o que já se materializava como óbvio: o crescimento segue. Mais que isso: se comparados a janeiro do ano passado, o Clube de Autores cresceu 32%, tendo recebido um valorosíssimo número de títulos que tem desempenhado de maneira impressionante.

O que isso significa? Que 2019 começou tão (ou mais) quente quanto foi todo o ano de 2018 para os autores independentes.

Aproveitemos esse momento.

Mudemos em definitivo o mercado editorial brasileiro.

Leia Mais

Vivendo de escritor

Sim, sei que viver (ou sobreviver) como escritor não é exatamente uma tarefa fácil. E, antes que comecem a jogar a culpa no Brasil e em todos os problemas que assolam nosso país, já me antecipo em afirmar que é uma vida difícil em qualquer lugar do mundo. Até na Suécia.

Mais na Suécia do que no Brasil, aliás, porque os nossos 200 milhões de habitantes garantem público leitor bem, BEM maior.

Mesmo assim, mesmo considerando as dificuldades de se construir uma carreira sobre letras no que certamente é o mais competitivo dos mercados artísticos do mundo, o sonho nunca foi tão palpável.

Quem escreve, afinal, escreve de tudo: livros, crônicas, contos, artigos, posts em blogs.

É aqui que entra a magia dos nossos incríveis tempos.

Se você tem algo de relevante a dizer, se tem uma fluidez literária interessante e se tem uma disposição mínima para criar uma presença nas redes sociais, em breve somará um público leitor.

De like em like, de comentário em comentário, esse público tende a crescer desde que você mantenha constância em suas publicações e responda aos feedbacks da comunidade que começará a crescer em torno das suas letras.

Não que isso o transformará em um “influencer”, para usar um dos esdrúxulos termos da moda, capaz de cobrar zilhões de reais por um mísero post. Mas isso te dará o que novos autores mais precisam: um público base.

A partir daí, novas oportunidades comerciais podem surgir a partir dos seus textos – e a chance de um público estar disposto a comprar os seus livros certamente aumentará (até porque você efetivamente terá um público para chamar de seu).

O mais legal de tudo isso? Aos poucos, seus textos poderão passar de atividade coadjuvante a principal em sua vida.

Repito que não é (e, provavelmente, jamais será) um sonho fácil de ser alcançado. Todo grande sonho tem essa mania de ser difícil, de demandar suor e lágrimas até ser alcançado. Mas desde que você tenha perseverança e saiba nutrir (tanto comercial quanto tecnicamente) sua paixão pela literatura, é certamente um sonho extremamente alcançável.

 

Leia Mais

Que tal voltar à escola?

Se você ainda é estudante, por favor ignore este post.

Se não é, considere.

Recentemente, embalado por alguns livros de história, me peguei lendo outros que marcaram a literatura dos seus períodos como maneira de entender melhor as decisões que transformaram o nosso país no que ele é hoje. Isso inclui os poetas do arcadismo de Ouro Preto, abolicionistas como Castro Alves, realistas como Machado de Assis etc.

Acabei me dando conta de uma coisa: a riqueza literária produzida por esses tantos gênios filhos da pátria acaba relegada a um infeliz segundo plano no âmbito do estudo secundarista. Em muitos casos – e aqui falo por mim – um estudante simplesmente não tem maturidade para entender, com a devida profundidade, os contos de Álvares de Azevedo ou as narrativas de Raul Pompeia.

E talvez essa lacuna acidental em nossa educação literária tenha sido uma das responsáveis pela nossa geração (novamente, falo por mim) ser a que menos lê em toda a história brasileira.

O bom é que sempre há tempo de mudar – começando portam volta às aulas. Partamos, portanto, das primeiras letras da história literária brasileira. Como essa playlist abaixo que, embora talvez excessivamente básica e focada em provões que eu pessoalmente desprezo (como o ENEM), pode nos mínimo indicar alguns caminhos interessantes…

Leia Mais