Compartilhando o depoimento de uma autora

Na semana passada recebemos esta mensagem de uma autora do Clube, Carol Sales. Normalmente não postamos no blog mensagens assim… mas sempre há uma exceção. Trabalhamos tão duro aqui, afinal, que receber um elogio desses é sempre motivo de orgulho e sorrisos generalizados!

À Carol, queria apenas deixar registrado que a satisfação e o orgulho são todos nossos de tê-la aqui, como parte do Clube, honrando a nova literatura brasileira que está sendo escrita a cada dia!

Nem sei como começar a descrever toda satisfação que venho tendo de fazer parte do Clube de Autores, mas isso não iria me coibir de tentar. Sou autora independente há pouco mais de dois anos. Fui leitora compulsiva desde que me descobri gente e escrevi à mão por mais de 13 anos antes de finalmente me aventurar nesse mundo editorial. Só recentemente descobri vocês por meio mais direto de outra autora nacional, Amatrici Romero, que recentemente lançou seu romance Argus entre Ciganos e Lobos. Decidi experimentar.

Em todos os campos, vocês estão com nota máxima, mas vou comentar aqui o que mais me chamou atenção e me deixou muito feliz de estar com vocês na criação dos meus livros físicos. A opção de pagamento por boleto bancário, que facilita e muito aos meus leitores que não possuem nenhum cartão de crédito; preço de custo do exemplar bem dentro do que eu vinha orçando com outras gráficas, sendo que, com vocês, sai bem mais em conta para o consumidor final e para mim, além de que, com essas gráficas, é
exigido uma tiragem mínima. Meu franco agradecimento e gratidão. Qualidade de material empregado no exemplar e velocidade de entrega, então? Sem palavras! Surpreendentemente bom, estimulante, eletrizante. No que depender de mim, os contatos no meio que vieram estreitando laços de amizades comigo terão meu sincero incentivo de entrar para o Clube com suas obras.

No fundo e a bem da verdade, só tenho um lamento, e é de não ter conhecido o Clube antes.

Mais uma vez, deixo meus sinceros agradecimentos e abraços para toda equipe, vocês estão de parabéns em todos os níveis!

Carol Sales

Leia Mais

Conhecendo os micromomentos dos leitores

Na quarta passada fiz um post inteiramente pautado em zeitgeists e no excesso de inspirações que o nosso complicado mundo nos entrega diariamente. O Google tem uma interpretação “complementar” a isso: segundo eles, todas as decisões de consumo são, hoje, cozinhadas por “fatos precedentes” e tomadas em “impulsos imediatos”.

Isso apenas sublinha (ou complementa) a importância de se saber “captar o momento” do leitor: se uma decisão de compra é disparada de maneira tão instantânea, resta aos autores saber como “incentivar” essa instantaneidade, como fazer o gatilho ser disparado.

O segredo pode estar em diversos lugares: em uma sinopse antenada à atualizada e que consiga se destacar nos buscadores, em eventos diferentes que despertem a curiosidade, em uma presença intensa nas redes sociais certas ou até mesmo em uma capa cuidadosamente perturbadora.

A base desse (e de qualquer) segredo, no entanto, é a mesma: conhecer o seu público leitor. Há como escrever alguma história de sucesso sem isso?

Vale acompanhar o vídeo abaixo, do Google, sobre o conceito de micromomentos:

 

Leia Mais

Matheus Lara lançou em Curitiba coletânea de contos “Má Conduta”

O post é “velho”, referindo-se a um lançamento que já aconteceu. Mas, ainda assim, é importante: trata-se, afinal, de um destaque dado a um autor daqui do Clube pela imprensa nacional.

Matheus Lara foi um dos vencedores da IV edição do Prêmio Clube de Autores de Literatura Contemporânea e, claro, continua trabalhando na construção de sua carreira. Este post é, portanto, uma orgulhosa parabenização a este talento que já começa a ser reconhecido em todo o país.

Para acessar a reportagem clique aqui ou na imagem abaixo.

Para acessar o livro A Flor que não é Sua, publicado aqui no clube e de sua autoria, clique aqui.

Screen Shot 2016-03-21 at 10.20.52 AM

 

Leia Mais

Que tal voltar à escola?

Se você ainda é estudante, por favor ignore este post.

Se não é, considere.

Recentemente, embalado por alguns livros de história, me peguei lendo outros que marcaram a literatura dos seus períodos como maneira de entender melhor as decisões que transformaram o nosso país no que ele é hoje. Isso inclui os poetas do arcadismo de Ouro Preto, abolicionistas como Castro Alves, realistas como Machado de Assis etc.

Acabei me dando conta de uma coisa: a riqueza literária produzida por esses tantos gênios filhos da pátria acaba relegada a um infeliz segundo plano no âmbito do estudo secundarista. Em muitos casos – e aqui falo por mim – um estudante simplesmente não tem maturidade para entender, com a devida profundidade, os contos de Álvares de Azevedo ou as narrativas de Raul Pompeia.

E talvez essa lacuna acidental em nossa educação literária tenha sido uma das responsáveis pela nossa geração (novamente, falo por mim) ser a que menos lê em toda a história brasileira.

O bom é que sempre há tempo de mudar – começando portam volta às aulas. Partamos, portanto, das primeiras letras da história literária brasileira. Como essa playlist abaixo que, embora talvez excessivamente básica e focada em provões que eu pessoalmente desprezo (como o ENEM), pode nos mínimo indicar alguns caminhos interessantes…

Leia Mais

Autor do Clube, Thiago Sabino Leite é destaque no portal R7

Livros são, por natureza, os lares dos segredos mais obscuros de qualquer escritor. É sobre suas páginas e capítulos que as almas dos autores se derramam de maneira mais esplendorosa, vergonhosa, orgulhosa, intensa.

O que ocorre, no entanto, é que a maior parte dessa exposição ocorre por meio de metáforas tão bem engendradas que, por vezes, fica difícil saber onde termina o autor e onde começa o personagem. Ou alguém consegue dizer, facilmente, qual a parte de Bentinho que mais revela Machado de Assis ou que faceta de Gregor Samsa melhor expõe Kafka?

Livros que são autobiográficos, no entanto, tendem a anular essa maquiagem metafórica, traçando um caminho mais direto entre os olhos do leitor e a alma do autor por meio de palavras com tons que costumam ser, na falta de um termo melhor, catárticos.

Pois bem: transcrevo abaixo apenas uma frase da matéria divulgada no portal R7 sobre o livro “Uma viagem ao meu ser”, do autor Thiago Sabino Leite, disponível aqui no Clube de Autores:

Após ser diagnosticado com um quadro de transtorno mental e comportamental, Thiago resolveu analisar sua vida até o possível surgimento de seu transtorno.

Creio já ser o suficiente para entender toda a trama do livro, que inclui um mergulho fundo em toda a complexa teia de disrupções que caracteriza o ser humano em geral e, claro, o autor em específico.

Vale ler a matéria inteira, aqui (ou clicando na imagem abaixo).

Screen Shot 2016-02-01 at 11.02.48 AM

E, claro, para ir diretamente à página do livro no clube, clique aqui.

Leia Mais