promover-livro

Como promover seu livro antes de publicá-lo

O segredo da divulgação pode estar antes de se lançar um livro

Não é segredo para ninguém que a mais difícil das tarefas de todo escritor é justamente conquistar os seus leitores para ter sucesso com seu livro. E não: isso não depende exclusivamente do conteúdo do livro e nem é algo que possa ser ignorado ou relegado a um terceiro (como a romântica e hoje inexistente figura de um editor).

Já fizemos, aqui, todo um manual de divulgação de livro que inclui, dentre outras coisas, dicas importantíssimas sobre a construção da sua audiência antes do lançamento (veja aqui).

Mas queremos ir um pouco além da nossa própria visão, abrindo espaço aqui no blog para outras dicas e “fórmulas” que possam ajudar os autores nessa sempre tão difícil tarefa de se tornar conhecido e desejado.

13 dicas relevantes

Aqui, nesse ponto, deixo um pedido de desculpas: é BEM raro eu publicar qualquer conteúdo em inglês aqui no blog. Não é a nossa língua mãe, nem todos sabem falar e, além de tudo, não chega nem perto da beleza do idioma português (ao menos em minha opinião).

Mas fatos são fatos: há mais livros autopublicados nos EUA do que livros publicados em toda a América Latina. Isso tem um efeito colateral: um mar de especialistas estudando e criando conteúdo útil para escritores que, como todos nós, buscam o seu lugar ao sol.

Recentemente, me deparei com um artigo do Buzzsumo entitulado “13 Experts on How To Promote Content Before Hitting Publish“. Traduzindo: são opiniões de 13 especialistas sobre como promover o seu conteúdo antes de publicar – uma tarefa importantíssima por permitir que o autor já lance o livro com uma audiência formada. Perfeito, não?

Leia Mais

Deixemos, então, o nosso legado

Na sexta passada eu fiz aqui um post, digamos, meio pessimista quanto ao estado em que nos encontramos enquanto país e sociedade. E, verdade seja dita, fica difícil escrever otimismos dado o cenário em que vivemos.

Por outro lado, há sempre um lado extremamente positivo sobre a História: ela é infinita. Se nosso presente tem sido marcado por tropeços e escândalos do passado, temos também a chance de escrever um futuro muito, muito diferente desses tempos em que vivemos.

Como?

Fazendo o que mais amamos: escrevendo.

Porque futuros não são feitos do livre-arbítrio desconectato de quem quer que seja que apareça do nada no cenário nacional. Futuros são criados a partir de desejos de manutenção ou mudança de realidades, de visões e percepções generalizados dos povos que compõem uma determinada sociedade.

E quem registra esses cenários, essas realidades?

Nós, escritores.

Somos nós que, coletivamente, pintamos o retrato perfeito da nossa sociedade por meio de enredos, personagens e tramas que se encaixam nos mundos em que vivemos.

Somos nós que damos emoção, carne e osso aos sempre frios fatos e estatísticas.

Somos nós que formamos a época em que vivemos.

E essa é, pois, a mais importante das contribuições que podemos fazer ao nosso país e ao nosso mundo: escrever.

E publicar.

E fazer o máximo possível de leitores entender que estão lendo uma versão pluridimensional das suas próprias vidas.

Leia Mais

A mais nobre das artes? A nossa, claro!

Escrever, claro.

Que outra seria? Que outra arte nos permite criar e recriar, com riqueza e sofisticação tão exageradas de detalhes, mundos inteiros?

Que outra arte nos permite descrever os nossos mundos para as gerações futuras, narrar as mazelas e sortes dos nossos tempos, desenhar futuros e inspirar os presentes que deles nascerão?

Nenhuma.

A grande maioria dos que estão aqui agora, lendo este post, escreve. A grande maioria tem ou está no processo de ter um livro publicado, seja aqui no Clube ou em qualquer outro lugar.

E, como parte do Clube de Autores, não posso deixar de dizer que reunir tantos mestres da narrativa aqui, tantos exemplos perfeitos do que há de mais contemporâneo na mais sagrada das artes, é um dos maiores orgulhos que carrego.

Então, se me permite, termino este post de segunda com uma única palavra: parabéns.

Parabéns a todos vocês, autores, por escreverem o nosso mundo e por inspirarem os mundos do futuro.

Writing Cave

Leia Mais

Estamos cercados por histórias. Basta agarrar a que mais convier.

No post da segunda passada, comentei da inimaginável e quase inacreditável jornada dos exploradores ingleses a bordo do Endurance que, na tentativa de cruzar a Antártida, precisaram sobreviver por mais de um ano acampados sobre icebergs e enfrentando algumas das pragas mais severas da humanidade.

Na quarta, falei da verdadeira explosão de pensamentos na mente do irlandês Christopher Nolan no instante em que uma droga experimental deu a ele movimentos mínimos nos olhos e cabeça para que conseguisse se comunicar.

Foram dois exemplos extremos: um de um grupo convencional de pessoas que praticamente caçaram suas adversidades nos confins do mundo, outro de um cidadão paralisado, que tinha tudo para morrer como um vegetal, mas que decidiu imortalizar-se a partir da exposição singular do universo que existia em seu cérebro.

Entre as vidas dos exploradores do Endurance e do Nolan, estamos nós. Todos nós, os mais de 5 bilhões de humanos do planeta.

A inegável e inignorável lição que eles nos deixaram: boas histórias nos cercam por todos os lados. Para honrar as nossas vidas, basta que agarremos as que preferirmos, nos catapultarmos para dentro delas e escrevê-las com as nossas próprias canetas.

Escrevamos.

Leia Mais

Clube de Autores chega na Croácia

Olha que coincidência…

Na semana que começamos a divulgar a nossa distribuição em livrarias, um dos autores daqui do Clube, Ivonei Souza Trindade, nos envia uma notícia sobre uma matéria publicada no Total Croatia News sobre seu livro! Uma coisa não tem nada a ver com a outra, claro – mas exemplifica os bons ventos que autores independentes estão sentindo neste ano.

Deixamos, abaixo, o print e o link para a matéria – que recomendo fortemente que leiam, claro.

E, para saber mais sobre o livro, cuja sinopse também deixo abaixo, é só clicar aqui.

Sinopse:

Este trabalho é uma análise sobre o Caso Pavle Strugar no âmbito da proteção de bens culturais em caso de conflito armado. Pavle Strugar foi julgado pelo Tribunal Penal Internacional para a Ex-Iugoslávia e condenado a mais de 7 anos de prisão. Obra importante para os que possuem interesse em áreas como direito internacional penal, direito internacional do patrimônio cultural e funcionamento da UNESCO.

Screen Shot 2017-06-12 at 10.59.11

Leia Mais