Livro do Clube na lista dos 11 títulos imperdíveis para gestores em 2016

Não poderíamos ter começado o ano com mais motivo para comemoração. Em plena recessão, a necessidade de se repensar o marketing em grandes empresas faz da temática em si um dos grandes assuntos de todo o mundo corporativo. Isso significa que há demanda tão grande quanto oferta sofisticada no mercado de livros do gênero, certo?

Certo.

E, talvez até por isso mesmo, um livro aqui do Clube tenha marcado território na lista dos 11 títulos que todo gestor deveria ler em 2016, segundo a Exame. Eis o Meaningful Marketing, de Marcelo Tripoli, lançado no final de novembro do ano passado e destinado a muito sucesso!

Ficou curioso? Para acessar a página do livro clique aqui ou vá diretamente ao link https://www.clubedeautores.com.br/book/196835–Meaningful_Marketing#.Vpe3ejbTbLI

Para acessar a matéria na Exame, clique aqui, na imagem abaixo ou acesse o link no http://exame.abril.com.br/negocios/noticias/11-livros-que-os-gestores-nao-podem-deixar-de-ler-em-2016#5

Screen Shot 2016-01-14 at 12.53.49 PM

Leia Mais

Crescimento de e-books contraria previsões e desacelera

Há alguns anos, não faltava quem condenasse os livros impressos à morte, substituídos de forma quase instantânea por livros eletrônicos. Em 2008, se encontrava previsões de que o mercado digital seria absolutamente preponderante em um espaço de 5 anos (portanto, até o ano passado).

Não foi o que aconteceu. Nos mercados mais agressivos, aliás, ebooks ainda não chegaram a 25% das vendas. No Brasil, representa apenas 1,6%.

Segundo esta matéria da Exame, aliás, a venda de e-books está perdendo fôlego de maneira tão ágil quanto o seu crescimento inicial:

Depois de um início espetacular, o crescimento da venda de e-books nos Estados Unidos, mercado considerado um laboratório das experiências digitais, perdeu fôlego. De acordo com a consultoria PricewaterhouseCoopers, as vendas de e-books devem crescer 36% em 2013, mas apenas 9% em 2017 — embora sobre uma base obviamente maior.

“Não há mais fôlego para o e-book crescer como antes”, diz o consultor Mike Shatzkin, um dos maiores especialistas em mercado editorial digital. Não é que o consumidor vá perder o interesse, pelo contrário.

Em 2017, a estimativa feita pelo consultor é que apenas 2 em 10 livros serão eletrônicos em 2017.

E que lição podemos tirar daqui? Que, independentemente de qualquer coisa, o conteúdo sempre importará mais do que a forma.

Há situações em que e-books fazem muito sentido – mas outras em que o livro impresso é simplesmente mais prático, desenhando realidades que vão além de hábitos culturais e chegam na sempre buscada facilidade. Ou seja: o que fizer mais sentido sempre ganhará. E livros impressos, dependendo da situação ou do local, fazem muito sentido.

Para escritores, fica uma dica importante: disponibilize o seu livro em todos os formatos e deixe o leitor escolher. Afinal, vendas dificilmente decolarão caso se opte por uma estratégia de restrição.

Leia Mais