Como publicar um livro gratuitamente

Descubra como publicar sua obra de graça nas maiores livrarias do Brasil (e do mundo):

Primeiro ponto importante: não é mais preciso pagar para ter seu livro publicado. Se você ainda não entendeu isso, então está na hora de visitar o Clube de Autores, maior plataforma de autopublicação da América Latina, e fazer um teste pessoalmente.

Segundo ponto importante: publicar um livro gratuitamente não deve ser confundido com publicar um e-book gratuitamente. Reforçamos isso porque é normal se partir do princípio de que só se consegue publicar sem pagar quando o formato do livro não carrega custos de impressão. Só que isso não resolve seu problema, até porque a imensa maioria dos brasileiros – mais de 95% – prefere ler em formato impresso do que em formato digital.

Isso significa que você deve ignorar o formato digital? É óbvio que não. Significa apenas que você não deve ignorar o formato impresso. Claro.

E como não fazer isso? Simples:

1. Tenha o seu livro pronto.

Livros, claro, não se “autofazem”. Se você não deseja pagar nada pela sua elaboração, então deve fazer tudo por conta própria. E o que significa “tudo”? Arquivo devidamente revisado e diagramado, capa, sinopse etc.

Se você ainda está no processo de produção, confira nossas dicas sobre como escrever um livro. Mas, se já finalizou sua obra, temos um checklist completo aqui sobre o que você deve ter em mãos antes de efetivamente publicar o seu livro – vale conferir.

2. Deixe tudo no formato correto para publicação no Clube de Autores

Não há nenhuma plataforma de autopublicação no mundo que não trabalhe com padrões. E há um motivo claro para isso: padrões garantem que você possa entregar a um sistema – e não a uma pessoa – uma obra. E por que é importante entregar seu livro para um sistema? Porque sistemas costumam trabalhar gratuitamente, 24 horas por dia e 7 dias por semana. Simples assim.

Ou seja: se seus arquivos estiverem nos formatos corretos, bastará acessar o site do Clube de Autores, seguir as instruções de publicação presentes no próprio site e pronto: seu livro estará no ar em instantes.

E perceba que não estamos falando, aqui, de nada complicado: tamanhos, formatos de arquivo e tudo mais foram pensados no que o mercado mais utiliza. Ainda assim temos um guia completo e detalhado sobre como publicar seu livro que vale muito a pena conferir.

3. Certifique-se de que seu livro estará em todas as livrarias

Uma das maiores vantagens do Clube de Autores é a sua rede de distribuição. Ou seja: ao publicar aqui, seu livro estará à venda, em formato físico e digital, nas maiores livrarias do país e do mundo (incluindo Cultura, Estante Virtual, Amazon, Submarino e outros, muitos outros).

Para isso, no entanto, você deve autorizar que essa distribuição seja feita.

Não é um processo nada complexo: basta marcar a opção de autorizar distribuição ao final do processo de publicação e pronto: em algumas semanas seu livro ja aparecerá nos sites das mais diversas livrarias.

Resumindo, como publicar um livro gratuitamente?

Encontrar uma plataforma de autopublicação, criar uma conta, enviar o livro nos formatos sugeridos, autorizar a distribuição nas maiores livrarias e pronto. Livro publicado.

É só isso? 

Em linhas gerais… sim. Publicar um livro em formato impresso e digital é algo realmente simples e gratuito hoje em dia. Isso não significa, no entanto, que basta publicar o seu livro e esperar as vendas acontecerem por conta própria.

Definir o preço correto, montar uma estratégia eficiente de divulgação, tudo isso é fundamental para que o sucesso bata à sua porta (além da óbvia necessidade do seu livro ter uma qualidade editorial boa).

O importante aqui, no entanto, é que essa barreira de publicação do livro, antigamente tão inalcançável para tanta gente, é hoje virtualmente inexistente.

Quer publicar o seu livro sem pagar nada e ainda estar disponível nas maiores livrarias do país? Simples: acesse o Clube de Autores, clique em Publique seu Livro e siga as instruções :)

Leia Mais

Não mande originais para editoras: publique e concentre-se no seu público

Mesmo nós sendo uma empresa de autopublicação, um site onde os próprios autores podem, diretamente, publicar seus livros como quiserem e vê-los à venda nas maiores livrarias do país, até hoje recebemos originais pelos Correios.

Às vezes são livros inteiros, encadernados profissionalmente e tudo. Às vezes são manuscritos. Às vezes são páginas impressas a partir do Word. Seja como for, o fato é que letras continuam chegando até nós das mais esdrúxulas maneiras possíveis.

E por que digo “esdrúxulas”?

Porque já passou da hora de autores largarem para trás o utópico sonho de serem descobertos por editoras e de, subitamente, tornarem-se celebridades literárias.

É possível que isso ocorra ainda hoje com uma ou outra pessoa? Sim, é possível – mas elas são o extremo da exceção, bem distante de qualquer coisa que se assemelhe à regra geral.

E, se isso é verdade para o Clube, é igualmente verdade para todas as editoras tradicionais brasileiras – aquelas que não cobram diretamente dos autores para publicarem seus livros, vendendo caro sonhos que dificilmente se transformarão em realidade pelo simples fato de que apenas o autor, e ninguém mais, consegue transformar sua história em um best-seller.

Mas sabe o que acontece quando um original é enviado pelo Correio (ou mesmo pela Internet) na expectativa de que alguma editora o publique sob seu selo? Expectativas são elevadas à altura do Everest; decepções são cozinhadas na medida em que o tempo passa sem resposta; raivas resignadas são geradas a fogo brando; talentos incríveis são perdidos para o mar de lodo morno e amorfo que define a realidade do mercado editorial brasileiro. Colocando em outros termos: é energia demais jogada fora quando a solução está dentro de cada um dos autores.

Quer ter seu livro transformado em best-seller? Publique-o você mesmo aqui no Clube de Autores. Mas publique-o com o carinho que ele merece: com o português revisado, uma capa bem feita, o ISBN registrado, uma diagramação bem feita. Em pouco tempo, seu livro estará na Cultura, na Amazon, na Estante Virtual, na FNAC… no mundo.

Isso resolve o problema? Claro que não.

Mas te leva ao pé da montanha.

A partir daí, é uma questão de refocar as energias. Ao invés de perder tempo e suco gástrico tecendo esperanças vãs com editoras, monte seu próprio evento de lançamento, seu plano de divulgação, lance-se nas redes, faça e cresça seu próprio público, construa sua própria carreira.

Será fácil? Obviamente que não.

Mas certamente será muito mais viável que dedicar vidas (as suas e as dos seus personagens) a rezar por utopias que provavelmente jamais se transformarão em realidade.

295744

Leia Mais

Entendamos o que aconteceu com a Cosac Naify

Nesses últimos dias, o Brasil teve uma das notícias mais tristes de muito tempo sob a ótica da literatura: o fechamento da Cosac Naify.

Não era uma editora comum: seu acervo incluía livros de Tchekhov, Beckett e Boal, para ficar apenas em poucos exemplos, além de ensaios absolutamente densos sobre algumas das grandes questões da humanidade.

Seus livros, por sua vez, eram esculturas de papel: verdadeiras obras de arte trabalhadas para complementar a inquestionável beleza da sabedoria que armazenavam.

O fechamento da Cosac Naify não significa não exista mais espaço para livros de arte, se me permitem a generalização. Mas reforça apenas que o modelo editorial mais tradicional, baseado em uma cadeia perversa de relacionamentos entre livrarias, editoras e autores, já não cabe mais.

Para todos nós, protagonistas de uma nova era da literatura, é um acontecimento importantíssimo que precisamos entender. É algo que diz muito sobre o nosso futuro, inclusive portando mais boas do que más notícias para quem, como todos nós, está abrindo novas possibilidades dentro de um velho mercado.

Ainda assim, claro, é difícil não derramar algumas lágrimas.

Veja a matéria abaixo sobre o fato.

Screen Shot 2015-12-07 at 11.30.38 AM

Leia Mais

Se estiver no Rio, nao perca o InterLivro

São poucos os eventos especificamente voltados para profissionais do livro – seja editores ou diagramadores, capistas etc. Aliás, pouca atenção é dedicada a esses profissionais fundamentais para toda a cadeia literária: sem eles, o potencial de uma boa história acaba sendo absolutamente subexplorado para a tristeza dos leitores e, claro, dos autores. 

Pois bem: uma iniciativa recente quer começar a mudar um pouco esse panorama, integrando profissionais em torno das tantas mudanças que o mercado editorial vem passando e buscando apontar rumos mais uniformes e claros: o Interlivro. 

O evento é gratuito e terá duração de um dia – amanhã, 3 de setembro – lá no Riocentro. E quem falará nele? Alguns dos nomes mais influentes do nosso mercado, como Emma House (Publishers.org.uk, Reino Unido), Jo Lendle (Hanser.de, Alemanha), Elisa Braga (Cia das Letras, Brasil) e mjuitos outros. 

Eu diria até que é um evento que vale a pena não só para os mais de mil profissionais que estão aqui no www.profissionaisdolivro.com.br, mas também para todos os autores e curiosos com os rumos da nossa literatura. 

Enfim: eis a dica para amanhã. Mais informações, inclusive grade, endereços e formulário de inscrição (gratuita) podem ser vistas no http://www.interlivro.com.br

  

Leia Mais

A magia da falta de fronteiras dos ebooks

Dia desses, uma amiga minha de Dubai falou sobre um livro infantil que a editora dela lançou, Alayah. É uma história infantil, daquelas com poucas frases e muita imaginação – mas não foi isso que me chamou a atenção.

O que impressionou, na verdade, foi que acabei me pegando lendo uma história de criança inteiramente calcada na cultura do Oriente Médio para a minha filha de 3 anos, léguas de quilômetros distantes. Aí bateu a (talvez óbvia) conclusão: é impressionante o nível de globalização cultural que o próprio universo dos ebooks proporciona.

Para uma criança que já nasceu na era digital, aliás, o mundo acabou se transformando em uma aldeia tão pequena, onde as barreiras entre diferentes culturas são tão mínimas, que as oportunidades e possibilidades de crescimento intelectual são simplesmente maiores do que em nossa época.

O inverso também é verdadeiro: por meio do próprio modelo de autopublicação, pessoas de todo o país e do mundo podem ter contato com culturas e formas de pensar diferentes, ricas, densas.

Livros são inegavelmente incríveis – mas a quebra de barreiras entre escritores e leitores é algo ainda mais fenomenal.

Ricardo Almeida.

Leia Mais