Vivendo de escritor

Sim, sei que viver (ou sobreviver) como escritor não é exatamente uma tarefa fácil. E, antes que comecem a jogar a culpa no Brasil e em todos os problemas que assolam nosso país, já me antecipo em afirmar que é uma vida difícil em qualquer lugar do mundo. Até na Suécia.

Mais na Suécia do que no Brasil, aliás, porque os nossos 200 milhões de habitantes garantem público leitor bem, BEM maior.

Mesmo assim, mesmo considerando as dificuldades de se construir uma carreira sobre letras no que certamente é o mais competitivo dos mercados artísticos do mundo, o sonho nunca foi tão palpável.

Quem escreve, afinal, escreve de tudo: livros, crônicas, contos, artigos, posts em blogs.

É aqui que entra a magia dos nossos incríveis tempos.

Se você tem algo de relevante a dizer, se tem uma fluidez literária interessante e se tem uma disposição mínima para criar uma presença nas redes sociais, em breve somará um público leitor.

De like em like, de comentário em comentário, esse público tende a crescer desde que você mantenha constância em suas publicações e responda aos feedbacks da comunidade que começará a crescer em torno das suas letras.

Não que isso o transformará em um “influencer”, para usar um dos esdrúxulos termos da moda, capaz de cobrar zilhões de reais por um mísero post. Mas isso te dará o que novos autores mais precisam: um público base.

A partir daí, novas oportunidades comerciais podem surgir a partir dos seus textos – e a chance de um público estar disposto a comprar os seus livros certamente aumentará (até porque você efetivamente terá um público para chamar de seu).

O mais legal de tudo isso? Aos poucos, seus textos poderão passar de atividade coadjuvante a principal em sua vida.

Repito que não é (e, provavelmente, jamais será) um sonho fácil de ser alcançado. Todo grande sonho tem essa mania de ser difícil, de demandar suor e lágrimas até ser alcançado. Mas desde que você tenha perseverança e saiba nutrir (tanto comercial quanto tecnicamente) sua paixão pela literatura, é certamente um sonho extremamente alcançável.

 

Leia Mais

Matheus Lara lançou em Curitiba coletânea de contos “Má Conduta”

O post é “velho”, referindo-se a um lançamento que já aconteceu. Mas, ainda assim, é importante: trata-se, afinal, de um destaque dado a um autor daqui do Clube pela imprensa nacional.

Matheus Lara foi um dos vencedores da IV edição do Prêmio Clube de Autores de Literatura Contemporânea e, claro, continua trabalhando na construção de sua carreira. Este post é, portanto, uma orgulhosa parabenização a este talento que já começa a ser reconhecido em todo o país.

Para acessar a reportagem clique aqui ou na imagem abaixo.

Para acessar o livro A Flor que não é Sua, publicado aqui no clube e de sua autoria, clique aqui.

Screen Shot 2016-03-21 at 10.20.52 AM

 

Leia Mais

Dúvidas frequentes sobre o modelo de crowdfunding e financiamento coletivo

Na semana passada, inauguramos a nossa parceria com a Kickante criando um canal específico para que autores do Clube pudessem montar as suas campanhas de pre-lançamento ou doações de leitores de maneira geral. Recebemos, já de imediato, uma série de dúvidas sobre o funcionamento do modelo em si.

Tomei a liberdade de pegar algumas informações diretamente do site da Kickante que explicam o modelo – que dá ampla liberdade criativa a todos os escritores, diga-se de passagem. Mas entendamos melhor como funciona o crowdfunding e o que você pode ganhar com isso abaixo, clicando nos links referentes a cada tópico. E, claro, para acessar a página e montar a sua campanha gratuita basta ir a http://clubedeautores.kickante.com.br !

Tipos de campanha de crowdfunding

Ferramentas

Vaquinha, financiamento coletivo e crowdfunding

Montando uma campanha de crowdfunding de arrepiar

Algumas regras simples

Leia Mais

Uma história que começou na autopublicação

Recebemos ontem o depoimento de um autor daqui do Clube, o Renan Borges, que recentemente foi convidado a integrar o time de uma editora tradicional.

O relato dele é semelhante ao de muitos autores que começam aqui e que, com o tempo, são “descobertos” por editoras mais tradicionais – motivo pelo qual decidi publicar aqui no blog. Veja abaixo – é uma história que, no mínimo, vale a pena ser compartilhada por representar um caminho seguido por tantos outros escritores brasileiros.

Então decidi que queria um livro. Reuni todos meus textos em um único arquivo e comecei a pesquisar na internet sobre editoras. Como não obtive nenhum patrocínio decidi buscar no Google publicação de livro grátis quando pela primeira vez acessei o Clube de Autores.

No começo senti aquela desconfiança e somente após registrar minha primeira obra decidi arriscar. Fiz o cadastro e não entendia absolutamente nada sobre medidas de livros e os layouts para download foram e são muito úteis até hoje.

Enfim, hora de lançar o Simplesmente Pensando, meu primogênito. Eu virei meu cliente e comprei exemplares para ver o resultado, e quando o livro chegou tive uma maravilhosa surpresa. Bem embalado e com um ótimo acabamento. Era isso que eu precisava. Um espaço para divulgar meu trabalho e também ter um livro de qualidade impresso.

Outros livros foram lançados e sempre utilizei o layout pocket. Recentemente decidi unir todas as obras e dar vida ao “Tudo que Senti”, livro esse que foi revisado, diagramado e teve a capa criada pelo profissionais do livro “oferecido no Clube de Autores”.

Mas eu desejo mais e acredito que todos tem um lugar ao sol. Comecei a fazer contatos que geraram contatos e fui de encontro à Editora UNO.

A editora Márcia, sempre gentil, respondeu a todas minhas perguntas e me passou uma grande segurança.

Decidi enviar meu livro até então recém compilado “Tudo que Senti” e para uma grata surpresa fui contemplado e assinei um contrato de 3 anos.

Outros livros sem dúvida virão. Oportunidades aparecerão. Mas não tenho dúvidas de que o Clube dos Autores foi um primeiro passo a materialização do meu sonho.

Quem sabe eu não publique novamente pelo site? Afinal o futuro é tão incerto. E sei que serei muito bem recebido e terei o excelente suporte que sempre tive.

Renan Borges.

Leia Mais

Giovana Damasceno, jornalista e autora do Clube, é destaque no Portal Imprensa

Quando o Clube começou, lá pelos idos de 2009 (algo como um século em “tempo de Internet”), recebemos inúmeros emails de usuários perguntando sobre o modelo, sobre a questão de se autopublicar etc. Coisa natural, dado que se tratava de algo novo e que, por natureza, suscitaria os questionamentos mais diversos.

De lá para cá, muita coisa mudou – principalmente pela consolidação de um modelo que, nesses três anos, somou mais de 15 mil autores.

Uma das primeiras autoras do Clube foi Giovana Damasceno que – além de escrever eximiamente bem – é jornalista e ativista literária. Recentemente, ela deu uma entrevista para o Portal Imprensa, no UOL, contando toda a sua trajetória e dando importantes dicas para escritores de todos os gêneros.

Nada mais perfeito do que essa recomendação de leitura para fechar a Semana do Escritor, certo? Então, para ler a entrevista na íntegra, clique aqui, na imagem abaixo ou acesse diretamente o link http://portalimprensa.uol.com.br/template/imprensa/page_template/Default.aspx?s=noticias&a=ultimas_noticias&c=52017&tit=publicar+fora+do+circuito+e+para+quem+ama+escrever+diz+a+jornalista+giovana+damaceno

Leia Mais