Histórias da Africa

Já faz algum tempo que me apaixonei por literatura africana. Não só por se tratar do mais velho e místico dos continentes, mas por ele também abarcar as maiores minas de ouro da literatura: conflitos.

Conflitos pessoais, étnicos, éticos, políticos, colonialistas, enfim: base para inspiração não falta na Africa. E, de lá, surgiram contadores de história como Chinua Achebe, Alan Paton, V.S. Naipaul (que, apesar de não africano, escreveu um dos romances mais africanos que já li chamado “A Curva no Rio”) etc.

Infelizmente, a literatura africana é distante daqui do Brasil. Nos aproximamos muito mais dos americanos e europeus do que dos nossos irmãos do outro lado do oceano, o que é uma pena. Mas, no globalizadíssimo mundo em que vivemos, basta querermos para conseguirmos mergulhar nas selvas e savanas literárias proporcionadas pela zona mais selvagem do nosso planeta.

Para dar um empurrãozinho, vai aqui uma palestra incrível sobre histórias da África:

 

 

Leia Mais

Pensamentos inspiradores de escritores africanos

Em setembro, a cidade de Nairobi, no Quênia, recebeu o Storymoja Hay Festival – um dos mais importantes eventos literários do continente africano.

Pouco se fala, aliás, sobre a literatura produzida na Africa – terra que costuma concentrar uma mescla de beleza natural com miséria humana, dois curiosos ingredientes conhecidos por inspirar escritores ao longo de toda a história da humanidade. Ou alguém questiona a sombria tristeza das obras de Kafka e Tchekhov, a solidão dos textos de Hemingway ou a dor que marca as letras de Marguerite Duras?

Se esses dois ingredientes propiciam tão boa literatura, então a África deveria ser um dos maiores berços da cultura escrita.

E é – apesar de, infelizmente, pouco conhecida e reconhecida por isso.

Mas foi de lá, do espaço entre o deserto e as savanas, que escritores como Brian Chikwava (Zimbabwe), Tsitsi Dangarembga (Zimbabwe), Chimamanda Adichie (Nigeria), Ngugi wa Thiong’o (Quênia) e Wole Soyinka (Nigéria), este último vencedor de um Prêmio Nobel, produziram uma literatura de qualidade impressionante.

Nada mais natural, portanto, que essas almas letradas produzirem o que chamamos de “pensamentos inspiradores”. O site britânico The Telegraph , que cobriu o Storymoja, conversou com editores e escritores africanos e elencou alguns desses pensamentos, que traduzimos e reproduzimos abaixo. Afinal, nada melhor do que inspiração para começar um final de semana!

“Poetas fazem amor com as mentes dos leitores e – não nos enganemos – já houve muitas gestações mentais.” – Ben Okri

“Para ser um escritor você precisa desenvolver a habilidade de falhar em público.” – Hari Kunzru

“A ficção e a literatura conseguem falar verdades que a mídia tem dificuldades em expressar.” – J M Ledgard

“Se eu soubesse antes de escrever como um poema terminaria, ele seria uma jornada inexistente.” – Yusef Komunyakaa

“Kibera (maior favela de Nairobi) tem a maior concentração de bibliotecas do Quênia.” – Muthoni Garland

“A Internet supera a tirania da distância.” – Peter Moore

“A cultura pode ser a única coisa que nos salvará.” – Chief Nyamweya

Bom final de semana recheado de inspiração e de letras!

Leia Mais