Celebre-se: escreva a sua história

Se você escreveu um livro e o publicou, não esqueça de celebrar-se.

Não digo aqui para se abraçar e se beijar, claro – embora isso também não seja um mau conselho dado que escrever um livro é um marco incrível. Mas digo para organizar o seu próprio evento, o seu lançamento.

O motivo? São poucos os momentos em que você conseguirá reunir tantos interessados – incluindo família e amigos – com o objetivo de dar ignição às suas vendas.

Em um lançamento, dezenas ou centenas de pessoas – dependendo das suas redes sociais (virtuais ou não) se reunirão para comprar um pedaço da sua mente, para garantir que olhos percorrerão os papeis que escreveu, para espalhar a sua palavra.

Daí, muita coisa pode acontecer. Pode ser que seu livro viralize e alcance novos mundos; pode ser que você seja catapultado para os holofotes literários; ou pode ser que você viva o auge da vida do seu livro ali mesmo, naquele evento.

Mas, seja como for, não há como perder: se é no livro que uma história se escreve, é também no seu lançamento que o autor vira protagonista.

Isso sem contar, claro, que as opções de lugares são imensas, em qualquer cidade do país. Qual livraria não aceita negociar ou mesmo dar espaço, afinal, para que autores levem hordas de leitores dispostos a comprar livros em seus domínios? Normalmente, é uma questão de ir até a sua preferida e negociar uma data. Simples assim.

Tem um livro publicado aqui no Clube? Então não perca tempo: organize já seu evento de lançamento. Escreva melhor a sua história.

Leia Mais

Cara Liberdade

Já devo ter escrito sobre esse livro aqui antes. Tive motivos: além de maravilhosamente escrito e de ter entrado para o Clube Select graças à sua performance, ele é uma prova do quão vagarosamente caminhamos enquanto raça, enquanto mundo.

Cara Liberdade foi escrito por Zdenek Korecek, um sobrevivente da extinta Tchekoslováquia, e publicado aqui no Clube pela sua filha, Sandra.

A história é incrível: relata sua fuga quando os nazistas tomaram Praga, sua entrada na Resistência, seus 14 anos de rodagem por países diversos, uma vez que a sua própria pátria simplesmente deixara de existir, até chegar ao Brasil. Não é apenas uma história, aliás: é uma saga, um épico digno de Ulisses com a diferença que Zdenek não voltou à sua Ítaca, mas acabou forjando-a nas praias no Rio de Janeiro.

Mas o mais curioso, voltando agora ao ponto inicial do post, é que a incrível história de Zdenek, embora ocorrida lá nos idos da II Guerra, em pouco se difere da dos milhões de refugiados que, hoje, rondam o globo. Basta ver na sinopse, que reproduzo abaixo:

Desde o final das duas grandes guerras o mundo não se deparava com fluxos migratórios de imigrantes e refugiados tão alarmantes. São mais de 65 milhões de pessoas fugindo de guerras, perseguições, violações de direitos humanos ou tortura. Zdenek é um desses refugiados. Com o início da Segunda Guerra Mundial, o jovem de apenas 18 anos de idade é obrigado a deixar sua cidade, Praga, para combater, ao lado dos Aliados, o nazismo. Cara Liberdade relata, com riqueza de detalhes, os 14 anos de deslocamento forçado de Zdenek, que passou por mais de 15 países, antes de chegar ao Brasil, em 1953. De leitura fácil, Cara Liberdade convida o leitor a se envolver com relatos não apenas de incertezas e dificuldades, mas de muita superação e conquistas. A experiência vivida por Zdenek é, também, a de milhões de refugiados que buscam por um novo lar ao redor do mundo.

O mundo, por certo, dá voltas inacreditáveis. Em muitos casos, infelizmente, voltas de 360 graus em torno de si mesmo, fazendo a humanidade repetir suas histórias mudando apenas de roupa, de moda, de maquiagem.

Ainda assim – ou talvez justamente por isso – ler essas histórias, conhecer esses passados tão presentes, é algo tão fundamental para que melhoremos enquanto espécie.

A história de Zdenek não é singular e nem parte do passado, infelizmente – mas é incrivelmente única. Um presente para quem quer entender melhor o mundo.

Quer ler? Clique na imagem abaixo e divirta-se.

Leia Mais

Estamos cercados por histórias. Basta agarrar a que mais convier.

No post da segunda passada, comentei da inimaginável e quase inacreditável jornada dos exploradores ingleses a bordo do Endurance que, na tentativa de cruzar a Antártida, precisaram sobreviver por mais de um ano acampados sobre icebergs e enfrentando algumas das pragas mais severas da humanidade.

Na quarta, falei da verdadeira explosão de pensamentos na mente do irlandês Christopher Nolan no instante em que uma droga experimental deu a ele movimentos mínimos nos olhos e cabeça para que conseguisse se comunicar.

Foram dois exemplos extremos: um de um grupo convencional de pessoas que praticamente caçaram suas adversidades nos confins do mundo, outro de um cidadão paralisado, que tinha tudo para morrer como um vegetal, mas que decidiu imortalizar-se a partir da exposição singular do universo que existia em seu cérebro.

Entre as vidas dos exploradores do Endurance e do Nolan, estamos nós. Todos nós, os mais de 5 bilhões de humanos do planeta.

A inegável e inignorável lição que eles nos deixaram: boas histórias nos cercam por todos os lados. Para honrar as nossas vidas, basta que agarremos as que preferirmos, nos catapultarmos para dentro delas e escrevê-las com as nossas próprias canetas.

Escrevamos.

Leia Mais

A aventura presa no cérebro

Em 1988, o escritor Christopher Nolan venceu o prêmio Whitbread – um dos mais famosos do Reino Unido – por conta da sua autobiografia, Sob os Olhos do Relógio.

O que isso tem demais?

O autor.

Ao nascer, o irlandês Christopher Nolan passou por uma série de complicações no parto e acabou tendo um caso severo paralisia cerebral que o deixara essencialmente inerte. Ao longo de toda a sua infância, entre os anos 60 e 70, seus pais lutaram arduamente para garantir um mínimo de educação e mesmo convencer o governo de que aquele pedaço praticamente imóvel de carne esparramado sobre a cama estava, efetivamente, aprendendo.

Foi, provavelmente, uma das infâncias mais áridas que se pode sequer imaginar, traçada em meio a uma batalha diária por sobrevivência, resiliência e, sobretudo, por um milagre.

Quando Nolan fez 10 anos, o milagre finalmente veio: um novo medicamento passou a ser testado nele e permitiu que sua musculatura relaxasse o suficiente para que ele pudesse controlar pelo menos parte dos movimentos da cabeça e dos olhos.

Foi o suficiente para destrancar uma mente brilhante que vivia apriosionada pela escura pressão da incomunicabilidade.

A partir daí, seus pais criaram uma espécie de braço mecânico preso à sua cabeça que o permitia se comunicar com o mundo a seu redor, apontando letras que eventualmente formariam palavras, frases, parágrafos e… livros.

Assim, mesmo sem nenhuma possibilidade de devorar o mundo ao seu redor de forma físico-metafórica, Nolan conseguiu destrancar seu cérebro e narrar aventuras reais que se passavam dentro de si, enquanto se digladiava com as tantas adversidades impostas a si pelo destino.

Mesmo considerando que escrever era uma tarefa árdua – Nolan precisava “pinçar”, lentamente, letra a letra – ele acabou tendo uma produção inacreditável: foram 4 livros, um mais incrível que o outro, responsáveis por transportar o leitor para dentro de uma das mentes mais aprisionadas que o mundo já testemunhara.

Christopher Nolan morreu aos 43 anos, em 2009, engasgado em um pedaço de salmão.

Seus 43 anos de vida, no entanto, marcaram o mundo mais do que os 80, 90 ou 100 anos de muita gente.

Seus 43 anos de vida provaram que tempo não se mede com relógios e calendários, mas sim com histórias.

Leia Mais

Trabalhe seu livro

Você está buscando o devido reconhecimento como escritor?

A hora é agora.

Não será, já antecipo, uma jornada fácil: há dezenas de milhares de novos escritores competindo por olhos todos os anos, meses, semanas, dias. A cada hora que passa – ainda bem – novas histórias incríveis são publicadas aqui no Clube, todas contribuindo com um movimento evolucionário sem paralelos do mercado editorial brasileiro.

E cada uma delas, claro, está atrás da mesma coisa: a atenção, a concentração, a imaginação sempre esfomeada da massa anônima de leitores.

Para autores, o mercado editorial sempre foi um dos mais ferozes campos de batalha.

O que mudou?

A democratização da oportunidade.

Se você não leu ainda os últimos posts aqui no blog sobre o Clube Select, recomendo que o faça. Pela primeira vez no mundo, livros autopublicados estão recebendo tratamentos tão sofisticados quanto os grandes bestsellers em um movimento pioneiro de desvendamento de novos talentos.

Se acredita em suas histórias e em sua carreira, publique seu livro aqui no Clube. E esforce-se, escute críticos, aprimore seu “produto”, deixe-o nas condições perfeitas para que ele possa fazer parte do acervo do Select.

Trabalhe seu livro.

Nós, daqui do Clube, faremos o possível e o impossível para apoiá-lo.

Leia Mais