Mostre sua literatura na FLIBA – Festa Literária do Baixo Augusta!

Uma das reclamações mais recorrentes de autores é sobre a falta de oportunidade aberta pelo mercado para que eles mostrem a sua literatura e, assim, conquistem seus públicos. Pois bem: se essa era uma reclamação, agora já não há mais sentido.

No dia 19 de setembro – em pouco mais de um mês – o Clube realizará a Fliba (Festa Literária do Baixo Augusta) – primeiro evento exclusivamente voltado para autores independentes. O intuito? Fazer os próprios autores interessados apresentarem seus livros em um local já cotidianamente recheado de público.

 

 

Como?

Temos um total de oito espaços/ momentos de exposição para autores – e você pode ocupar um deles. Através do site (http://fliba.clubedeautores.com.br) ou do atendimento@clubedeautores.com.br, você mesmo poderá se candidatar a ocupar um desses espaços para expor o seu trabalho. Qualquer forma de manifestação artística relacionada a literatura vale: encenação, leitura de trechos da obra, saraus, debates, palestras etc.

A mecânica é simples: você diz o que deseja fazer e nós levamos a um comitê de avaliação e seleção. Caso aprovado, o espaço será seu para que divulgue o seu livro, as suas ideias e a sua história para um público de milhares de leitores que, todos os dias, cruzam a Passagem Literária de São Paulo, entre as movimentadíssimas Rua da Consolação e Av. Paulista.

Quer participar? Envie sua ideia agora da forma mais detalhada possível até o dia 29 de agosto e leve a sua arte até o grande público!

Screen Shot 2017-08-07 at 10.35.38

 

Leia Mais

Sobre a variedade dos estilos

Eu me considero um leitor ávido.

Entre audiolivros e impressos – por algum motivo qualquer nunca me dei muito bem com ebooks – devoro algo como 3 ou 4 livros todo mês.

Hoje, estou lendo Memorial de Maria Moura, de Rachel de Queiroz, e, simultaneamente, ouvindo O Mestre e Margarida, do russo Mikhail Bulgakov. Sim: é óbvio que as histórias e a sapiência destrancada por essas duas obras primas são absolutamente inspiradoras. Mas há mais.

Há muito mais.

Em Memorial de Maria Moura, Rachel de Queiroz cruza diversas narrativas em primeira pessoa partindo de pontos de vista diferentes. Ora a própria Maria Moura fala seus pensamentos, ora seus primos Tonho e Irineu, ora o Beato Romano e assim por diante. A história se auto-costura a partir de visões individuais que, majestosamente entrançadas, constroem uma das epopéias sertanejas que mais marcou a nossa literatura.

A ótica narrativa de Bulgakov não é o que impressiona, embora seja incrivelmente sofisticada: a história é que salta aos olhos. O Mestre e Margarida foi escrito pouco tempo depois da revolução soviética e descreve uma Moscow cambaleante entre os distantíssimos ideais utópicos do comunismo e a mais corrupta realidade. Mas ele vai além: um dos protagonistas é o próprio Satanás, que descreve para poetas o que ele chama de história real de Jesus Cristo – uma história absolutamente diferente da que ouvimos, com um Jesus órfão de pai e mãe e originalmente seguido apenas por um discípulo, Mateus. Satanás leva aos moscovitas sua trupe, que inclui um gato gigante falante, uma ruiva que anda nua e dois “capangas” esquisitíssimos. Ainda assim, entre tanta exoticidade, ele tece uma história de amor belíssima entre um escritor e sua musa, uma história tão tradicional quanto surreal.

Costumamos “classificar” os livros que mais amamos pelas suas histórias. Isso pode ser um erro.

A forma da narrativa, em alguns casos, é tão ou mais importante por ter justamente a capacidade de nos catapultar de maneira decisiva para dentro das tramas.

Como escapar da curiosidade de entender uma história a partir das óticas de todos os personagens? E como não ficar preso a uma narrativa surrealista, que conta como a mais pura verdade situações tão impensáveis quanto um paletó vazio despachando ativamente em um prédio do governo ou notas de dinheiro caindo do céu de um teatro para, pouco tempo depois, se transformarem em rótulos de whisky ou abelhas zangadas?

Não é só o conteúdo que deve inspirar leitores e autores. Os mestres, os verdadeiros mestres, revolucionam a partir de onde menos esperamos: na própria maneira de colocar no papel o que as suas imaginações enxergam.

mestre

 

 

 

 

 

Leia Mais

Participe da FLIBA, o primeiro evento feito por e para autores independentes do Brasil!

No próximo dia 19 de setembro – uma terça-feira – o Clube de Autores realizará a I FLIBA – Festa Literária do Baixo Augusta – em São Paulo. Será o primeiro evento 100% voltado pra autores independentes do Brasil.

A FLIBA acontecerá na Passagem Literária – uma galeria subterrânea que une a Rua da Consolação à Avenida Paulista, em São Paulo, e que sempre foi dedicada à literatura como um todo. Todo o evento terá um formato inovador – a começar pelo seu estilo. Ao invés de organizá-lo em um local distante do público (como é o caso da Flip, em Paraty, ou mesmo das grandes feiras de livro que acontecem nos sempre fora de mão centros de exposição), a FLIBA acontecerá em um ponto de passagem tradicional de milhares de pessoas. Ou seja: aqui, o evento em si é que irá até onde o público estiver.

E as atrações? Isso depende de você. 

Temos um total de oito espaços/ momentos de exposição para autores – e você pode ocupar um deles. Através do site (http://fliba.clubedeautores.com.br) ou do atendimento@clubedeautores.com.br, você mesmo poderá se candidatar a ocupar um desses espaços para expor o seu trabalho. Qualquer forma de manifestação artística relacionada a literatura vale: encenação, leitura de trechos da obra, saraus, debates, palestras etc.

A mecânica é simples: você diz o que deseja fazer e nós levamos a um comitê de avaliação e seleção. Caso aprovado, o espaço será seu para que divulgue o seu livro, as suas ideias e a sua história para um público de milhares de leitores que, todos os dias, cruzam a Passagem Literária de São Paulo.

Quer participar? Envie sua ideia agora da forma mais detalhada possível até o dia 29 de agosto e leve a sua arte até o grande público!

Screen Shot 2017-08-07 at 10.35.38

 

 

 

Leia Mais

Livro publicado no Clube vira base de novo comercial da Ford

Jean de Andrade é um velho conhecido nosso.

Ele foi um dos primeiros escritores a publicar seu livro aqui no Clube, já esteve conosco em nossa casa na Flip e, enfim, já é daqueles autores que chamamos de amigos realmente próximos.

Essa amizade nos possibilitou também, claro, conhecer melhor a história do Jean além da que ele publicou no Vida de Caminhoneiro: sua luta diária cruzando o Brasil para entregar tanto cargas quanto inspiração, esta última traduzida em suas histórias e no esforço empreendedor que ele faz para levá-las ao mercado.

Bom… ele tem conseguido.

Jean é, hoje, um daqueles autores que tem se destacado no nosso cenário brasileiro pela peculiaridade de suas histórias e pelo “exótico”, se é que essa palavra cabe bem aqui, de se revelar ao mundo a visão tão única e um caminhoneiro real cruzando as vias desse nosso imenso país.

E não são apenas leitores que tem descoberto suas histórias: a Ford também o descobriu.

É hora de me calar aqui no post: veja você mesmo, no vídeo abaixo, um pouco da história de Jean, que se transformou em personagem principal de uma daquelas raras peças de propaganda realmente belas.

E, se quiser se aprofundar mesmo – algo que aconselhamos bastante – acesse o livro do Jean neste link: https://www.clubedeautores.com.br/book/34955–

 

 

 

Leia Mais

O que significa esse movimento de distribuição livrarias que estamos fazendo?

Recentemente, divulgamos aqui no Clube a distribuição de livros impressos via Estante Virtual, Submarino e Americanas. Muitas outras lojas estão já a caminho, mas… o que, exatamente, isso significa para os autores?

Vamos por partes.

Hoje, é possível dividir os leitores (brasileiros ou mundiais) em duas grandes categorias: os que sabem precisamente o que desejam (títulos ou autores específicos) e os que buscam por temáticas. Não há, claro, uma estatística clara que separe uns de outros – mas o fato é que o primeiro grupo costuma ser atraído, em grande parte, pelos best-sellers.

Vamos ao segundo grupo – os que passam tempo navegando por vitrines, reais ou virtuais, ou por buscadores diversos. É aqui que o leitor típico do Clube costuma se encaixar, aliás – e é aqui que o espaço para os autores independentes costuma crescer.

Normalmente, esses leitores buscam sinopses interessantes, obras semelhantes a outras que já leram etc. Nesse ponto, o palco é o mesmo para todos – desde que saibam trabalhar bem os seus livros. E o que é trabalhar bem? É ter um texto profissionalmente revisado, com uma capa belíssima e uma sinopse instigante. Sempre reforçamos isso aqui no Clube: livros bem trabalhados não terão as suas vendas garantidas – não existe garantias assim no mundo; mas livros mal descritos, com capas pouco atrativas e comum português recheado de erros certamente terão resultados pífios.

Mas sigamos adiante no raciocínio: onde o leitor tradicional busca?

Em geral, ele vai a dois diferentes caminhos: Google e sites de livrarias.

No caso do Google, estamos bem aqui no Clube: todas as técnicas de otimização de buscadores estão aplicadas e mais da metade de todo o nosso tráfego vem de lá. Mas isso ainda é pouco: em termos gerais, temos algo como 300 a 400 mil visitas mensais.

Era preciso expandir, dar mais audiência para os livros e os autores e permitir que quem buscasse em livrarias os encontrasse.

Estante Virtual? Hoje, de acordo com o SimilarWeb (ferramenta que estima, embora com alguma margem de erro, a audiência de sites), eles recebem algo como 5 milhões de visitas mensais – e só para livros.

Submarino? 25 milhões (embora nem tudo seja para livros).

Americanas? Amazon? Cultura? Somadas, as audiências de todos esses portais chegam a praticamente toda a Internet brasileira.

E sim: ainda não estamos em todos. Mas estamos chegando lá.

Em suma, o que isso significa para os autores? Visibilidade.

Claro: ainda será fundamental trabalhar bem o livro, fazer a sua divulgação, conseguir boas críticas etc.: livros, assim como quaisquer outros “produtos”, não se “auto-vendem” – mesmo quando bem distribuídos.

Mas essa barreira, a do alcance, está sendo vencida por aqui como nunca antes. Digo mais, até: no mundo inteiro, nenhum site de autopublicação jamais conseguiu se distribuir de maneira tão intensa quanto o Clube de Autores.

Estamos orgulhosos disso. Até porque já estamos testemunhando que essa amplitude está, efetivamente, começando a se converter em vendas.

Leia Mais