Ler é multiplicar tempos

Já fiz um post aqui no blog sobre o papel que a leitura tem em nos fazer colecionar tempo.

Não pretendo me repetir sobre o assunto, mas sim abordar a forma com que os nossos tempos tem contribuído para enriquecer o nosso acervo literário como nenhum outro na história da humanidade.

Antes, um resumo meio cru de como encaro a literatura: a partir do momento em que livros nos transportam para outros tempos e outras realidade, nos alimentando de conhecimentos acumulados aos quais provavelmente jamais teríamos acesso em uma única vida, eles acabam alongando o nosso Tempo no mundo. Afinal, só sendo um louco para entender o poder da verdade carregada em Hamlet; só sendo um turco do século XVII para entender direito o quanto humanidade se opõe à perfeição como em Vermelho; só estando muito em contato com a própria brasilidade para se perceber como somos todos Macunaíma. Livros, portanto, multiplicam o nosso Tempo no mundo a cada nova experiência de vida alheia que nos permitem acumular.

OK… e o que isso tem a ver com a vida moderna? Tudo.

Primeiro, pela quantidade. Se vivêssemos nos ermos tempos do Nome da Rosa, precisaríamos ser teólogos, detetives e atletas para conseguir percorrer o mundo em busca dos poucos livros que se espalhavam pelos monastérios europeus. Nem precisamos ir tão longe: em nenhum outro momento da história da humanidade se tem tantos livros e com tão fácil acesso quanto hoje. Tem dúvidas? Navegue por minuto no Clube de Autores e veja as mais de 50 mil obras publicadas aqui apenas em 7 anos.

Segundo, pela disponibilidade. Se livros eram restritos a poucos exemplares guardados como preciosidades (e, portanto, pouco acessíveis a todos), hoje eles são mais disponíveis do que orvalho à noite.

Há livrarias espalhadas por todas as cidades esbanjando acervos de dezenas de milhares de livros. Há a Estante Virtual que reune uma rede imensa de sebos e faz da falta de estoque um problema essencialmente inexistente. Há Apple, Google e Amazon entregando ebooks que podem ser lidos nos mais diversos devices. Há Audible e Ubook fazendo livros entrarem pelos nossos ouvidos.

Esse é, inclusive, o terceiro ponto: as diferentes formas. Uma coisa é ler livros, tarefa que exige, obviamente, um mínimo de “atenção ocular”. Outra coisa é ouvi-los.

Ouvir livros é algo que pode ser feito quando se está preso no trânsito, quando se está correndo no parque, quando se está batendo perna no shopping. E veja que maravilha: ao invés de passar horas encarando uma fila de faróis vermelhos parados na Marginal pensando no vácuo, pode-se ouvir os contos de outros mundos de V.S. Naipaul ou Chinua Achebe.

E, de carona com esses mestres, pode-se entender o mundo sob as suas óticas, aprender com as suas visões e crescer com as suas imaginações. Pode-se acrescentar mais Tempo ao nosso tempo, mais vida à nossa vida.

Vivemos uma era singular em que podemos inserir séculos ou milênios, de maneira quase gratuita, no tempo que temos sobre esse nosso mundo.

Isso não é incrível?

Leia Mais

O papel dos escritores no mundo

Ouvi dizer, dia desses, que o papel de escritores é o de registrar as histórias da humanidade.

Discordei na mesma hora.

Historiadores fazem registros, observando, sempre atentos, as provas cabais de fatos que superam teorias e ideais mais romanceados. Não é o caso de escritores.

Escritores não olham para trás nem quando escrevem sobre o passado. Ao contrário: ao impregnar em suas histórias plétoras de tramas, conflitos e ideais, eles constroem tempos absolutamente paralelos – tempos feitos a partir de suas visões de mundo e de utopia, de seus sonhos e pesadelos.

Escritores, portanto, olham sempre para a frente: criam novos conceitos de vida, inovam em narrativas que usurpam mentes e corações, propõem releituras sobre releituras da história, provocam, questionam, apontam caminhos os mais diversos.

Escritores não registram histórias: eles pavimentam de ficção os terrenos pelos quais a história ainda vai caminhar.

Escritores são oráculos.

Basta saber consultá-los.

oraulo-delfos-texto-ju

Leia Mais

Papel Pólen (amarelo) disponível no Clube!

Essa era uma demanda antiga, muito antiga dos autores – e finalmente conseguimos viabilizá-la aqui no Clube!

Desde o começo da semana passada, começamos a disponibilizar a opção de papel pólen (aquele amarelo) para os livros. Ele se juntará, portanto, a uma opção grande que inclui papéis offset e couché, de diferentes gramaturas, para que os livros fiquem com o formato que o autor preferir!

Há apenas uma questão importante aqui: livros que já estiverem publicados não podem ter seus tipos de papel “trocados” no site. O motivo é relativamente simples: como cada papel tem a sua gramatura específica, trocar a opção de um livro já publicado acabaria forçando todo um novo cálculo de lombada (pois a gramatura das folhas impacta diretamente no tamanho da lombada), de peso, de tabela de fretes etc. Nesses casos, a única opção é publicar um livro novo, começando o processo novamente como se ele não estivesse no ar antes. O autor pode, no entanto, deixar ambas as opções disponíveis no ar para que o leitor escolha (evitando perder assim o histórico de vendas e selos da sua obra).

Enfim, essa é a boa nova da semana :-)

Teremos mais em breve!

 

 

 

 

Leia Mais

Qual o papel dos bibliotecários na era digital?

Imaginar que, em plena era da informação, com ebooks e catálogos impressos disponíveis sob demanda, o papel de um bibliotecário será o mesmo de 30 anos atrás, é certamente um erro grosseiro. Por outro lado, acreditar que não há mais espaço para este profissional é também outro erro.

O principal motivo, ao menos em minha opinião, é que o papel do bibliotecário – de certa maneira, assim como o do professor – deixou de ser o de organizar conhecimento de maneira quase procederam e passou a ser o de guiar o interessado em um tema pela selva de conteúdo em torno dele. Repito algo que já disse diversas vezes: em nossos tempos, conteúdo deixou de ser escasso e passou a ser abundante – o que apenas mudou a cara do problema (e não o eliminou).

Exemplifico: imagine que voce queira pesquisar um determinado assunto, seja para escrever um livro novo, seja para estruturar um trabalho acadêmico ou seja por pura curiosidade. Sim: você pode sempre ir ao Google e nadar por conta própria.

Mas e se voce pudesse ir a um espaço contar com um profissional experiente, capaz de te guiar pelas fontes mais relevantes e pelos autores mais experientes? E se ele conseguir ainda garantir um espaço praticamente feito para se absorver conhecimento, como são algumas das mais modernas bibliotecas do mundo? Nesse aspecto, o bibliotecário é uma espécie de curador ultra dinâmico de conteúdo: e sempre haverá papel para bons curadores.

E por que estou escrevendo isso? Nos Estados Unidos, o Wall Street Journal publicou uma matéria que praticamente enterrou bibliotecários, condenando-os ao mais certo ostracismo. E é claro que isso gerou um debate poderoso, incluindo uma carta resposta da American Libraries Magazine.

Debates são sempre bons, são sempre positivos. Nos permitem ver ambos os lados, instigam a mente, nos fazem pensar. Infelizmente, os artigos estão apenas em inglês: mas recomendo fortemente para quem conseguir lê-los que o faça. Os links estão neste próprio post, no parágrafo de cima, e também podem ser acessados clicando na imagem abaixo.

A pergunta que fica é: o que deve mudar na maneira com que nos guiamos pelo conhecimento em tempos tão dinâmicos quanto os nossos? Quais instituições devem sobreviver – e que adaptações elas terão que fazer, no melhor estilo do darwinismo, para se salvar da extinção?

Screen Shot 2016-01-26 at 1.30.16 PM

 

Leia Mais

Cores de capa aparecem negativadas? Entenda a diferença entre RGB e CMYK

De vez em quando, notamos que alguma capa de livro publicada aqui no Clube aparece com efeito negativado (em cores invertidas). Ao verem seus livros no ar assim, a primeira reação dos autores é de medo: que tipo de impacto ela causará no público? Como será a impressão? E, principalmente, onde está o erro que gerou essa estranheza na tela?

A boa notícia é que evitar isso é bem simples.

Em linhas gerais, há três principalmente três grandes tipos de padrão de cores utilizados em design gráfico: RGB, CMYK e Pantone.

Não vamos nos ater ao Pantone por ser muito pouco usado aqui no Clube: vamos aos dois outros formatos.

RGB é uma sigla para Red (vermelho), Green (verde) e Blue (azul). É um padrão de cores aditivas, obtidas pela decomposição (natural ou artificial) de focos de luz. Elas são utilizadas prioritariamente em monitores porque, basicamente, emitem luz.

O CMYK – Cyan (ciano), Magenta (magenta), Yellow (amarelo) e Black (preto) – é o oposto. As cores são subtrativas, o que significa que o parte das cores que visualizamos vem da luz que não é refletida. É ideal, portanto, para mídias impressas, que não tem focos de luz diretos como monitores.

Aí entra uma dúvida: o que é ideal no caso do Clube? Afinal, as capas são vistas em um monitor – mas impressas em papel!

A resposta é simples: RGB.

Ao utilizar esse padrão de cores para as capas, você garante que elas fiquem perfeitas para visualização dos usuários. Do lado de cá, um tratamento automático é dado sempre que ela vai para impressão, garantindo também que tudo saia perfeitamente bem no papel.

Talvez isso tudo seja grego para a maior parte dos autores – o que não chega a ser um problema uma vez que a maior parte dos software já tem RGB como padrão. Mas, se for contratar serviços de um capista, não esqueça de observar que a arte precisa ser feita sempre em padrão RGB e nunca em CMYK!

Leia Mais