A revolução mundial que está acompanhando Trump

Há quem diga que Trump é problema dos Estados Unidos, que aqui temos coisas mais urgentes com as quais nos preocupar como, por exemplo, a Lava-Jato e toda essa corja política que insistimos em eleger e reeleger. 

Não nego que, entre a Casa Branca e o Planalto, as ações do segundo realmente trazem consequências muito mais imediatas para nós, brasileiros. Mas também não há como negar que, uma vez que vivemos em um mundo globalizado, o que acontece no país economicamente mais poderoso do mundo costuma ter impactos tremendos aqui. 

Basta olhar à nossa volta: nós nos locomovemos nas ruas com automóveis que foram, na prática, inventados por americanos; assistimos a séries e filmes majoritariamente americanos; e nos comunicamos via Internet – uma nuvem que, assustadoramente, “pertence” fisicamente a eles uma vez que é lá que ficam os servidores que coordenam todo o tráfego online do mundo. 

Se tudo o que acontece dentro das nossas fronteiras tem o potencial de afetar diretamente as vidas dos brasileiros, o que acontece nos EUA afeta não apenas os seus próprios cidadãos, mas sim todo o planeta.

E há um exemplo claro disso: o discurso inflamado do ex-presidente Lula durante a campanha de reeleição de Dilma Rousseff pregando a mística do “nós versus eles” e bradando que “os ricos não querem os pobres no poder porque não gostam de compartilhar com eles os assentos em aviões”. Foi com esse discurso que o governo conseguiu os votos necessários para se manter no poder – mas foi também com ele que acendeu o pavio emocional de quase metade dos eleitores, pondo em movimento toda uma cadeia de acontecimentos que culminou com o impeachment e com um dos mais dramáticos momentos do nosso país. 

O impeachment mudou o Brasil? É óbvio que sim. Mas ele mudou o restante do mundo? Muito pouco. Nós, infelizmente, ainda não somos tão relevantes no cenário global quanto gostaríamos. 

Os EUA, no entanto, são – e Trump parece estar repetindo lá, com precisão, os mesmos passos que o PT deu no Brasil. “Nós contra eles”? Que tal construir um muro para isolar o México ou vetar a entrada de muçulmanos de 7 países no seu? Há versão mais anabilizada da cisão de povos que essa?

Se vitimizar quando entidades da sociedade torcem o nariz para suas propostas e ações? Que tal acusar de comprados ou mesmo de burros todos os juízes e entidades que discordarem dele? 

Chamar a mídia de golpista? Que tal espalhar, oficialmente, que todo veículo de comunicação que discordar dele é desonesto e que mente descaradamente? 

Confundir patrimônio público com privado? Alguma dúvida sobre o questionamento ético do Trump usar o Twitter da presidência dos EUA para atacar uma loja que decidiu parar de vender produtos da sua filha? 

Não sou nenhum analista político, mas me parece claro que Trump está seguindo os mesmos passos que Dilma e buscando se manter no poder a partir de uma estratégia de criar divisões e preconceitos. Se o resultado do lado de lá for igual ao de cá, ele dificilmente terminará o mandato. 

E acreditem: isso afetará o mundo inteiro como um tsunami. 

Somos criaturas da dualidade – dependemos de conflitos para criar as nossas próprias histórias e tirar conclusões que, com alguma sorte, nos façam evoluir. E dualidades, conflitos, são a base para qualquer boa história que se escreva. Conflitos são a inspiração, a musa dos escritores e artistas. 

Pois bem: se a eleição do Trump fez subir ao mais alto posto do poder mundial um fascista mimado incapaz de entender que não é Deus em pessoa, ela também evidenciou um movimento anti-conservadorismo e pro-liberdade e união dos povos como em nenhuma outra era. Essas duas forças, que estão apenas esquentando seus motores, devem se enfrentar de maneira contundente e explosiva nos próximos anos. 

Nós, aqui no mundo real, estamos prestes a participar ativamente de uma das maiores revoluções ideológicas que a humanidade já testemunhou ao menos desde a Revolução Francesa. Ganhará a ideologia da divisão ou da união? O preconceito ou a conciliação?

Pode ser cedo para prever, mas não para torcer: que vençamos nós, os que defendem que o mundo existe para ser um único território, e não um punhado de cidades-estados medievais. 

E tomara também que registremos essa nossa guerra em histórias incríveis para que a posteridade não repita os mesmos erros da nossa geração. 

 

Leia Mais

Somos todos pacatos imbecis

O argumento interno que Raskólnikov, protagonista de Crime e Castigo, de Dostoievsky, usa para justificar o assassinato de Alyona Ivanovna que ele está prestes a cometer, é que assim ele estará livrando o mundo de uma ser desprezível responsável apenas por malfeitos.

Alyona Ivanovna era uma senhora mesquinha, que vivia de comprar e vender bens de quem caiu nos infortúnios da vida e de fazer empréstimos a juros extorsivos. Era uma agiota inescrupulosa, daquelas que tinha prazer em usar a miséria alheia como escada para patamares mais altos de acúmulo de riqueza própria e, no caminho, ia deixando um rastro incalculável de pobreza e sofrimento.

Juros extorsivos? Uma passagem do livro esclarece isso: “ela chega a cobrar de 5 a até 7% ao mês!”, desabafam, espantados, alguns de seus conhecidos.

Juros 5 a 7% ao mês era algo considerado extorsivo até para patamares de agiotas russos do século XIX.

No Brasil, a taxa de juros do cheque especial fechou 2016 em 314,51%. A do cartão de crédito, em 453,74%.

E nós seguimos tocando as nossas vidas como se tudo fosse normal.

A literatura, às vezes, nos traz revelações estonteantes sobre nós mesmos. Essa é uma delas: sabe-se lá como ou por quê mas, ao longo do tempo, nós nos transformamos em uma sociedade inteiramente composta de pacatos imbecis.

raskolnikov

Leia Mais

Nós somos os novos antropófagos da cultura brasileira

Oswald de Andrade deu o tom para a descoberta de uma cultura brasileira com o seu Manifesto Antropofágico.

Foi esse o movimento que pregou a necessidade de devorarmos as influências culturais estrangeiras para gerarmos, a partir daí, um produto tipicamente brasileiro, nascido aqui e representativo destas nossas bandas.

Foi a antropofagia que nos libertou dos europeísmos e norte-americanismos e nos deu Villa-Lobos, Manuel Bandeira, Tarsila do Amaral. Foi a antropofagia que nos salvou de ser uma sub-cultura neo-colonial ao nos impor a celebração dos nossos grandes sertões e ao dar mais valor à patente dos nossos singulares capitães de areia.

Foi a antropofagia que nos permitiu devorar as metrópoles ultramarinas e ressurgir como uma metrópole própria, culturalmente autêntica, mais portentosa e bela do que qualquer outra. Ninguém no mundo, afinal, pode arrotar uma Clarice Lispector, um Drummond, um Graciliano Ramos, um Manoel de Barros. Só nós podemos.

Mas, curiosamente, eles tentam nos apagar.

Eles? A economia, a crise que existe mesmo quando não há crise, a facilidade de se traduzir best-sellers para revender os sucessos dos outros ao invés de se tentar garimpar sucessos daqui.

Parece um complô informal dos grandes grupos econômicos que comandam a nossa cultura, todos cegamente insistindo que a rota mais fácil para o sucesso é imprimir aqui dentro o que funcionou lá fora. Todos insistindo que o nosso futuro reside no já comprovado passado dos Estados Unidos ou da Europa.

Não raciocinam eles que ganha-se mais exportando ouro nacional do que importando prata estrangeira? Não pensam eles na História que já nos provou a abundância de maravilhas culturais que perambulam, esquecidas, por este país de 200 milhões de habitantes? A triste resposta: não!

Devoremos, pois, todos! Ao inferno então com esses grandes grupos culturais do nosso país que cismam em cerrar os olhos para as nossas próprias maravilhas! Façamos nós mesmos o nosso próprio movimento antropofágico e geremos nós, aqui, a nova forma da literatura brasileira!

Somos, afinal, muitos: há 50 mil de nós aqui no Clube de Autores.

Temos liberdade: só quem escolhe o que é publicado aqui é o escritor, capitão-mor das nossas esquadras culturais.

Temos acesso: com a Internet, os meios de se chegar ao grande público são os mesmos para todos.

Façamos, pois, o que escritores sempre nasceram para fazer: revolucionemos a cultura a partir dos nossos próprios desejos!

brasil-3dfoto3d-blogspot-com-10

Leia Mais

O Brasil nasceu há 95 anos

O Brasil só virou Brasil entre 11 e 18 de fevereiro de 1922.

Antes, éramos um país perdido nos distantes trópicos, com uma produção artística que, embora belíssima, era uma escrava estética das artes europeias. A história de Bentinho e Capitu é ímpar – mas ela poderia ter se passado tranquilamente em qualquer cidade europeia e não causaria espanto algum se os personagens se chamassem Wolfgang e Frida. Aleijadinho e sua arte sacra são um indiscutível patrimônio da humanidade – mas os doze profetas em Congonhas poderiam facilmente ter sido feitos para uma catedral em Bragança ou em um convento qualquer perdido no Buçaco. Almeida Júnior talvez seja dos mais brilhantes pintores brasileiros – mas até os seus temas caipiras se confundiriam com cenas passadas no verão isolado de  Smolensk, na Rússia.

Produzíamos arte, indiscutivelmente, como em qualquer lugar do mundo: mas as técnicas, os temas e mesmo os ritmos eram ditados pelo mundo que mandava em nós.

Isso mudou em 22, ano em que o Brasil nasceu.

Foi a partir da Semana de Arte Moderna que descobrimos nossas raízes e que aprendemos a nos orgulhar dela. Foi por causa de 1922 que, poucos anos depois, Mário de Andrade pariu Macunaíma, obra mãe da literatura brasileiríssima. Foi 22 que gerou Tarsila, Bandeira, Di Cavalcanti. Foi a partir daí que nossas telas ganharam o estilo único de Portinari, que nossas esculturas receberam força sutil de Brecheret, que nossa música ganhou os inconfundíveis ritmos de Villa-Lobos.

Foi em 22 que o Brasil passou a ser Brasil de verdade, que deixamos o anonimato cultural para assumir o nosso lugar de direito.

Os resultados dessa ruptura proposta pelo movimento antropofágico? Dos sertões perigosos de Guimarães Rosa à Bahia hipersexualizada de Jorge Amado, passamos a ser temas de nossa própria cultura. Passamos a nos enxergar, a nos ouvir, a nos tocar. Até a nossa música virou nossa de verdade – ou alguém duvida que, sem uma identidade cultural única, samba e bossa nova teriam algum espaço.

Nossos avós culturais abriram espaço para a nossa personalidade artística há quase exatos 95 anos.

Comemoremos o nosso quase centenário, pois, honrando-os com o que de melhor sabemos fazer por aqui: escrevendo histórias.

semana-arte-moderna

 

 

 

 

 

 

Leia Mais

6 motivos que comprovam que o melhor momento para ser um escritor é hoje

Às vezes converso com alguns escritores que dizem que o maior sonho deles era ter nascido em outros tempos – algo como a Paris do começo do século XX, a Londres vitoriana ou mesmo o Rio do final do século XIX.

Eu discordo de todos.

Em minha modesta opinião, o melhor momento para escritores é agora.

Veja seis motivos que confirmam que vivemos na era perfeita para escritores:

  1. Livros são baratos e onipresentes. Já imaginou a dificuldade que os arcadistas do século XVIII tinham, lá em Ouro Preto, para acessar a literatura? Hoje, pagando menos de um almoço, compra-se uma obra prima que pode ser digerida no formato que preferir – impresso, digital ou áudio. Os limites para o acúmulo de conhecimento e inspiração são praticamente inexistentes.
  2. A informação é plena. Nem consigo imaginar o tamanho da pesquisa que Mário de Andrade teve que fazer para escrever Macunaíma. Sei que ele rodou a Amazônia e o restante do país e que levou anos compilando as lendas que fizeram nossa alma brasileira. Hoje, até podemos (e devemos) viajar para desbravar o mundo com nossos próprios olhos – mas temos o apoio fundamental da Internet como ferramenta perfeita de pesquisa. Quer estudar algo para um novo romance? Basta abrir o Google e começar a navegar.
  3. O acesso ao público depende apenas de você. Costumamos achar que a vida de escritores do passado era fácil, que bastava que eles escrevessem para serem magicamente descobertos por editores e conseguirem suas famas. Ledo engano: se hoje temos acesso a apenas um punhado de autores do passado é porque muitos, mas muitos MESMO, deixaram o mundo sem conseguir se publicar. Concorrência no mercado editorial sempre foi imensa – mas a diferença é que, hoje, com acesso a redes sociais, cada autor consegue criar o seu próprio público sem depender de ninguém.
  4. A publicação é gratuita. Não preciso nem me alongar muito nesse tópico: pelo Clube de Autores consegue-se publicar seu livro em um punhado de minutos.
  5. Há profissionais à disposição para te ajudar. Quer um revisor? Um capista? Um diagramador? Alguém para te guiar na burocracia do ISBN? Simples e barato: basta acessar o www.profissionaisdolivro.com.br e escolher dentre algo como 2 mil profissionais do mercado editorial que oferecem seus serviços a preços diferentes.
  6. Sempre haverá interessados em suas obras. No mundo plural que vivemos, a probabilidade de não haver público interessado em seu livro, sobre o que quer que seja ele, é mínima (ou inexistente). Pode ser que você ainda não saiba acessá-lo, claro – nem todo mundo nasce com talento para marketing. Mas com alguma pesquisa e estudo, certamente se pode criar uma estratégia de divulgação que abrirá aos autores as portas do paraíso.

the ends, clu

 

Leia Mais