Porque cabe a nós, autores, formar novas gerações de leitores

Precisa dizer mais?

Precisa sim.

Não se forma bons leitores sem bons livros.

Sim: temos muitos bons livros disponíveis para qualquer um que quiser se aventurar pelas letras, de Dostoiévsky a Kafka a Guimarães Rosa a Thiago Fantinatti a Helena Polak.

Mas quem disse que a demanda por conteúdo é limitado, que está já suprido pelos grandes clássicos do passado ou pelos novos best-sellers do presente?

Ninguém.

Ao contrário: se tem algo que os nossos tempos provam diariamente é que sempre, sempre há muito espaço para boas histórias.

O que isso significa?

Que a pior coisa que um autor pode fazer é chafurdar-se no pessimismo de uma suposta (e irreal) falta de mercado para seus textos. Onde estaria a nossa cultura se mentes como Machado de Assis, Clarice Lispector e Graciliano Ramos, para citar apenas alguns poucos dos nossos gênios, pensassem assim?

E a melhor? A melhor é trabalhar a sua história, o seu livro, e publicá-lo para o seu público.

Tem dúvidas de como? Veja essa página aqui.

Quer saber como escrever? Clique aqui!

Quer saber como lançar sem burocracia? Clique aqui!

Tem seu livro lançado e quer saber como divulgar? Clique aqui!

Seja como for, tenha certeza de que mercado há de sobra. Basta que você se entenda como autor-empreendedor, confie no seu trabalho e siga adiante.

O futuro da literatura do Brasil depende diretamente de você, autor independente.

Leia Mais

Quantas páginas tem o seu livro?

Qual a quantidade ideal de páginas para um livro?

É claro que não se mede a qualidade de um livro pela sua quantidade de páginas.

Kafka, por exemplo, era famoso por encerrar em pouquíssimas páginas histórias imortais e que, para sempre, marcaram a literatura mundial. Dostoievsky, por outro lado, seguia em uma linha oposta.

Verdade seja dita, cada autor tem o seu estilo – que inclui não apenas características da sua narrativa como, também, claro, o espaço que precisa para contar a sua estória.

Por outro lado, para quem está “do outro lado do balcão”, é irresistível olhar para os números tentar extrair deles conclusões mais matemáticas. Foi o que fizemos por esses dias, movidos pela mais pura curiosidade – e chegando a resultados no mínimo curiosos.

Há uma relação entre quantidade de páginas e vendas?

A paixão pela produção literária praticamente nos impõe um fervoroso “não” na garganta – mas os números parecem gritar um sim.

Aqui, no Clube, 85% de todos os livros vendidos tem entre 150 e 200 páginas.

E, apesar dos números parecerem proporcionais (disponibilidade x vendas) em livros maiores, o mesmo parece não ocorrer com títulos com menos de 100 páginas.

Ou seja: livros, por exemplo, com 50, 60 páginas, acabam afastando os seus leitores em potencial e apresentando números de vendas significativamente menores do que a média.

Se há alguma relação já comprovada entre tamanho e vendas, não sabemos dizer. Mas que há uma relação prática e que já começamos a sentir aqui no Clube de Autores, isso há!

Leia Mais

Como ser um escritor

O que você deve fazer para se tornar um escritor de verdade?

A primeira resposta para essa pergunta, claro, é óbvia: escrever um livro.

Mas é óbvio também que há muito mais escondido em uma pergunta como essa do que as obviedades que começam a se desprender dela. Aliás, se você já se perguntou isso antes, é porque já está um passo à frente de muitos, muitos outros aspirantes a escritores.

E já aproveito para me desculpar por quem acessou este post buscando uma espécie de receita de bolo: ela não existe. E não existe, principalmente, porque escritores são escritores antes mesmo de colocarem sua primeira palavra no papel. Ser um escritor é uma espécie de estado de espírito – ou, se preferir, uma prisão surrealista para a alma que, desesperada, precisa do papel e do teclado mais do que o corpo precisa de ar.

O que, então, é este post? Talvez, quem sabe, uma coleção de sabedorias de outros sobre a arte da escrita que sirvam para te ajudar a responder uma pergunta muito mais relevante que o título propõe: se você já é, em essência, um escritor de verdade.

Ao invés de eu ficar filosofando daqui, colocarei abaixo algumas frases de uma das maiores mestres da literatura mundial, Marguerite Duras, retiradas do seu livro “Escrever” (que, aliás, recomendo a todos).

Encontre-se nessas frases e, acredite, você já terá a sua resposta.

“Se eu não tivesse escrito teria me transformado numa alcoólatra sem cura.”

“Escrever é tentar saber aquilo que escreveríamos se escrevêssemos – só o sabemos depois – antes, é a interrogação mais perigosa que nos podemos fazer”

“O escritor é uma coisa curiosa. É uma contradição e, também, um contra-senso.”

“Escrever, essa foi a única coisa que habitou minha vida e que a encantou. Eu o fiz. A escrita não me abandonou nunca.”

“É numa casa que a gente se sente só. Não do lado de fora, mas dentro. Em um parque, há pássaros, gatos. E de vez em quando um esquilo, um furão. Em um parque a gente não está sozinha. Mas dentro da casa a gente fica tão só que às vezes se perde. Só agora sei que permaneci na casa dez anos. Sozinha. E para escrever livros que mostraram, para mim e para os outros, que eu era a escritora que sou. Como isso aconteceu? E como isso pode ser expresso? O que posso dizer e que o tipo de solidão que há em Neauphle foi feito por mim. Para mim. E que é apenas dentro dessa casa que fico só. Para escrever. Não para escrever como havia feito até então. Mas escrever livros desconhecidos para mim, e nunca previamente determinados, por mim nem por ninguém. La escrevi Le Ravissement de Lol V. Stein e Le Vice-cônsul. E outros depois desses. Compreendi que eu era uma pessoa sozinha com a minha escrita, sozinha e muito distante de tudo. Isso durou dez anos, talvez, não sei mais, raramente contei o tempo que passei escrevendo e qualquer outro tempo. Contei o tempo que passei esperando por Robert Antelme e Marie-Louise, sua jovem irmã. Depois, não contei mais nada.”

O que você escreve?

Certa vez uma escritora me perguntou o que eu acharia dela escrever um livro de autoajuda uma vez que, em sua opinião, eram os que mais vendiam.

Minha resposta foi a única possível: se você escreve pensando em sua conta bancária, dificilmente seu livro terá qualquer sucesso.

Veja: não é que um escritor não deva nunca pensar em dinheiro. Todos precisamos de dinheiro para viver e, CLARO, garantir uma renda excelente a partir dos próprios textos é o legítimo sonho de qualquer um.

Mas a questão aqui é outra, é uma inversão de causa e efeito. Será muito, muito difícil (senão impossível) encontrar algum escritor de sucesso que não acredite piamente no seu próprio texto, que não seja o seu próprio texto.

Ou seja: não adianta tentar buscar um tema que venda bem se essa não for a sua.

Um escritor, antes de mais nada, se escreve no papel – ainda que utilize enredos e personagens e tramas absolutamente fantasiosas para maquiar o que, no fundo, sempre será a sua própria autobiografia.

O que você busca ao escrever?

Ainda pegando carona no exemplo citado acima: você escreve porque busca fama, fortuna e reconhecimento? Se a resposta for “sim”, talvez valha considerar alguma outra carreira: o mercado editorial é, provavelmente, o mais concorrido da história da humanidade.

É certamente mais fácil ter fama e fortuna cursando uma faculdade e estudando alguma especialidade qualquer.

Eu iria além: um escritor de verdade não tem sequer a opção de se perguntar o porquê de escrever um livro: ele escreve porque não tem nenhuma outra alternativa. Um escritor escreve porque, se não o fizer, morrerá asfixiado pelas tantas palavras que brigam incessantemente por escapar de seus dedos, de sua mente, de seu coração.

Como você cuida do seu filho?

Um livro é, sobretudo, um filho. Nesse sentido, ser um bom escritor é como ser um bom pai.

Se você apenas escreve um rascunho qualquer e o publica, sem se dar ao trabalho de buscar uma revisão ortográfica e gramatical, sem buscar uma leitura crítica relevante, sem buscar profissionais que consigam garantir uma capa e um acabamento mais sofisticado, sem registrar o ISBN para que seu livro seja distribuído nas maiores livrarias… bom, então é porque você realmente não acredita no que está fazendo.

Você lê?

Um escritor é, em essência, um amante da literatura. É alguém que não consegue passar muito tempo se ler alguma obra qualquer, sem garimpar referências, sem se aprofundar em algum tema que lhe seja caro.

Escritores são prisioneiros das palavras – tanto das que saem pelos seus dedos quanto das que entram pelas suas pupilas.

Em essência…

Não se vira um escritor: se é. Ou não.

De uma maneira binária, aliás, talvez até mesmo nata.

E ter um livro publicado? Claro: há inúmeras técnicas e boas práticas e tal… mas isso é só uma consequência, uma decorrência tão natural para um escritor quanto respirar é para um ser humano qualquer.

Leia Mais

Dicas de leitura para escritores

O que você deve ler para melhorar a sua escrita?

Já falamos aqui, no blog, sobre o quão fundamental a leitura é para escritores – e sobre como aproveitar o máximo de cada texto.

Para falar a verdade, parece até desnecessário comentar isso uma vez que um escritor dificilmente pode esperar angariar leitores se ele mesmo não age como um (algo essencial para que saiba lidar minimamente bem com a palavra escrita). Mas não é.

Por incrível que pareça, ao longo desses dez anos de Clube de Autores já nos deparamos até com autores que pregavam que o melhor era simplesmente não ler nada de terceiros para evitar algo que eles chamavam de “contaminação literária”. Se você pensa assim, perdoe-nos a sinceridade: a possibilidade de ter algum sucesso qualquer como escritor é muito, muito pequena – essencialmente restrita à possibilidade de você ser um daqueles raros gênios que aparecem na espécie humana uma vez a cada século. Ainda assim, mesmo essa possibilidade fica mais distante uma vez que gênios raramente dispensam oportunidades de ler, de estudar, de se aprofundar em suas áreas de atuação.

Ou você acha mesmo os grandes mestres da nossa espécie, de Cervantes a Machado de Assis a Einstein, nunca se debruçaram sobre seus grandes antecessores?

Escassez e abundância

Mas havia, nos tempos dos gênios de antigamente, um elemento que… digamos… facilitava o trabalho de garimpagem literária eles: a escassez.

Não me entendam errado aqui: já falei e repito diariamente que o melhor dos nossos tempos é justamente a facilidade que temos de adquirir cultura e inspiração. Mas isso traz, para nós, um problema que dificilmente existia na época de Cervantes, lá pelo século XVI.

Para ele, a inspiração literária só podia ser obtida em pequenos e restritíssimos círculos intelectuais onde algumas obras literárias circulavam. Era a época da escassez.

Para nós, a quantidade de opções é tamanha, tão maior que a nossa disponibilidade de tempo para absorvê-la, que separar jôio de trigo é certamente a mais dura das missões de qualquer leitor.

É a época da abundância.

E isso, portanto, nos leva à grande questão: o que um escritor deve ler?

Daremos, aqui, três opções de caminhos a serem seguidos.

Elas servirão para todos? Obviamente que não. Mas podem ao menos ajudar os autores, ainda que um pouco, nessa tão árdua garimpagem inspiracional.

Busque os livros mais lidos de todos os tempos

Nenhum livro se torna best-seller histórico à toa.

Tome o exemplo de Dom Quixote, por Miguel de Cervantes. Desde que foi publicado, na Idade Média espanhola, essa obra já vendeu mais de 500 milhões de cópias, sendo de longe a mais lida de todos os tempos.

Qual o segredo dela? Tudo: da construção de personagens a uma temática que, embora escrita para séculos passados, se manteve e segue se mantendo extremamente atual.

Vale a pena você conferir essa lista aqui, com os 10 livros mais lidos da história, e começar a passear pelas páginas de todos. Mas não leia apenas por ler: leia como se fosse um detetive buscando desvendar o mistério que fez esses textos se grudarem de maneira tão atemporal no imaginário humano.

Busque os livros independentes que mais se destacam

Se você está aqui, então provavelmente é um autor independente buscando o seu lugar ao sol. Nada mais natural, então, do que analisar outros livros independentes que estão se destacando sob o olhar do leitor brasileiro.

De tempos em tempos nós publicamos, aqui no Clube, uma lista com os top 10 livros que mais estão se destacando sob variados critérios – você pode acessá-la clicando aqui.

Da mesma forma que o seu livro, são obras que foram autopublicadas aqui no Clube de Autores (da mesma forma que 85% de todos os livros independentes do Brasil) – e cujos autores, portanto, tiveram exatamente as mesmas oportunidades e possibilidades que você.

Nesse ponto, nunca é demais reforçar os passos importantes para se escrever um livro de sucesso – veja clicando aqui.

Cace os livros mais premiados

Prêmios, claro, são uma excelente maneira de se fazer uma boa triagem literária. Nesse sentido, o que recomendamos é que busque listas de livros agraciados com reconhecimentos como o Nobel, o Jabuti ou o Camões, dentre tantos outros.

É certo que você encontrará uma relação indiscutível de livros perfeitos? Não, claro. Mesmo os mais sofisticados dos prêmios continuam sendo apenas uma espécie de eleição feita com base na opinião de alguns.

Mas as chances de você encontrar títulos que, por um motivo ou outro, cativaram o mundo, são grandes.

Leia Mais