Como criar um personagem para seu livro?

Não há como conceber boas histórias sem bons personagens

Sim: generalizações são sempre perigosas justamente por abolirem, de certa forma, a possibilidade da exceção. Mas pare e pense um pouco: qual o livro que realmente entrou para a história com personagens simplistas, hiper superficiais e pouco críveis? Pouquíssimos, se algum.

E há um motivo óbvio para isso: histórias são sempre formadas por históricos, por linhas de tempo cruzadas de personagens que incluem os passados individuais que os formaram, os encontros que fundiram contextos, as possibilidades de futuro que se desdobram nas tramas.

Assim, por mais fantasiosa que seja uma obra, acreditar na profundidade de um determinado personagem, no seu realismo condizente com o bom senso geral, acaba sendo fundamental para que um livro vá além de um punhado de páginas soltas.

E perceba que não estamos falando aqui apenas do protagonista ou antagonista principais: falamos de todos, absolutamente todos os personagens que compõem uma determinada obra, por mais coadjuvante que ele seja.

A Lei de Tchekhov e a necessidade de relevância em todos os elementos da história

Um dos maiores dramaturgos da humanidade, o russo Anton Tchekhov, descreveu uma espécie de “lei literária” que diz que, se uma arma aparece sobre uma mesa na segunda cena de uma peça, é porque ela fatalmente será disparada até a quarta cena.

Há uma lógica nisso: todo e qualquer elemento inserido em uma história acaba fatalmente “servindo” para algo e levando o leitor e chegar a construir uma determinada expectativa ou a chegar a uma determinada conclusão sobre algo. Há pouco espaço para inutilidades em um livro – em grande parte porque inutilidades desviam o foco e acabam matando o interesse e o engajamento do leitor na medida em que ele vai se perdendo na trama.

E por que estamos falando disso aqui? Porque o mesmo raciocínio deve ser aplicado a personagens. Personagens inúteis, daqueles que aparecem e somem de uma história praticamente sem causa efeito na trama, devem ser eliminados. por completo. Colocando de outra forma: se há alguém na história, esse alguém deve cumprir algum papel, ainda que secundário, na trama; e, se há um papel a ser cumprido, esse mesmo alguém, precisa ser minimamente crível pelo leitor.

Como garantir a densidade de um personagem?

A primeira resposta é tanto óbvia quanto inútil: pelo bom senso. Ela é óbvia porque tudo em um bom argumento depende do bom senso; ela é inútil porque, normalmente, todos sempre acreditam piamente que são os únicos detentores domador bom senso do mundo, o que invariavelmente joga o conceito na lata de lixo.

Mas há algumas práticas que podem ajudar bastante, incluindo:

Coerência

Personagens são seres, humanos ou não, dotados de características que os fazem agir de uma determinada maneira ao longo de uma narrativa.

O que os move, o que faz com que eles ajam de uma ou de outra maneira, quase sempre tem a ver com as suas próprias personalidades. Esse é um ponto de suma importância: as personalidades de cada personagem precisam ser bem definidas e mantidas ao longo da trama.

Veja: não é que uma pessoa vingativa por natureza não possa se arrepender e agir de uma maneira mais altruísta – praticamente todas as histórias do Charles Dickens tem uma ou outra mudança drástica de comportamento de um ou mais de seus personagens chave. Todos podem mudar – mas desde que os motivos, os gatilhos para uma mudança de comportamento, sejam nítidas e fortes o bastante para justificá-la.

Em outras palavras: estamos falando de coerência. Se não garantirmos que nossos personagens não tenham coerência, perderemos nossos leitores.

Passado

Sendo personagens, eles também costumam ter os seus próprios passados: suas coleções de pequenas (ou grandes) vitórias e derrotas pessoais que, no final das contas, acabou forjando os seus caráteres.

Não precisamos sempre descrever o histórico de um personagem à exaustão – mas precisamos, ainda que para nós mesmos, ter claro esse passado como maneira de garantirmos que manteremos a sagrada coerência.

Contexto e momento

Todas as pessoas do mundo mudam de acordo com as circunstâncias. Pegue a mais bondosa das criaturas e coloque-a na mais dramática e negativa das situações e certamente algumas gotas de egoísmo aparecerão até como maneira de sobrevivência.

Respeite essa tridimensionalidade, esse contexto que pode curvar ou mudar qualquer personalidade.

Mas, em paralelo, construa cada contexto como uma soma de momentos. Evite catapultar personagens para dentro de uma história assim, no susto, sem respeitar as regras mínimas do bom senso. Introduza-o na história com coerência, garantindo as circunstâncias percebidas como mais realistas para a sua presença.

E, claro, dê motivo para a sua presença (observando a Lei de Tchekhov) e crie as devidas conexões entre ele e os demais personagens.

Contexto e momento: muito do sucesso de uma história depende desses dois fatores.

Questionário para a construção de um personagem

Se você respeitar esses três elementos acima (e observar a sagrada Lei de Tchekhov), serão imensas as chances de ter em seu livro personagens sólidos, densos e críveis.

Mas há ainda como ir um pouco além. tome qualquer personagem seu e tente enquadrá-lo no questionário abaixo. Se quiser, você pode até responder formalmente a ele (nem que seja para os personagens principais como forma de garantir mais realismo a eles) – mas, normalmente, basta que consiga endereçar cada uma das questões mentalmente.

Se conseguir fazer isso, perfeito: seu livro estará muito mais próximo do sucesso.

Qual a necessidade do personagem para a história?

Como ele é?

Como ele muda ao longo da história?

Quais as suas características físicas (idade, peso, porte, raça, gênero sexual etc.)

Onde nasceu e onde vive?

Se vive em um lugar diferente de onde nasceu, o que o fez se mudar?

Qual o seu nível de inteligência?

Qual a sua relação com a própria família?

Quais os seus amigos e inimigos mais próximos ou importantes?

O que o motiva?

O que o assusta/ amedronta?

Como ele enxerga o mundo?

Como ele age perante os desafios que aparecem em sua vida?

Que outras características você considera como importante?

Bons personagens bastam para um bom livro?

Certamente que não – mas são um passo importante. Um bom livro tem outras muitas características que também precisam ser observadas – como essas aqui, nesse post, que recomendamos fortemente a leitura.

E isso sem contar com outros fatores que vão além da escrita em si, como diagramação, leitura crítica, revisão, capa etc. Nesse sentido, recomendamos também que você acesse esta página aqui, que concentra uma série de conteúdos importantíssimos para garantir que seu livro saia exatamente como você deseja.

Leia Mais

Livros do Clube de Autores na Biblioteca do Congresso Americano

Livros independentes entrando para a história da literatura

Pouca gente sabe disso (até porque quase nunca comentamos), mas volta e meia recebemos pedidos de livros independentes publicados aqui no Clube, principalmente sobre temas como história e cultura brasileira, pela Biblioteca do Congresso Americano.

E daí?

“O que importa estarmos ou não presentes na Biblioteca do Congresso Americano?”, você pode perguntar. “O que isso quer dizer para nós, aqui no Brasil?”

Muito.

Para quem não conhece, ela é uma das maiores bibliotecas do mundo, com mais de 32 milhões de livros catalogados, mais de 63 milhões de manuscritos, 3 milhões de gravações de áudio, mais de 5 milhões de mapas, 16 milhões de microformas e a maior coleção de livros raros da América do Norte, incluindo uma das quatro cópias restantes da Bíblia de Gutenberg em papel velino.

Em outras palavras: é um dos principais templos dedicados à literatura mundial.

Ter livros independentes no acervo significa, principalmente, dias coisas: 

  1. Um reconhecimento claro da literatura independente como uma das principais fontes de informação histórica dos nossos tempos, principalmente considerando os tantos nichos sobre os quais tantas obras aqui publicadas se debruçam. 
  2. Nós, autores independentes, deixamos de ser um nicho isolado, e passamos a ser tão parte do mundo literário quanto os grandes best-sellers. 

O futuro?

Já postamos aqui antes que o futuro da literatura pertence aos autores independentes. Essa é apenas uma prova cabal a mais disso. 

Leia Mais

Aprenda com os livros independentes mais recomendados pelo público

O que a preferência do público pode contribuir com o seu livro?

Desde que implementamos no sistema a recomendação de livros, há alguns anos, todos aqui ficamos curiosos para saber quais obras se destacariam no site. Na prática, as recomendações são feitas com base em parâmetros totalmente técnicos, incluindo a obtenção de selos que, por sua vez, apontam as obras que estão sendo melhor recebidas por parte da comunidade de leitores em diversos aspectos.

Hoje, paramos um pouco e filtramos a primeira página da livraria para que exibisse as obras ordenando pelas mais recomendadas (clique aqui para ver).

Quais as características comuns dos livros mais recomendados?

É claro que, quase sempre, generalizações costumam ser perigosas. O motivo? Padrões não são regras. Ou seja: a partir desses quase dez anos de observação de desempenho de livros independentes, formulamos algumas conclusões extremamente claras sobre o que funciona e o que não funciona – mas isso não significa nem que basta seguir essas conclusões para ter sucesso e nem tampouco que não as seguirem estará fadado ao fracasso. 

Em outras palavras: estamos falando aqui de melhores práticas comprovadas pelas estatísticas, de trabalhos feitos por uma massa de milhares de autores que demonstraram sucesso perante seus públicos (e que, portanto, no mínimo servem de referência para todos)

E quais são as melhores práticas que observamos a partir das recomendações do público? Vamos a elas:

Todas tem capas totalmente personalizadas, chamativas, vendedoras.

Sabe a máxima de que livros vendem pela capa? Ela é real. Assim, de pouco adianta passar meses ou anos trabalhando em um livro se você usar uma capa padronizada, esquisita, que diga pouco sobre sua obra. Este é um ponto que, sim, você PRECISA investir. 

Acesse este post aqui para ver como fazer a capa perfeita para o seu livro.

A grande maioria tem diversos comentários de leitores, seja no site ou nas redes sociais.

É o caso de Trilhando Sonhos, de Thiago Fantinatti, e de Alta Sensibilidade Emocional, de Helena Polak

A maioria dos autores que tem as suas obras como mais recomendadas também possuem páginas biográficas repletas de notícias, deixando claro que tem reconhecimento do mercado – um importante fator de decisão.

É o caso de “Logística Reversa“, que, tem 9 notícias publicadas e 5 sites sobre a autora.

Todos deixam habilitada a opção de contato com o leitor, mostrando abertos e acessíveis.

Em nossos tempos, abrir contato entre autor e leitor é essencial para se criar relacionamento e se fomentar o bem mais precioso que pode existir: a conexão.

A imensa maioria tem ISBN.

Já falamos tanto sobre isso aqui (veja este post, por exemplo) que corremos o risco até de ficarmos repetitivos. Por que ISBN importa? Porque sem esse registro você simplesmente não consegue aproveitar uma das (senão “a”) maio vantagem do Clube de Autores: ter o seu livro distribuído pelas principais livrarias do Brasil

Tecnicamente, para o autores, isso significa uma coisa óbvia: presença. 

A propósito, você pode clicar aqui se quiser saber como registrar o seu ISBN.

E há mais a se considerar, claro: basta que você pesquise

Há ainda diversos elementos importantes a se destacar, mas o fato é que parece indiscutível o empenho dos autores tanto no acabamento quanto na divulgação de suas obras. E há aqui uma diferença importante entre as mais vendidas e as mais recomendadas: enquanto o ranking de vendas expressa um histórico das obras que estão no ar, o de recomendações apresenta o que constatamos ser tendências. Ou seja: é possível que algumas das mais vendidas tenham já extinguido os seus ciclos – mas as mais recomendadas estão ainda sendo comentadas rede afora, crescendo juntamente com os seus públicos.

Que fique como dica nossa para os autores do Clube: vejam os selos de reconhecimento e busquem formas de obtê-lo, pois eles são um atalho prático para que cada obra possa ter mais visibilidade, integrando essa lista das mais promissoras do site.

 

Leia Mais

10 pousadas ideais para deixar a inspiração de escritor aflorar

Um dos principais ingredientes para um escritor é, claro, a sua inspiração.

E, apesar da inspiração nascer, em grande parte, de lá do fundo da alma, um bom lugar para escrever sempre ajuda.

Fizemos uma pequena lista de pousadas por todo o Brasil que tem ambientes próximos do ideal: silêncio, belas paisagens e ares bucólicos verdadeiramente inspiradores. Para quem estiver de férias, vale a pena cogitar se “internar” em um desses lugares para fazer o que escritores costumam mais amar: escrever!

Os preços nem sempre são os mais convidativos – mas que dá vontade, isso dá ;-)

– Orixás Art Hotel, em Fortaleza (CE): http://www.orixashotel.com.br/
– Hotel Capim Limão, em Petrópolis (RJ): http://www.capimlimao.com.br/
– Estalagem St. Hubertus, em Gramado (RS): http://www.sthubertus.com/
– Pousada Rosa Picinguaba, em Picinguaba (SP): http://www.pousadarosapicinguaba.com.br/
– Pousada Saint Moritz, em Búzios (RJ): http://www.saintmoritzbuzios.com/
– Pousada Terra Madre, e, Ilha Bela (SP): http://www.pousadaterramadre.com.br/portal/
– Pousada Porto da Lua, em Praia do Forte (BA): http://www.portodalua.tur.br/
– Pousada A Rosa e o Rei, em São Francisco Xavier (SP): http://www.arosaeorei.com.br/
– Kiriuwa Hotel, em monte Verde (MG): http://www.kuriuwahotel.com.br/
– Pousada do Cedro, em Santo Antônio do Pinhal (SP): http://www.pousadadocedro.com.br/

A inspiração já bateu? Então está na hora de escrever!

Quer algumas dicas sobre como aproveitar melhor essa inspiração? Que tal ver este post aqui sobre como escrever um livro de sucesso? Ou este, sobre como lançar o seu livro?

Leia Mais

Os top 10 livros independentes entre maio e junho

Temos feito, a cada 2 meses, uma relação dos 10 livros que mais tem chamado a atenção aqui no Clube de Autores.

Não se trata de uma lista dos que mais vendem ou mesmo dos que mais têm procura, mas sim dos que mais têm potencial. E como definimos isso?

Temos um algoritmo, ainda em fase beta, que pontua cada livro de acordo com fatores que variam das suas características técnicas (livros sem ISBN, por exemplo, tem sua pontuação fortemente rebaixada por serem impossibilitados de serem comercializados em livrarias) ao tipo do tema (e da procura em torno dele), a performance real, perfil de influência e atividade do autor e assim por diante.

Vale muito a pena, portanto, observar esta lista abaixo para entender quais os títulos (e as características) que fazem livros com bom potencial. Para leitores, essa lista é quase que uma pre-seleção multi-temática como poucas que existem no mercado; para autores, é uma pesquisa de mercado prontinha que pode ajudar bastante na maneira com que seus livros são trabalhados.

Assim, sem mais delongas, eis a lista de maio/ junho – com uma forte recomendação para que todos vejam e naveguem por ela.

Estamos diariamente trabalhando esse algoritmo de acordo com comparações em tempo real do que ele demonstra e da evolução prática, concreta, de vendas dos livros.

Leia Mais