Nosso concurso de mini-histórias no Facebook

No dia 20 de agosto, decidimos usar o Facebook para fazer uma “experiência”: brincar com a criatividade dos autores em uma corrida para ver quem conseguia criar uma história inusitada e interessante, em poucas frases, tendo como base apenas uma frase.

A premiação era simples e quase simbólica: um cupom de R$ 50 para usar no próprio Clube, e a decisão da melhor história ficaria por conta dos próprios usuários e na quantidade de “curtir” que cada uma recebia.

Quando publicamos o concurso, não tínhamos absolutamente nenhuma expectativa. Mas ficamos surpresos: em 24 horas, foram cerca de 60 histórias postadas e muita, MUITA gente curtindo.

Uma coisa ficou clara: criatividade realmente sobra entre os autores do Clube! Veja, ahaixo, a imagem que cadastramos e algumas das histórias – e já se prepare para outros concursos semelhantes que CERTAMENTE virão:

Leandro Felix (vencedor): Não satisfeito em torturá-lo, o assassino queria sentir o prazer de vê-lo sofrer e ouvir seus gritos e sua agonia transparecer. Mas com toda coragem do mundo, o pequeno garoto o observava e não deixava que suas lágrimas caíssem, deixando o agressor ainda mais espantado que ele.

Thiago Spindola: Aquela bala entrou direto em seu coração. Mesmo incerta, foi certeira. Não havia mais nada que ninguém pudesse fazer, a morte só era questão de minutos, segundos. Naquele olhar indefinido se via a ausência de sentido e a falta da dor que já atingira e fora. Ela via também os flashes, como em um filme de sua vida numa grande tela. A mistura de tudo a fazia vê-la de forma secundaria como sua vida sempre foi.

Marilda Assis: E agora? Aquilo não era um beijo! Eu tinha sete anos quando a vi pela primeira vez. Seus cabelos eram brilhantes e sua face corada; apertei os seus bracinhos e seus lábios estalaram: Eu me senti beijada e, por muitos anos, fiquei como quem sonha! Anos e anos depois, disse eu numa loja: quero aquela boneca que joga beijos! A vendedora trouxe uma pra mim. Estranhando seu rostinho pálido e seus cabelos esmaecidos, perguntei: É a mesma de antigamente? A mesmíssima! Numa busca desesperada apertei os seus bracinhos e ela assoprou: aquilo não era um beijo! Em choque, com meus olhos estatelados, entendi que as crianças enxergam as coisas com singeleza de alma, mas eu, já havia crescido.

Leia Mais