É hora de reinventar o mercado editorial

Ultimamente, muito se fala em crise no mercado editorial brasileiro. É possível acompanhar tudo isso por meio de reportagens que mostram como o setor literário tem registrado constantes quedas nas vendas. Para piorar, a imprensa tem dado destaque à recuperação judicial das duas maiores livrarias do país. Diante de todo esse cenário, de fato, pode parecer que o segmento passa por dificuldades. Mas, na verdade, o problema está no modelo de negócios adotado na venda das publicações.

O discurso pode parecer algo um tanto otimista ou fora da realidade. Na verdade, os fatos concretos relacionados ao ramo vão ajudar a comprovar que essa minha tese relacionada ao universo dos livros está correta. A conjuntura econômica ruim dos últimos anos realmente derrubou o volume de vendas nos estabelecimentos do gênero. A partir daí, as maiores redes do ramo passaram a atrasar os pagamentos às editoras.

Só para esclarecer, as maiores livrarias brasileiras adotam um modelo de negócio conhecido como consignação. A modalidade funciona da seguinte forma: as editoras enviam grandes quantidades de exemplares impressos para as lojas sem receber absolutamente nada num primeiro momento. As redes do setor apenas abrem espaços em suas prateleiras para que os livros fiquem expostos aos consumidores. 

As editoras sempre enviavam seus livros para receberem somente após a venda destes títulos. Esse estoque parado não é bom para ninguém, é um desperdício de espaço e de dinheiro. É muito mais inteligente e econômico imprimir sob demanda.

Com o agravamento da crise, as livrarias deixaram de repassar o valor da consignação, após a venda efetiva, para quem produziu as publicações. Dessa forma, gerou-se praticamente um efeito cascata diante dessa modalidade de negócio usado no mercado literário. Sem dinheiro, o volume de lançamentos caiu drasticamente. Consequentemente, menos livros eram entregues para comercialização. E, dessa forma, a queda nas vendas de publicações também registrou forte queda em volumes de novas publicações. 

Por outro lado, toda essa situação também serviu para o setor buscar novos modelos de negócio, inclusive, com o uso da tecnologia para que a venda de livros se tornasse mais rentável. Hoje, é possível fazer a publicação gratuita dos livros em que a impressão se baseia totalmente na demanda de venda, por meio do uso de uma plataforma online. Nela, o autor se auto publica e disponibiliza sua obra para todo o mundo. Fora isso, a pessoa escolhe quanto quer ganhar em cada unidade comercializada.

Com o uso dessa solução, também se garante a impressão apenas quando algum exemplar é vendido tanto no site que abriga a plataforma, quanto nos espaços virtuais de seus respectivos parceiros. Ou seja, ninguém perde com isso, ao contrário da modalidade tradicional por consignação, que dentro deste modelo de negócios tradicional, as editoras foram as maiores prejudicadas com o calote das livrarias.

Por essas e outras, o mercado livreiro baseado em autopublicação tem se mostrado bastante eficiente. A mais recente pesquisa divulgada pelo Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL) que apontou um aumento de 19,2% no faturamento de vendas do setor. Com certeza, o bom desempenho se deve às alternativas existentes no mercado literário.

Dados de empresas do setor comprovam que a nova modalidade por demanda utilizada pelo segmento também garante uma rentabilidade 30% maior se comparado com o adotado no mercado tradicional, onde estão as livrarias em processo de recuperação. Não gosto de dizer que o mercado editorial em si está em crise, até porque os brasileiros continuam consumindo e lendo até mais do que antes. 

Leia Mais

estante de livros

Como se comporta o leitor brasileiro (e o que o autor independente tem a aprender com isso)?

Qual a relação do brasileiro com o livro?

Muito se fala sobre o leitor brasileiro. Diz-se que ele é escasso, que lê pouco, que é ignorante etc. e tal. O brasileiro tem dentro de si, quase como um traço cultural inerente à sua cidadania, esse pessimismo em relação a si mesmo, esse senso de inferiorização que por vezes nos cega para uma realidade que costuma ser melhor do que a que cismamos em crer.

Fatos práticos

A última pesquisa Retratos da Leitura, de 2016, revelou alguns dados esclarecedores. Reforço que essa pesquisa foi de 2016 e que, da mesma forma que ela vem mostrando uma evolução grande nos hábitos de leitura dos brasileiros, é bem provável que sua próxima edição, prometida para 2020, confirme isso.

Ainda assim, foquemo-nos nos dados que temos:

  • Cerca de metade da população bruta do Brasil é feita de leitores: somos 104,7 milhões de pessoas
  • Na média, o leitor brasileiro lê (parcial ou completamente) 2,54 livros a cada trimestre
  • 77% afirma querer ler mais
  • 94% dos leitores preferem livros impressos a digitais

Distribuição geográfica

A mesma pesquisa distribuiu o leitor brasileiro por gênero e região, como pode ser visto abaixo. Nenhuma surpresa aqui: de certa maneira, a distribuição segue a densidade populacional e educacional do Brasil:

Onde o brasileio compra?

De acordo com a mesma pesquisa Retratos da Leitura de 2016, a compra é absolutamente distribuída. Aqui cabe uma observação importante: de 2016 para 2019, é natural se supor que a participação da Internet tenha crescido de maneira determinante. Dito isso, os dados existentes são:

O que mais influencia a compra?

Outra pesquisa, a SNEL & Nielsen Bookscan de 2018, apontou os seguintes itens como grandes influenciadores de compra:

E o preço do livro?

Perceba que o preço do livro é apenas o quinto fator de maior influência, em grande parte porque a maioria efetivamente oscila em torno da média. E qual é ela? No Brasil, um livro custa, em média, R$ 44,47. Saiba como estipular o preço do seu livro aqui.

O que isso tudo quer dizer para você, autor independente?

Em uma frase: que o espaço está mais que aberto para você e para os seus livros.

Ou, colocando de maneira mais simples:

Há, claro, mais uma série de conclusões que você pode tirar dessas pesquisas – mas apenas essas citadas aqui já abrem espaço para muito trabalho e muitos resultados.

O que você deve fazer agora? Publicar o seu livro, claro!

Leia Mais

Cuidado com atalhos: prefira sempre os caminhos oficiais

Dia desses, uma autora nos contatou com uma reclamação sobre um dos serviços que ela contratou no Profissionais do Livro. O que aconteceu? Ela contratou um serviço de diagramação e capa, pagou, o profissional sumiu e ela ficou a ver navios.

Nossa política aqui no Clube é BEM prática e feita justamente para proteger o autor: se qualquer serviço comprado pelo Profissionais do Livro não for entregue ou for entregue com má qualidade, a compra em si é cancelada e o autor é integralmente reembolsado no mesmo dia.

Onde estava o problema, então? Essa autora não contratou o profissional pelo site. Ela o achou por lá, o contatou diretamente via email e efetuou o pagamento como depósito em sua conta bancária. Pois bem: este post é quase um alerta, um pedido para outros autores. A única maneira que nós temos de garantir um serviço é se ele for comprado através de nós. No caso dessa autora, como ela saiu dos canais oficiais e efetuou o pagamento de maneira direta, ela realmente acabou ficando à mercê da má fé do fornecedor, o que lhe custou caro.

Quer contratar um serviço profissional para seu livro? Faço-o por aqui pelo Profissionais do Livro – mas evite atalhos desnecessários. A nossa maior vantagem não é apenas reunir milhares de prestadores de serviço em um mercado aberto – é poder intermediar a relação com total segurança para todos.

Screen Shot 2017-08-14 at 10.02.13

 

 

 

Leia Mais

Por que o mercado editorial será dos autores independentes?

O que autores independentes devem esperar do futuro?

Há algumas décadas, o espaço para autores independentes no Brasil era essencialmente nulo, inexistente. Pior: ter um livro sem a chancela de alguma editora grande era quase garantia de recebimento de olhares tortos e críticas veladas.

Aí o tempo passou.

E as demandas de leitores cresceram em uma velocidade muito, mas muito maior do que o próprio mercado editorial conseguisse dar conta.

E esse mesmo mercado editorial, sem saber lidar com um leitor mais exigente por livros ultra-específicos e diferentes dos grandes best-sellers globais, entrou em colapso.

E, em colapso, começou e gritar para os quatro cantos do país que a literatura estava quase no seu fim, que era necessário encampar verdadeiras campanhas implorando, por exemplo, para que pessoas dessem livros de Natal como maneira de salvar a cultura.

E, cego de pânico e medo, esse tal Sr. Mercado Editorial Tradicional acabou ignorando pequenos fatos de extrema relevância que sempre estiveram ali, à sua frente, praticamente se esfregando nas lentes de seus óculos.

Os números que nos mostram o futuro

  • Entre 2001 e 2016, o número de livros lidos por brasileiro aumentou de 2,01 para 2,43. O próximo levantamento dessa pesquisa, do Instituto Pro-Livro, será feita em 2020 – e pode ter absoluta certeza de que ele será ainda maior.
  • O SNEL (Sindicato Nacional dos Editores de Livros) lançou, no começo de 2019, um estudo sobre a venda de livros em todo o ano de 2018. Cabe aqui uma observação extremamente importante: este estudo se baseia em pesquisas feitas justamente com o mercado tradicional e, portanto, ignora grande parte de tudo o que está acontecendo no mercado independente. Pois bem: segundo ele (que você pode ver na íntegra aqui), o mercado teve uma queda de 10,1% em relação ao ano anterior, de 2017. Aliás, entre 2014 e 2018, a queda real acumulada do setor chega a assombrosos 44,9%.
  • Este mesmo estudo aponta que, em 2018, 46.828 foram publicados no Brasil (contra 48.879 ao longo de todo o ano de 2017). Uma queda grande, certo? Quer uma informação importantíssima para entender esse número? No mesmo período de 2018, um total de 10.696 livros foram publicados aqui no Clube de Autores. Ou seja: o Clube de Autores (e, portanto, os livros independentes) registraram um total de 22,84% de todos os livros publicados no Brasil ao longo de 2018.

A primeira conclusão que se chega é óbvia: se o leitor brasileiro está lendo mais hoje do que no passado e se o mercado tradicional está acumulando prejuízos embasbacantes, então a única conclusão possível é que o consumidor está buscando seus livros fora do mercado tradicional.

Por que? Se o Clube registra mais de 20% de todos os livros publicados no país, então é também óbvio supor que um dos motivos dessa busca de conteúdo por parte de leitores fora do tradicional está justamente na quantidade de nichos e segmentos peculiares que costumam aparecer na literatura independente.

Mais números

Quer mais alguns números para consolidar essa opinião? Vamos então ao mercado externo.

  • De acordo com a Bowkers, 1.009.188 livros independentes foram publicados nos Estados Unidos em 2017 – um crescimento de 256% em 5 anos. Veja: o volume de livros do Clube de Autores, que tem 85% desse mercado aqui no Brasil, fica na casa do 1% – um porcento – do que se registra lá nos EUA. Em outras palavras: há ainda MUITO espaço para autores independentes aqui.
  • Nesse mesmo ano de 2017, o faturamento de livros tradicionais nos EUA cresceu 1,1%. O de livros independentes cresceu quase o dobro: 2,1%.
  • 29% de todos os best-sellers nos EUA em 2017 foram publicados como livros independentes.
  • Finalmente, para os pessimistas que acham que esses números lá são tão diferentes apenas porque americanos são mais digitalizados e consomem mais ebooks, vai um outro dado: 87% de todas as vendas de livros independentes são em formato impresso, e não eletrônico.

Se lá fora, portanto, autores independentes já representam 30% dos best-sellers, é uma questão de tempo para que essa realidade se repita também aqui no Brasil. De tempo curto, devo acrescentar, uma vez que o mercado tradicional está se afastando cada vez mais das demandas reais do leitor atual.

Que entraves tínhamos até então?

Há, normalmente, dois entraves para autores independentes: a viabilidades da publicação em formato impresso (uma vez que é o formato dominante na preferência do leitor) e a capacidade de montar uma rede de distribuição eficiente.

Nós, aqui no Clube de Autores, atacamos o primeiro entrave com a nossa própria fundação: desde 2009 já se consegue publicar gratuitamente, em formato impresso, aqui conosco. (Aliás, vale a pena conferir esse post aqui com 5 motivos para se publicar conosco.)

A segunda barreira foi resolvida de fato apenas no começo de 2018, quando efetivamente começamos a distribuir os nossos livros nas principais livrarias do país (também sem custo algum para o autor).

Havia ainda uma terceira barreira – a da credibilidade e do preconceito de leitores quanto a livros independentes. Podemos até afirmar categoricamente que esse preconceito desapareceu por completo com base na opinião de quem trabalha com isso desde 2009, mas… talvez seja mais eficiente provar isso com um dado concreto: foi justamente um livro independente que venceu o Prêmio Jabuti – o mais conceituado do país – em 2018.

Como prever o futuro?

Dizem que prever o futuro é uma tarefa impossível, inviável, impensável. Discordo.

Uma amigo uma vez me disse que pode-se facilmente prever o futuro: basta olhar o presente e tirar dele tudo que não fizer sentido.

Essa dominação de editoras tradicionais não faz mais sentido. O mercado tradicional inteiro, aliás, não faz sentido algum. É carta fora do baralho, como os dados das próprias pesquisas encomendadas por eles apontam.

O que faz sentido? O seu livro.

Que você pode publicar gratuitamente e vender nas maiores livrarias do país. Que você pode, aliás, vender no mundo inteiro, tanto no formato digital quanto impresso.

E que, se você souber divulgar e se conseguir fazer com que ele caia no gosto do leitor, certamente fará toda a diferença do mundo na própria história da literatura.

Quer saber mais sobre como ter sucesso com seu livro? Clique aqui!

Leia Mais

O choro premeditado do mercado editorial brasileiro

Por Marcelo Wolowski

Muito tenho ouvido e lido a respeito da situação precária que vive a indústria editorial no Brasil. A situação, que já era péssima há pelo menos 3 anos, ganhou notícia a partir do momento em que as duas grandes livrarias do mercado nacional pediram recuperação judicial.

O que aconteceu no Brasil não foi muito diferente daquilo que aconteceu nos Estados Unidos e em vários países Europeus. O tradicionalismo foi devastado por uma enorme capacidade de inovação e de investimentos.

Não quero abordar a capacidade de investimento neste texto, pois reconheço que a competição é muito desigual. Porém, quando o assunto é inovação, o brasileiro é o maior culpado.

No mundo dos livros, a gigante americana inovou quando começou a entregar seus livros num prazo muito curto se comparado aos padrões até então estabelecidos e ao desenvolver uma plataforma de autopublicação (self publishing) onde novos autores pudessem rapidamente publicar seus livros e vendê-los no “varejo”. Sempre inovando, adotou o produto livro também como isca para alavancar vendas de outros produtos dentro de sua própria loja, utilizando-se de uma plataforma de inteligência que recomenda outras opções aos seus então fidelizados clientes.

Assistindo ao movimento mundial no setor, em 2012 foi fundada no Brasil uma empresa que oferecera uma plataforma de tecnologia para autopublicação de livros na língua portuguesa. Esta mesma plataforma, inseriu no mercado brasileiro o conceito de Impressão sob Demanda, viabilizando um modelo de negócios inédito no mercado editorial, quando ficou viável economicamente a impressão de um único exemplar. Tal solução oportuniza condições para que novos autores apareçam e vendam seus livros nos grandes varejos do Brasil, mas também surgiu como uma solução para redução de estoques, diminuição do capital de giro e minimização da ineficiência do modelo de operação tradicional da cadeia de fornecimento e fluxo de capital na indústria editorial brasileira.

Refiro-me ao Clube de Autores, que também desenvolveu a plataforma Profissionais do Livro, onde prestadores de serviços oferecem suas habilidades e conhecimentos aos novos autores a fim de melhorar o produto livro quanto a sua capa, diagramação, revisão ortográfica, entre outros tantos serviços lá oferecidos.

Infelizmente, somente em 2018, é que a indústria editorial nacional deu espaço para uma aproximação e parceria com o Clube de Autores. Dois grandes varejistas entenderam a relevância do livro no varejo, bem como dos novos modelos editoriais, e passaram a distribuir os títulos autopublicados. O resultado: a empresa deve fechar um dos anos mais devastadores para o mercado editorial com um crescimento de 30%.

E este, embora seja apenas um caso de inovação no mercado nacional, é suficientemente relevante para exemplificar que com um pouco mais de ousadia, a situação não estaria tão ruim.


Marcelo Ferrari Wolowski é sócio fundador da Bzplan, gestora de fundo de investimentos em empresas inovadoras. Investiu nas empresas Axado, Cata Company, Clube de Autores, EadBox, PhoneTrack, Rede Vistorias e MobLee. Membro atuante da Acate no Grupo de Trabalho de investimentos no setor de TIC em SC. Formado em Administração de Empresas pela ESAG/UDESC e MBA pela Suffolk University.

Leia Mais