Nós sempre escrevemos, afinal, sobre o tempo

Podemos criar universos paralelos, tecer tramas que se passam no século XXV ou recontar outras que ocorreram no século XIV – mas, no final das contas, tudo estão sempre inseridos em alguma cronologia.

O Tempo é o grande protagonista invisível de todas as nossas histórias – o que nossos livros contam, afinal, é sempre o que aconteceu com uma meia dúzia de personagens enquanto eles caminharam entre datas. Nesses períodos, fisionomias mudam, acasos irrompem, tempestades surpreendem. Se toda trama depende de uma teia de causas e consequências, e se a única coisa entre uma causa e uma consequência é o Tempo, então é ele também, sempre, o nosso grande herói.

E por que escrevo todas essas obviedades? Porque me deparei com um vídeo de um fotógrafo que, com uma técnica nova, está conseguindo inserir na mesma foto tempos diferentes e, assim, compor uma história que considero revolucionária.

Dêem uma olhada nesse vídeo abaixo.

Sim, sei que fazer isso em fotografia pode soar mais fácil – mas como seriam livros livres do tempo? Eu, pessoalmente, não conheço nenhum que siga esse pensamento. O mais próximo talvez seja o Deus Das Pequenas Coisas, de Arundhati Roy, que conta uma história a partir de colagens atemporais de outras histórias. É uma obra de arte belíssima, talvez única no mundo… mas ainda pára um pouco aquém dessa destemporização absoluta.

Para falar a verdade, nem sei se isso é possível – e agradeceria se alguém soubesse de algo nessa linha que pudesse me recomendar. De toda forma, fica então como um devaneio qualquer criado na esperança da próxima revolução literária sair daqui das nossas terras :-)

[ted id=2517 lang=pt-br]

 

 

 

 

Leia Mais

Vendo histórias a partir de suas ausências

Há uma espécie de anexo à Pinacoteca de São Paulo onde funciona o Memorial da Resistência. Nos anos mais negros da história recente do Brasil, o temido DOPS – Departamento de Ordem Política e Social – ficava ali. Traduzindo: naquelas dependências, um sem número de brasileiros foi detido e torturado até os limites da humanidade.

Hoje, uma pequena exposição ilustra alguns dos efeitos daquela era: ausências, do fotógrafo Gustavo Germano.

São duplas de fotos das mesmas pessoas, todas combatentes políticas, tiradas dos mesmos lugares, separadas apenas por algumas décadas.

E, nas fotos, os olhares de antes e de hoje revelam um abismo desesperador. Em alguns casos, revelam pessoas que se foram; em outros, lembranças para sempre presas à carne, traduzidas em uma mescla de medo com ódio.

E por que estou postando isso aqui no blog? Porque essa exposição acaba contando histórias de maneira tão profunda quanto instantânea. Não há enredos longos, não há tramas complicadas que se desenrolam por horas, não há, em muitos casos, nem pessoas em frente a paisagens.

Mas há uma inspiração incrível despertada a partir da fotografia.

Recomendo fortemente a todos os autores que estiverem por aqui por Sampa.

Leia Mais