Destaque da semana: Blackout, de Maura Maciel

Que tal um bom livro de contos – daqueles dramáticos, quase superlativos, para pintar a semana com a emoção que todo leitor precisa sentir em suas páginas?

A indicação da semana por parte da comunidade do Clube de Autores vai justamente nessa linha, recomendando Blackout, de Maura Maciel.

A sinopse já destaca um depoimento no mínimo empolgante:

“Li BLACKOUT e me encantei do primeiro ao último conto. Contos ou romance? Dá na mesma – essa trama de diferentes universos, os personagens se interligando, cada um no seu contexto dramático. A obsessão de Ramon; a acidez e a delicadeza de Nino; o Felipe, com sua candura, e depois o deslumbramento na descoberta da sexualidade; Ondina com a coragem das meninas-crianças, encurralada na promiscuidade da miséria. Adorei, principalmente, Dolores e Isadora. Baitas de personagens, contos antológicos. De resto, gostei de todos, cada um com sua mensagem e seu recado. Achei o título de uma grande felicidade: o pretume da vida redimindo as pessoas. E os jogos de palavras no final de cada conto foi obra de grande inspiração. Maura Maciel lida muito bem com o texto, mas não é daqueles escritores que só sabem lidar bem com texto: sabe também contar uma bela história, de maneira instigante e comovedora.” Ronaldo Guimarães, professor

Quer comprar, aproveitando ainda a promoção do Clube que vai até o dia 14? Então clique aqui, na imagem abaixo ou acesse diretamente o link http://clubedeautores.com.br/book/142076–Blackout

Leia Mais

Não é um livro, mas conta várias histórias (que podem dar um belo livro)

Por mais sagrado que seja o livro, ele nem sempre é o meio ideal para que histórias sejam contadas – principalmente em situações que reunam uma multiplicidade de autores relatando o seu cotidiano, formando assim uma verdadeira colmeia de contos em tempo real.

Para essas situações, aliás, a Internet veio como uma ferramenta ímpar. Você já ouviu falar, por exemplo, de uma comunidade de motoboys que relata os seus cotidianos usando as ferramentas que tem à mão – de Web a celular?

De certa forma, esse coletivo de contadores das histórias que vivem no dia-a-dia acaba sendo não apenas uma incrível forma de expressão, como também a síntese do pensamento de toda uma classe que está batalhando a vida nas ruas ingratas de uma das maiores metrópoles do mundo. E é justamente por esse tipo de inovação que indicamos essa comunidade por aqui pelo blog – nem que seja para que os tantos autores aqui no Clube possam se inspirar para criar as suas próprias histórias com base nesses personagens reais ;-)

Quer conhecer a comunidade? Então comece clicando aqui ou no link http://www.megafone.net/SAOPAULO

Leia Mais

Mutuus lança série de antologias para escritores independentes

Já há muito tempo, participar de antologias é um mecanismo interessante para autores que desejem ampliar a sua visibilidade. Afinal, por reunir diversos autores colaborando no mesmo livro, a soma dos leitores de todos acabam fazendo a audiência de cada um.

Normalmente, o problema é que são poucas as antologias que conseguem gerar uma audiência além da que vem dos próprios autores ou mesmo que conte com uma curadoria que garanta uma espécie de linha mestra para o conteúdo.

Uma editora nova, no entanto, está mudando um pouco a linha de conduta e oferecendo para autores independentes linhas diferentes de antologias que podem interessar bastante: a Mutuus.

Para quem não conhece, ela é capitaneada pelo Leonardo Schabbach, que também toca o blog Na Ponta do Lápis – um dos mais interessantes que há sobre literatura contemporânea. Só isso, diga-se de passagem, já funciona como um belo ponto forte.

A Mutuus está organizando três coletâneas, sendo que cada uma contará com tiragem de 1000 exemplares. São elas:

Os Maiores Detetives do Século 21 – antologia de romances policiais. Criem seus detetives e coloquem-nos em casos complexos e intrigantes. É um tipo de livro que certamente agradará muitos autores e leitores.

Novos Talentos da Poesia – uma coletânea com bons e novos poetas brasileiros. Pretende-se dar mais atenção a quem produz e posta na internet (mas haverá exceções, naturalmente). A idéia é ter de 4 a 5 páginas por autor, para que lhes seja dado o devido destaque – 3 ou 4 poemas e uma página de apresentação.

Cidades – esta será uma antologia de contos e crônicas do cotidiano. Espera-se uma prosa agradável e reflexiva, que nos ajude a montar, texto após texto, o quebra-cabeças que é a vida dentro das grandes e pequenas cidades.

Quer mais informação? Então acesse o link direto no http://blog.mutuuseditora.com.br/2011/06/participe-de-nossas-antologias.html

Leia Mais

Obra de Elenilson Nascimento é elogiada pela crítica

Há pouco tempo, o autor Elenilson Nascimento publicou, aqui pelo Clube, a obra “Memórias de um Herege Compulsivo“.

Dado o teor da obra e o tanto que ela tem sido elogiada pelos leitores, decidimos, aqui no blog, reproduzir uma das críticas feitas a ela. O texto abaixo foi retirado do blog do autor, Literatura Clandestina, e foi escrito por Cristiane Pillar Cerchiano, professora universitária, crítica de cinema e literatura, colunista da Revista Nova Escola e escritora. 

—————

UM HEREGE EM UM MUNDO QUE PODE SER, OU NÃO, IGUALMENTE “CÃO”


“Numa frase que encontrei no livro: “E aquele cachorro queria apenas ser gente” – Elenilson me fez pensar que as histórias em livros de ficção estão mais próximas da realidade do que gostaríamos que fosse!”

Por Cristiane Pillar Cerchiano*
O autor baiano Elenilson Nascimento reuniu 30 contos no recém-lançado livro “Memórias de um Herege Compulsivo”
com um toque de ironia ferrenho, muito típico desse autor, e em alguns
deles, fez uma criativa releitura de alguns dos seus textos publicados
no seu blog Literatura Clandestina,
adaptando-os à linguagem feroz do livro, sem desviar-se da moral das
histórias, que enfatizam o que pode ser feito de bom com o respeito
devido à literatura.

Em muitos destes contos, Elenilson faz valer os milagres do cotidiano, como em “Cego num cubículo de pavões, “Manifesto defensivo e contraditório” e em “O inferno de todos nós”,
capturando-os para que não passem simplesmente como um fato comum,
assim como também o faz com as tragédias que assolam a
família/sociedade, descrevendo-lhes as consequências implacáveis, em “O vendedor de picolé que amava Capitu” ou no delicioso “Virgem por conveniência”, onde denota-se que o chamado destino é movido em grande parte por força superior.

Entre
outros contos, que às vezes parecem retratar apenas “trinta segundos”
na vida dos personagens; que apontam uma saída nada comum, como na
história do Miranda em “O homem que se espremia no traje da cor do mundo” em um momento de desespero; que mostram, como o autor descreve, “em desencontros e despedidas”.

Escolhi também destacar o conto “O menino que queria ser Waly Salomão”
a que se atreveu a descrever de forma suave e ao mesmo tempo profunda,
o controvertido sentimento de perda da infância… Será mesmo
sentimento? Eu mesmo não consegui descrever e me confundir no meio das
minhas próprias conclusões. Elenilson foi simplesmente perfeito. E se
realmente isso existe, ele o foi. Pois que, já no meio do livro,
houvemos por bem chamar de “saudade” desses páginas do herege, onde
senti-las é quase o mesmo de não se sentir sentindo.

Já entre os
contos mais políticos – não sendo de forma alguma politicamente
corretos – descobre-se que uma “inocente” e escorregadia estória, em “A teus pés”,
na verdade, é um caso de amor ilícito com um sequestrador, num
tumultuado enredo cheio de violência, amor e sexo. Numa frase que
encontrei no livro: “E aquele cachorro queria apenas ser gente”
– Elenilson me fez pensar que as histórias em livros de ficção estão
mais próximas da realidade do que gostaríamos que fosse! O cânon do
gênio e seus três pedidos coloca em discussão as dificuldades entre
escolher ser humano ou permanecer cão… Em um mundo que pode ser, ou
não, igualmente “cão”.

Minhas observações finais e não menos
importantes: Elenilson Nascimento é um autor que trouxe a fantasia à
realidade em contos inspirados, suados e sofridos e fez com que as
notícias de jornais (crônicas mundanas) nos pedissem sua parcela de
sonhos para continuarem tendo sentido em sua existência, e também em
sua missão de registrar o cotidiano da humanidade.

————————–

Para adquirir a obra, clique aqui ou acesse o endereço http://clubedeautores.com.br/book/5077–MEMORIAS_DE_UM_HEREGE_COMPULSIVO_

Leia Mais

Evento virtual: livro de contos de Flávio St Jayme será lançado via Web

O empresário curitibano Flávio St Jayme (sócio da Clockwork Comunicação) promove o lançamento de seu primeiro livro, uma coletânea de contos, intitulado O Livro dos Dias ou Postcards From Heaven. Publicado sob demanda pelo site Clube de Autores, o livro será vendido exclusivamente no endereço http://clubedeautores.com.br/book/2118–O_Livro_dos_Dias.

Escrito desde 2000 e primeiro de uma série de seis volumes, o livro aproveita a iniciativa do site para a publicação inédita. “Todos os contos deste livro têm como título o nome de uma música em português e uma em outra língua, assim como o próprio nome do livro. Algumas das histórias receberam seu nome depois, de alguma música que fazia lembrar o conto ou alguma música que tivesse uma história parecida. Outros tiveram sua história escrita em cima das letras das músicas ou de várias músicas. Alguns ainda são relatos de fatos reais”, diz a introdução do livro.

O evento acontecerá na quinta feira, dia 18 de junho, às 19:00. Os
participantes poderão acompanhar o autor via Web, em vídeo, e interagir
via chat. Quem quiser comparecer, basta acessar o endereço http://www.ustream.tv/channel/livro-dos-dias na data e hora marcadas.

Leia Mais