10 aplicativos incríveis para escritores

Ano novo, vida nova, histórias novas.

Sendo mais extremado: talvez seja hora também de usarmos mais e melhor ferramentas da própria Internet, mudando também a forma com que concatenamos nossas ideias e gerais nossos textos. Se começo de ano é tempo de tentar, por que não começar por aí?

Achamos, no site Lendo.org, uma lista bem interessante de aplicativos feitos para escritores. Talvez nem todos sirvam aos seus propósitos… mas talvez você encontre aí a ferramenta perfeita para acelerar a sua produção!

Confira a lista completa clicando aqui ou na imagem abaixo:

 

Screen Shot 2016-01-04 at 11.08.41 AM

Leia Mais

Um olhar sobre os diferentes modelos de apps focadas em narrativas

Sabe qual o maior desafio para autores (ou editores) mergulharem no mundo das apps e criarem livros mais interativos?

Custo.

De uma maneira geral, produzir um livro interativo interessante o suficiente para ser efetivamente comprado em lojas online custa muito, muito caro. Meses de desenvolvimento intenso, em alguns casos.

Por outro lado, cobrar muito não é uma opção. Vi um estudo em Londres (cuja fonte, perdoem-me, esqueci) dizendo que uma app de R$ 9,99 é encarada como um livro de R$ 99,99. Ou seja: subir o preço para pagar os custos tem como efeito colateral praticamente zerar as vendas.

E esse, provavelmente, será o maior desafio para uma espécie de mutação de livros em apps, uma realidade que, embora muito preconizada, dificilmente decolará DE VERDADE.

Selecionei três modelos de empresas interessantes para avaliação.

O primeiro se chama Me Books (mebooks.co). De todos, é o único realmente rentável por se tratar de um estúdio focado em livros infantis e com muita, muita escala. O segredo deles é a estruturação de uma linha de montagem baseada em animações padrão para livros infantis: em média, do papel para a app (incluindo desenvolvimento, animações e gravações de vozes), um livro leva de 1 a 7 DIAS para ficar pronto. Eles vendem a valores próximos a US$ 1,99 e contam com acordos feitos com personagens da Disney e de outras empresas. As vendas unitárias são espetaculares? Não. Mas a soma do volume funciona. Para autores independentes, não chega a ser exatamente um bom negócio. aliás, não dá nem para dizer que é um negócio. Mas para a editora e para marcas com direitos de personagens como Disney e Peppa, por outro lado, é bastante lucrativo.

O segundo é a TouchPress (touchpress.com), uma empresa feita por artistas multimídia realmente incríveis. Como trabalham? Eles escolhem um tema qualquer, criam aplicativos incríveis para contar uma história e fazem um desenvolvimento tão inacreditavelmente bem acabado que rapidamente vão parar nas recomendações oficiais da Apple ou Google Play. O segredo deles é a perfeição pura que acaba atraindo a atenção das grandes varejistas de app e, por consequência, gerando divulgação. Considerando que há apps que levaram 9 meses para ficar pronta, é uma aposta arriscadíssima – mas que tem funcionado para eles.

O terceiro, finalmente, é a NosyCrow (nosycrow.com), focada em histórias infantis da mesma forma que a Me Books. A diferença aqui é que as apps também são mais artísticas e elaboradas – mas não tanto quanto as da TouchPress. Pelo papo que tive com eles, não me pareceu que a empresa se pague, exatamente, o que acaba deixando um questionamento sobre o modelo de negócios como um todo. A NosyCrow é um excelente representante de como editoras tem trabalhado o mundo das apps, buscando um desenvolvimento bem acabado mas ainda sem chegar a uma fórmula de receita sustentável. Vai funcionar? Só o futuro dirá.

Mas uma coisa que parece claro é que, ao menos para esse mercado, há duas alternativas de sucesso: qualidade ou quantidade, quase como opostos de um raciocínio de sobrevivência mercadológica.

Leia Mais

Conheça os 20 melhores aplicativos do Facebook para amantes de literatura?

A cada dia que passa, o Facebook vem se tornando tão relevante no cotidiano dos usuários que há quem o chame de uma “nova versão da Internet”. No mês passado, por exemplo, ele ultrapassou a quantidade de usuários do Orkut, então líder inconteste perante os brasileiros – e já faz tempo que deixou o Twitter a ver navios.

Não é à toa que a rede vem crescendo tanto: nela, milhares de aplicativos são criados e lançados com foco em todo tipo de gosto. A literatura, pedra fundamental da cultura humana, não ficou atrás. Esse mês, o site Universia Brasil publicou uma lista com os 20 melhores aplicativos da rede para amantes da literatura.

Veja os 5 principais abaixo. Quer conhecer os 20? Então clique aqui e acesse diretamente o site da Universia!

1. Goodreads: Com esse aplicativo, você consegue saber o que seus amigos estão lendo.

2. Visual Bookshelf: Conhecer pessoas que estão lendo o seu livro favorito, ver o que seus amigos estão lendo, escrever comentários e recomendar livros. Você consegue fazer tudo isso usando este aplicativo.

3. weRead: Permite que você compartilhe sua estante, veja o que seus amigos estão lendo, participar de um Clube do Livro e obtenha recomendações de livros.

4. aNobii Books App: Encontra e compartilha livros no Facebook.

5. I’m Reading: Organiza uma lista dos livros você está lendo.

Veja mais clicando aqui!

Leia Mais