5 hábitos estranhos de escritores de sucesso

Todos temos hábitos esquisitos de alguma forma. Alguns servem para “ligar” a criatividade, outros para ajudar a finalizar um romance e por aí lá vai.

Mas achamos, na Web, hábitos bem curiosos de alguns escritores de sucesso que – quem sabe – podem acabar nos inspirando a todos. São eles:

1) Escrever deitado: Se há alguma explicação científica – como fazer o sangue fluir melhor para o cérebro – não sei dizer. Mas o fato é que escritores como George Orwell, Mark Twain e Marcel Proust amavam escrever deitados na cama.

2) Sair perambulando sem destino: Alguns especialistas dizem que rodar sem rumo acaba reforçando a inspiração criativa. Talvez a falta de preocupação com o destino realmente permita que o cérebro se foque no mundo imaginário ao invés do real. O fato é que esse era um hábito cotidiano, por exemplo, do mestre Charles Dickens.

3) Escrever de pé: ao contrário dos que preferem a cama, gênios como Ernest Hemingway e Albert Camus amavam escrever na vertical. Algo estranho, sem dúvidas – mas que inegavelmente funcionou para eles :-)

4) Deixar a inspiração ditar o horário: Nada de prender a criatividade a um período de trabalho convencional. Não são poucos os escritores que “sofrem” de insônia e alguns decidiram simplesmente abraçar o problema e transformá-lo em solução. Balzac, por exemplo, acordava depois da meia noite para escrever. A nossa Clarice Lispector também dizia que, quando a falta de sono era grande, ela fazia um café, dava a noite por encerrada e se entregava à máquina de escrever.

5) Beber um gole ou dois: Longe de nós querer fazer qualquer apologia ao álcool… Mas também não dá para negar que alguns goles de vinho sempre funcionaram para liberar a criatividade desde os tempos de Dionísio.

OK… talvez esses hábitos esquisitos sejam apenas coincidências abatendo pessoas geniais. Só que estranhezas, por assim dizer, fazem parte do próprio DNA de quem consegue colocar em palavras mundos e histórias capazes de mudar o pensamento humano. Você tem algum hábito estranho?

Se tiver, talvez seja hora de abraçá-lo como parte da sua própria essência de escritor!

Leia Mais

Visitando a casa dos mestres

Como autores, todos temos como ídolos outros escritores, ainda vivos ou já eternizados no tempo. Nomes como Oscar Wilde, Kafka, Clarice Lispector, Machado de Assis, Guimarães Rosa e tantos outros acabam fazendo parte do próprio repertório criativo de muitos de nós, influenciando as nossas palavras e pensamentos.

E – como todos nós – esses grandes mestres da literatura foram também fruto de seu tempo e dos seus “zeitgeists”. Dá para imaginar um Euclides da Cunha que não tivesse vivenciado Canudos? Ou um Kafka que não tenha vivido sob o clima opressor da Praga de antigamente? É possível separar a literatura de Victor Hugo do clima romântico de Paris, ou vislumbrar um Machado de Assis distante da famosa Rua dou Ouvidor, no Rio?

Se quiser conhecer a fundo a alma de um escritor, é fundamental ir além de suas obras e visitar os seus lares, os seus quartos, estudar o tempo em que viveram. E é por conta disso que estamos dedicando todo o mês de novembro a esse tipo de viagem pelo universo mais concreto de alguns dos grandes nomes da literatura.

A partir do dia 1 de novembro, publicaremos em nosso Facebook até duas imagens diárias das casas, salas e quartos de onde grandes escritores criaram as suas obras. Assim, prepare-se para viajar por Salvador, Rio de Janeiro, Goiás, Suiça, Praga, Dublin, Moscou, Hamptons, Nova York, Florida e outras dezenas de lugares, conhecendo seus autores preferidos de uma forma diferente, além das histórias que criaram.

Para acessar a nossa página no Facebook, clique aqui, na imagem abaixo ou vá direto a http://facebook.com/cdautores

Leia Mais