Mundos em transposição, parte 2

Há algumas eras atrás, Mikhail Gorbatchov, então líder da toda poderosa União Soviética, fez uma visita de estado ao Reino Unido.

Nela, as autoridades britânicas esforçaram-se para mostrar todos os detalhes matemáticos da economia capitalista, explicando números, destilando PIBs e exalando estatísticas.

Em um dado momento, Gorbatchov pediu a palavra e disse:

“Em Moscow, colocamos as mentes mais brilhantes da União Soviética dedicadas a solucionar o problema da distribuição do pão no país. Ainda assim, nunca conseguimos eliminar ou mesmo diminuir as filas nos centros de distribuição. Por todos os lugares que andamos aqui em Londres, não vi uma única fila formada com esse fim. Gostaria de conhecer as pessoas responsáveis pela organização da distribuição de pão no Reino Unido, pois certamente temos muito a aprender com elas.”

Conta a história que seus interlocutores se entreolharam, atônitos, e tiveram dificuldades em explicar ao líder soviético que não existia nenhuma pessoa ou departamento responsável por esse tipo de organização. Ao contrário: lá, tudo funcionava justamente por ser desorganizado (ou “auto-oorganizável”).

Não, este não é um post de cunho político (apesar de parecer pelos exemplos de comunismo versus capitalismo). Nem faria sentido ser: a União Soviética se dissolveu há décadas justamente pela sua incapacidade de gerir o próprio estado e criticá-la seria chover no molhado de uma forma no mínimo desnecessária.

A questão aqui é outra: um sistema de gestão ultra-centralizado versus um sistema de gestão completamente descentralizado.

Quer um exemplo bem mais próximo da nossa realidade?

O mercado editorial tradicional segue um modelo de gestão absolutamente centralizado. Nele, uma meia dúzia de pessoas liderando uma meia dúzia de editoras efetivamente “decide” o que milhões de pessoas lerão. Essas decisões, por sua vez, são canalizadas para grupos ainda mais restritos: as poucas grandes livraras do mercado. Sim, poucas: no Brasil, por exemplo, as duas gigantes, Saraiva e Cultura, respondem juntas por cerca de 60% do total de vendas em todo o território nacional.

O resultado de tudo isso? Saraiva e Cultura estão em severas dificuldades financeiras. A Saraiva, apenas para se ter ideia, não paga as editoras das quais compra os livros para revender desde fevereiro! Essas editoras, por sua vez, vivem cambaleando entre a inadimplência do que vendem e os prejuízos do que não vendem por conta de suas apostas míopes em títulos que cismam em não se tornarem best-sellers.

Muito se disse que o mercado editorial tradicional, aqui no Brasil, se desmoronaria com a ameaça da Amazon e dos ebooks. A profecia está certa; as causas, erradas.

Ebooks deixaram faz tempo de ser uma ameaça: nenhuma das dramáticas previsões de fim do livro impresso aconteceu e, ainda que tivessem acontecido, a relevância da forma de leitura é nula (desde que livros continuem sendo lidos – como efetivamente continuam). A Amazon, por sua vez, segue sendo uma ameaça imensa aos players tradicionais – mas ela já é uma ameaça que nunca se concretiza faz tanto tempo, mas tanto tempo, que o “medo” aos poucos vai perdendo estatura frente à realidade.

Ainda assim, livrarias seguem usando o calote como método de sobrevivência, editoras tradicionais seguem falindo e a sobrevivência do modelo tradicional como um todo mostra-se nitidamente em cheque.

Por que?

Porque, da mesma forma que com o pão soviético, sistemas de distribuição centralizados simplesmente não funcionam.

No Clube de Autores, todos podem publicar seus livros gratuitamente. Quem escolhe o que é bom e o que é ruim? O leitor. E ele nem precisa fazê-lo aqui em nosso site: hoje, ele tem acesso a todas as dezenas de milhares de títulos autopublicados nas mesmas livrarias tradicionais que está habituado. Não há centralização nenhuma aqui: tudo é autogerenciável pelo próprio mercado.

Ainda somos pequenos frente ao potencial, de fato – mas já estamos crescendo ao ponto de comprovar essa tese com absoluta nitidez.

Não precisamos ficar no nosso próprio exemplo: a Estante Virtual é um outro caso perfeito. Ela é, hoje, uma das livrarias online mais relevantes do país – ainda que não tenha um único livro em estoque. Quem define os títulos que ela vai vender? O mercado.

Como plataforma, ela “apenas” interconecta centenas de sebos e pequenas livrarias no mesmo local. Com isso, claro, ela soma uma pluralidade de estoques nichados que incluem de livros fora de circulação a best-sellers e, assim, consegue atender a todos. Ou seja: sua oferta é gerida pelo mercado de maneira absolutamente orgânica, auto-regulamentada.

Reforço aqui a palavra-chave: plataforma.

Apesar de terem modelos absolutamente opostos, nem o Clube e nem a Estante operam com a orquestração da demanda: ambas as empresas deixam o mercado decidir. E, por mercado, entenda-se as duas partes mais interessadas: o leitor e o autor. Quem mais, afinal, deveria decidir por eles?

Leia Mais

As 9 melhores livrarias do mundo

Já faz muito tempo que livrarias deixaram de ser apenas locais para se comprar livros. Por todo o mundo, elas mudaram de patamar e passaram a ser templos dedicados à literatura – servindo inclusive de base para que escritores dos quatro cantos sentem em cafés situados em seus interiores e produzam, dali mesmo, os seus versos e prosas.

O jornal britânico The Guardian fez uma lista das 10 melhores livrarias do mundo – lugares absolutamente incríveis, diga-se de passagem. Infelizmente, nenhuma delas fica no Brasil. Como uma delas fechou (a Borders, de Glasgow), a lista foi reduzida a 9. Caso você esteja rodando por alguns dos países em que elas ficam, no entanto, não deixe de fazer uma visita! Veja a lista abaixo (e clique nos nomes para ver os seus sites ou fotos):

1) Boekhandel Selexyz Dominicanen, em Maastricht, Holanda. Situada em uma catedral de 800 anos, é provavelmente a livraria mais maravilhosa de todos os tempos.

2) El Ateneo, em Buenos Aires, Argentina. Em um antigo teatro, o Ateneo já virou ponto turístico obrigatório na cidade.

3) Livraria Lello, no Porto, Portugal. Em funcionamento como livraria desde 1881, dá aos apaixonados pela literatura a sensação clara do que era caminhar por entre páginas e mais páginas em pleno século XIX.

4) Secret Headquarters, em Los Angeles, EUA. Não chega perto das 3 primeiras, listadas acima – mas tem um ambiente extremamente aconchegante e é considerada a livraria especializada em quadrinhos mais completa do mundo.

5) Scarthin, em Peak District, Reino Unido. Fundada em 1974, é uma mistura de antiquário e livraria. Há pequenas exposições de curiosidades lá que fazem a visita ainda mais rica.

6) Posada, em Bruxelas, Bélgica. Em uma casa antigo próxima à igreja de Santa Madalena, é famosa pelo seu belo interior e pela coleção de livros de arte, sua especialidade.

7) El Péndulo, na Cidade do México, México. Com árvores no meio da livraria, o local é extremamente aconchegante e famoso pelo seu café.

8) Keybunsya, em Kyoto, Japão. Com pequenas galerias “embutidas” nas prateleiras, a pequena livraria de Kyoto é garantia de um passeio no mínimo diferente.

9) Hatchards, em Londres, Reino Unido. A Hatchards não é a livraria mais antiga e em funcionamento da Inglaterra – mas, fundada em 1797, está bem próxima disso. Ela é fornecedora oficial de livros para a rainha e, em sua lista de frequentadores, já teve nomes como Disraeli, Lord Byron e Oscar Wilde!

E aí? Gostou? Então, quando estiver em qualquer um desses locais, acrescente essas livrarias no roteiro e passeie também pela literatura!

Leia Mais

Londres de acordo com Dickens

Na última quarta eu postei sobre uma app que permite se navegar pelo Rio com os olhos do Machado de Assis. Perfeito: uma viagem pelo tempo, na Cidade Maravilhosa, tendo como guia um dos maiores gênios da humanidade.

Mas… essa app não é exatamente inovadora, ao menos pelos padrões mundiais. Uma ideia semelhante já existe lá em Londres, onde se pode “navegar” pela cidade pelos olhos de ninguém menos que Charles Dickens e seus imortais personagens.

Esses tempos em que vivemos são absolutamente incríveis…

Quem quiser experimentar pode baixar agora mesmo: basta clicar aqui.

Leia Mais

Conheça os finalistas: Ventos para Areia Branca

Conheça os finalistas do Prêmio Clube de Autores de Literatura Contemporânea!

Finalista 10 (por ordem alfabética): Ventos para Areia Branca (Carlos Tourinho de Abreu)

Há um oceano que separa o presente e o passado da velha Chica. Muito embora tenha vivido exatas nove décadas, a senhora de olhos azuis ainda se recorda, mesmo que vagamente, do semblante da sua misteriosa mãe. No calor escaldante do sertão da Bahia, ninguém nunca soube muito bem de onde veio aquela moça de expressão triste. Só desconfiavam que a estrangeira teria migrado de longe – lá da Itália, Alemanha ou França – mas, ninguém nunca chegou a entender bem o que ela dizia para saber ao certo. O passado sempre foi uma incógnita para Chica e foram tantas as noites perdidas refletindo sobre as suas desilusões, perdas, lutas e conquistas. O amor pela leitura ajudava a atenuar a crueldade impelida pela insônia.

Já Zé Maurício, neto de Chica – também tratado pela avó por Neno –, é um homem que foge do passado. O jovem, que em certa altura experimentou o gosto ambíguo da riqueza, persevera em uma incansável busca por um futuro melhor – pela tão sonhada liberdade. Após anos de ausência, o seu caminho cruza novamente o da sua querida avó, justamente em um momento de tamanha vulnerabilidade para ambos. Por ironia do destino, Zé Maurício faz Chica deparar de forma avassaladora com o longínquo passado da sua própria família – desde os tempos em que ela fora adotada por abastados latifundiários, após a trágica morte da sua mãe. Lágrimas rolam dos olhos azuis da velha Chica ao lembrar do seu início servil, tão cheio de dúvidas e decepções.

Ventos para Areia Branca é uma saga que trata de laços de família ainda atados nos árduos tempos das grandes migrações européias do fim do Século XIX. Através das narrativas de avó e neto, duas gerações se encontram e tentam desvendar os mistérios das suas origens – europeias e indígenas – tão sofridas e comuns à grande maioria da população brasileira. Ao fim desta leitura, ficará claro que o oceano que nos separa não é tão extenso assim.

Quer saber mais? Clique aqui!

Leia Mais