Fomos precursores pela primeira vez em muito tempo

O passado recente trouxe um inegável baque para o Brasil. Protestos sem precedentes foram encampados desde 2013, levando milhões às principais avenidas e ruas das maiores cidades do país a clamar por mudanças; o segundo impeachment da nossa história recente impôs uma mudança política e econômica de imensas proporções, tirando o Brasil do falido eixo bolivariano e nos aproximando de pensamentos mais liberais; no grito, a Lava-Jato encontrou forças para continuar caçando a corrupção mesmo com tantos no governo fazendo tantas manobras escusas para se salvar; e estamos, finalmente, começando a ver resultados que apontam para uma ainda tímida, mas já consistente melhora nos indicadores econômicos e sociais.

Se dermos um passo para trás para contemplarmos o cenário como um todo veremos que, de alguma forma, o Brasil está dando os seus primeiros passos para deixar aquele clima de divisão tão nefasto, do “nós contra eles”, que marcou tanto as últimas eleições presidenciais quanto os últimos embates entre esquerda e direita nos mais diversos fóruns.

Não, não é que não esteja havendo mais oposição e nem que todos estejamos felizes com os políticos que decidem os nossos futuros – longe disso. Mas talvez estejamos um pouco mais cientes da força das nossas vozes, o que já é um alento, e da ineficácia de discursos, propostas e governos populistas que se vestem de milagrosos, colhem vitórias de curto prazo geralmente baseadas no protecionismo e no agigantamento do estado, e enterram o país no atraso.

Estamos nos abrindo para o mundo – finalmente.

Mas sabe o mais curioso de tudo isso? Enquanto estamos dando esse passo tão decisivo, o mundo parece caminhar na contramão.

Nos EUA, um lunático xenófobo está buscando, de todas as maneiras, contrariar os mesmos ideais que fizeram do seu país a maior potência econômica do mundo; a Europa está quase se aniquilando como bloco unido ao permitir que uma assustadora extrema direita tome o poder; a Turquia decidiu brigar com tudo e com todos para se converter de democracia em ditadura; a Rússia parece querer reviver o conceito de imperialismo czarista e soviético que parecia ter sumido com o fim do regime comunista. E isso porque estamos falando aqui apenas de algumas das grandes potências do mundo e ignorando o absoluto caos no Oriente Médio.

Praticamente todas estão extremando-se, seja para a direita ou para a esquerda, e redesenhando as relações mundiais, dando a elas um toque vintage de guerra fria.

Normalmente, o Brasil persegue esses zeitgeists políticos globais com grande atraso – foi assim com a nossa esquisitíssima independência, com a abolição da escravidão, com a proclamação da república, com a queda da ditadura militar. Normalmente, o mundo apontava os caminhos para o progresso e nós seguíamos sempre com base na procrastinação e no jeitinho brasileiro.

Desta vez, no entanto, parece diferente.

Desta vez nós já provamos o sabor azedo de um governo mais divisor, de uma ideologia populista colocando pobres contra ricos enquanto se imiscuía em relações para lá de profanas. Não que corrupção nunca tenha existido aqui nas nossas praias, claro – mas os níveis que chegamos, e os efeitos desastrosos para a população dessa retórica de vitimização dos poderosos, nunca havia sido tão sentida por todo o povo, de todas as classes.

Em outras palavras: desta vez, de maneira inédita, nós já experimentamos o rumo para o qual o mundo aparentemente caminha, já o rejeitamos e já decidimos mudar.

Desta vez estamos na vanguarda.

Talvez seja essa, finalmente, a nossa grande chance de crescermos para além das nossas próprias fronteiras, de puxarmos o mundo ao invés de sermos puxados por ele.

Isso ainda pode levar algum tempo, claro… mas que boa história, que bom livro não é feito de reviravoltas em teias espetaculares de tramas?

Que o futuro nos reserve um pouco mais de orgulho da nossa terra do que o que temos hoje.

Leia Mais

O que você acha da proibição do Mein Kampf?

Para quem não tem acompanhado muito, o Mein Kampf foi o livro que Hitler escreveu antes de assumir a liderança da Alemanha e que norteou todo o pensamento nazista. Sim: ele é repleto de tudo o que há de mais odioso no mundo. Sim: a ideologia foi responsável por um dos mais devastadores genocídios que a humanidade já viu. E sim: certamente o mundo seria um lugar melhor se Hitler e o nazismo não tivessem existido.

Mas o fato é que existiram e que causaram um impacto poderoso na história da humanidade.

Desde o fim da II Guerra, o estado alemão que detemos direitos autorais dessa obra odiosa proibiu a sua publicação. Só que este ano, em 2016, a obra cai em domínio público.

Resultado: quem quiser publicá-la, hoje, tem “autorização”. E sim: já há pelo menos uma editora brasileira que reproduzirá o livro aqui por nossas bandas.

Confesso que eu, sendo bem sincero, estou dividido.

Este livro deveria ser proibido? Sim, ele foi a base ideológica de um dos maiores desastres humanos da história, o nazismo. Mas proibir o acesso a essa ideologia realmente garantirá que pensamentos assim jamais se repitam? Ou gerará o efeito contrário, evitando que conheçamos os (esdrúxulos) argumentos hitlerianos para que possamos sempre contra argumentá-los?

Tendo a pensar sempre que conhecimento (sem fazer juízo de valor) nunca deve ser proibido. Tendo a pensar inclusive que conhecimento deve sempre ser disseminado, pois é apenas mergulhando a fundo nele que conseguimos extrair as bases para formar e melhor fundamentar as nossas próprias opiniões.

Tendo a acreditar que a melhor maneira de afastar ideologias tenebrosas é justamente permitindo que se conheça melhor o que elas pregam – e não barrando-as.

Esse tema, no entanto, ainda é muito mais delicado do que outras tantas ideologias por trás de outras tragédias históricas por conta, principalmente, de sua recência. É isso que me leva a uma pergunta:o que você acha sobre a questão do Mein Kampf? O que é pior: liberá-lo ou mantê-lo na lista de proibições?

51koRKz3zGL._SX332_BO1,204,203,200_

Leia Mais