5 hábitos estranhos de escritores de sucesso

Esquisitisse ou inspiração? Vejo como grandes escritores da humanidade gostavam de escrever!

Todos temos hábitos esquisitos de alguma forma. Alguns servem para “ligar” a criatividade, outros para ajudar a finalizar um romance e por aí lá vai.

Mas achamos, na Internet, hábitos bem curiosos de alguns escritores de sucesso que – quem sabe – podem acabar nos inspirando a todos. São eles:

1) Escreva deitado

Se há alguma explicação científica – como fazer o sangue fluir melhor para o cérebro – não sei dizer. Mas o fato é que escritores como George Orwell, Mark Twain e Marcel Proust amavam escrever deitados na cama.

2) Saia perambulando sem destino

Alguns especialistas dizem que rodar sem rumo acaba reforçando a inspiração criativa. Talvez a falta de preocupação com o destino realmente permita que o cérebro se foque no mundo imaginário ao invés do real. O fato é que esse era um hábito cotidiano, por exemplo, do mestre Charles Dickens.

3) Escreva de pé

Ao contrário dos que preferem a cama, gênios como Ernest Hemingway e Albert Camus amavam escrever na vertical. Algo estranho, sem dúvidas – mas que inegavelmente funcionou para eles :-)

4) Deixe a inspiração ditar o horário

Nada de prender a criatividade a um período de trabalho convencional. Não são poucos os escritores que “sofrem” de insônia e alguns decidiram simplesmente abraçar o problema e transformá-lo em solução. Balzac, por exemplo, acordava depois da meia noite para escrever. A nossa Clarice Lispector também dizia que, quando a falta de sono era grande, ela fazia um café, dava a noite por encerrada e se entregava à máquina de escrever.

5) Beba um gole (ou dois, ou três, ou quatro…)

Longe de nós querer fazer qualquer apologia ao álcool… Mas também não dá para negar que alguns goles de vinho sempre funcionaram para liberar a criatividade desde os tempos de Dionísio. Exemplos, aqui, abundam: Edna St. Vincent Millay, Mary Pickford, Ésquilo, Jean Rhys, Li Bai, François Rabelais…

OK… talvez esses hábitos esquisitos sejam apenas coincidências abatendo pessoas geniais. Só que estranhezas, por assim dizer, fazem parte do próprio DNA de quem consegue colocar em palavras mundos e histórias capazes de mudar o pensamento humano. Você tem algum hábito estranho?

Se tiver, talvez seja hora de abraçá-lo como parte da sua própria essência de escritor!

Se esses hábitos forem esquisitos demais para você, então talvez valha a pena conferir esse compilado de dicas sobre como escrever bem que reunimos ao longo dos nossos tantos anos de experiência aqui no Clube!

Leia Mais

Você escolhe um livro pela capa?

Antes de responder à pergunta no título desse post, pense nas seguintes situações:

1) Você está no deserto, morrendo de sede, e de repente se depara com dois copos: um, meio manchado e de madeira gasta, com aspecto pouco convidativo; e outro limpo, reluzente e com um design que o “pinta” com cubos de gelo refrescantes.

2) Você está com fome e precisa se decidir entre dois restaurantes: um escuro, com garçons de aspecto mal humorado na porta e com cadeiras vazias encostadas em mesas já gastas pelo tempo; e outro novinho, com pessoas sorrindo nas mesas cuidadosamente arranjadas em um interior iluminado e bem decorado.

A não ser que você cultive a imagem de “ser do contra” por puro prazer, é altamente provável que escolha o copo com layout de gelo e o restaurante novo, lindo e limpo. E o motivo é simples: nós todos começamos a “interpretar” uma mensagem a partir do momento em que nos deparamos com ela pela primeira vez. E a capa, em geral, é o primeiro contato que um leitor tem com um livro.

Ela pode não ter tanta importância quanto o interior da obra – mas tem o fundamental papel de aguçar a criatividade do leitor e puxá-lo, quase que como um ímã, para um mergulho em suas páginas.

E isso sempre foi assim: Hemingway, por exemplo, observou que, nos sebos parisienses da década de 20, livros confeccionados nos Estados Unidos vendiam menos do que livros confeccionados na França por uma pura questão de acabamento estético.

Da França de 1920 até o Brasil de 2011, o mesmo se observa aqui, nas prateleiras virtuais do Clube. Ao se ordenar os resultados da livraria pelos mais vendidos – ou ao se observar a lista dos 10 mais da semana que publicamos em nossa newsletter – sempre se constatará uma predominância de capas bem trabalhadas, desenhadas, com um apelo mais forte ao leitor.

O mesmo acontece por todo o mundo, em editoras dos quatro cantos e com as mais diversas especializações. Não fosse assim, aliás, certamente já não haveria capistas empregados!

Dizem alguns que uma imagem vale mais do que mil palavras. Não estamos tão de acordo com isso aqui no Clube – mas não há como negar que, no mínimo, uma boa imagem ajuda a vender melhor milhões de palavras.

Leia Mais