Percebendo a percepção

Sempre tive como verdade absoluta que percepção é tudo – e que percepção é sempre relativa.

Tudo, no final das contas, depende de como o nosso cérebro cruza informações e experiências para gerar opiniões. Não é por outro motivo, aliás, que todos sempre temos opiniões fortes sobre tantas coisas.

Um programa na BBC fez uma espécie de metáfora mais dura com isso, forçando o cérebro a enxergar em cores uma imagem em preto e branco. Veja o vídeo e abstraia esse experimento para as nossas visões de mundo.

Antes, uma explicação técnica: esse fenômeno que você testemunhará no vídeo tem a ver com nossas “células cone”, um dos dois tipos de fotoreceptores em nossa retina e responsáveis pela visão a cores.

Temos três tipos de cones sensíveis a ondas de luz azuis, verdes e vermelhas. Quando somos expostos em excesso a uma única cor, o cone ligado a ela fica superestimulado, “cansado” e deixa de “responder”. Isso te deixa apenas com os outros dois tipos de cone temporariamente, o que, consequentemente, o faz enxergar as cores complementares (como vermelho versus verde ou azul versus amarelo).

Depois de alguns segundos, os cones voltam a funcionar normalmente e pronto.

Abstraindo o experimento, é o mesmo que acontece quando ficamos expostos em demasia a uma única visão de mundo: nos cansamos e passamos a ver “o outro lado”. Lembra de Laranja Mecânica, que “tratou” o protagonista estuprador com uma overdose de cenas de sexo? A mecânica é a mesma.

Para ajudar: ao ver o vídeo abaixo, haverá um momento em que você verá uma bola azul no centro da imagem. Foque-se nela e percebe como verá a imagem “preto e branca”.

 

Leia Mais

O que nos faz humanos?

Sabe qual o resultado de 3 anos entrevistando mais de 2 mil pessoas em 60 países em busca de suas visões de mundo? Um mosaico absolutamente caótico, disruptivo, desorganizado e, sobretudo, intenso. E esse mosaico, por assim dizer, foi transformado em filme pelo cineasta Yann Arthus-Bertrand.

Considerando que o entendimento da nossa própria humanidade é um ingrediente fundamental para que consigamos “sobreviver” a ela, essa é uma história que merece ser vista. Uma história, aliás, que já começa por um site bem costurado e permitindo uma imersão nesse mundo feito de mundos.

Um dos clipes do filme pode ser visto aqui, abaixo:

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=05Eh8qkZGx8]

O site inteiro, com acesso ao filme, pode ser visto clicando aqui, na imagem abaixo ou no link https://humanthemovie.withgoogle.com/intl/pt-br/

Screen Shot 2015-09-16 at 3.40.47 PM

Leia Mais

Conhecendo os micromomentos dos leitores

Na quarta passada fiz um post inteiramente pautado em zeitgeists e no excesso de inspirações que o nosso complicado mundo nos entrega diariamente. O Google tem uma interpretação “complementar” a isso: segundo eles, todas as decisões de consumo são, hoje, cozinhadas por “fatos precedentes” e tomadas em “impulsos imediatos”.

Isso apenas sublinha (ou complementa) a importância de se saber “captar o momento” do leitor: se uma decisão de compra é disparada de maneira tão instantânea, resta aos autores saber como “incentivar” essa instantaneidade, como fazer o gatilho ser disparado.

O segredo pode estar em diversos lugares: em uma sinopse antenada à atualizada e que consiga se destacar nos buscadores, em eventos diferentes que despertem a curiosidade, em uma presença intensa nas redes sociais certas ou até mesmo em uma capa cuidadosamente perturbadora.

A base desse (e de qualquer) segredo, no entanto, é a mesma: conhecer o seu público leitor. Há como escrever alguma história de sucesso sem isso?

Vale acompanhar o vídeo abaixo, do Google, sobre o conceito de micromomentos:

 

Leia Mais