Há exatos 27 anos, a literatura chorou a morte de Cora Coralina :-(

Esse é só um post triste para lembrar de uma das escritoras mais sábias e incríveis que o Brasil já viu: Cora Coralina, pseudônimo de Ana Lins dos Guimarães Peixoto Bretas.

Em homenagem a ela, postamos abaixo um de seus poemas que julgamos ser dos mais belos e que traduz um pouco de sua essência:

Assim eu vejo a vida

A vida tem duas faces:
Positiva e negativa
O passado foi duro
mas deixou o seu legado
Saber viver é a grande sabedoria
Que eu possa dignificar
Minha condição de mulher,
Aceitar suas limitações
E me fazer pedra de segurança
dos valores que vão desmoronando.
Nasci em tempos rudes
Aceitei contradições
lutas e pedras
como lições de vida
e delas me sirvo
Aprendi a viver.

Cora Coralina foi publicada pela primeira vez em 1965, quando já tinha 75 anos de idade. Apesar de sua vasta produção, não deixa de ser triste que as dificuldades do passado tenham deixado as suas mãos distantes do papel por tanto tempo: só os céus sabem a grandiosidade das obras que provavelmente nunca foram escritas.

Temos que agradecer e aprender com Cora o quanto a vida é capaz de nos ensinar  – e o tanto que podemos retribuir deixando as nossas próprias marcas no tempo, seja com gestos ou letras.

Leia Mais