Clube de Autores registra crescimento de vendas em canais e de livros publicados pela plataforma

O que os resultados do primeiro trimestre de 2019 dizem sobre o Clube de Autores e a autopublicação?

Houve uma espécie de ciclo virtuoso para a autopublicação como um todo desde que começamos a distribuir os livros em canais como Cultura, Estante, Mercado Livre, Amazon e outros. Sempre imaginamos, aqui no Clube, que isso mudaria a cara do próprio modelo de autopublicação – mas uma coisa é hipotetizar e outra, constatar.

Mudança cultural no perfil do cliente Clube de Autores

A primeira grande mudança que percebemos foi que as vendas feitas por consumidores finais – leitores – estão efetivamente migrando de local. Se, antes, comprar no site do próprio Clube de Autores era a única opção para os leitores de livros independentes, hoje o cenário é outro. Faz sentido, inclusive: não há como comparar a audiência do Clube de Autores com a de sites como Cultura, Estante ou Amazon. E considerando que ao publicar aqui, os livros são automaticamente (e gratuitamente) distribuídos por esses e outros ecommerces, nada mais natural que uma mudança importante no perfil, como pode ser ilustrado no gráfico abaixo:

O gráfico mostra a evolução do perfil do comprador do Clube nos três primeiros meses do ano (comparando 2018 com 2019). Ou seja: em janeiro de 2018, 19,63% dos compradores do Clube eram leitores; um ano depois, esse número saltou para 23,56%. O mesmo raciocínio se repete para fevereiro e março.

Por que esse número não é ainda maior – ainda?

Apesar do crescimento, era de se supor que essa proporção ficasse ainda maior. Por que ela não é? Porque, para que os livros sejam distribuídos nas livrarias, é fundamental que eles tenham o registro do ISBN – e nem todos têm.

Que sirva de alerta aos autores do Clube: maiores vendas dependem de uma maior distribuição e basta que você registro o ISBN – algo simples, rápido e extremamente barato – para isso. Clique aqui para saber como registrar seu ISBN por conta própria ou aqui para contratar ajuda de profissionais (caso deseje).

Vendas diretas x vendas por canais

A mudança de perfil veio junto com a mudança dos locais de venda, como comentamos acima. Veja no gráfico abaixo:

Há ainda uma outra informação “escondida” nesse crescimento de vendas por canais: o perfil da compra. Não é só que os canais tenham crescido 10% de 2018 para 2019: eles estão crescendo principalmente sobre as vendas a leitores finais enquanto as vendas diretas, ocorridas no Clube de Autores, tem sido cada vez mais geradas por pedidos maiores de autores.

Isso aconteceu desde que lançamos o modelo de vendas em grandes quantidades com gestão de estoque inclusa (veja aqui e aqui). Apenas para contextualizar esse modelo: desde o final do ano passado, o autor consegue descontos efetivamente imensos em compras acima de 500 exemplares com a vantagem adicional de não precisar estocar os livros em casa uma vez que nós mesmos cuidamos disso (a custo zero). É natural que uma oferta dessas mudasse o tipo de compra feita no Clube, o que de fato aconteceu.

Novos livros publicados por mês

Outra mudança importante aconteceu nesse primeiro trimestre: um crescimento grande na quantidade de novos títulos publicados por mês. E veja: estamos falando aqui apenas de novos livros – excluindo republicações ou reedições. O gráfico abaixo ilustra isso com clareza:

O que isso tudo significa?

Em linhas bem gerais:

  1. Apesar de ainda ter um apelo grande ao consumidor final, em grande parte por conta dos livros sem ISBN que contam com uma distribuição reduzida, o Clube de Autores está se tornando uma plataforma cada vez mais voltada para autores.
  2. Os canais, que cresceram 10% de 2018 para 2019, tendem a crescer cada vez mais e a superar o total de vendas de livros independentes.
  3. Pluralidade é chave: o mais importante desse crescimento é que não estamos falando de um canal de vendas: estamos falando de diversos, o que garante que o autor independente esteja virtualmente em todas as grandes livrarias brasileiras
  4. Há um ciclo virtuoso claro que se instala aqui: quanto mais canais, mais vendas; quanto mais vendas, mais novos autores tomam conhecimento da plataforma e publicam seus livros aqui; quanto mais publicações, mais livros são distribuídos por mais canais; e assim por diante

As previsões para 2019 são, portanto, intensas: o Clube deve crescer mais que o registrado no ano passado, abrindo cada vez mais espaço para que autores independentes encontrem seus leitores por todo o mundo.

Leia Mais

Gestão colaborada: conheça o novo modelo de publicação do Clube de Autores

Confira nossas vantagens exclusivas para autores que adquirirem tiragens maiores de exemplares

Há, aqui no Clube, uma quantidade crescente de autores interessados em adquirir uma tiragem maior de livros (500 ou mais exemplares) em troca de preços extremamente agressivos. E esse, confesso, sempre foi um ponto crítico para nós, que montamos toda uma operação com base na confecção individualizada de livros (o que inclui desde métodos a máquinas adequadas a isso).

E há outro ponto importante: com 500 exemplares em mãos, o que exatamente o autor vai fazer? Vendê-los, todos, diretamente? Como equacionar a distribuição para livrarias em um modelo assim?

Eis o projeto de Gestão Colaborada para Grandes Tiragens

Depois de muita negociação, de muito cálculo e de muito método desenhado e redesenhado, acabamos de desenvolver, aqui no Clube de Autores, o modelo mais inovador para esse tipo de demanda e que atende tanto ao quesito preço quanto ao quesito distribuição.

Basicamente, o funcionamento é assim:

  1. Nós te auxiliaremos na publicação, que pode ser 100% personalizada (incluindo capa, contracapa e lombada)
  2. Você adquire uma tiragem grande do seu livro –de 500 ou mais exemplares –o que garante um custo unitário de impressão muito, mas MUITO mais competitivo
  3. O pagamento pode ser feito no boleto ou em até 12 parcelas no cartão de crédito
  4. Você escolhe se prefere receber todos os exemplares ou se quer deixar parte sob nossa gestão
  5. Nós distribuiremos e gerenciaremos esses exemplares pelos nossos canais de venda, sendo que 50% do preço de capa será seu a título de direitos autorais
  6. Quando o estoque terminar, seu livro será automaticamente retirado de venda e você poderá nos entregar mais exemplares que tenha em mãos ou encomendar uma nova tiragem
  7. Livros em nosso poder que não forem vendidos em até 12 meses serão devolvidos a você

Para facilitar o entendimento, veja a tabela abaixo, que considera o exemplo de um livro com 150 páginas, tamanho A5 (14,8cmx21cm), miolo preto e branco, papel offset 75 e capa mole:

Perceba, aqui, que a diferença de preço é significativa. Perceba também que o autor continua podendo definir o preço que quiser, o que inclui a possibilidade de colocá-lo à venda por um valor significativamente menor que a média do mercado.

A diferença é que, aqui, para a distribuição em livrarias, partiremos de um preço mínimo que é o dobro do custo gráfico uma vez que precisaremos remunerar as livrarias que farão a venda. Esse cálculo pode parecer meio complexo, então vale um outro exemplo para facilitar:

  • Imagine que o custo por exemplar saia a R$ 9,94 (montante que o autor pagará na contratação da tiragem).
  • Se o autor quiser deixar parte dos exemplares conosco para que revendamos nas livrarias (Cultura, Estante Virtual, Mercado Livre, Amazon etc.), o preço de venda será de, pelo menos, R$ 19,88 (sendo que o autor tem plena liberdade para aumentar para o quanto quiser).
  • Do montante que vender, 50% irá para a remuneração dos canais de venda e 50% ficará com o autor.
  • Em outras palavras, se o autor colocar o preço mínimo de venda (R$ 19,88, no exemplo acima), toda a sua remuneração de direitos autorais (R$ 9,94 por exemplar) será suficiente para que ele apenas cubra os seus custos. Quanto mais ele colocar de valor, mais ele realmente ganhará como lucro.

Fizemos uma apresentação detalhada do modelo que você pode visualizar aqui. Recomendamos que a veja pois, além da mecânica como um todo, inserimos uma série de dados de mercado até para ajudá-lo a estabelecer o preço do seu livro com maior segurança.

Vale apenas uma observação importantíssima: por regra das livrarias, nós apenas podemos/ conseguimos distribuir livros que tenham o ISBN. Se você ainda não registrou o seu ISBN e não sabe como fazê-lo, recomendamos este post aqui.

Há algumas características adicionais do modelo que precisamos ressaltar. Veja abaixo:

  1. A negociação do valor deverá ser feita diretamente com o nosso atendimento pelo atendimento@clubedeautores.com.br
  2. Para ser distribuído em livrarias, o livro precisa ter o registro do ISBN, sendo esta uma responsabilidade do próprio autor
  3. A negociação do volume de exemplares a serem distribuídos pelo Clube de Autores será feita caso a caso, em conjunto com o autor
  4. Os exemplares de posse do Clube que não forem vendidos depois de 12 meses serão oferecidos de volta ao autor, que deverá arcar apenas com o frete

 

Leia Mais

Como lançar um livro sem burocracia

Conheça os passos que você precisa dar para lançar o seu livro no Brasil

Foi-se o tempo em que lançar um livro era uma tarefa hercúlea, restrita aos poucos abençoados que tinham relacionamentos fabulosos com grandes editores ou acesso a montanhas de dinheiro necessárias para fazer uma história chegar às prateleiras das grandes livrarias.

Lançar um livro, hoje, é um tipo de missão ao alcance de todo e qualquer escritor, bastando uma combinação de dedicação intensa com algum investimento (ainda que minúsculo se comparado aos tempos passados).

Mas cabe, aqui, uma ressalva fundamental: embora publicar e lançar um livro, hoje, seja algo relativamente simples, não se trata de algo simplório. Explico-me: um bom livro, para ter mercado, precisa ter uma capa atrativa, uma sinopse que engaje, um português revisado, registro do ISBN (International Standard Book Number, uma espécie de CPF do livro) etc.

Parece complicado? Não é. Aliás, é justamente para facilitar a vida do escritor que decidimos aqui listar tudo o que você precisa saber para lançar seu livro.

lançar-livro-sem-burocracia

 

Como precisamos ter um ponto de partida, vamos imaginar uma situação onde o autor já tenha o texto bruto “pronto”. Ou seja: imagine um autor com o Word aberto e toda a sua história escrita no computador, do título ao último capítulo. Por um lado, ele fica eufórico: sua obra já tem forma, substância, vida; mas, por outro, a mãe das dúvidas de muitos escritores começa a assombrá-lo: “e agora?”

Etapa 1: Leitura Crítica

Um livro precisa de mais do que o enredo para ser considerado “pronto”. E não estamos falando aqui – ainda – de coisas como revisão ou diagramação.

Estamos falando da leitura crítica.

Há profissionais que fazem isso, que lêem o original e apontam pontos que devem ser melhor trabalhados. Mas, se não tiver dinheiro para isso, sempre se pode contar com algum amigo crítico.

Não muitos: distribuir o arquivo do seu livro para um universo de amigos e pedir opiniões dificilmente renderá bons frutos (além de matar compradores em potencial da obra).

Escolha um. Um cuja opinião literária você realmente confiar, um que você possa contar com a sinceridade, um que efetivamente se comprometa a ler e a derramar opiniões sinceras.

Basta isso: opiniões sinceras de alguém confiável.

O que você fará com elas?

As levará em consideração. Simples assim.

Mudará o que julgar cabível, desconsiderará o que entender como supérfluo e refinar seu texto.

Será, afinal, a primeira opinião crítica que terá. Não faz sentido obtê-la antes da publicação, de maneira privada e a tempo de impor mudanças no texto?

Etapa 2: Revisão ortográfica e gramatical

O livro já está criticado? Ótimo. Agora é hora de revisá-lo.

Por quê? Porque não existe nada mais desastroso que um livro publicado cheio de erros ortográficos ou gramaticais de português. Isso gera críticas negativas, afasta leitores e livrarias e, em suma, tem o potencial de destruir o que poderia ser uma obra prima.

Aqui também não adianta muito pedir para “aquele amigo que você julga escrever bem”. Revisão é coisa séria, é um dos pontos em que mais vale se investir em um profissional.

Por sorte, serviços de revisão costumam ser extremamente acessíveis. Assim sendo, busque na sua rede de relacionamentos contatos de revisores que possam ajudá-lo. Se não conhecer ninguém, não se estresse: acesse o Profissionais do Livro, site que agrega milhares de prestadores de serviço, pesquise e contrate um revisor online com total transparência e segurança.

Etapa 3: Capa e diagramação

Sabe aquela máxima de que o leitor escolhe o livro pela capa?

Pois é: você pode até discordar, mas é a mais pura verdade. Na prática, não adiantará muito você escrever uma história fabulosa de “encapsulá-la” em uma capa feia, daquelas que parecem feitas para repelir leitores.

Sendo bem direto: contrate um capista. Primeiro, tente negociar com algum artista/ designer que você confie, que admire, principalmente se ele já tiver feito capas de livros.

Se não achar, use a mesma tática que indicamos no caso de revisores: vá ao Profissionais do Livro e pesquisa capistas.

Normalmente, você pode negociar o projeto gráfico do livro junto com a capa. O que é o projeto gráfico? O estilo visual das páginas e a diagramação em si (o que inclui tipo e tamanho de fonte, cabeçalhos e rodapé etc.). Todo livro, afinal, precisa ser gostoso de ler – e essa experiência vai muito além do texto, casando-o com a forma que cada frase, parágrafo e capítulo se “encaixa” na página.

No caso do projeto gráfico, no entanto, grande parte dos autores independentes costuma fazer isso por conta própria, usando o bom senso como ferramenta de trabalho, para economizar. Se esse for o seu caso, temos, aqui no Clube de Autores, uma série de modelos de arquivos (em formato MS Word) já devidamente diagramados e que podem ser utilizados livremente.

Etapa 4: ISBN

Sabe aquele código de barras que aparece atrás de cada livro? Aquilo se chama ISBN, ou International Standard Book Number, e é uma espécie de CPF do livro com validade internacional.

Ter um ISBN é algo obrigatório? Sendo bem sincero, não. Por outro lado, sem o ISBN, a grande maioria das livrarias simplesmente não revenderá o seu livro.

E aqui precisamos ser práticos: se você tem a possibilidade de ter o seu livro revendido pela Cultura, pela Amazon, pela Estante e por tantas outras que trabalham em parceria com o Clube de Autores, para quê deixar isso de lado?

Há, de fato, uma leve burocracia para se fazer o registro do ISBN – mas nada que deva assustá-lo. Ao contrário: temos um post bem detalhado com todas as instruções para se fazer o registro do ISBN.

Em termos práticos, você precisará:

  1. Se cadastrar como Editor Pessoa Física
  2. Solicitar o ISBN

Sim, tudo isso custará algum dinheiro – mas nada que seja proibitivo.

A propósito: na hora de comprar o ISBN, não se preocupe em comprar também a imagem do código de barras – o próprio site do Clube de Autores gera o código gratuitamente, online, durante o processo de publicação.

Etapa 5: Impresso ou E-Book?

Não deixaremos essa dúvida pairar por muito tempo e seremos enfáticos aqui: publique seu livro em TODOS os formatos.

No caso de impresso, basta seguir os processos de autopublicação gratuita do Clube de Autores para que seu livro seja não apenas disponibilizado no site como também distribuído para as maiores livrarias do país como Livraria Cultura, Estante Virtual, Amazon, Submarino etc.

Todo o processo de publicação é detalhado no próprio site do Clube mas, para facilitar, criamos um manual que você pode acessar a qualquer momento.

No caso de e-book, há algo importante que você precisa saber. Apenas algumas livrarias online aceitam arquivos em formato PDF (que é o que você utilizará para publicar no Clube de Autores.

A maior parte das livrarias (Amazon Kindle, Apple iBookstore, Kobo etc., todas integradas ao Clube de Autores) exige o arquivo em um formato específico chamado de EPub.

E sim, você encontrará na Internet alguns sites que prometem fazer a conversão gratuita de Word ou PDF para E-Pub, mas… nenhum deles funciona direito. Na maior parte dos casos os arquivos saem com um volume tão grande de erros de diagramação que as próprias livrarias online se recusam a revendê-los.

A solução? Se você não conhece alguém que saiba fazer a conversão, contrate. Onde? Aqui também o Profissionais do Livro vem a calhar.

Etapa 6: Estabelecer o preço

Quanto mais barato o livro, melhor. Certo? Errado.

Estabelecer o preço de um livro é algo muito mais delicado, parte de uma estratégia comercial importantíssima para o sucesso da obra.

Nós também montamos uma espécie de guia que poderá ajudá-lo a estabelecer o preço do seu livro e recomendamos a leitura!

Etapa 7: Publicar

Não nos alongaremos muito aqui porque a resposta para esta etapa é óbvia: basta acessar o Clube de Autores e seguir todas as etapas de publicação. Como já comentamos anteriormente, há este guia aqui que poderá ajudá-lo em todas as etapas .

Vale lembrar também que o Clube de Autores é a única plataforma no mundo que distribui os livros autopublicados por uma gama grande de livrarias online, inlcuindo Livraria Cultura, Estante Virtual, Amazon, Submarino (para impressos) e Google Play, Apple iBookstore, Amazon Kindle e Kobo (para e-books).

Etapa 8: Divulgar!

Esta é, oficialmente, a última etapa – mas tão (ou até mais) importante que as anteriores. Afinal, de nada adianta ter um livro maravilhoso publicado se ninguém souber de sua existência.

A boa notícia é que, hoje, as ferramentas de divulgação de livros estão ao alcance de qualquer um com um mínimo de boa vontade – algo que imaginamos que todo autor tenha quando se trata da sua própria obra e carreira.

Como esse é denso demais, com muitas possibilidades, não vamos entrar em detalhes aqui neste post. Para facilitar, criamos um manual de divulgação de livros que inclui desde o uso de blogs e redes sociais até a organização do evento ideal de lançamento para você.

Faça parte do Clube de Autores!

Bom… ninguém disse que lançar um livro seria uma tarefa fácil! Um livro é como um filho: é preciso criá-lo para que ele esteja devidamente preparado para enfrentar o mundo. E criá-lo, aqui, é precisamente atentar a cada um dos detalhes que, na prática, transformam um conjunto de palavras arranjadas em um arquivo em um livro.

Mas, como você pôde ver pelas próprias etapas aqui neste post, lançar um livro não é exatamente uma tarefa complicada ou burocrática. Ao contrário: é até simples e, dependendo da sua rede de relacionamentos, pode até ser gratuito.

Se você vier para o Clube de Autores, aliás, não precisará sequer comprar uma tiragem mínima de exemplares para revender: o modelo inteiro do Clube se baseia na impressão sob demanda, de maneira que cada exemplar é produzido apenas depois de ser vendido, um a um.

E sabe quantos autores fazem do Clube sua casa? No momento que este post foi escrito, quase 70 mil – o equivalente à maior base de autores independentes de toda a América Latina.

Está esperando o que, então? Faça parte do Clube de Autores!

Leia Mais

O escritor persistente e a culpa do mundo

Certa vez, quando estava começando a minha carreira com a Internet, ouvi de um potencial cliente que ele não investiria em marketing digital porque, quando o fizera no passado, não tivera resultado algum. Sua conclusão: o problema estava na Internet, que não funcionava tão bem quanto a mídia costumava alardear.

Achei uma conclusão curiosa: em nenhum momento, afinal, esse empresário cogitara a possibilidade do erro ter sido da sua campanha de marketing, e não da Internet como um todo.

Tempos se passaram, entrei no mercado editorial, mudei de público mas, ainda assim, continuo testemunhando o mesmo tipo de comentário. Dia desses, por exemplo, respondi uma crítica a concursos literários aqui no blog. “Concursos não funcionam: já participei de um monte deles e nunca ganhei nada!”. Fiquei aqui me perguntando: o problema é de 100% dos concursos ou deste um livro que, por algum motivo qualquer, não foi escolhido pelos jurados plurais?

Quem publica um livro e está disposto a batalhar pelo seu lugar ao sol precisa entender, antes de iniciar a empreitada, que não será tarefa fácil. Há leitores em potencial? Sem dúvidas: por mais que o brasileiro não leia tanto quanto um sueco, o tamanho da nossa população, de longe, compensa a equação mercadológica. Mas, ainda assim, há muita, muita obra de qualidade pelo Brasil.

Sim, a sua será mais uma – por mais brilhante que seja. Dificilmente ela será “descoberta” a passe de mágica. Dificilmente ela venderá sozinha, bastando que você a publique e espere os louros. Vou além: dificilmente ela renderá boas críticas, seja de leitores ou literatas, se você não trabalhá-la com o mesmo zelo que um ourives.

Há pre-requisitos, a meu ver, para que um livro tenha sucesso. Ele tem que estar publicado? É óbvio – mas esse é um problema que o Clube já resolveu faz tempo. Ele tem que estar distribuído? Sim, claro – mas basta que esteja na Internet, acessível às dezenas de milhões de consumidores que já migraram seus hábitos de compra de literatura das prateleiras para os navegadores.

Mas há outros. O livro precisa ter uma boa capa: sem ela, ele dificilmente chamará a atenção. Precisa ter uma sinopse bem escrita: ninguém comprará nada sem saber direito o que é. Precisa ter seu português revisado: profusões de erros gramaticais e ortográficos em livros são como suicídios mercadológicos.

Precisa ter ISBN, garantia de distribuição em pelo menos algumas livrarias.

Precisa ter sido lido por algum crítico em quem o autor confie, por alguém que tenha a capacidade de fazer apontamentos fundamentais para melhorar o texto.

Precisa de exposição, de uma campanha de marketing próprio que inclua lançamento, anúncios no Google ou no Facebook, participação em concursos etc. Pode ser que a campanha falhe? Óbvio que sim: não há campanha infalível. Mas é fundamental aprender com os erros, calibrar a dose dos anúncios, ajustar os rumos do próprio marketing. “Mas marketing não é o que sei fazer”, dirão muitos escritores. Pois aprenda. Se quiser ter sucesso neste mercado, não há alternativa.

E ainda há o imponderável: mesmo que faça tudo certo, mesmo que tenha seguido à risca todo o receituário de sucesso, é ainda possível que tudo dê errado. A culpa é do mercado? Não. Afinal, pode ser que os leitores simplesmente não tenham gostado da proposta do seu livro, algo sempre difícil para um escritor aceitar. Aprenda com isso também. Para o próximo.

Com tantos contras, com tantas barreiras de acesso, por que então persistir?

Porque somos escritores. Porque escrever, afinal, é o que faz o nosso sangue pulsar, o que alegra os nossos dias e inspira cada uma das nossas ações.

E, se escrevemos, é porque acreditamos no sucesso dos nossos textos, dos nossos livros. É porque acreditamos que há, nas palavras que costuramos ao papel, algumas lições de sabedoria que o mundo todo precisa saber.

Um escritor é, sobretudo, persistente na busca dos seus leitores. Continuemos assim.

Casos de insucesso sempre existirão – e possivelmente nós mesmos faremos parte de uns ou outros. Mas vestir-se do pessimismo de quem acha que bons resultados são impossíveis só porque uma meia dúzia de experiências pessoais passadas resultou em fracasso, ignorando que tantos outros autores conseguiram alcançar seus públicos, é de um desserviço egoísta totalmente desnecessário.

Se me permitem uma dica de alguém que acompanha, há anos, os destinos de dezenas de milhares de livros publicados aqui no Clube, deixo-a aqui: persista, mas sempre mantendo os olhos abertos. Seja autocrítico e esmere-se em seu livro para que ele seja tão brilhante do lado de fora quanto o é do lado de dentro.

É certeza de sucesso? Não. Mas agir de qualquer outra forma é, sem dúvidas, certeza de fracasso.

Leia Mais