O Mundo versus o Tempo

Storytelling, hoje em dia, é algo absolutamente fascinante.

No passado, contar uma história impactante demandava enredos bem trabalhados, personagens dramáticos, tramas tensas e todo um contexto de complexidades se entrelaçando. Mas o mundo evoluiu, ainda bem. E, junto com o mundo, o nosso conceito de narrativa.

Quer um exemplo perfeito? Veja este vídeo abaixo.

Feito em time-lapse, somando 27 mil fotos tiradas em pontos e momentos diferentes, há uma palavra perfeita para descrevê-lo: hipnotizante.

Perceba os contrastes: é uma história sem enredo, uma trama sem acontecimentos, um filme que foi fotografado, não filmado, e que ainda assim nos impele a grudar os olhos na tela, fazendo o imaginário pirar em torno da mais épica e mais antiga das batalhas: a do Mundo versus o Tempo.

História bem contada é assim: elegante e inspiradora.

[vimeo 133133228 w=1024 h=575]

Malta: A Time-lapse Journey from Kevin sciberras on Vimeo.

Leia Mais

Como seria se ver no futuro?

Há alguns anos, um vídeo postado pela Field Day trouxe uma proposta diferente: envelhecer um casal de pouco menos de 30 anos usando maquiagem e viabilizando uma espécie de “viagem no tempo” sem a ajuda de nenhuma tecnologia digital.

Descrito assim, esse projeto pode não parecer nada demais. Mas ele impressiona.

Curiosamente, o que começa como uma espécie de brincadeira acaba realmente transportando o casal até o futuro, fazendo ambos imaginarem quais os tipos de experiências e histórias de vida que, àquela altura, terão colecionado. É uma espécie de prova, por assim dizer, de que o próprio conceito de Tempo está muito mais em nossas mentes e corações do que em um relógio.

Vale ver o vídeo, abaixo (infelizmente, apenas em inglês):

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=X9HlHmY-PsA&w=1280&h=720]

Leia Mais

Nós sempre escrevemos, afinal, sobre o tempo

Podemos criar universos paralelos, tecer tramas que se passam no século XXV ou recontar outras que ocorreram no século XIV – mas, no final das contas, tudo estão sempre inseridos em alguma cronologia.

O Tempo é o grande protagonista invisível de todas as nossas histórias – o que nossos livros contam, afinal, é sempre o que aconteceu com uma meia dúzia de personagens enquanto eles caminharam entre datas. Nesses períodos, fisionomias mudam, acasos irrompem, tempestades surpreendem. Se toda trama depende de uma teia de causas e consequências, e se a única coisa entre uma causa e uma consequência é o Tempo, então é ele também, sempre, o nosso grande herói.

E por que escrevo todas essas obviedades? Porque me deparei com um vídeo de um fotógrafo que, com uma técnica nova, está conseguindo inserir na mesma foto tempos diferentes e, assim, compor uma história que considero revolucionária.

Dêem uma olhada nesse vídeo abaixo.

Sim, sei que fazer isso em fotografia pode soar mais fácil – mas como seriam livros livres do tempo? Eu, pessoalmente, não conheço nenhum que siga esse pensamento. O mais próximo talvez seja o Deus Das Pequenas Coisas, de Arundhati Roy, que conta uma história a partir de colagens atemporais de outras histórias. É uma obra de arte belíssima, talvez única no mundo… mas ainda pára um pouco aquém dessa destemporização absoluta.

Para falar a verdade, nem sei se isso é possível – e agradeceria se alguém soubesse de algo nessa linha que pudesse me recomendar. De toda forma, fica então como um devaneio qualquer criado na esperança da próxima revolução literária sair daqui das nossas terras :-)

[ted id=2517 lang=pt-br]

 

 

 

 

Leia Mais

Faça o seu tempo

Fiz um post bem extenso há algum tempo sobre os diferentes tempos que regem a humanidade – o tempo universal, cronológico, e o individual, que depende da somatória de memórias de cada um. Não vou me alongar muito nisso porque o post está aqui – mas descobri um infográfico no UOL Tab fantástico sobre o assunto.

O título não poderia ser melhor: Faça o seu tempo.

Para escritores que, por definição, criam tempos e realidades, acaba sendo um conteúdo extremamente interessante. Então, sem mais delongas, recomendo que cliquem aqui ou na imagem abaixo e divirtam-se com esse compilado de conteúdo sobre a relatividade do tempo que todos nós temos! :-)

Screen Shot 2017-01-16 at 12.32.21

 

 

Leia Mais

Livros contra o Tempo

Na quarta passada escrevi um post sobre os dois Tempos em que vivemos: o individual e o universal. 

Em uma síntese crua: enquanto caminhamos juntos no tempo universal, cronológico, nos diferenciamos de cada outro ser vivo no nosso Tempo individual, sendo este essencialmente composto de uma somatória de experiências memoráveis de vida. 

OK… e o que tem livros a ver com isso? 

Pense no tempo como uma linha que une, estruturalmente, todas as memórias de sua vida. Aliás, pense na sua própria vida: o que vem à sua mente? Tenha você 20, 30, 40 ou 90 anos, certamente não se lembrará de cada segundo que passou neste planeta e sim apenas dos mais importantes, dos mais memoráveis. Ainda assim, será possível, mesmo que com alguma margem de erro, seguir uma linha da primeira infância até os dias de hoje enquanto enumera as suas experiências memoráveis de vida – aquelas que te acrescentaram conhecimento pessoal, lágrimas ou sorrisos. Certo? 

Pois bem: todos somos reféns das nossas histórias pessoais, todos invariavelmente somos e pensamos de acordo com esse acúmulo de experiências de vida. 

É aí que entram os livros. 

Pegue um livro qualquer. 

Se estiver lendo Guerra e Paz, por exemplo, você terá em suas mãos algumas centenas de páginas que encapsulam, para toda a eternidade, todos os anos de vida de Pierre Bezukhov, do Príncipe Andrei, de Natasha e de tantos outros. Se estiver lendo Grande Sertão: Veredas, a vida inteira de Riobaldo pertencerá mais a você, dono das páginas, do que ao personagem que, tenha ou não existido, certamente já não caminha vivo entre nós. 

O mesmo vale para qualquer livro: todos são feitos de histórias de personagens, de memórias e experiências que, uma vez que ganharam as páginas, deixaram o Tempo para entrar na imortalidade. 

Eis a principal magia dos livros: eles são uma outra dimensão por permitir que possamos sentir um mundo que não presenciamos, durante um tempo que não vivemos e em lugares que nunca conhecemos. 

Livros transformam o tempo em um conceito quase arqueológico de tão antigo, ultrapassado. 

Literatura é um troço simplesmente incrível. 

Leia Mais