Como fazer a capa perfeita para seu livro

Capas vendem. Simples assim.

Iríamos até além dessa afirmação acima. Capas não apenas vendem: elas possivelmente são as melhores vendedoras de livro do planeta. E se você acha isso péssimo, se acha que isso reflete uma espécie de estereótipo de mau leitor que depende de uma imagem para se decidir… bem… talvez seja a hora de deixar de preciosismo e pensar de novo.

Por que capas importam tanto?

Toda história começa por algum lugar. No caso de livros, que demandam uma imersão maior por parte de leitores (uma vez que o próprio ato de ler requer mais tempo e concentração que qualquer outra maneira de se absorver histórias), a necessidade de sedução é sempre, sempre grande.

No passado, há um ou dois séculos, era normal que capas mais artísticas sequer existissem. Mas não adianta levar isso em conta como uma espécie de argumento de que, lá no passado, as pessoas liam mais e melhor. É uma afirmação saudosisticamente vazia: os tempos simplesmente eram outros.

Lá naqueles idos do passado, a variedade de livros era muito menor, dependia-se de livrarias fisicamente próximas e decidia-se com base em críticas feitas por jornais que, tendo uma base infinitamente menor de títulos para revisar, conseguia estruturar artigos completos o suficiente para fazer ou matar o sucesso de alguma obra.

Hoje, há uma infinidade de livros sendo lançados todos os dias. Mais de 40 por dia apenas no Clube de Autores, aliás. Hoje, há livros impressos, ebooks, audiolivros. Hoje, há Internet, deixando todos os livros do mundo ao alcance de todo mundo.

Hoje há abundância, não escassez. E abundância se traduz em concorrência. 

Imagine-se agora olhando uma vitrine com dezenas ou centenas de livros de autores que você não conhece. O que você faria para se decidir por um? Ler um trecho de todos? Dificilmente: ninguém tem tempo para isso.

Muito provavelmente você escolheria alguns e os folhearia para ver se se identifica com os textos. E como você escolheria quais folhear? Se você não conhecer os autores ou os enredos, muito provavelmente pela capa. É por isso que ela importa.

O que você JAMAIS deve fazer?

Ignorar a importância da capa por conta da empolgação de ter terminado de escrever seu livro, fazer qualquer coisa, de qualquer jeito, e publicar.

Fazer isso é praticamente dizer para o leitor que nem você mesmo acredita no seu livro ao ponto de ter dedicado um mínimo de zelo e de carinho para construir uma capa condizente com o conteúdo.

Aliás, hoje, é extremamente comum que o leitor “deduza” a qualidade do texto a partir da qualidade da capa. Isso está certo? Está errado? A discussão é irrelevante: se é assim que o leitor pensa e escolhe, é nesse mundo que o autor deve se enquadrar.

1. Saiba o que você quer

O primeiro passo para a capa perfeita é descobrir o que, exatamente, você quer. Isso pode parecer óbvio, mas a quantidade de escritores que não fazem ideia do que desejam ao iniciar um trabalho de criação de capa é assombroso. A regra aqui é simples: se você, que escreveu o livro, não sabe o que quer de capa, dificilmente um capista conseguirá produzir algo bom.

Isso significa que você deve descrever, em detalhes, uma imagem de capa, para que um artista a coloque no papel? Claro que não: você é escritor, não capista.

Mas quer dizer que você deve saber sim, em detalhes, qual imagem, qual percepção você deseja transmitir ao leitor. Isso nos leva ao segundo ponto:

2. Sintetize sua mensagem

Todo livro do mundo tem uma mensagem central, uma ideia básica que funciona como alicerce para toda a sua narrativa. Seja de maneira direta ou indireta, óbvia ou abstrata, você deve ter essa ideia tangivelmente clara, descrita, palpável.

Essa será a essência do seu “briefing”, do seu pedido para o capista que trabalhará em seu livro. E se, ao final do trabalho, você não achar essa mensagem transmitida na capa, é porque ela não está boa (independentemente da sua qualidade artística).

3. Sintetize seu livro

Não adianta também entregar um livro inteiro para um capista e falar “se vire”. Sejamos práticos: a probabilidade de um capista profissional que depende de escala (e, portanto, produz diversas capas por mês para sobreviver) efetivamente ler o seu livro inteiro é mínima.

Sintetize-o. Tenha clara a mensagem que deseja transmitir e entregue ao capista material para que ele possa se aprofundar, incluindo uma sinopse eficiente e trechos que você acredita que sejam “exemplares”.

4. Tenha referências

O capista que você arrumará (falaremos disso logo mais) até pode entender a mensagem do seu livro – mas ele dificilmente saberá o seu gosto pessoal se você não passar referências práticas.

O que são essas referências? Capas de outros livros que você gosta.

Vá a uma livraria no final de semana, pesquise na Internet, tire fotos, enfim: reuna algumas imagens que sirvam de inspiração para o profissional que estiver trabalhando para você.

Referências, aliás, nem precisam ser apenas de capas incríveis, como essas aqui. Dê uma olhada neste link, com uma espécie de coleção das piores capas. É tão importante dizer o que quer quanto dizer o que não quer.

5. Arrume um bom capista

A não ser que você seja um capista – o que certamente facilita a vida – não tenha dúvidas da necessidade de arrumar um para trabalhar para você. Como?

Pode ser um amigo ou um profissional de mercado – tanto faz. O importante é ter em mente que este será um profissional fundamental para seu livro. FUNDAMENTAL.

Nesse sentido, recomendamos que você navegue no Profissionais do Livro, plataforma do Clube de Autores que permite a contratação direta dos mais diversos prestadores de serviço relacionados ao mercado editorial. Lá você encontrará centenas e mais centenas de capistas oferecendo seus serviços a preços com grande variação. Significa que todos sejam incríveis? Não.

Uma vez no Profissionais do Livro (ou em qualquer outra plataforma), você deve vasculhar os comentários de clientes feitos sobre aquele capista e, principalmente, visitar o seu site ou portfolio para ver se realmente gosta do seu estilo. Se não gostar, não contrate. Simples assim.

Se gostar, contrate: mas seja extremamente rígido na sua demanda e aprove apenas se realmente amar a capa.

A capa é só o que eu preciso para o meu livro funcionar?

Claro que não – há muitos livros com capas incríveis que nunca venderam mais que meia dúzia de exemplares. Há mais, muito mais envolvido em transformar uma história em um sucesso de vendas. A capa é só um dos elementos fundamentais.

Quer saber mais? Então recomendamos que acesse esta página aqui, com instruções mais detalhadas sobre como publicar o seu livro e muitos conteúdos que podem te interessar!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Leia Mais

Os 7 melhores programas para escrever um livro

Dentre tantas opções, quais as mais práticas para você?

Já abro o post deixando uma coisa extremamente clara: o mais importante para se escrever um livro não é o programa, mas sim a história. E não estou falando aqui apenas de uma boa ideia para um enredo, mas sim da história inteira – sua estrutura, sua cadência, sua revisão ortográfica e gramatical, enfim… tudo o que o leitor for efetivamente ler. Neste sentido, caso tenha qualquer dúvida maior, recomendo que acesse esse post aqui com algumas dicas importantes para se escrever um livro.

OK… mas ter uma história bem estruturada na cabeça não significa, necessariamente, conseguir fazê-la magicamente pular para o papel e para todos os formatos que você precisará para que seu livro esteja no caminho para o sucesso. O motivo para isso é relativamente simples: além de uma diagramação bem feita para que seu livro seja mais gostoso de se ler (nada daquelas páginas com fonte minúscula e sem espaçamento que impõe preguiça ao leitor!), há toda uma questão técnica fundamental que precisa ser levada em conta.

Já tem um livro, mas ainda não sabe como lançá-lo? Entenda o passo a passo e publique gratuitamente!

As questões fundamentais (tamanho, PDF e ePub)

Primeiro, seu livro precisa estar no “tamanho” certo. Aqui, no Clube de Autores, trabalhamos com toda uma variedade de tamanhos (A5, A4, pocket e quadrado) – mas se eles não forem respeitados, o próprio sistema não aceitará a sua obra. Vale a pena dar uma olhada nesse post aqui que, além de modelos de documentos para download, traz algumas dicas relevantes.

Em segundo lugar, o seu livro precisa ser facilmente convertido para PDF. Essa regra é sagrada, aliás: sem um PDF, você não conseguirá publicá-lo aqui no Clube em formato impresso (que, hoje, corresponde a mais de 85% de todas as nossas vendas e de mais de 95% das vendas do mercado brasileiro). Normalmente, os próprios programas editores de texto já permitem a conversão para o formato PDF. De qualquer maneira, caso precise, recomendamos o uso desse site gratuito aqui.

Em terceiro lugar, há outro formato importante que você deve considerar: o ePub. Apesar de grande parte das lojas de ebook (como o Google Play, por exemplo) trabalharem com PDF para os livros eletrônicos, outras (como Apple iBooks e Kindle) operam apenas com o formato ePub.

O ePub, na prática, é o modelo mais “perfeito” para ebooks que existe pois, diferentemente do PDF, permite que se navegue com maior liberdade pelo arquivo (incluindo se aumentar ou diminuir fontes mais à vontade, para ficar apenas nesse exemplo). considerando que a imensa maioria dos brasileiros lê ebooks em seus celulares, o ePub é muito mais aconselhável que o PDF. E, a propósito, é possível publicar um PDF para o formato impresso e um ePub para o eletrônico no Clube de Autores, que fará a distribuição da sua obra literária para todas as grandes livrarias em todos os formatos.

O problema de ePub é que sua conversão não é exatamente tão simples quanto no caso de PDF, principalmente se seu livro tiver imagens ou tabelas. Nesse caso, recomendamos mesmo que contrate algum profissional especializado (como esses aqui). A conversão não costuma ser um serviço caro, mas é essencial. Ainda assim, se seu livro for essencialmente composto por texto, você conseguirá trabalhar com algumas ferramentas que fazem a conversão automática e gratuita – e, nesse sentido, vale testar.

Os melhores programas para se escrever um livro

Talvez o título ideal dessa seção não devesse ser exatamente este: “melhor”, afinal, costuma ser uma palavra individual ou pessoal demais. Ainda assim, arrisco algumas sugestões práticas com base no que mais vemos escritores utilizando e recomendando por aqui.

MS Word

Não pretendo me alongar muito nesse aqui. O Word, da Microsoft, é o editor de texto líder de mercado e, de longe, o mais utilizado. é seguro, permite se trabalhar seu livro nos diversos tamanhos possíveis e já consegue gerar o arquivo em formato PDF. Isso sem falar, claro, com a possibilidade de se fazer revisões mantendo os textos originais, o que também facilita – e muito – o processo de leitura crítica e de revisão ortográfica e gramatical.

O Word, portanto, apesar de ser o “avô” dos editores de texto, é ainda o mais utilizado e o mais fácil, prático.

Google Docs

O Docs é a versão do Google para o Word. Sua aparência é semelhante e suas possibilidades técnicas, idem… mas ele tem uma vantagem e uma desvantagem importantes.

A grande vantagem é que tudo o que você fizer ficará automaticamente salvo na nuvem, vinculado à sua conta no Google – o que é uma mão na roda. Há também aplicativos gratuitos para smartphones e tablets, além do bom e velho navegador, o que garantirá a você a possibilidade de escrever sempre que precisar ou desejar. Isso sem contar com outro ponto importante: a possibilidade de compartilhamento do arquivo com seus revisores ou críticos, que poderão acrescentar comentários ou observações extremamente úteis a você.

A grande desvantagem aparece quando você precisa acrescentar imagens no arquivo. Não que seja impossível, claro – mas o processo de fazer upload de uma imagem para a galeria do Docs e depois posicioná-la da maneira desejada é, para dizer o mínimo, chato.

yWriter

O yWriter não é exatamente um programa feito para quem já não tenha uma grande intimidade com tecnologia – mas é extremamente eficiente. Com versão para Mac e Windows, ele permite se acompanhar mudanças, registrar os movimentos dos seus personagens, organizar a história em linhas de tempo e cenários e até mesmo reagrupar trechos da história.

Eu não diria que seja exatamente um aplicativo facílimo mas, se você já for relativamente íntimo de tecnologia, vale experimentar.

Scrivener

O Scrivener é um dos mais famosos aplicativos para escritores em todo o mundo. Ele tem muitas das características do yWriter mas, ao menos na minha opinião, é mais intuitivo e prático. É, de certa maneira, uma mescla entre um editor de texto e um gerenciador de projetos, incluindo desde possibilidades de anotações técnicas à elaboração de linhas de tempo. Também já exporta – e com alta qualidade – para os formatos PDF e ePub, o que pode quebrar um bom galho.

O ponto negativo? Ele é pago (entre US$ 40 – U$ 45).  De toda forma, vale muito conferir: não é à toa que o Scrivener é tão utilizado no mundo afora.

ZenWriter

É uma espécie de meio termo entre o MS Word e o yWriter ou mesmo o Scrivener. Na prática, a grande vantagem do ZenWriter é a experiência de se escrever: quando se inicia um texto, ele “domina” a tela inteira e gera uma sensação de imersão absolutamente inspiradora.

Há também uma biblioteca de inspiração, mas, honestamente, não vi tanta utilidade prática nela (embora seja minha opinião pessoal e não uma realidade escrita em pedra).

O ZenWriter também é pago – US$ 17,50 – e, da mesma forma que o Scrivener, tem apenas a versão em inglês. Ainda assim, vale conferi-lo.

StoryBook

Não vou dizer que o StoryBook esteja na minha lista de preferidos (como o Scrivener, por exemplo): ele tem um aspecto esquisito e uma experiência inversamente proporcional, por exemplo, ao ZenWriter.

Ainda assim, ele inegavelmente auxilia na organização e na estruturação do enredo. Por ser gratuito, talvez valha experimentar o StoryBook como uma espécie de introdução a esse universo de programas para escrever livros mais profissionais.

Scapple

Eu não chamaria o Scapple de um programa perfeito para se escrever livros – mas a facilidade de se organizar ideias e enredos nele é excepcional. Há como se criar mapas interrelacionados, estruturas cronológicas, árvores de personagens e toda uma gama possibilidades que garantirão mais coerência a qualquer enredo mais complexo.

Há mais programas por aí? 

Há, sem dúvidas! Mas esses 7 que listamos aqui acabam, de certa forma, sintetizando toda uma série de possibilidades interessantes para escritores. E, embora alguns deles (como o Scapple, por exemplo) funcionem melhor em conjunto com outro (como o Google Docs ou mesmo o Word), todos acabam suprindo necessidades importantes de escritores.

Nossa recomendação principal, aqui, é que você teste, experimente. Mesmo os pagos costumam ter suas versões gratuitas para demonstração, que costumam ser um caminho interessante para que você se familiarize e descubra se se sentirá ou não à vontade.

Mas não se esqueça: o mais importante não é o programa, é a sua história e a maneira com que ela foi/ está sendo escrita. Tendo ela escrita, tudo passa a ser uma questão de como trabalhá-la para que ela se transforme no livro dos seus sonhos (e dos sonhos de seus leitores, claro).

Tem alguma dúvida? 

Seja sobre programas ou sobre o próprio processo de se publicar um livro (veja mais informações aqui), basta nos escrever por aqui pelo blog ou pela área de dúvidas em nosso site. O Clube de Autores, afinal, nasceu justamente como um lar para autores independentes, e reunimos aqui um compilado de experiências que se somam desde a nossa fundação, em 2009 :)

Aliás, se você ainda não nos conhece, recomendo que reserva alguns poucos minutinhos e acesse o nosso site (clique aqui), navegue pela plataforma e descubra como publicar seu livro gratuitamente em todos os formatos e ainda tê-lo distribuído pelas maiores livrarias do país (como Estante Virtual, Cultura, Amazon, Mercado Livre, Kindle, Apple iBooks, Kobo, GoogleBooks e muitas outras!)

lançar-livro-sem-burocracia

Leia Mais

Precisa de livros para seu lançamento?

Esse post é mais um recado que um artigo: dificilmente, afinal, alguém faz um lançamento de livros sem livros para vender.

Então, o recado é esse: se for o seu caso, envie um email para o nosso atendimento no atendimento@clubedeautores.com.br para negociar a compra de exemplares em volume maior que o convencional.

Como a quantidade de exemplares é um fator crucial para a negociação – e como o preço de cada livro é formado por toda uma gama de características bem específicas – a probabilidade de uma negociação individual ser mais eficaz que a compra diretamente pelo site é razoável.

Assim, fica dado o recado. Precisa de livros para seu evento de lançamento? Contate-nos pelo atendimento@clubedeautores.com.br .

Leia Mais

Artista cria “pinturas” impressionantes usando livros como telas

Tá: esse post não é exatamente algo literariamente denso, por assim dizer.

Ele também não é nosso: é um repost do excelente blog Livros e Pessoas.

Ainda assim, é curioso – e curiosidade sempre inspira.

Sugiro, então, que cliquem na imagem abaixo ou aqui para acessar a matéria. Ou você já viu livros servindo de telas desta maneira??

Screen Shot 2016-08-22 at 12.35.05 PM

Leia Mais