Sentindo o próprio derrame

Já imaginou se você pudesse perceber, conscientemente, todas as suas funções cerebrais se fecharem uma a uma durante um derrame?

Eu sou da crença firme de que a maior fonte de inspiração de qualquer ser humano é a sua própria vida – incluindo um entendimento mais aprofundado do seu próprio corpo. E, claro, na medida em que passamos por experiências dramáticas, vamos somando mais e mais capacidade de expressão.

Essa palestra que achei fala muito disso a partir de uma experiência real – e é absolutamente inspiradora.

E, afinal, se somos uma comunidade de contadores de história, ouvir histórias impactantes é no mínimo parte do que mais amamos fazer :-)

Leia Mais

Faça o seu tempo

Fiz um post bem extenso há algum tempo sobre os diferentes tempos que regem a humanidade – o tempo universal, cronológico, e o individual, que depende da somatória de memórias de cada um. Não vou me alongar muito nisso porque o post está aqui – mas descobri um infográfico no UOL Tab fantástico sobre o assunto.

O título não poderia ser melhor: Faça o seu tempo.

Para escritores que, por definição, criam tempos e realidades, acaba sendo um conteúdo extremamente interessante. Então, sem mais delongas, recomendo que cliquem aqui ou na imagem abaixo e divirtam-se com esse compilado de conteúdo sobre a relatividade do tempo que todos nós temos! :-)

Screen Shot 2017-01-16 at 12.32.21

 

 

Leia Mais

Sobre os dois Tempos que vivemos

Aristóteles acreditava que passamos a vida colecionando uma série de momentos memoráveis – de “agoras” que acabavam marcando a nossa história pessoal. O tempo, para ele, era apenas uma linha que interligava esses “agoras” dando algum tipo de cronologia lógica ou ordenamento às nossas experiências de vida. 

Sob esse aspecto, o tempo acaba sendo algo muito mais pessoal e individual do que o que costumamos interpretar. Eu iria além: é como se houvesse dois Tempos diferentes. 

O primeiro deles, universal, é essencial apenas para manter algum tipo de ordem na nossa sociedade. Agora, enquanto escrevo este post, são 7:59 em São Paulo e 9:59 em Lisboa. O sol tem seus momentos para nascer e dormir em cada canto do mundo, as bolsas tem instantes precisos para abrir e fechar, os horários comerciais serão pontualmente cumpridos em quaquer parte da Terra. Eis o Tempo universal, tediosamente harmônico, marcando o passo da evolução do cotidiano. 

Mas há também o segundo Tempo, muito mais importante do que o primeiro: é o Tempo individual. Se você está prestes a encontrar algum amor não correspondido, por exemplo, sentirá os minutos vagando a velocidade de lesma; se estiver correndo contra algum prazo, cada hora passará como se fosse um segundo; e se estiver imerso em alguma experiência nova, descobrindo alguma nova fronteira da filosofia, desbravando novos terrenos e fazendo os olhos beber paisagens exoticamente virgens, então todo o Tempo se congelará para que absorva o máximo que o coração permitir. 

Assim, na medida em que o primeiro Tempo – o universal – for caminhando, ele deixará todo um rastro de experiências intensas encravado na memória: angústias, conquistas, descobertas. Quando, já idosos, olharmos para trás e pensarmos em nossas vidas, não será o tempo universal que sentiremos: será esse conjunto de memórias que nos terão feito ser quem formos.

Assim, quanto mais intensamente a vida for vivida, mais desses “agoras aristotélicos” colecionaremos ao longo das nossas próprias histórias. Quanto mais momentos (ou “agoras”) formos acumulando ao longo da nossa vida biológica, ao longo do Tempo universal, mais longo será o nosso Tempo individual e, portanto, mais longa também será a nossa vida pessoal. 

Viver mais, portanto, nunca esteve ligado a somar mais de 100 anos de existência: viver não tem nada a ver com existir. 

Viver tem a ver com o Tempo individual, com os “agoras” de Aristóteles; existir é tão somente a linha que une esses momentos e que tem uma relevância meramente estrutural, cronológica.

Viver mais, enfim, tem a ver com colecionar o máximo possível de experiências ao longo de uma vida, populando a linha aristotélica de tantos momentos que, ao final de 60 anos, teremos sentido mais a vida que qualquer monge tibetano capaz de existir em estado zen por 120 anos.

Viver é colecionar histórias. 

Leia Mais

Feliz 2014 :-)

Alguns anos são leves, quase tediosos. Poucos grandes acontecimentos, muita rotina e uma relativa calmaria geral.

Não foi o caso de 2014.

Hoje entramos oficialmente no primeiro dia do último mês deste ano. Em 11 meses, passamos por manifestações, Copa do Mundo, uma crise como faz tempo não víamos, eleições, denúncias e prisões nos mais altos escalões e todo um turbilhão de emoções que mexeram com os ânimos de muitos, muitos brasileiros. E, claro, entre tantos acontecimentos tivemos ainda que trabalhar e – obviamente – escrever. E arredondar nossas histórias, fazer os ajustes finos, lançar.

2014 está terminando de maneira intensa – muito intensa.

Anos assim são bons: nos garantem todo um acervo de histórias para que contemos em nossos contos, poemas e romances.

Ainda está cedo para desejar um bom 2015 a todos os escritores do Clube, mas me arrisco a desejar um feliz 2014. Espero que esse ano tenha sido realmente repleto de emoções e intensidades exageradas, quase insanas. Intensidades inspiram histórias – e histórias, afinal, são o sangue que pulsa nas veias de todos os escritores.

Que as tantas experiências que se somaram (e que ainda se somarão pelos próximos 31 dias) se transformem em histórias fabulosas no ano que vem.

Leia Mais

Aproveite as dicas de autores e do Clube sobre como trabalhar o seu livro

Há algumas décadas (ou séculos) atrás, um escritor precisava ser mestre em uma única coisa: escrever.

A vantagem é que ele podia se dar ao luxo de concentrar-se em sua verdadeira paixão; a desvantagem é que havia a necessidade dele se dedicar em tempo integral ao ofício – mesmo considerando a (grande) possibilidade de não conseguir se sustentar por ele.

Para o bem ou para o mal, os tempos mudaram e, já há muito, um autor precisa dominar artes que transcendem a literatura – como divulgação e venda, por exemplo. Há os que reclamam que isso está criando barreiras grandes para a literatura mas, em realidade, o que se observa é exatamente o oposto.

A literatura mundial nunca teve uma quantidade tão grande de autores talentosos e, apesar de nomes como Hemingway, Machado de Assis e Kafla continuarem sendo raros (como são e sempre foram todas as preciosidades), não temos tanto de que nos queixar.

Para nós, autores de todos os diferentes gêneros literários, o fato é que as portas estão abertas e que demandam que nos aventuremos por elas armados com a criatividade de gerar atenção e curiosidade sobre as nossas obras.

Ainda bem que há a Internet! Por ela, afinal, escritores de todos os cantos se mostram quase que aflitos para compartilhar experiências entre si, comentando casos de sucesso e de fracasso em uma espécie de rede de apoio mútuo.

Daqui, do Clube, entendemos que parte do nosso papel é justamente facilitar o acesso entre os que tem boas experiências a compartilhar e os que querem aprender técnicas novas para “acontecer”.

E temos algumas ferramentas que podem ser bastante úteis:

– No próprio site do Clube, há a Universidade do Autor, em que disponibilizamos cursos gratuitos e narrados sobre temas como divulgação de livros, diagramação etc. Para ver, clique aqui.

– No Facebook, realizamos semanalmente o Palavra Inquieta, um “vídeo-papo” ao vivo entre autores contemporâneos badalados e todo usuário que estiver interessado a interagir com eles. O programa acontece todos os finais de tarde das quintas, com programação sempre divulgada aqui no blog e pelas mídias sociais. Para ver, clique aqui.

– No SlideShare, disponibilizamos os mesmos cursos da Universidade do Autor em formato PDF, para download direto. Para ver, clique aqui.

– No Twitter, sempre comentamos casos interessantes e que estão “movimentando” mundo do livro. Acesse o nosso Twitter aqui.

– E, finalmente, sempre fazemos posts aqui no blog sobre casos de autores do Clube que, com muito suor (e, obviamente, talento) conseguiram chamar a atenção da crítica e do público, criando para si as bases sólidas de carreiras literárias mais que promissoras.

Se você é um autor independente, provavelmente convive com as mesmas ansiedades, medos e obstáculos que toda a comunidade. É provável que tenha já passado por momentos de extrema felicidade e de frustração com as letras – coisas que fazem parte da vida de todo escritor desde a antiguidade clássica.

Mas, se é realmente um escritor, então você também não tem alternativa – pois o ato de escrever é tão fundamental quanto o de beber água ou de se alimentar. Sendo esse o caso, então há duas coisas que podem ser feitas: continuar escrevendo e, claro, buscar sempre se aprimorar em um aspecto que está se tornando essencial para todo autor moderno, por todo o mundo: ser empresário de si mesmo.

Os links que passamos acima certamente ajudarão – mas nada de ficar restrito a eles. A Web é vasta e as fontes de inspiração trazidas por ela são praticamente infindáveis!

Isto posto, é hora de trabalhar. E de escrever.

Boas letras!

Leia Mais