Como escrever um livro no Word

Como utilizar o principal editor de textos do mercado para escrever o seu livro?

Já fizemos um post aqui, há algum tempo, sobre programas feitos para se escrever livros. Há toda uma lista de programas específicos lá – mas a indiscutível realidade é que o Word continua sendo, de longe, o mais utilizado.

Isso é um problema? Claro que não. Afinal, mesmo sendo o avô dos editores de texto, o Word é extremamente poderoso e se manteve prático ao longo de todos os seus anos de “envelhecimento”. A grande questão é – e isso vale para todos os programas – saber utilizá-lo direito.

Antes mesmo de prosseguir já dou uma dica que pode ser importante aqui: temos, aqui no Clube de Autores, modelos de arquivo prontos para livros dos mais diversos tamanhos. É só acessar esta página aqui e escolher o “template” (modelo) que preferir, fazendo download diretamente e utilizando como base para a sua obra.

Os passos abaixo, no entanto, ignoram esses modelos e partem do princípio, do instante a partir do qual você abrir um arquivo em branco no Word. O que fazer a partir daí?

1. Comece ajustando o tamanho do papel

A primeira coisa que você deseja fazer é configurar o tamanho da página. Seu livro, afinal, precisará estar em um dos tamanhos padrão do Clube de Autores – e já é muito, mas muito mais prático começar escrevendo-o nas medidas corretas do que tentar ajustar tudo depois de pronto.

Aqui vem uma pequena dificuldade: cada versão do Word, para cada tipo de sistema operacional (Mac ou PC, por exemplo) costuma ter “caminhos” diferentes para se configurar a página. De qualquer forma, não há muito segredo aqui: basta ir a “arquivo” ou “layout” e localizar a opção de configurar página.

Se você encontrar o tamanho ideal (como A5, A4 ou outro), ótimo: selecione-o e você já estará pronto para seguir adiante. Se não encontrar, será necessário inserir as medidas de maneira personalizada. Para facilitar, use essa tabela de referência com base em todos os formatos aceitos aqui pelo Clube:

  • A5 (14,8cm x 21cm)
  • A4 (21cm x 29,7cm)
  • Pocket (10,5cm x 14,8cm)
  • Quadrado (20,0cm x 20,0cm)

2. Configure as margens

Se você parte do princípio de que quanto mais páginas “economizar”, mais conseguirá publicar o seu livro a um preço competitivo, pense novamente. Livros com margens apertadas e fontes (letras) minúsculas cansam leitores, geram um tipo de preguiça que costuma afastar leitores e indicações instantaneamente. Isso sem contar com o óbvio: ma prática, a economia de páginas dificilmente somará mais que alguns centavos no preço final.

Criar um livro confortável começa por trabalhar margens agradáveis e eficientes. Agradáveis para o leitor, que precisa se sentir bem ao folhear as páginas; e eficiente para as gráficas, uma vez que margens apertadas podem gerar cortes nos textos durante a etapa de impressão.

O Clube de Autores costuma recomendar as seguintes margens (embora você possa utilizaras que preferir):

  • Para livros A5 > Superior e inferior: 2,54cm; Laterais: 1,91cm
  • Para livros A4 > Superior e inferior: 2,54cm; Laterais: 1,91cm
  • Para livros Pocket > Superior e inferior: 1,50 cm; Laterais: 1,20cm
  • Para livros Quadrados > Superior e inferior: 2,54cm; Laterais: 2,54cm

Como configurar as margens? No mesmo lugar que você configurou o tamanho do papel, bastando que você selecione a opção de margens e insira as que desejar.

3. Insira numerações, cabeçalhos e rodapés

O Word também permite que se insira números e informações básicas de arquivo de maneira simples. O caminho – que novamente depende da versão e plataforma operacional que estiver utilizando – costuma ficar sob a opção de “inserir”, no menu principal.

Uma vez lá, escolha a opção de inserir números de página: é simples assim.

A opção para se inserir cabeçalhos e rodapés costumam ficar sob a área de “elementos do documento”, mas normalmente pode ser acessada quando se dá um duplo-clique sobre a área onde costuma ficar o cabeçalho ou o rodapé, na própria página que estiver editando.

A partir daí é só escolher o tipo de texto que deseja inserir ou mesmo se deseja alterná-lo entre páginas pares e ímpares (por exemplo, deixando o título do livro nos cabeçalhos pares e o nome do autor nos ímpares). Não há regras editoriais aqui e nossa sugestão é que você mesmo veja em livros que tiver à mão algumas opções e tome sua decisão com base nelas.

4. Utilize os estilos de textos

Isso pode parecer besteira, mas acredite: não é. Estilos de texto servem para facilitar todo o trabalho, incluindo a formatação de índices dinâmicos.

O caminho é simples: escreva o texto livremente, sem se preocupar com formatações. Quando terminar, aplique os estilos nos lugares certos.

Como? Selecione, por exemplo, o título do capítulo e, em seguida, ache no menu a opção de formatar e clique em estilos. Uma janela se abrirá com uma lista imensa de estilos. Seja prático: selecione algum estilo de título (ou “heading”) para os títulos e o estilo “normal” para o restante do texto.

Siga assim para o livro inteiro. Você verá já já como isso será útil.

5. Trabalhe com quebras de página, não “enter”!

Terminou um capítulo e deseja passar para a próxima página? A pior coisa que você pode fazer é sair clicando em “enter”, no teclado, até chegar à página seguinte. Por que? Porque qualquer edição mínima que fizer no texto demandará que você o revise por completo para garantir que todos os capítulos não tenham “se movido” quando você acrescentou uma ou outra linha.

Ao invés disso, seja prático. Terminou um capítulo e deseja mudar de página? Dê um “enter” depois do último texto, apenas para garantir, e depois vá ao menu “inserir” e selecione a opção de “quebra de página”.

Pronto: isso garantirá que cada capítulo comece e termine de maneira independente do anterior e do próximo e evitará erros do gênero.

6. Insira índices dinâmicos

É aqui que os estilos entram em cena. Cada texto que você marcou como “título” será devidamente entendido como título pelo Word. E daí?

Daí que basta que você abra uma página no começo do livro (usando a instrução de quebra de página que comentamos acima, no item 5) e simplesmente selecione a opção de “inserir” (no menu) “índices e tabelas” (ou, dependendo da versão do Word, apenas “índice”). Você poderá escolher o modelo do índice que preferir e, depois disso, mágica: um índice automático se formará, com numerações automáticas, de acordo com a paginação em que cada título seu se encontrar.

Há, aqui, uma dica importante: o Word não costuma manter o índice atualizado automaticamente. Assim, sempre que mudar qualquer coisa no texto, vá ao índice, clique com o botão direito do mouse sobre ele e selecione a opção de atualizar. É simples assim.

E agora?

Bom… agora é escrever o livro! Perceba que essas seis instruções são simples, práticas, e podem ser seguidas sem muito estresse. Mas fique atento a essas questões de versões. É possível que você precise passear um pouco pelo menu do Word até encontrar essas opções que mencionamos aqui, mas não se assuste: elas estarão lá.

Isso é o suficiente para escrever um livro? Claro que não: o Word é apenas o programa por onde fazê-lo.

Se quiser mais dicas, desta vez sobre o conteúdo, recomendamos que acesse um desses três posts: como escrever um livro, como escrever um livro infantil e como escrever um livro de romance.

 

 

 

Leia Mais

Os 7 melhores programas para escrever um livro

Dentre tantas opções, quais as mais práticas para você?

Já abro o post deixando uma coisa extremamente clara: o mais importante para se escrever um livro não é o programa, mas sim a história. E não estou falando aqui apenas de uma boa ideia para um enredo, mas sim da história inteira – sua estrutura, sua cadência, sua revisão ortográfica e gramatical, enfim… tudo o que o leitor for efetivamente ler. Neste sentido, caso tenha qualquer dúvida maior, recomendo que acesse esse post aqui com algumas dicas importantes para se escrever um livro.

OK… mas ter uma história bem estruturada na cabeça não significa, necessariamente, conseguir fazê-la magicamente pular para o papel e para todos os formatos que você precisará para que seu livro esteja no caminho para o sucesso. O motivo para isso é relativamente simples: além de uma diagramação bem feita para que seu livro seja mais gostoso de se ler (nada daquelas páginas com fonte minúscula e sem espaçamento que impõe preguiça ao leitor!), há toda uma questão técnica fundamental que precisa ser levada em conta.

Já tem um livro, mas ainda não sabe como lançá-lo? Entenda o passo a passo e publique gratuitamente!

As questões fundamentais (tamanho, PDF e ePub)

Primeiro, seu livro precisa estar no “tamanho” certo. Aqui, no Clube de Autores, trabalhamos com toda uma variedade de tamanhos (A5, A4, pocket e quadrado) – mas se eles não forem respeitados, o próprio sistema não aceitará a sua obra. Vale a pena dar uma olhada nesse post aqui que, além de modelos de documentos para download, traz algumas dicas relevantes.

Em segundo lugar, o seu livro precisa ser facilmente convertido para PDF. Essa regra é sagrada, aliás: sem um PDF, você não conseguirá publicá-lo aqui no Clube em formato impresso (que, hoje, corresponde a mais de 85% de todas as nossas vendas e de mais de 95% das vendas do mercado brasileiro). Normalmente, os próprios programas editores de texto já permitem a conversão para o formato PDF. De qualquer maneira, caso precise, recomendamos o uso desse site gratuito aqui.

Em terceiro lugar, há outro formato importante que você deve considerar: o ePub. Apesar de grande parte das lojas de ebook (como o Google Play, por exemplo) trabalharem com PDF para os livros eletrônicos, outras (como Apple iBooks e Kindle) operam apenas com o formato ePub.

O ePub, na prática, é o modelo mais “perfeito” para ebooks que existe pois, diferentemente do PDF, permite que se navegue com maior liberdade pelo arquivo (incluindo se aumentar ou diminuir fontes mais à vontade, para ficar apenas nesse exemplo). considerando que a imensa maioria dos brasileiros lê ebooks em seus celulares, o ePub é muito mais aconselhável que o PDF. E, a propósito, é possível publicar um PDF para o formato impresso e um ePub para o eletrônico no Clube de Autores, que fará a distribuição da sua obra literária para todas as grandes livrarias em todos os formatos.

O problema de ePub é que sua conversão não é exatamente tão simples quanto no caso de PDF, principalmente se seu livro tiver imagens ou tabelas. Nesse caso, recomendamos mesmo que contrate algum profissional especializado (como esses aqui). A conversão não costuma ser um serviço caro, mas é essencial. Ainda assim, se seu livro for essencialmente composto por texto, você conseguirá trabalhar com algumas ferramentas que fazem a conversão automática e gratuita – e, nesse sentido, vale testar.

Os melhores programas para se escrever um livro

Talvez o título ideal dessa seção não devesse ser exatamente este: “melhor”, afinal, costuma ser uma palavra individual ou pessoal demais. Ainda assim, arrisco algumas sugestões práticas com base no que mais vemos escritores utilizando e recomendando por aqui.

MS Word

Não pretendo me alongar muito nesse aqui. O Word, da Microsoft, é o editor de texto líder de mercado e, de longe, o mais utilizado. é seguro, permite se trabalhar seu livro nos diversos tamanhos possíveis e já consegue gerar o arquivo em formato PDF. Isso sem falar, claro, com a possibilidade de se fazer revisões mantendo os textos originais, o que também facilita – e muito – o processo de leitura crítica e de revisão ortográfica e gramatical.

O Word, portanto, apesar de ser o “avô” dos editores de texto, é ainda o mais utilizado e o mais fácil, prático.

Google Docs

O Docs é a versão do Google para o Word. Sua aparência é semelhante e suas possibilidades técnicas, idem… mas ele tem uma vantagem e uma desvantagem importantes.

A grande vantagem é que tudo o que você fizer ficará automaticamente salvo na nuvem, vinculado à sua conta no Google – o que é uma mão na roda. Há também aplicativos gratuitos para smartphones e tablets, além do bom e velho navegador, o que garantirá a você a possibilidade de escrever sempre que precisar ou desejar. Isso sem contar com outro ponto importante: a possibilidade de compartilhamento do arquivo com seus revisores ou críticos, que poderão acrescentar comentários ou observações extremamente úteis a você.

A grande desvantagem aparece quando você precisa acrescentar imagens no arquivo. Não que seja impossível, claro – mas o processo de fazer upload de uma imagem para a galeria do Docs e depois posicioná-la da maneira desejada é, para dizer o mínimo, chato.

yWriter

O yWriter não é exatamente um programa feito para quem já não tenha uma grande intimidade com tecnologia – mas é extremamente eficiente. Com versão para Mac e Windows, ele permite se acompanhar mudanças, registrar os movimentos dos seus personagens, organizar a história em linhas de tempo e cenários e até mesmo reagrupar trechos da história.

Eu não diria que seja exatamente um aplicativo facílimo mas, se você já for relativamente íntimo de tecnologia, vale experimentar.

Scrivener

O Scrivener é um dos mais famosos aplicativos para escritores em todo o mundo. Ele tem muitas das características do yWriter mas, ao menos na minha opinião, é mais intuitivo e prático. É, de certa maneira, uma mescla entre um editor de texto e um gerenciador de projetos, incluindo desde possibilidades de anotações técnicas à elaboração de linhas de tempo. Também já exporta – e com alta qualidade – para os formatos PDF e ePub, o que pode quebrar um bom galho.

O ponto negativo? Ele é pago (entre US$ 40 – U$ 45).  De toda forma, vale muito conferir: não é à toa que o Scrivener é tão utilizado no mundo afora.

ZenWriter

É uma espécie de meio termo entre o MS Word e o yWriter ou mesmo o Scrivener. Na prática, a grande vantagem do ZenWriter é a experiência de se escrever: quando se inicia um texto, ele “domina” a tela inteira e gera uma sensação de imersão absolutamente inspiradora.

Há também uma biblioteca de inspiração, mas, honestamente, não vi tanta utilidade prática nela (embora seja minha opinião pessoal e não uma realidade escrita em pedra).

O ZenWriter também é pago – US$ 17,50 – e, da mesma forma que o Scrivener, tem apenas a versão em inglês. Ainda assim, vale conferi-lo.

StoryBook

Não vou dizer que o StoryBook esteja na minha lista de preferidos (como o Scrivener, por exemplo): ele tem um aspecto esquisito e uma experiência inversamente proporcional, por exemplo, ao ZenWriter.

Ainda assim, ele inegavelmente auxilia na organização e na estruturação do enredo. Por ser gratuito, talvez valha experimentar o StoryBook como uma espécie de introdução a esse universo de programas para escrever livros mais profissionais.

Scapple

Eu não chamaria o Scapple de um programa perfeito para se escrever livros – mas a facilidade de se organizar ideias e enredos nele é excepcional. Há como se criar mapas interrelacionados, estruturas cronológicas, árvores de personagens e toda uma gama possibilidades que garantirão mais coerência a qualquer enredo mais complexo.

Há mais programas por aí? 

Há, sem dúvidas! Mas esses 7 que listamos aqui acabam, de certa forma, sintetizando toda uma série de possibilidades interessantes para escritores. E, embora alguns deles (como o Scapple, por exemplo) funcionem melhor em conjunto com outro (como o Google Docs ou mesmo o Word), todos acabam suprindo necessidades importantes de escritores.

Nossa recomendação principal, aqui, é que você teste, experimente. Mesmo os pagos costumam ter suas versões gratuitas para demonstração, que costumam ser um caminho interessante para que você se familiarize e descubra se se sentirá ou não à vontade.

Mas não se esqueça: o mais importante não é o programa, é a sua história e a maneira com que ela foi/ está sendo escrita. Tendo ela escrita, tudo passa a ser uma questão de como trabalhá-la para que ela se transforme no livro dos seus sonhos (e dos sonhos de seus leitores, claro).

Tem alguma dúvida? 

Seja sobre programas ou sobre o próprio processo de se publicar um livro (veja mais informações aqui), basta nos escrever por aqui pelo blog ou pela área de dúvidas em nosso site. O Clube de Autores, afinal, nasceu justamente como um lar para autores independentes, e reunimos aqui um compilado de experiências que se somam desde a nossa fundação, em 2009 :)

Aliás, se você ainda não nos conhece, recomendo que reserva alguns poucos minutinhos e acesse o nosso site (clique aqui), navegue pela plataforma e descubra como publicar seu livro gratuitamente em todos os formatos e ainda tê-lo distribuído pelas maiores livrarias do país (como Estante Virtual, Cultura, Amazon, Mercado Livre, Kindle, Apple iBooks, Kobo, GoogleBooks e muitas outras!)

lançar-livro-sem-burocracia

Leia Mais