Que todos tenhamos o mais literário dos Natais

Ficamos observando, nos últimos meses, toda uma longa lista de editoras e livrarias praticamente implorando para que todos dessem livros de Natal. Ficamos calados.

Vejam: não é que – obviamente – tenhamos nada contra dar livros de Natal. Nós não apenas vivemos de livros como somos, acima de qualquer coisa, leitores absolutamente apaixonados. Eu mesmo li, ao longo desse ano, mais de 30 livros – e tenho por hábito desde que me entendo por gente dar apenas livros de presente.

O que me incomodou nessa campanha encabeçada por editoras em crise foi o seu motivador.

Porque não se deve dar livros de presente para “salvar” editores e livreiros. Editores e livreiros devem se salvar por seus próprios méritos, entendendo seus mercados e as mudanças que se abateram sobre eles e, claro, se modernizando, atualizando-se para um mundo bem diferente do que eles estavam habituados. Só eles podem se salvar.

O motivador para dar livros de presente deve ser outro: o livro em si.

Porque cada livro contém um universo inteiro dentro de si, contém a sua própria fonte da eterna juventude, contém suspiros, desesperos, lições, lágrimas e sorrisos. Contém, para resumir tudo em uma palavra, vida. Há presente melhor que isso?

Dificilmente.

Hoje é véspera de Natal e, acredito, todos já estejam com seus presentes devidamente comprados e esperando apenas o momento certo da entrega.

E espero, sim, que muitos dêem e recebam livros, com todas as suas sabedorias embutidas.

Espero também que esses presentes tenham sido motivados pelo que eles representam, e não pelas lamentações de um mercado tão carente de inovação.

Mas, seja como for, o que espero mesmo é que esses livros inspirem todos nós a abrir cada vez mais as nossas mentes e a escrever muitas, muitas histórias no ano que vem.

Porque, no fundo, é isso que nos faz humanos: a nossa capacidade de ouvir e contar histórias.

Leia as histórias dos outros.

E conte a sua.

Feliz Natal.

 

 

 

 

 

 

 

Leia Mais

Quem mais ganha com essa crise distópica do mercado editorial brasileiro?

Em uma palavra: a Internet

Por que? Simples: a consequência imediata de uma crise cujo epicentro está nas duas maiores redes de livrarias físicas do Brasil é o desabastecimento de seus estoques locais. Sem receber pelos seus livros, as editoras não têm alternativa senão parar de entregá-los – seja de maneira consignada ou vendida – para empresas que se tornaram suas devedoras. O que elas estão fazendo, então? Buscando outros canais de venda, seja em marketplaces ou em livrarias online mais flexíveis, onde possam se fazer praticamente onipresentes sem a necessidade de entregar volumes grandes de exemplares físicos. Na Internet, afinal, o “produto físico” precisa existir apenas depois da venda, o que viabiliza modelos disruptivos e perfeitos como a impressão sob demanda. 

Mas e sob a ótica do consumidor, a que realmente importa?

Basta se colocar no lugar dele e imaginar uma jornada de compra tradicional: ele vai a uma livraria física, busca um livro e recebe de volta a informação de que o mesmo está fora de estoque. Ele faz isso uma, duas, três, quatro vezes. E, na medida em que o desabastecimento dos estoques das grandes livrarias físicas vai crescendo por conta de suas crises particulares, são cada vez maiores as chances dele ouvir um, dois, três, quatro respostas negativas. 

Se o consumidor estiver decidido a comprar um determinado livro, ele vai desistir por não encontrá-lo na sua Saraiva local? Pode até ser que sim… mas não é o que o leitor determinado costuma fazer. Desanimado com o prospecto de achar o que deseja nas ruas, ele rapidamente saca o seu celular e faz a busca na Internet. 

E lá, na Internet, ele certamente encontrará o que busca – seja no Clube de Autores, que imprime 100% sob demanda e que já está recebendo volumes imensos de títulos de pequenas e médias editoras, seja na Estante Virtual, que une em rede milhares de sebos espalhados pelo país, seja nos próprios e-commerces das livrarias tradicionais que, com centros de distribuição maiores, tendem a ter mais estoque que as suas unidades físicas dispersas Brasil afora. 

Aos poucos, de compra em compra, essa “solução” vai deixando de ser uma exceção e passando a se transformar em hábito, em cultura. Afinal, se os livros buscados passam a ser raros em livrarias físicas, mas facilmente encontráveis em diversos sites, por que sequer perder tempo caçando-os em lojas físicas? 

Em nossa opinião, nenhuma das duas grandes redes de livraria atualmente em recuperação judicial – Cultura e Saraiva – morrerão. São empresas grandes e representativas demais para sumir assim em um mercado que demanda cada vez mais livros. Elas se reestruturarão, mudarão seus processos e modelos e se readequarão. Serão forçadas a serem mais sustentáveis, o que acabará salvando-as. 

Mas, enquanto se repara o avião em pleno vôo, vai-se deixando como legado um efeito colateral importante: a crescente consolidação do hábito de se comprar livros pela Internet em detrimento de lojas físicas. 

E este hábito, por si só, abre tantas possibilidades para se agregar mais eficiência ao mercado que todos, leitores, autores, editores e até mesmo livreiros, já devemos comemorar. 

 

 

Leia Mais

Saudades da falta de saudosismo do México

A Feira Internacional do Livro de Guadalajara – FIL – foi marcante para nós por, principalmente, um motivo: o otimismo acelerado do mercado de lá. Do mercado, não: dos mercados, incluindo os sorridentes tons de vozes vindos dos representantes da Colômbia, Chile, Argentina e tantos outros.

Crise?

Quando eu comentava lá que, aqui no Brasil, o mercado editorial estava se desfazendo em lágrimas, a pergunta era sempre a mesma: “mas por que, se os leitores estão lendo cada vez mais livros?”

Não soube responder.

Ou melhor, soube – mas preferi me calar. Já postei aqui antes e repito agora: o único motivo pelo qual mercado editorial brasileiro está em crise é a insistência dos seus principais agentes em não mudar e em não perceber o quanto o mundo já estava diferente.

Quantas vezes nós, aqui no Clube, perdemos horas e horas em reuniões com editoras de todos os portes propondo a elas um modelo de trabalho sem estoque algum, baseado quase que exclusivamente na impressão sob demanda, o que eliminaria por completo os seus principais custos? Incontáveis. E quantas vezes essas propostas sequer tiveram retorno? Nenhuma.

Quantas vezes tentamos negociar com canais de venda espaço para autores independentes? Inúmeras. Tivemos sucesso apenas depois que o mercado chegou perigosamente perto do abismo.

Bom… entre recuperações judiciais e falências, aparentemente o mercado brasileiro está acordando. Fica pelo menos esta boa notícia para fechar 2018, embora ela venha recheada de lamentações de velhos editores sobre “os bons tempos” que já se foram. Pergunto-me: que bons tempos? Aqueles em que autores independentes não encontravam nenhuma alternativa para se publicar? Aqueles em que mesmo os já consagrados autores sequer sabiam quantos livros venderam, já que os números eram trancafiados a sete chaves? Aqueles em que poucos grandes grupos corporativos mandavam em tudo? Como é possível chamá-los de bons tempos??

Ah, esses velhos editores que cismam em viver de saudosismo!

Enquanto isso, no resto do mundo, deixa-se o passado para trás e foca-se no futuro. O que predominava de assunto na FIL, em Guadalajara? Melhores apps para se ler ebooks. Formas mais eficientes de se produzir impressos. Canais alternativos de distribuição. Estratégias para se globalizar a palavra escrita. Caça a novidades vindas dos quatro cantos do planeta que poderiam inspirar novos projetos para novos leitores.

Entre tantas novidades e olhares voltados para a frente, parecia não haver espaço na FIL para saudosismos como os tantos que encontramos aqui em nossas praias.

Deveríamos ter isso como lição: se quiser mudar, o mercado brasileiro precisa desesperadamente olhar para a frente e deixar o passado onde ele pertence: no passado.

Que os nossos mares – os maiores da América Latina, diga-se de passagem – sejam rápidos em levar os velhos editores saudosistas embora, deixando em nossas areias apenas os descobridores dispostos a criar o mercado realmente novo que tanto precisamos.

Leia Mais

Chegamos, ainda bem, no capítulo final da crise

Há uma ligação entre crise e pessimismo parecida com aquela história do ovo e da galinha. Isso é óbvio: quanto mais crise, mais pessimismo se estabelece em uma sociedade; quanto mais pessimismo, menos as pessoas ficam dispostas a se arriscar e, portanto, mais crise acaba sendo gerada.

Nós, brasileiros, sabemos bem disso: estamos encerrando o pior ciclo de recessão da nossa história.

Foram dois anos em que menos ideias se transformaram em negócios (por falta de investimento), menos experiências de vida foram somadas (por falta de oportunidade), menos histórias memoráveis, enfim, foram acumuladas.

Mas os números, pela primeira vez em muito tempo, parecem abrir algum caminho para que mudemos a nossa “agenda mental”. A inflação desacelerou fortemente, os juros baixaram, a produtividade cresceu e até as previsões do PIB das instituições mais conservadoras passaram a abrir mais sorrisos nos sempre tensos “mercados”.

Estamos navegando em céu de brigadeiro? Claro que não – não se sai de uma recessão dramática como a brasileira em um punhado de meses. Mas, em muitos casos, não precisamos cruzar a porta para mudarmos de ambiente: basta que consigamos enxergá-la. É simples assim.

E, agora, pela primeira vez em dois anos, essa porta parece visível.

Aproveitemos. Todo livro precisa de um final para que possamos partir para o próximo.

the end

 

Leia Mais

Bem vinda, crise política

Meu Facebook amanheceu em guerra na segunda-feira, um dia depois das eleições. Havia de tudo: esquerdistas dizendo que estariam buscando exílio em Cuba, direitistas comemorando em estado de euforia a estrondosa derrota do PT nas urnas. Havia gritos de guerra, clamores por resistências, medos e esperanças.

A única coisa que não havia era discurso de pacificação, de união, de calmaria pregado por quem quer que seja.

Não entrarei aqui com nenhuma opinião sobre o que é bom ou ruim para o Brasil e nem sobre as benesses de uma sociedade pacificada, por assim dizer: o foco desse blog é a literatura, não a política.

E, sob o aspecto puro da literatura, por mais paradoxal que seja, só temos a comemorar esse clima de guerra.

Literatura, como toda arte, tem nos conflitos o seu oxigênio mais puro.

100 Anos de Solidão foi parido no mesmo período em que toda a América Latina se transformava em berço de ditaduras sanguinárias. Proust escreveu boa parte de sua obra-prima às vésperas da I Guerra Mundial. Sartre mudou o mundo com A Náusea mais ou menos no mesmo período que a II Guerra Mundial se iniciou. Cervantes escreveu Dom Quixote, o livro mais lido de todos os tempos, ao final de uma devastadora guerra de 19 anos entre Inglaterra e Espanha. Memórias do Cárcere foi escrito enquanto Graciliano Ramos estava atrás das grades, como preso político, na era Vargas. O cubano Pedro Juan Gutierrez tem preciosidades como ‘O Rei de Havana’ escritas em decorrência da miséria animalesca que ele viveu na capital da ilha de Fidel. Exemplos de obras primas compostas em períodos de pura tensão são tantos que listá-los daria um livro à parte.

Sim, é claro que se encontrará grandes obras mesmo nos períodos mais calmos da humanidade: a literatura não segue uma receita, uma fórmula de aritmética básica. Mas é fato que períodos de grande turbulência política e social são especialmente férteis para a literatura.

Tenho uma opinião sobre isso: a arte, em todas as suas formas, é uma maneira de fazer a alma sobreviver às agruras da vida e do mundo. Em momentos com concentração de conflitos, consequentemente, há mais espaço, mais inspiração para se criar. Há mais tempo. Há mais disposição.

Há, sobretudo, mais necessidade.

Assim, me encontro em uma posição curiosamente contraditória.

Como cidadão, compartilho o sofrimento de ver o meu país tão dividido e cheio das mesmas absolutas certezas, para qualquer que seja o lado, que o fizeram chegar ao abismo em que se encontra. Torço para que todas as mazelas trazidas pela crise vão embora o quanto antes.

Como amante da literatura, por outro lado, observo esse situação de “semi catástrofe social” com um ar que excitação pueril, de ansiedade, quase que de felicidade por ter a certeza de que teremos como legado livros que mudarão a maneira de vermos o mundo.

Em resumo? Torço, claro, para que essa crise social vá embora o quanto antes – mas que, como diria o Vinícius, seja infinita o quanto dure.

Keiskamma-Guernica

Leia Mais