Os momentos Eureka

Acredito que o sucesso de qualquer indivíduo na busca pela sua própria felicidade pode ser medida pela quantidade de “Momentos Eureka” que ele tenha.

Quando se leva um cotidiano morno, basicamente composto de “acordar-trabalhar-dormir” e que, no longo prazo, vira algo como “nascer-procriar-morrer”, o ser humano acaba pulsando em suas veias tanta vida quanto uma planta. Nada contra plantas, claro: mas poder racionalizar o mundo em torno de nós é uma dádiva que poucas espécies tem.

Por que, então, não aproveitar isso melhor?

Racionalizar a vida é algo simples: basta prestar atenção em tudo o que nos cerca, bebendo os detalhes, observando as sutilezas e, na falta de uma palavra melhor, aprendendo. Pode ser qualquer coisa: um programa chato na TV, a chuva caindo em um dia cinzento, o suor pingando quando se corre no parque, uma apresentação entediante no trabalho. Qualquer mínima coisa carrega em si uma espécie de vida própria, de “novidade”, de mini caos a partir do qual formas e conceitos inteiros se originaram até se transformar no que vemos em sua superfície.

Isso pode parecer insano, quase lisérgico. Eu sei.

Mas, no final das contas, se você prestar atenção em cada detalhe como que descobrindo uma nova dimensão, acabará percebendo esse caos que pulsa nas novidades e não-novidades do nosso cotidiano.

E, ao perceber o caos, é como se pudesse beber de uma fonte de inspiração muito mais poderosa e intensa, muito mais nítida, muito mais relevante. Quando se aprende a observar, aprende-se a pensar, e mergulhar, a inovar.

É dessa observação que pode nascer um “Momento Eureka”: uma grande descoberta sobre algo igualmente grande ou até mesmo minúsculo, algo que possa mudar a vida de maneira indiscutível.

A regra, portanto, é simple: ignore as formalidades da monotonia e observe com olhar de lince cada detalhe que nos cerca. Descubra a alma de cada coisa, a confusão que a originou, o caos. Mergulhe nesse caos. Traga esse caos para a sua própria vida.

Dele, puxe algum “Momento Eureka” para si mesmo. E passe a colecioná-los, possivelmente ampliando o leque de “coisas diferentes” que pode passar a fazer na vida.

E, depois, escreva um – ou vários – livros.

Eureka descoberta

Leia Mais

Sobre os deuses Caos e Eros

Segundo os gregos, Caos foi a primeira divindade do universo, a primeira de todas as consciências supremas. Suas características: a desunião, a ausência, a confusão, a cisão.

Pior que o nada, o caos era uma espécie de pandemônio em que tudo o que existia morava em um caldo conflituoso, amorfo. Ele tinha um oposto que surgiu algum tempo depois: Eros, divindade que representava justamente a união dos elementos na primeira estipulação de ordem do universo.

E por que isso é importante? Porque há, obviamente, doses de caos em tudo o que nos cerca hoje.

Sempre que se percebe conflitos, ineficiências, frustrações em aspectos profissionais ou pessoais, é porque há algum tipo de manifestação de Caos na vida cotidiana.

E Caos pede Eros assim como confusão pede ordem.

Problemas, seja no âmbito pessoal ou profissional, pedem soluções. E a melhor maneira de se inovar é justamente perceber as pequenas ou grandes manifestações de Caos que transitam pelo cotidiano de um determinado perfil de público.

Quanto mais forte e disseminado esse caos, mais intensa é a oportunidade de negócio a ser buscada.

Muitos acreditam que inovar é sobre criar uma solução elegante para alguma coisa qualquer e esquecem que o ponto mais importante é detectar um problema concreto, crítico, a ser resolvido. Mas inovar não é ciência criativa: é a arte de perceber problemas reais, de enxergar o Caos em seus mínimos contornos.

A solução, tal como Eros, é o que vem depois. É o segundo passo.

Ou, colocando em outros termos: não há livro ou história que sobreviva à falta de conexão com a realidade, os sonhos ou as angústias de seus leitores.

assasn-14li_banner_0

Leia Mais

Juro que estou sendo otimista!

Um amigo meu me disse que eu estava muito pessimista com o mundo. Disse que estava escrevendo demais sobre a morte da arte, sobre o ano que vem ser mais caótico que esse etc. etc. etc.

É verdade que tendo mesmo a enxergar (ou mesmo a buscar) o caos em cada cenário com o qual me deparo. Mas isso seria pessimismo? Não sei.

Como diria Hamlet, não existe o bom ou o ruim: o que existe é a nossa opinião sobre as coisas. A meu ver, todo caos é essencialmente positivo. É o que nos instiga a pensar, o que nos tira da zona de conforto, o que gera inovações nas artes e na vida. É o que faz o nosso sangue pulsar.

Que graça teria a vida de Pi sem seu conflito com o mar e o tigre, para ficar apenas em um exemplo?

E, se a vida imita mesmo a arte, que graça tem viver sem obstáculos quaisquer a serem transpostos, sem batalhas a serem travadas, sem caos a ser normalizado? Afinal, nossa vida tem um tempo contado – e tenho como certo que ela vale mais na medida em que somamos mais histórias em nossas memórias.

Em outras palavras: entendo que precisamos de caos e conflitos para celebrar a nossa própria humanidade e não vivermos como planta. Quem quer viver como planta, afinal??

A esse meu amigo, portanto, – que espero estar lendo este relato – respondo então que não há pessimismo em toda essa escuridão pintada aqui nos últimos posts. Ao contrário: quer ambiente mais otimista para quem gosta de criar histórias do que um que soma tempestade atrás de tempestade?

4b6d8af5a49ba64ccfcf3707af2bbece

Leia Mais

Por que 2017 será um ano ainda mais caótico que 2016

É difícil achar algum brasileiro que tenha achado este ano de 2016 calmo, tranquilo, leve.

Tivemos de tudo: recessão, impeachment, Olimpíadas, prisões, gastrite.

É também difícil achar um brasileiro que não esteja torcendo por um 2017 mais calmo. Bom… sinto informar, mas os tempos de calmaria ficaram definitivamente em nosso passado.

O ritmo dos nossos tempos é frenético: hoje, clamamos por mudança sem sequer saber porque queremos mudar ou se uma mudança seria necessariamente melhor.

Quer um exemplo? Sem entrar em ideologia política nenhuma, pergunte a alguém próximo o que pensa da PEC 241, a mesma que está gerando protestos por todo o país. Você provavelmente ouvirá de uma esmagadora maioria, principalmente dos mais jovens, opiniões inflamadas, de um radicalismo absolutamente apaixonado. OK.

Em seguida, pergunte – exigindo honestidade – se este mesmo carrasco ou árduo defensor da PEC do Teto de Gastos se deu ao trabalho de ler os seus pouquíssimos parágrafos na íntegra.

Você provavelmente ouvirá um desconcertante silêncio.

Onde quero chegar com isso?

No eterno clamor pela mudança em uma versão política do arcadismo: mudar por mudar.

E isso não é um fenômeno unicamente brasileiro, acrescento. Sabe quais foram as três buscas mais feitas no Google por cidadãos britânicos horas depois deles votarem na saída do Reino Unido da União Europeia?

  1. O que significa deixar a União Europeia?
  2. O que é União Europeia?
  3. Quais os países que fazem parte da União Europeia?

Tenso, não? “Primeiro mudemos, depois entendamos porque e para que mudamos.”

Tendo a crer que a vitória de Trump também seja um exemplo perfeito da vitória do cheiro de mudança sobre a sua aparência real.

Há uma conclusão óbvia a se traçar daqui: se as populações do mundo estão impondo mudanças sem sequer entendê-las, então não há como dizer que todas serão para melhor. Ao contrário: estamos ativamente participando de sucessivas roletas russas sócio-políticas geradas pelo casamento da nossa preguiça de se aprofundar com nossa ansiedade de opinar.

Não há como esperar um resultado calmo e próspero de um cenário assim. Ao contrário: só há como esperar o caos.

Que seja assim: boas histórias, pelo menos, certamente serão escritas.

Caos, afinal, é a maior musa inspiradora da humanidade.

maxresdefault

 

 

 

 

 

 

 

Leia Mais

Que os mares revoltos tenham ficado para trás

Ultimamente, tenho tido a sensação de que um ano novo está começando agora, em maio.

Não digo isso com a ingênua esperança de que todos os problemas do Brasil se resolvam com o impeachment da presidente, a passe de mágica. Problemas, aliás, esse nosso país tem de sobra.

Mas, se a certeza sobre os próximos capítulos em nosso futuro não é exatamente nítida, é inegável que ela é muito, mas muito menos nebulosa que esse passado recente. Nos últimos meses o Brasil foi ditado pela incerteza: enquanto acumulamos números cada vez mais devastadores comprovando o que víamos nas ruas – desemprego, inflação e uma destruição sistemática de mercados inteiros – não tínhamos nenhuma vaga noção do que aconteceria.

O impeachment passaria na câmara? Não quero entrar em política aqui, mas a existência de duas hipóteses garantia uma incerteza devastadora para quem quer que busque estabilidade.

Agora, parece claro que teremos uma espécie de governo de transição. Repito: não quero entrar em política ou fazer qualquer juízo de valor sobre políticos ou partidos. Mas agora já sabemos quais serão os próximos passos. Esses próximos passos incluem a tomada de uma série de medidas já virtualmente anunciadas por meio de sites escancaram os bastidores do país.

Esses próximos passos anunciados já permitem que todos nós consigamos atuar com um mínimo de planejamento. Embora sem conseguir saber os resultados das ações que serão tomadas pelo novo governo, pelo menos sabemos, com algum grau de segurança, quais serão essas ações – e conseguimos assim nos preparar de acordo com as nossas capacidades de dedução e percepção.

Os nossos governantes – todos eles, acrescento – passaram os últimos anos nos tirando o que é mais importante para qualquer sociedade estável: a previsibilidade das perspectivas. Os nossos governantes, tanto da situação quanto da oposição, fizeram uma lambança tão grande que, hoje, estamos na esdrúxula situação de comemorar o reveillon em pleno mês de maio.

Mas, como diz o ditado, antes tarde do que nunca.

Pelo que estamos acompanhando, os mares mais revoltos estão finalmente ficando para trás e a tão sonhada calmaria, embora ainda no futuro, já começa a alcançar as nossas cansadas vistas. Ao que parece, conseguimos atravessar o pior dessa crise.

Que venha um novo capítulo.

E que ele seja mais fácil do que o último.

1134198-bigthumbnail

Leia Mais