Como definir o preço de um livro

Essa é uma das maiores dúvidas de autores independentes: como se definir o preço de um livro? Deve-se buscar sempre o preço mais baixo? Até que ponto vale a pena ou é efetivo abrir mão de direitos autorais para vender mais? 

O Clube de Autores acaba de lançar um guia sobre Como Definir o Preço do Seu Livro, disponível gratuitamente aqui. Quer saber como funcionam os modelos de estabelecimento de preço tanto no caso de editoras tradicionais quanto na autopublicação? E na comparação entre impressos e ebooks? 

Tudo está lá no guia. Mas, antes, cabe uma pequena introdução teórica sobre a dinâmica da precificação:

O preço é o elo universal entre autor e leitor, oferta e demanda; quanto maior a demanda, mais valiosa pode ser a oferta

O único ponto comum que liga todos os livros já publicados no mundo, em todas as sociedades e por toda a história, é que todos têm e sempre tiveram um preço. E sim: esse preço até pode ser subsidiado pelo Estado (no caso de livros didáticos para escolas públicas, por exemplo) ou pelo autor (quando este decide distribuir a sua obra gratuitamente, normalmente em formato ebook). Mas, de uma forma ou de outra, ele existe e, se não houver ninguém disposto a pagá-lo, o livro simplesmente deixará de existir.

No mercado tradicional, no qual todos estamos inseridos, este alguém costuma ser o leitor, o consumidor. E como ele toma a sua decisão? Da mesma forma que ele decide sobre a compra de um novo smartphone ou de uma barra de chocolate: medindo o tamanho do seu desejo pelo livro e desenhando uma conta em sua mente que define quanto esse desejo efetivamente vale.

Se um leitor estiver extremamente interessado em uma determinada história, ele estará também disposto a pagar mais por ela; se seu interesse for pequeno, no entanto, qualquer quantia mais significativa será potencialmente proibitiva.

Quer um exemplo óbvio?

O livro Sapiens – Uma Breve História da Humanidade, de Yuval Noah Harari, passou meses nas listas de mais vendidos do Brasil e do mundo entre 2017 e 2018. Em outubro de 2018, ele estava sendo vendido por R$ 59,90 – cerca de 50% acima do preço médio de um livro no Brasil no mesmo período (R$ 40,31, de acordo com o Sindicato Nacional de Editores de Livros – SNEL – e a Nielsen).

Se a lógica do leitor fosse exclusivamente financeira, portanto, esse livro seria um fracasso, e não um campeão absoluto de vendas.

O que, então, fez a diferença? O que permitiu que Sapiens tivesse um sucesso tão astronômico mesmo custando tão mais caro que a média? A maneira com que sua oferta foi feita.

Sapiens tem um enredo quase único, abordando sob uma ótica extremamente peculiar fatores como história, evolução e biologia. Ou seja: a concorrência em torno do tema é praticamente nula.

Sua sinopse é bem trabalhada; suas críticas são extremamente positivas e publicadas em sites e veículos de comunicação de peso; sua capa salta aos olhos; o autor é facilmente encontrado nas redes sociais, seja em vídeos de palestras ou artigos públicos. Traduzindo tudo isso em um só raciocínio: conseguiu-se criar uma desejabilidade em torno do livro que fez com que o leitor julgasse justo o preço de R$ 59,90.

E, daqui, extrai-se a primeira regra: ao invés de concentrar toda a estratégia comercial no preço do seu livro, foque-se na criação de desejabilidade. Faça as pessoas quererem comprar a sua história pela força magnética dela, e não apenas pelo preço.

Quanto mais desejabilidade você conseguir gerar sobre sua obra, mais conseguirá cobrar por ela – e mais conseguirá ganhar.

Mas, claro, há aspectos técnicos importantes e que vão muito além disso na definição de um preço. Quer conhecê-los? Então clique aqui e baixe o nosso manual gratuito!

 

Leia Mais

Como publicar um livro

Conheça as três formas de se publicar um livro no Brasil

Publicar um livro continua sendo uma das grandes dúvidas de autores independentes de todo o país – até porque, se teve uma coisa que se agravou de alguns anos para cá, foi a situação da imensa maior parte das editoras tradicionais. 

Mas vamos por partes: há, tradicionalmente, três maneiras de se publicar um livro – e apenas uma é gratuita. 

1) Sendo patrocinado por uma editora

Essa é, de longe, uma das “saídas” mais desejadas por autores. O raciocínio é simples: uma editora tradicional o descobre, paga uma equipe para trabalhar leitura crítica, revisão, diagramação e capa, banca todo o marketing e garante que o livro esteja nas vitrines das maiores livrarias do país. E, a partir daí, é só aguardar o dinheiro chover torrencialmente na conta na mesma medida em que pedidos de palestras e entrevistas vão aparecendo.

Não deixa de ser um ideal romântico… mas está muito, muito longe da realidade atual. Por quê? Porque, hoje, a grande maior parte das editoras não tem mais capital para investir em novos talentos como fazia no passado. O que elas fazem então? Apostam – se é que essa palavra possa ser usada – apenas em títulos que já se provaram best-sellers, incluindo livros de autores nacionais já consagrados ou traduções de obras que fizeram grande sucesso no exterior. 

Assim, se você tentou esse caminho e não teve sucesso, não se desespere: isso é comum. Diria mais: esse também já deixou de ser o caminho preferido até mesmo dos grandes autores que, intermediados por uma editora, perdem o contato direto com o público e até mesmo a noção exata de como estão as suas vendas. 

2) Pagando pela publicação

Por conta dessa dificuldade de mercado, muitas editoras menores diversificaram seus modelos de negócio e criaram o que, lá fora, se chama de “vanity press” (ou “editoras de vaidade”). 

O raciocínio? Elas continuam prestando os serviços de revisão, diagramação etc., dando uma assessoria editorial completa e garantindo uma tiragem razoável – mas fazem o autor pagar por isso. 

O lado positivo? O livro realmente costuma sair bem feito, bem trabalhado. O negativo? Dada a explosão de títulos, dificilmente essas editoras conseguem bons posicionamentos em livrarias tradicionais, o que significa que você terá pago (caro) para ter centenas ou milhares de exemplares do seu livro… em sua casa. 

3) Autopublicando-se

E é aqui que entra o Clube de Autores, primeira e maior plataforma de autopublicação do Brasil. 

O conceito é simples: o próprio autor entra no site, publica seu livro e deixa ele disponível à venda. Vendeu como e-book? A leitura é liberada. Vendeu como impresso? O livro vai para uma gráfica que imprime apenas aquele exemplar vendido que, em seguida, segue para o leitor. 

Ou seja: o autor não paga nada e recebe exatamente o que determinou como seus direitos autorais no ato da publicação, podendo acompanhar seu extrato de vendas online, em tempo real. Simples, não? 

Com um bônus importante: ao publicar o livro no Clube de Autores, ele é distribuído para as maiores livrarias online do país, incluindo Amazon, Livraria Cultura, Estante Virtual, Submarino, Americanas e outras. 

Publicar no Clube de Autores, portanto, significa não pagar nada e, ao mesmo tempo, ter o seu livro disponível nas maiores livrarias do Brasil, podendo acompanhar as suas vendas em tempo real. 

Mas isso não significa que você não terá trabalho nenhum, claro. Por ser um modelo de autopublicação, o próprio autor deve se responsabilizar por tudo: revisão do texto, capa, diagramação etc. Na maior parte dos casos, os escritores conseguem negociar diretamente com amigos que façam esses serviços ou contratar em sites como o Profissionais do Livro, que reúne milhares de prestadores de serviço do ramo. Seja como for, há um guia de publicação que pode ajudar bastante e pode ser acessado clicando aqui

Mas, seja como for, o caminho nunca esteve tão aberto para autores iniciantes quanto com o Clube de Autores, que iniciou suas operações em 2009 e, hoje, conta com cerca de 70 mil títulos publicados e distribuídos pela sua plataforma. 

 

 

 

 

 

Leia Mais