Trabalhe seu livro

Você está buscando o devido reconhecimento como escritor?

A hora é agora.

Não será, já antecipo, uma jornada fácil: há dezenas de milhares de novos escritores competindo por olhos todos os anos, meses, semanas, dias. A cada hora que passa – ainda bem – novas histórias incríveis são publicadas aqui no Clube, todas contribuindo com um movimento evolucionário sem paralelos do mercado editorial brasileiro.

E cada uma delas, claro, está atrás da mesma coisa: a atenção, a concentração, a imaginação sempre esfomeada da massa anônima de leitores.

Para autores, o mercado editorial sempre foi um dos mais ferozes campos de batalha.

O que mudou?

A democratização da oportunidade.

Se você não leu ainda os últimos posts aqui no blog sobre o Clube Select, recomendo que o faça. Pela primeira vez no mundo, livros autopublicados estão recebendo tratamentos tão sofisticados quanto os grandes bestsellers em um movimento pioneiro de desvendamento de novos talentos.

Se acredita em suas histórias e em sua carreira, publique seu livro aqui no Clube. E esforce-se, escute críticos, aprimore seu “produto”, deixe-o nas condições perfeitas para que ele possa fazer parte do acervo do Select.

Trabalhe seu livro.

Nós, daqui do Clube, faremos o possível e o impossível para apoiá-lo.

Leia Mais

Clarice chega ao Clube trazendo inteligência artificial ao atendimento

No final da semana passada, colocamos no ar um robô de atendimento para facilitar a resposta a dúvidas da comunidade de autores sobre os mais diversos assuntos.

Clarice – como batizamos nosso primeiro robô, em homenagem à Clarice Lispector – estreou no Facebook Messenger, onde já está interagindo com diversos autores e leitores, e em breve irá também para o atendimento no site do Clube (mais especificamente na área de dúvidas).

A ideia não é eliminar o atendimento humano, hoje encabeçado pelo Fred, mas sim agilizá-lo.

Como quase 70% das dúvidas que recebemos referem-se a processos normais de publicação – quase todos respondidos já no site – Clarice fará essa intermediação inicial com capacidade de retorno para o autor diretamente via chat, em uma fração de segundos.

E, claro, ela também encaminhará dúvidas mais específicas, cujas respostas não souber, ao Fred e à nossa equipe.

Para nós, não deixa de ser um novo membro da equipe – o primeiro cyborg que contratamos, por assim dizer.

Seja bem-vinda ao Clube, Clarice!

Leia Mais

Qual a média de preço de livro no Brasil?

Definir o preço de um livro não é exatamente uma tarefa fácil – há toda uma série fatores a se levar em conta que vão desde as características físicas da obra (quantidade de páginas, gramatura do miolo e da capa etc.) até o tema abordado nela. 

E não, não acreditamos ou aconselhamos que se tome como regra sagrada a máxima de se estabelecer o preço de um livro no menor patamar possível ou mesmo cirurgicamente dentro da média brasileira. Cada livro é um livro, cada realidade é uma realidade. 

Ainda assim, parâmetros são sempre importantes para nos dar uma base, uma visão de quanto, ainda que na mais grosseira das médias, o brasileiro costuma pagar por um livro. 

O dado mais recente que temos é o do ano passado, 2017, que fixa o valor em R$ 40,31 (pouco mais de 1% acima de 2016 e de 10% acima de 2015). Veja no gráfico abaixo: 

 

 

E o seu livro? Quanto ele está custando? Está dentro, acima ou abaixo da média? 

Quer saber quais outros parâmetros você deve levar em consideração na hora de definir o preço do seu livro? Simples: baixe o nosso manual :-)

Leia Mais

Deixemos, então, o nosso legado

Na sexta passada eu fiz aqui um post, digamos, meio pessimista quanto ao estado em que nos encontramos enquanto país e sociedade. E, verdade seja dita, fica difícil escrever otimismos dado o cenário em que vivemos.

Por outro lado, há sempre um lado extremamente positivo sobre a História: ela é infinita. Se nosso presente tem sido marcado por tropeços e escândalos do passado, temos também a chance de escrever um futuro muito, muito diferente desses tempos em que vivemos.

Como?

Fazendo o que mais amamos: escrevendo.

Porque futuros não são feitos do livre-arbítrio desconectato de quem quer que seja que apareça do nada no cenário nacional. Futuros são criados a partir de desejos de manutenção ou mudança de realidades, de visões e percepções generalizados dos povos que compõem uma determinada sociedade.

E quem registra esses cenários, essas realidades?

Nós, escritores.

Somos nós que, coletivamente, pintamos o retrato perfeito da nossa sociedade por meio de enredos, personagens e tramas que se encaixam nos mundos em que vivemos.

Somos nós que damos emoção, carne e osso aos sempre frios fatos e estatísticas.

Somos nós que formamos a época em que vivemos.

E essa é, pois, a mais importante das contribuições que podemos fazer ao nosso país e ao nosso mundo: escrever.

E publicar.

E fazer o máximo possível de leitores entender que estão lendo uma versão pluridimensional das suas próprias vidas.

Leia Mais

Há o que se comemorar hoje?

Hoje é de setembro, dia da nossa Independência.

Na semana passada, um dos mais importantes museus da nossa história desapareceu, sob chamas, por culpa do mais puro descaso dos que deveriam ser as nossas autoridades.

Estamos em plena época eleitoral em que a maior crítica do eleitor é justamente a falta de candidatos capazes de honrar o cargo a que se propõem.

Nossa atual classe política divide-se entre o congresso e o presídio.

Nossas cidades estão infestadas de violência e arruinam-se em tons opostos aos esperançosos ufanismos de candidatos de todos os partidos.

Há o que se comemorar hoje?

Difícil responder. Mas há – e isso é indiscutível – muito a se pensar e repensar sobre o que queremos para o nosso futuro.

Leia Mais