Adversidades, aventuras, histórias

Em 1914, um grupo de exploradores ingleses decidiu lançar-se em uma missão sem paralelos: cruzar, pela primeira vez na história, toda a imensidão da Antártida, passando pelo polo sul ao longo do caminho. Seria uma viagem repleta de riscos, feita em uma época praticamente sem comunicação (o rádio estava apenas nascendo e não haveria como a tripulação se comunicar com o continente), em um barco inevitavelmente frágil para as condições e com chances pequenas de sucesso.

Para piorar, o montante pago para os marinheiros seria praticamente simbólico: quem quisesse se candidatar para a jornada o faria principalmente em nome da aventura. Veja, por exemplo, o anúncio postado nos jornais britânicos pelo chefe da expedição, o já famoso Ernest Shakleton:

Na tradução: “Procura-se homens para jornada perigosa, pagamento pequeno, frio intenso, longos meses em completa escuridão, perigo constante, jornada de volta duvidosa, honra e reconhecimento em caso de sucesso.”

Se os humanos fossem racionais, nem um único teria aparecido no endereço para entrevistas, no número 4 de Burlington Street, em Londres. Mas não somos: 5 MIL candidatos se ofereceram para as pouco mais de 25 vagas disponíveis.

O que isso prova?

Que, no fundo, o que nos move é a caça por boas histórias de vida – principalmente as que se traduzem em aventura perigosa, do tipo que capaz de absorver a plena atenção das multidões quando contadas em primeira pessoa.

No caso do Endurance – o nome do barco comandado por Shakleton – a aventura foi desastrosamente incrível: o navio afundou nos arredores da Antártida, forçou a tripulação a sobreviver por mais de um ano acampada em cima de um iceberg que, lentamente, ia se desfazendo, até que ela se lançou ao mar em pequenos barcos rumo à relativa segurança de uma ilha inóspita e, de lá, partiu em busca de socorro centenas de milhas ao norte.

A história do Endurance, imortalizada em um livro homônimo, é, até hoje, considerada uma das sagas de sobrevivência mais incríveis da história da humanidade. Eles não conseguiram cumprir a meta original da expedição. Ao contrário: sequer conseguiram pisar nas beiradas do continente antártico. Mas conseguiram cumprir, de longe, a meta efetiva: imortalizar-se em uma aventura sem precedentes, fazendo as suas vidas singularizarem-se, destoarem-se definitivamente, das dos outros bilhões de homens que perambulam nas ordinariedades do cotidiano convencional.

E aqui volto ao ponto principal do post: a sobrevivência em si chega a ser coadjuvante para a saga do Endurance. O importante, o fundamental, foi a história construída por esses bravos exploradores que enfrentaram fome, hipotermia, medo, sede e desconforto extremos em busca unicamente de uma aventura inesquecível. De um sobrenome para eles mesmos. De um legado para passarem adiante.

Valeu a pena?

Para os sobreviventes, e segundo os próprios, sim.

Para nós, que hoje podemos nos deliciar nos relatos emocionantes do impensável que eles viveram, idem.

Não há conclusão diferente que se possa chegar exceto a de que viver, ao menos no sentido filosófico da palavra – o único que realmente conta -, vale a pena mesmo apenas quando nos dispomos e enfrentar adversidades e escrever, a partir delas, as mais inspiradoras histórias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *