Livros são mesmo caros?

Há um mantra que o brasileiro costuma repetir sem parar como uma espécie de justificativa para seu baixo hábito de leitura: “livro é caro no Brasil”.

Vamos lá: um livro, hoje, tem um ticket médio de cerca de R$ 35. Por R$ 35, possivelmente acrescido de frete (caso a compra seja via Internet), compra-se um bem que pode durar um mês inteiro, que certamente o fará crescer intelectualmente e que trabalhará o seu cérebro como nenhum outro bem comercializável. Por R$ 35, em média, pode-se mergulhar na mitologia grega, conhecer países distantes, voar por outros universos e questionar as próprias leis da física. Tudo isso, claro, gerando uma sequência de sinapses que alimentarão o nosso órgão mais relevante, o cérebro, por um bom tempo.

E tudo isso por R$ 35. Uma barganha.

Façamos então uma comparação básica: em uma cidade como São Paulo, uma ida ao Cinema custa algo como R$ 100 (quase três vezes mais que um livro). Ainda assim, o brasileiro vai, em média, 8 vezes por ano ao cinema – mas lê pouco mais de 2 livros no mesmo período.

Veja: não quero criticar o cinema com isso. É um outro tipo de entretenimento que também enriquece o espectador e alimenta o cérebro. Mas é esse abismo entre as duas opções que causa estranheza. Afinal, se preço fosse realmente um impeditivo, ele também seria aplicável à telona.

O brasileiro não lê pouco porque o livro é caro: ele lê pouco porque não quer ler mais, seja por falta de interesse ou por excesso de preguiça.

Como leitor ávido, munido da certeza de que não há sociedade que evolua sem o hábito da leitura, torço para que essa realidade mude (como, verdade seja dita, já está mudando).

Mas, dizem, o primeiro passo de qualquer mudança é reconhecer onde está o problema real e parar de atacar inimigos fictícios.

541507_10150611954575841_216169690840_9286757_1088151869_n-550x156

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *