A inspiradora forma com que um livro é gerado

Certamente eu não sou o único a passar horas no trânsito entre a casa e o trabalho. Ficar preso em carros, ônibus e metrôs, afinal, são uma constante das grandes cidades brasileiras, de norte a sul.

A questão é: o que fazer com o tempo em trânsito?

Na semana passada eu fiz um post sobre audiolivro – mas acabei me deparando com algo muito, muito mais impressionante: a história de Jessé Andarilho.

Sabe o que ele fazia nas 4 horas diárias em que ficava preso em ônibus?

Escrevia um livro. E pasmem: no celular.

Fora o fato de que ele deve estar com uma tendinite bem tensa, o resultado foi publicado recentemente pela Editora Objetiva e se chama Fiel.

Uma breve sinopse:

“A vida de Fiel não é fácil. Quando a chapa esquenta, é ele quem segura o rojão e fica no olho do furacão, pois o patrão está longe. O livro retrata fielmente a realidade vivida em muitas favelas do Brasil. A escrita é interna, vinda de um cara que viveu ali, bem de perto, e só não se afundou na criminalidade porque foi resgatado pela arte” – MV Bill, rapper e escritor

Na linha de sucessão de escritores como Ferréz e MV Bill, surge Fiel, de Jessé Andarilho. Baseado em histórias reais que conteceram com o autor, seus amigos e conhecidos, o primeiro romance do carioca de 33 anos conta a vertiginosa ascensão e a queda de um menino no tráfico carioca. Fala também, com propriedade, da vida de centenas de jovens das periferias, favelas e comunidades das grandes metrópoles. Com mais um diferencial curioso: foi todo escrito pelo autor nas teclas de um celular para ocupar o tempo que passava dentro do trem a caminho de casa para o trabalho e vice-versa, muitas vezes em pé.

Nascido no Rio de Janeiro em 1981, no bairro do Lins, Jessé foi criado em Antares, conjunto habitacional popular criado no início da década de 1970 na Zona Oeste da cidade, para receber moradores de favelas removidas da Zona Sul. Seu interesse pela literatura e pela escrita começou por acaso, quando ganhou de presente o livro Zona de Guerra, de Marcos Lopes. Saiu dizendo para todo mundo que tinha muitas histórias como as do livro para contar. Até que ouviu de um amigo: “Tem história melhor que a do cara, então vai lá e escreve!”. Jessé não pensou duas vezes e começou a escrever. Assim nasceu o Fiel e também o codinome Andarilho.

“Este frenético romance é prova cabal de que a capacidade criativa e empreendedora do povo carioca chegou à literatura, depois de passagens exitosas pela música, pelo teatro e pelo cinema”, escreve o jornalista e também escritor Julio Ludemir. “Também é emblemático desses tempos que um cara que se autodenomina Andarilho tenha narrado o mundo que o cerca viajando de trem, que é um símbolo do apartheid carioca, que mantém a quase totalidade da sociedade aprisionada em guetos controlados ora pela milícia, ora pelo tráfico. Jessé rompeu os grilhões do gueto para produzir um livro que nos liberta a todos”, continua Ludemir.

Curtiu? Então acesse o site da editora, saiba mais e mergulhe na história!

Ricardo Almeida.

3 comentários em “A inspiradora forma com que um livro é gerado

  1. Em todo fim de ano, toda virada, repetem-se votos como “nesse ano leia um livro”. Li muitas obras até me sentir pronto para escrever as minhas.
    Escrever um livro é como imprimir sua personalidade no papel, explicita ou mascaradamente. Mais do que mero testamento existencial particular, é deixar um legado intelectual à posteridade. É deixar um retrato de uma época, uma vida, de quem você realmente é ou poderia ser.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *