Quer tomar posse como Juiz do Trabalho?

Em todos os países – mas, em especial, aos que estão em desenvolvimento, como o Brasil – a Justiça do Trabalho exerce papel fundamental. É por ela que a legislação se faz cumprir e que o relacionamento entre empregado e empregador são afinados, resguardando direitos e deveres de todos.

Com papel tão decisivo para a própria democracia, é imprescindível que os seus guardiões – os Juízes do Trabalho –  sejam altamente preparados e capacitados para os seus cargos.

Nesse caso o preparo começa já antes do cargo – nas provas e concursos responsáveis por um processo seletivo altamente competitivo.

O preparo para esse processo seletivo é o alvo dos livros “Estudos de Sentença Trabalhista – Volume 1” (Clube de Autores, 337 páginas, R$ 134,63) e “Estudos de Sentença Trabalhista – Volume 2” (Clube de Autores, 297 páginas, R$ 131,15).

O Clube dos Autores conversou, em exclusividade, com a autora, a Juíza Renata Maria Miranda Santos. Acompanhe:

Clube de Autores: Conte um pouco sobre você e a sua trajetória profissional.

Renata Santos: Nasci em Taubaté/SP, há 47 anos. Descobri a área jurídica por volta dos 30 anos, quando iniciei a faculdade, meio por acaso, pois pretendia fazer concurso para Fiscal de Rendas (minha formação até aquele momento era toda voltada para a área de Exatas).

Quando cursava o terceiro ano da graduação fui chamada para assumir o cargo de técnico judiciário na Vara do Trabalho de Taubaté. Ao mesmo tempo, comecei a ter aulas de Direito do Trabalho na faculdade, e me apaixonei pela matéria. Incentivada pelos professores e Juízes com quem trabalhava, voltei meus estudos para a área trabalhista, com a intenção de ingressar na Magistratura do Trabalho.

Porém, logo após a colação de grau, por motivos de saúde, precisei adiar o sonho, e quase desisti dele. Por alguns anos, dediquei-me apenas ao trabalho como servidora, sempre trabalhando como assistente do Juiz titular, e me especializei em cálculos trabalhistas.

Ao final de 2001, descobri que estava insatisfeita profissionalmente, e que realmente minha vocação era ser Juíza do Trabalho. Reiniciei meus planos de estudos para o concurso. Depois de cinco anos, muitos concursos e reprovações, fui aprovada no XII Concurso do Tribunal Regional do Trabalho da 13ª Região, Paraíba, no final de 2006.

Clube de Autores:  Desde 2007, a senhora promove cursos virtuais sobre sentença trabalhista. Poderia falar um pouco sobre eles?

Renata Santos: Em 2005, quando ainda era concurseira, devido à experiência adquirida como servidora de Vara Trabalhista e por ter feito um curso excelente em São Paulo, com o Dr. Homero Batista Mateus da Silva, comecei a participar de discussões sobre sentença trabalhista em fóruns e alguns grupos de estudos na internet –  e nunca mais parei.

Meses após minha aprovação, uma participante de um desses grupos começou a pedir insistentemente que eu corrigisse os exercícios de sentença que ela fazia. Nunca pensei em criar um curso, mas devido à insistência dessa concurseira, que hoje é muito minha amiga e agora colega de profissão, acabei aceitando o desafio e passei a receber alunos, alguns dos quais já aprovados.

O método do curso é muito simples: envio a prova para o aluno e ele faz a sua própria resolução dentro de um determinado prazo, ao fim do qual recebe a correção e uma sugestão de resposta. Toda a comunicação é por e-mail.

Clube de Autores: Como e de onde surgiu o impulso para escrever os seus livros?

Renata Santos: Os livros são fruto desse curso. Resolvi publicar alguns modelos atendendo a pedidos não só de alunos, mas também de pessoas não têm tempo para fazer os exercícios com regularidade.

Clube de Autores: Os seus dois livros publicados no Clube de Autores, “Estudos de Sentença Trabalhista – Volume 1” e “Estudos de Sentença Trabalhista – Volume 2“, referem-se ao concurso para Juiz de Trabalho Substituto. Poderia falar um pouco sobre eles?

Renata Santos: Os livros tem algumas dicas sobre estratégias para resolver a prova de sentença trabalhista. São lições simples, acumuladas com a prática de concurseira, e também como professora.

No restante do livro apresento o texto integral das provas abordadas e uma sugestão de resposta para cada uma delas, elaborada com base na doutrina e jurisprudência, principalmente do Tribunal Superior do Trabalho. Quase sempre os textos são formados com trechos de diversos julgados, para que o aluno tenha contato com o entendimento atual sobre as matérias envolvidas nas provas.

Clube de Autores: 
Quais as principais dificuldades que um candidato enfrenta nos concursos e como os seus livros podem ajudar?

Renata Santos: O concurso para a Magistratura Trabalhista é muito difícil, e a tendência é que a seleção se torne cada vez mais rigorosa. A disputa é acirradíssima, mas há muita camaradagem entre os candidatos, que partilham material de estudo, experiências, dúvidas e conhecimento, principalmente através da internet, em grupos de estudo e listas de discussão.

Atualmente, o concurso de provas e títulos tem cinco etapas, sendo quatro eliminatórias (provas) e uma classificatória (títulos). A primeira prova é de conhecimentos gerais, de múltipla escolha, envolvendo diversos ramos do Direito. A prova de conhecimentos específicos é dissertativa e versa sobre Direito Constitucional, Direito Administrativo, Direito Civil, Direito Processual Civil, Direito do Trabalho (Individual e Coletivo) e Direito Processual do Trabalho.

A prova de sentença é prática e pode envolver qualquer um dos pontos do programa. O candidato aprovado nas três primeiras fases é submetido a uma prova oral, com duração média de uma hora, perante uma banca formada por dois Juízes e um representante da OAB. Por fim, os candidatos aprovados no concurso apresentam os títulos que possuem (publicação de livros, artigos, pós-graduação, mestrado e doutorado, dentre outros), que são julgados por uma banca. A pontuação é somada à média já obtida nas fases eliminatórias. Como se vê, a cada fase, o grau de dificuldade aumenta, e o número de candidatos aprovados diminui sensivelmente. Muitas vezes, sobram vagas ao final do concurso.

Sempre aconselho os alunos a resolverem a prova de sentença mediante pesquisa nos livros e na jurisprudência, porque dessa forma estudam Direito Material e  Direito Processual ao mesmo tempo em que aprendem a resolver sentenças. Assim, embora os meus livros abordem especificamente a prova de sentença trabalhista, também podem ajudar nas demais provas, porque envolvem muitos pontos do programa do concurso que podem ser exigidos nas demais fases.

Sobre a autora:

Renata Maria Miranda Santos graduou-se em Direito pela Universidade de Taubaté – Unitau, em 1995. Foi servidora do Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região de 04/03/94 a 09/01/07, ocupando as funções  de secretária de audiências, assistente de juiz e assistente de cálculos trabalhistas. Atualmente, é Juíza do Trabalho Substituta do Tribunal Regional do Trabalho da 13ª Região, empossada em 10/01/07.

      

15 comentários em “Quer tomar posse como Juiz do Trabalho?

    1. Oi Adriano! Por conta da nossa política de privacidade, não temos como abrir o contato de nenhum autor do Clube. Você já acessou a página do livro dela? Alguns autores deixam aberta a possibilidade de você entrar em contato diretamente por lá ;-)

  1. não poderia deixa de comentar também a doutora ÂNDREA CARLA ZANI exemplo seguido recompensa isonômica, prova que sonho não é só individual , também pode ser coletivo, congratulations

  2. A Renata é um exemplo para todos nós. Além de ser uma vitoriosa, é uma pessoa boníssima, que sempre está disposta a ajudar aqueles que correm atrás do mesmo sonho que ela já concretizou e nos mostrou ser possível.
    Beijos Rê. Parabéns!

  3. Parabéns a todos que realizaram o sonho da magistratura do trabalho. Aos que ainda estão na luta não desistam. Não existe uma fórmula, cada um escreve a sua própria história. Não se sintam velhos, a cada manhã podemos renascer e fortalecer nossas metas. Tb quero ser juíza, e já aos 38 tb me sintia velha. Ocorre que conheci uma candidata de 62 anos que já está passando em vários concursos na segunda e na terceira fase. Ela me deu uma força tremenda. Puxa como o ser humano é surpreendente. Senti vergonha de sentir vergonha de estar fazendo concurso, pois a nossa colega resplandencia juventude, força e garra de ser juíza no auge de seus 62 anos. A todos boa sorte! Paula Fortaleza/Ceará

  4. Ante a todos com perserverança, dedicação embora quase todos dizem sbre os atropelos da vida que as vezes nos leva a parar certo objetivo mas nunca desistiram do seonho assim como eu também.
    Sonho em ser juiza trabalhista pois me enconto como o trabalho que são feitos por este jurisdicionados da magistratura .
    Conheço o Honrado Juiz Homero Batista pois tenho veradeira admiração por ele vez que o conheço desde quando fazia estagio nas varas do Trabalho em 1990/1992.Sei que também foi trabalhodor nos balcoes da Secretaria e gostaria de saber onde posso ter aula com ele.
    Ademias, todos estes acima que demonstraram como chegaram a ser juízes com força e determinação eu também quero, pois lutei muito para estudar sendo uma pessoa que veio do vale do Jequitionha , e sendo meus pais lavradores nunca tive qualquer incentivo mas lutei e fiz uma faculdade ‘tirando leite de pedra"
    Tenho hoje 52 anos mas gostaria muito de preparara paa fazer um concurso relacionado a aérea do Trabalho será que tenho chances?
    Agurado respsosta quem poderá me ajudar nese sentido pois vou ser uma Juiza do Trabalhoainda se Deus quiser .Audem-me
    A todos as magistradas mediante esforço quero dizer sou mais uma em busca de ajuda bons cursos indicam-me por favor . Agora estou deerminada em realizar meu sonho e opoder cntribuir com nossso Pais.Urgente
    Parabéns a renata, andréa e todos brilhante.

  5. Cara Professora e Juíza Renata Miranda.
    Sou advogado, frustrado por ter perdido tempo. Comecei a estudar desde 1992, mas fiz várias interrupções por eventos da vida. Uma vez passei da primeira para a segunda fase em um dos concursos da 15ª; Tenho dois amigos que nunca desistiram e que hoje são juízes do trabalho aqui em Araraquara-SP. Bem, gosto de direito do trabalho e processo do trabalho e tenho facilidade com a matéria (exceto cálculos). Tenho inclusive dado aulas para concursos de técnico e analista e até fiz concursos para técnico e analista. Entretanto, tenho trauma com concursos. Sei que tenho conhecimento do assunto, mas acho que sou dispersivo nos estudos e na prova. Bem, outro problema, agora o tempo passou e estou com 57 anos e acho que é muito tarde. Gostaria de passar no concurso, mas não posso esperar mais 10 anos para lograr esse intento. Um abraço.

  6. Ricardo, esse blog não é da Paula, mas sim do Clube de Autores. Ela apenas fez um comentário nesse post há cerca de 5 meses, mas cremos ser bem difícil que ela veja o seu comentário.

  7. Dra. Renata, é um incentivo como esse que preciso.
    Também sou servidor na Vara do Trabalho.
    Gostaria de ser Juiz do Trabalho também.
    Sempre que começo estudar, aparece algo que me atrapalha.
    Fico feliz por você.

  8. A Prof. Renata Miranda é um exemplo a ser seguidos por todos nós, os concurseiros da Magistratura do Trabalho.
    Sou sua aluna e amiga nos grupos de discussão mencionados e mantidos por ela, faz mais ou menos 1 ano, e posso dizer que, o depoimento e a amizade ímpar desssa professora não deixou eu desistir dessa luta nos concursos públicos.
    Um beijo grande e sucesso!!!
    Fabi Pacheco
    Poa/RS

  9. ví o depoimento da doutora RENATA MIRANDA, e fiquei bastante eufórico,pois tenho 42 anos e estou no sexto periodo, e estava me sentindo um pouco atrasado para seguir carreira, mas depois desse depoimento renascí de esperança e vou continuar acelerando, OBRIGADO DOUTORA,pois eu tinha em mente que só começando muito cedo teria chance. meus parabéns

  10. A Juíza Renata Miranda é realmente um exemplo a ser seguido e uma pessoa maravilhosa. Sou testemunha de todo seu esforço no auxílio para que possamos passar em tal almejada profissão. Fiz o curso de sentença, um dos melhores que existe e graças a sua ajuda hoje sou Juíza no TRT da 15ª Região.
    Parabéns Renata e mais uma vez obrigada.
    Ândrea Carla Zani
    Ribeirão Preto/SP

  11. Conheci a Renata Miranda por meio da colega de concurso e hoje Juíza do Trabalho Andrea Carla Zani. Antes de ser ÓTIMA professora, a Rê é um ser humano ímpar, que nos ensina as disciplinas cobradas no concurso, sim, mas também nos dá força quando tudo parece tão difícil e o sonho parece estar tão distante.

    Mil beijos, vc é demais!!!

Deixe uma resposta para Adriano Cesar Vitor Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *